Posts Tagged ‘trabalhadores’

Durante os últimos anos, com o pretexto da denominada crise, as companhias aéreas que operam no Estado grego procederam a uma série de reduções salariais e demissões de seus trabalhadores. Estes são os que pagam o preço do antagonismo entre as empresas multinacionais que têm o controle quase absoluto deste setor. As condições laborais dos escravos assalariados que continuam a trabalhar nestas empresas são cada vez piores: mais horas de trabalho, cortes salariais, horas extras não pagas, intensificação do trabalho, ameaças de demissões, precariedade.

As companhias aéreas aplicam, o que se chama na linguagem do mercado capitalista, de “externalização dos processos empresariais”, tentando minimizar os custos. Alguns dos serviços que passaram para países em que os salários são ainda mais baixos e as condições laborais são ainda piores que as que estão em vigor no Estado grego. Desde já o dinheiro da rentabilidade é investido nas economias dos países do oeste e norte da Europa e, claro, nos da América do Norte.

Os lucros destas companhias são ainda maiores, visto que os aeroportos pertencem ao Capital privado, que neste caso o Capital pode impor as suas condições sem qualquer tipo de impedimento, e por isso ficar com os lucros da exploração dos aeroportos. No caso do Estado grego, há dois anos o governo esquerdista, continuando a política neoliberal dos seus antecessores, concedeu a exploração de quatorze aeroportos à empresa alemã Fraport. Além desdes aeroportos, o aeroporto de Atenas, o maior aeroporto do país, está adjudicado à empresa alemã Hotchief, que deve 600 milhões de euros ao Estado, por fraude no IVA [Imposto sobre Valor Agregado]. Read the rest of this entry »

Informação sobre as mobilizações recentes em Tessalônica contra a abertura dos comércios em domingos e dias festivosInformação sobre as mobilizações recentes em Tessalônica contra a abertura dos comércios em domingos e dias festivosInformação sobre as mobilizações recentes em Tessalônica contra a abertura dos comércios em domingos e dias festivos
Há quatro anos que o Capital está tratando de eliminar os horários de trabalho e o domingo como dia festivo. Seu fim é fazer-nos trabalhar como escravos 365 dias ao ano. Em 2013 foi aprovada uma lei que permitia o funcionamento das lojas sete domingos ao ano. Dos sete domingos ao ano, no verão de 2014 passamos à aplicação temporal da medida dos 52 domingos ao ano, e a finais de 2014 aos oito domingos ao ano. Em 2015 a lei anti-obreira se incluiu no terceiro referendo, deixando aberto o tema do funcionamento das lojas “mais domingos ao ano”. Em 2016 passamos aos dois domingos mais (além dos oito ao ano que previa a lei de 2014). Em 2017 chegamos aos 32 domingos ao ano.

Durante os últimos quatro anos há gente que luta com insistência contra esta ofensiva do Capital, de maneira auto-organizada, longe de partidos e de todo tipo de hierarquias e delegações. Apesar das sucessivas mobilizações realizadas durante estes anos por iniciativas e coletivos auto-organizados, a maioria dos trabalhadores no setor do comércio não está sindicalizada ou simplesmente alguns dos escravos assalariados são membros de algum sindicato vertical, havendo delegado a luta por seus direitos laborais a estes sindicatos vendidos à patronal, que não faz falta dizer que não fazem absolutamente nada para defender os direitos laborais de seu rebanho.

A insistência do Estado e do Capital de impor a abertura dos comércios aos domingos não tem fins comerciais. As vendas das lojas que permaneceram abertas aos domingo durante os últimos anos não aumentaram nada. Esta insistência tem motivos sociais e políticos. Os de cima querem vencer todas as resistências a seus planos de transformar a sociedade em uma massa de indivíduos dóceis e obedientes. Querem impor a escravidão e o totalitarismo. Seu fim é fazer-nos trabalhar todo o dia, dedicando nosso escasso tempo “livre” ao descanso para poder aguentar a intensificação do trabalho, ao consumo e em geral a todo tipo de atividade mercantilizada e controlada por eles. Read the rest of this entry »

Em pleno verão, a empresa Media Markt anunciou aos seus escravos assalariados as novas medidas trabalhistas que os impõem muito em breve. Aproveitando a legislação anti-obreira e a falta de qualquer tipo de organização ou reação dos obreiros, o empregador decidiu mudar os contratos de trabalho individuais, naturalmente agravando a situação dos trabalhadores ainda mais, contemplando a violação de suas vidas como se vissem um filme, permanecendo inertes, sem a menor vontade de organizar-se coletivamente, esperando pateticamente por sua morte lenta.

