Posts Tagged ‘textos de opinião ou crítica’

Texto publicado em Atenas Indymedia.

Assim como as ovelhas domesticadas não propõem o tema da abolição do pastor, as populações civilizadas não propõem o tema da abolição de seus amos. Em 1936-1939 a luta civil armada na Catalunha se degenerou, acabando por ser uma resistência contra o fascismo, atuando em comum com a reação pequeno burguesa, autoritária e democrática. Na atualidade, o nacionalismo pequeno burguês catalão está lutando pacificamente pela independência desta região da Espanha e pela fundação de um Estado catalão independente e democrático. No entanto, quem busca a paz social, busca a continuação de seu estado humilhante de estar sob o Poder da Democracia, do Estado e do capitalismo. Isto constitui uma arma política alternativa, utilizada pelo Poder para enganar.

Ante as urnas os policiais do governo central da Espanha democrática se cruzam com os votantes. Frente aos policiais armados até os dentes os votantes se rendem com as mãos ao alto. Ainda que os votantes são muitos mais que os policiais, parecem ser totalmente incapazes de resistir de alguma maneira. A organização de uma guarda civil lhes é totalmente desconhecida. Estão olhando como se fossem vigilantes as surras sem fim que recebem seus próximos, esperando pateticamente seu turno. Se limitam a imortalizar esta situação lúgubre em fotos e vídeos, à maneira de uns mártires cristãos modernos. De todas as formas, estão acostumados a esperar (estar passivos) e a usar os meios sociais digitais para defender sua dignidade perdida. Dentro de seu cérebro e sua alma tem bem guardado um fim sagrado: a criação de um novo Estado nacional. Read the rest of this entry »

O seguinte texto foi publicado faz uns dias no Atenas Indymedia, por causa da chegada dos esbirros da empresa mineradora Eldorado Gold a Atenas com a finalidade de “protestar” pelo atraso nas obras de extração de ouro no noroeste de Calcídica. Não é a primeira vez que a empresa usa estes “mineiros” como trabalhadores desesperados em suas negociações com o governo. Além das questões abordadas no texto, para nós surgem outros dois temas: A falta (esta vez) de uma resposta adequada aos lacaios do Capital, a nível teórico e sobretudo na rua, e o estudo do fenômeno dos antropoides lobotomizados, dispostos a serem manipulados pelo Capital, e a destruir totalmente o meio ambiente em que vivem pelo lucro de seus amos e pelas migalhas que estes lhes vão jogar.

Hoje a empresa fecha sua fábrica em Skuriés. O exército da empresa desce a Atenas. Pedem que lhes concedam de imediato uma licença pela quarta vez. A discrepância principal entre os dois partidos e Eldorado Gold é a concessão ou não de uma licença de funcionamento de uma fábrica à empresa mineradora.

Mas recorremos à lógica. Imagino que (o canal televisivo) Sky não mostra as árvores cortadas. Em vez disso mostra imagens de seu arquivo de um ou dois anos. Um exemplo é esta turbina vermelha da fossa de resíduos que nos mostram até hoje em todas as fotos. Faz tempo que as fossas são duas. Também, ninguém diz que durante todo o verão a empresa esteve fazendo perfurações em Tsikara e em outros lugares. Temporariamente estas obras foram impedidas pelos poucos que seguem lutando até hoje, seja com concentrações de protesto nos locais em que se realizam estas perfurações, ou com a celebração durante dez dias de eventos antimineração na montanha, durante os quais algumas obras se suspenderam só por celebrar-se perto delas estes eventos. Read the rest of this entry »

A situação dos trabalhadores no setor do turismo na ilha de Corfu é algo para lá de lamentável. O exemplo desta ilha, não é único no país. Semelhante, ou até pior, é a situação em outros lugares na Grécia que, há umas décadas, os seus habitantes converteram-se em vassalos modernos, abandonando a terra e se dedicando quase totalmente ao turismo. É igualmente preocupante a situação ecológica na ilha. As consequências causadas ao meio ambiente devido ao modelo turístico são desastrosas, e tem prevalecido na ilha há mais de meio século, além de que não são reversíveis. Apresentamos a seguir umas reflexões, feitas por motivo de uma suposta “manifestação” recentemente realizada por escravos assalariados na indústria turística da ilha.

Corfu é uma ilha, que antes de aparecer o turismo os seus habitantes eram autossustentáveis na maioria dos alimentos que consumiam. A partir dos anos 70 as pessoas começaram a abandonar a agricultura, a criação de gado e a pesca para poderem trabalhar no setor do turismo. O fenômeno se generalizou nos anos 80 e 90, quando a ilha se encheu de hotéis, pousadas e negócios turísticos de todo tipo. As oliveiras, os vinhedos e os demais cultivos foram abandonados. As pessoas foram perdendo o contato com a terra. E uma boa parte da população sofreu uma alteração mental, adaptando-se às invenções pequeno-burguesas e pensando que podiam lucrar ou pelo menos viver bem, sem se esforçar muito. E claro, enganaram-se. Read the rest of this entry »

Texto publicado na página web apenantioxthi.com (a margem do outro lado) por causa dos incêndios recentes que arrasaram milhares de hectares de bosques em Ática (província de Atenas), na ilha de Zante e em vários lugares do território do Estado grego.