Dos chamados contratos a tempo integral, os novos contratos a tempo parcial serão obrigatórios. Seria dizer que a decisão foi tomada unilateralmente. De que outra forma poderia ser tomada? Todos que trabalhavam oito horas por dia, cinco dias por semana (e mais alguns sem cobrar…) trabalharão seis horas por dia, cinco dias por semana, com horário seguido, ou oito horas por dia, três dias por semana, com uma agenda dividida. Quando estas novas regras começarem a se aplicar, os salários dos trabalhadores serão reduzidos ainda mais. Em outras palavras, se eles até agora pagaram as migalhas do salário mínimo que lhes permitiu sobreviver sem dignidade, a partir de agora aqueles que assinam o novo contrato vão dar uma prorrogação à sua breve aniquilação. Se alguém não concordar em assinar o novo contrato, eles serão demitidos. Read the rest of this entry »

Texto da assembleia de trabalhadores e trabalhadoras no setor do comércio “Ortostatismo” (a ação de estar de pé), publicado em sua página web em razão das mobilizações recentes contra as tentativas da abolição do domingo como dia festivo, e da celebração das festas consumistas e antiobreiras chamadas “Noites Brancas”, com as quais se tenta abolir a jornada e os direitos laborais dos escravos assalariados neste setor.

Em 4, 11 e 18 de junho, a Coordenadora de ação contra a abolição do domingo como dia festivo e contra os horários liberalizados, vários sindicatos, assembleias, coletividades e companheiros e companheiras que apoiam suas ações, conseguiram bloquear na prática os planos da patronal e dos grupos multinacionais. Se em 4 de junho foi preciso realizar piquetes (bloqueios) combativos no centro de Atenas para impedir que os diretores e os executivos da Inditex abrissem as lojas desta empresa, em 11 e 18 de junho o anúncio de nossas mobilizações dominicais, e nossas intervenções nos locais de trabalho obrigaram a patronal a retroceder, anunciando no último momento a nossos companheiros e companheiras de trabalho que as lojas iriam permanecer fechadas.

Durante todo este período nas lojas do grupo Inditex no centro de Atenas, nossos companheiros de trabalho experimentam uma chantagem, já que a patronal anuncia de repente e no último momento que se abrirá as lojas no domingo, mantendo nossos companheiros de trabalho em um estado de cativeiro. Read the rest of this entry »

Texto publicado na página web classwardogz.files.wordpress.com.

Marina não quer trabalhar nos domingos. Prefere descansar (o que possa) ou dar algum passeio com o pequeno. De qualquer forma, é impossível trabalhar sete dias na semana. Tampouco o patrão de Marina quer “trabalhar” (no domingo). Ou antes, não quer abrir seu negócio no domingo. Não quer que nenhum negócio abra no domingo. É que sabe que sairá perdendo, se competir com as lojas de departamentos.

Durante as últimas semanas Marina está farta de ouvir que “todos juntos temos que lutar contra os grandes negócios e contra o governo que os apoia”. E que em última instância todos temos o mesmo objetivo e os mesmos interesses. E depois das palavras doces, vem a ameaça: “Se não abro o negócio nos domingos, vou perder dinheiro e me verei forçado a cortar os salários”.

Um dia Marina não se pode conter mais: “Trabalho de dez a doze horas diárias e me pagas por seis. Me deves os salários dos três últimos meses e me pagas quando te dá vontade, como se o salário fosse uma gorjeta. Não me pagas as horas extras, me obrigas a trabalhar quando tenho dia livre, não pagas minha seguridade social. De que interesses comuns me estás falando?” Read the rest of this entry »

Na quarta-feira, 31 de maio de 2017 os trabalhadores no grupo midiático Real Group realizaram uma concentração fora dos escritórios do grupo. Este grupo midiático tem várias mídias desinformativas como periódicos, revistas e emissoras de rádio. O dono do grupo é Nikos Jatzinikolau, jornalista e presidente da Associação de Proprietários de Jornais de Atenas. Dito sujeito é sócio de Andreas Kurís, dono de canais televisivos, páginas web, emissoras de rádio, jornais e revistas. Este último é bem conhecido por ficar anos sem pagar os trabalhadores em suas empresas.

Os trabalhadores no grupo midiático Real Group estão protestando pelos cortes salariais impostos pela patronal do grupo, pelas condições de trabalho exaustivas, assim como por não pagar seu salário, ao mesmo tempo que a patronal do grupo lançou no mercado um novo jornal. Ante a ameaça de uma greve, a patronal do Real Group se valeu de uma chusma de jornalistas-esbirros, membros do sindicato amarelo dos jornalistas, que cobram uns salários bastante gordos por seus serviços, e durante as últimas semanas estão tratando de convencer os escravos assalariados de que tenham paciência e não reajam. Ao mesmo tempo, a patronal do grupo recorreu à bem conhecida tática de prometer a chegada de um messias investidor, que supostamente comprará o grupo inteiro ou em parte e resolverá todos os problemas dos trabalhadores…

O dono deste grupo midiático é por sua vez apresentador do tele diário do canal televisivo Ant1 (pertencente a outro grupo, no entanto, é bem conhecida a inter-relação entre os patrões). “Repreende” os outros “patrões maus” por serem inadimplentes, mas não diz nem uma só palavra sobre a situação em seu grupo. Quando os ouvintes de sua emissora de rádio fazem perguntas sobre este tema, responde de maneira genérica, falando de “tentativas de difamação” por parte de seus competidores… Na Internet simplesmente bloqueia os que o perguntam sobre este tema. Read the rest of this entry »

Re-editamos o comunicado da União Sindical Libertária de Atenas sobre a luta dos trabalhadores do jornal AGR-Clarín (Argentina).

A União Sindical Libertária de Atenas saúda a luta dos trabalhadores da gráfica do jornal AGR-Clarín da Argentina, que está há muito tempo lutando (com ocupação de seu local de trabalho), pedindo a revogação das despedidas ocorridas.

Denunciamos a estratégia reacionária da patronal que imprime a revista dominical no Chile para esmagar a luta obreira. A comissão interna dos trabalhadores da AGR-Clarín enviou uma carta para as centrais sindicais do Chile e aos sindicatos dos gráficos e caminhoneiros deste país pedindo solidariedade e que não imprimam ou transportem nada para este jornal.

A luta dos trabalhadores gráficos do Clarín é parte da luta geral de todo o movimento trabalhador argentino contra as medida de ajuste econômico do governo Macri e dos ataques do empresariado argentino aos direitos dos trabalhadores. O próprio governo Macri ataca as conquistas obreiras e pretende retirar direitos e liberdades conquistadas com lutas. Uma amostra a mais da agressividade do governo está na intenção de oprimir e dissolver o hotel autogerido Bauen, de Buenos Aires. Read the rest of this entry »

Texto publicado no site www.attack.org.gr.

Teleperformance é uma multinacional francesa, gigante no setor de atenção ao cliente em todo o mundo. A empresa tem uma filial na Grécia, que recruta trabalhadores francófonos do Magreb, que trabalham em condições extremamente precárias: falsas promessas de contratos longos, salários baixos e a não concessão de vistos. Um trabalhador da Teleperfomance Hellas que foi da Tunísia para a Grécia para trabalhar nessa empresa, descreve sua experiência.