A imagem de um bosque ardendo dá calafrio, descontentamento, raiva. As causas de um incêndio, desde logo aparte das causas naturais, são conhecidas. Muitas vezes um bosque se converte em cinza por causa dos planos que tem o próprio Estado com o fim de satisfazer a necessidade de construção de estradas e de infraestruturas. O objetivo último é o grande lucro entre funcionários de alto escalão, dignatários políticos e acionistas de empresas construtoras.

Um incêndio pode ser provocado por alguma “pessoa sem consciência”, como se ouve a miúdo nos noticiários. Segundo eles, esta pessoa quis queimar o mato seco acumulado no pátio de sua casa, ou atirou uma ponta de cigarro pela janela de seu carro. Read the rest of this entry »

Segue o comunicado da coletividade anarquista “Ciclo do Fogo” sobre as mobilizações contra a cúpula do G20 em Hamburgo.

A cúpula do G20 na cidade alemã de Hamburgo se converteu em um evento mundial para as resistências dos de baixo, graças à presença combativa de milhares de manifestantes nas ruas da cidade. A seleção de uma cidade grande da Alemanha para esta cúpula constituiu desde o princípio uma tentativa dos soberanos de ostentar seu Poder. Segundo a chanceler da Alemanha: “Não podemos dizer que haja lugares nos quais não se possa celebrar este evento”. Os responsáveis da indigência e da opressão de milhões de pessoas se reuniram próximo de um bairro de simbolismos históricos de luta, e muito próximo da okupa Rote Flora, por um lado para ratificar sua ofensiva e elaborar planos para continuá-la, e por outro lado para declarar que ganharam a guerra contra os plebeus. Escolhendo este lugar para sua reunião e expressando sua vontade de celebrá-la sem estorvos, dentro do possível, pretenderam apresentar a resistência como um assunto marginal e sem nenhuma importância política.

Foram desmentidos da pior maneira, já que o fato político mais importante (central) dos últimos dias não foram as reuniões e os banquetes luxuosos da elite política mundial, celebrados sob a custódia de um exército repressivo de 20.000 policiais. (O fato político mais importante) foram os enfrentamentos, as barricadas e as manifestações, demostrando que a ditadura estatal e capitalista reina, não governa, e que a vontade dos soberanos do mundo se impõe por poderem exercer a violência com seus exércitos. Os disparos ao ar, os ataques selvagens contra os manifestantes que resistem, as detenções e os manifestantes lesionados, nos exasperam e por sua vez constituem uma derrota política grande para os soberanos do mundo, já que estropiaram a falsa imagem do consentimento a sua vontade, e ridiculizaram sua cara democrática. Read the rest of this entry »

Texto de várias frações estudantis sobre uma agressão realizada por um grupo de pessoas no dia das eleições estudantis em duas faculdades da Universidade de Atenas, onde queimaram as urnas e agrediram várias pessoas. O texto foi publicado no site da Fração Libertária de Estudantes da Faculdade de Informática “ClassRom”.

Na quarta-feira, 24 de maio de 2017, durante as eleições estudantis, um grupo de poucas pessoas realizou uma agressão na Escola Pedagógica e contra uma das faculdades da Escola Politécnica Superior, com a finalidade de queimar urnas e parar o processo eleitoral. Durante essa agressão (os agressores) não duvidaram em usar machados e proferir uma gama de ameaças sexistas e disparates, enquanto exercia a violência física, cujo ápice foi um golpe recebido por um funcionário da Universidade de Atenas e também vários estudantes. A agressão foi terminada com um ataque a okupa do centro mecanizado, assim como a destruição e roubo de objetos pessoais de várias pessoas.

Essas práticas são regidas pelo fetichismo da violência, já que algumas pessoas que não participam na vida e nas intervenções organizadas nas universidades, concebem a violência como o único recurso (meio) para a resolução de questões políticas como a delegação e a representação. Essa agressão alavanca a cultura do totalitarismo e a cultura machista, e não tem nenhuma relação com as práticas usadas por um movimento libertador contra as violências do Estado e do Capital. As ações isoladas, realizadas nos termos do espetáculo, não contribuem para a mudança das consciências na direção horizontal e da luta, mas reforçam ao Estado e seus aparatos, assim reproduzindo a retórica da “violência e ilegalidade” dentro das universidades. Read the rest of this entry »

O texto a seguir pertence à Iniciativa Anarcossindicalista Rocinante e foi publicado na sua página web, sobre o motivo de uma alegada agressão por parte de um grupo no dia das eleições estudantis na Universidade de Atenas.

Na quarta-feira, 24 de maio de 2017, desde a manhã até o fim da tarde, realizaram-se as eleições estudantis na maior parte das universidades do país. Nos dias anteriores realizaram-se intervenções e mobilizações, e repartiu-se material contra as eleições, no âmbito de uma campanha anti-eleitoral realizada por grupos e coletivos libertários.