Trabalho há 10 meses na Teleperformance Hellas. Aqui trabalham 300 argelinos, marroquinos e tunisianos. Chegamos à Grécia com visto de entrada de tipo “d”, de três meses de duração. Antes de chegar na Grécia, na fase das entrevistas, nos enviaram contratos de pelo menos um ano de duração, e nos entregariam uma “etiqueta” (visto de dois anos de duração no espaço Schengen) antes do vencimento do visto de entrada.

No entanto, ao chegar nos obrigaram a alterar a duração do contrato, de um ano para três meses. Alguns, que vieram com um contrato de um ano, foram deportados uma vez concluído o prazo de três meses. A outros lhes foram renovados os contratos a cada três meses. Eu mesmo tenho todas as cópias desses contratos (de um ano e três meses) que comprovam isso. Também ninguém tem ainda a etiqueta de autorização de residência. Não temos direito de viajar e voltar ao nosso país nas férias. Somos obrigados a passar pela Turquia, onde o visto de entrada é muito caro e, ao regressar, se não temos um visto válido, temos problemas com a Polícia de Imigração e Fronteiras. Read the rest of this entry »

Jalandri, Atenas: A patronal do bar B. Bluz demitiu os trabalhadores por participar na Greve GeralJalandri, Atenas: A patronal do bar B. Bluz demitiu os trabalhadores por participar na Greve GeralJalandri, Atenas: A patronal do bar B. Bluz demitiu os trabalhadores por participar na Greve Geral
Faz uns dias a patronal do bar B Bluz, situado no bairro de Jalandri, Atenas, despediu a dois trabalhadores por haver participado da Greve Geral de 7 e 8 de maio (os dias de votação no Parlamento da nova lei anti-trabalhador), e por haver-se oposto a violação de seus direitos trabalhistas. Em concreto, os dois trabalhadores despedidos exigiram o pagamento extra de Páscoa e resistiram a tentativa dos patrões do negócio de impor o trabalho sem a segurança-social.

Na sexta-feira, 27 de maio, o sindicato de garçons e cozinheiros realizou uma concentração de protesto diante do bar. Os membros do sindicato exigiram aos patrões que tinham que pagar o quanto antes o dinheiro que lhes deve, e que tinham que recontratar ao trabalhador despedido.

A ação foi muito massiva. Participaram uns 150 membros do sindicato e solidários. Alguns dos lemas gritados durante a concentração foram os seguintes: “Os patrões dizem que nos despede por dar-lhes vontade, terrorismo é a escravidão assalariada”, “Horários flexíveis e trabalhos sem segurança social, isto é terrorismo”, “E sabemos de sobra: Atrás dos memorandos estão os patrões”. Depois da ação aconteceu uma marcha pelas ruas do bairro, sobretudo pelas ruas mais comerciais. Durante a ação muitos panfletos foram distribuídos e outros tantos espalhados. Read the rest of this entry »

Comunicado de várias coletividades, em solidariedade com o projeto de autogestão de uma fábrica de madeira ocupada e recuperada “Los Rubén de la Madera”.

Um sussurro percorre o planeta. Um sussurro que diz que outro modo de trabalho é possível: Trabalho sem patrões. Tão fácil, tão simples. Nos tempos em que estamos vivendo nossa resistência não pode limitar-se a um “não” e a denúncia das políticas cruéis que destroem nossa vida. Junto a este “não” sonoro, devemos e podemos criar as condições que nos permitam não esperar ter apenas simplesmente um futuro melhor, senão uma vida com dignidade no presente.

A criação destas condições, ou seja das condições de uma vida sem miséria, sem a depressão do desemprego e sem resignação, procedeu faz três meses, “Los Rubén de la Madera”. Eram trabalhadores em uma fábrica de madeira da província de Imathia, a qual ia bem até 2009. Nos anos da crise viram sua vida destruindo-se. Estão a cinco anos sem receber seus salários, e iniciaram uma luta reclamando o óbvio: Trabalhar para viver. Nem os patrões, nem o Sistema, nem algum governo puderam ou quiseram oferecer-lhes esta coisa óbvia. Read the rest of this entry »

Arquivo