Num evidente contraste com esta posição política, na quarta-feira 24 de maio realizaram-se ataques em várias universidades. Foi, particularmente, chamativa a brutalidade de um grupo de pessoas que tratou de se aproximar à Faculdade de Química durante o processo eleitoral. Com latas de fumaça, paus e, até com um machado! Os membros das associações estudantis, responsáveis da proteção das eleições, foram os que no começo repeliram os agressores e depois mais tarde a Polícia, usando gás lacrimogêneo e bloqueando a Faculdade durante muito tempo. Read the rest of this entry »

Texto publicado na página web http://vforvolos.espivblogs.net.

Páscoa se chama o período na primavera em que as escolas e as universidades estão fechadas. A semana santa é a semana na qual o mercado e as pessoas estão se preparando para o domingo. Como dizem, é o domingo de ressurreição. A semana seguinte é um curto período de digestão.

Para mim, no entanto, a Páscoa é alguma coisa muito concreta que na época da lavagem cerebral não podia determinar.

1. A propaganda pascoal começa no outono nas escolas primárias e nas creches. Cada dois por três a vida do pequeno Cristo vem esmagar a percepção e imaginação infantis sobre o mundo. O pequeno Cristo é o bom e os judeus são os maus. Desta maneira o antissemitismo se mete nas cabeças das crianças de quatro ou cinco anos. Isto, sem dúvida, depende do docente. No entanto, eu pertenço à categoria das crianças as quais se ensinou o antissemitismo. Como menina me desgostava a discriminação entre os cânticos: O cântico de Lázaro é cantado só pelas meninas e o “Hoje o céu está escuro” só pelos meninos. Por isso, nossa professora nos ensinou a todos os alunos os estribilhos de ambos hits pascoais. Já não fazia falta algo mais: O antissemitismo estava consolidado em nossos cérebros infantis antes de que nos inteirássemos disso. Read the rest of this entry »

Na “quarta-feira santa”, 12 de abril de 2017, o coletivo político de Ioánnina Sempreviva, espalhou pelas ruas da cidade um cartaz, cujo o conteúdo reproduzimos neste post.

A máfia eclesiástica (religiosa) sagrada da Grécia

Queridas irmãs submetidas a Cristo:

A diocese de Ioánnina lhes agradece de coração por levar 2.000 anos enchendo os cofres da Igreja S.A., deixando as suas doações ao comprar pedacinhos de chinelos de santos, reservas inesgotáveis de madeira da cruz da crucificação de Cristo, rosários, terços e água benta da torneira.

O vosso dinheiro e as vossas jóias serão investidos de uma maneira correta: Carros de luxo, iates, helicópteros, lagos (por exemplo, Bistónide), campos de golf (por exemplo, mosteiro de Toplé), parcelas, lotes de terra de cultivo, apartamentos, ações de bancos e empresas offshore (em paraísos fiscais), etc.

O nosso marketing completa-se com ações de promoção bem pensadas (por exemplo, comida, obras de caridade, jantares de gala), usando para estes fins tão só uma pequena parte do lucro sagrado.

Sabemos muito bem que tens medo da morte. Tirando partido deste medo continuaremos celebrando cerimônias de bendição de todo o tipo, assim como confissões, naturalmente a qualquer preço. Read the rest of this entry »

Com o pretexto da (e como consequência de) chamada crise, o Capital transnacional pretende meter a mão em todos os recursos naturais do território do Estado grego. Em várias ilhas, assim como na península, está ocorrendo uma série de privatizações: Praias, bosques, parques naturais e imobiliários, foram e serão concedidos aos depredadores estrangeiros e locais. Centenas de milhares de terra serão cimentadas graças ao desenvolvimento, para que os de cima possam ter hotéis de luxo e praias, ou áreas privadas para passar suas férias ou sua vida nestes guetos de luxo. Quando tiver terminado este processo desastroso, a imagem do país será totalmente diferente da atual. O meio ambiente estará totalmente destruído e seus habitantes terão emigrado, estarão p assando fome ou serão os serventes destes “turistas” e dos patrões locais, recebendo o suficiente para poder sobreviver e servir a seus amos. A situação sombria, atual e futura, dos de baixo pouco preocupa aos de cima. Não obstante, parece, tampouco preocupa à maioria dos de baixo, que pensam que os recursos naturais são inesgotáveis e o desenvolvimento capitalista (ou socialista, dá no mesmo) é algo positivo, por antonomásia ou por lhes permitir (de momento) comer as migalhas que sobram das comilanças dos de cima. Isto é suficiente para muita gente que não tem expectativas nem sonha, ou luta por algo diferente do que conhece.

Para nós não há nenhum dilema entre vender caro e malversar os ecossistemas de qualquer rincão do planeta. Este é o dilema que tem os pequenos burgueses lobotomizados que interiorizaram a propaganda do capitalismo. Nós não acreditamos no lucro e no antagonismo. Acreditamos em uma sociedade cujo funcionamento será regido pelos valores da igualdade, da solidariedade e pelo ideal coletivo. Read the rest of this entry »

Arquivo