Posts Tagged ‘syntagma’

__________tkrgmg90565g-a490565g-a5astinomikosastinomikos2rouxa_mpatsou
No sábado, 7 de abril, à tarde, foi realizado o funeral de Dimitris Jrístulas, que havia se suicidado três dias antes na praça principal de Atenas, Sintagma, em frente ao Parlamento, conferindo com a escolha deste lugar e uma nota deixada por ele a natureza política de sua ação. Mais de 1.000 pessoas se despediriam de Dimitris em sua última viagem. Os participantes transformaram o funeral em uma manifestação política. Entre os slogans gritados ou escritos em faixas destacamos uma frase de George Orwell: “O mais importante não é manter-se vivo, mas manter-se humano” (foto).

Na manhã do mesmo dia houve uma passeata por quase todo o centro de Atenas. Quando a passeata estava chegando à praça Syntagma, um policial à paisana que tinha se infiltrado no ato foi descoberto pelos manifestantes, que o perseguiram e quando o alcançaram lhes deram uns sopapos e tiraram a sua jaqueta. Então eles viram que por debaixo o traste vestia o uniforme da polícia. Os manifestantes, então, tiraram o uniforme dele e penduraram em uma árvore, perto do local do suicídio público em 4 de março (foto). Outros vestuários do militar e seus acessórios foram queimados (foto).

O policial à paisana, um dos muitos rufiões do Regime, foi vaiado e recebeu uns tapas e socos, antes de empregar uma fuga com outros pretorianos (fotos). Lembramos que o chamado Ministro de Proteção do Cidadão (ou melhor, do Sistema) havia dito: “A instituição da polícia secreta nas manifestações já não existe mais. Se você encontrar tais policiais, tire-os com uma pinça”. Ao parecer, os manifestantes atenderam ao ministro, mas apenas em parte. Desta vez, eles apenas penduraram o uniforme deste pretoriano… Read the rest of this entry »

Em 4 de abril, à tarde, cerca de 5.000 manifestantes de todas as idades se reuniram na praça principal de Atenas, Sintagma, protestando contra toda a barbárie que levou uma pessoa ao suicídio, na manhã do mesmo dia, e que está conduzindo a maior parte da sociedade a miséria e ao desespero.

As pessoas estiveram gritando slogans contra a Polícia, o sistema político e os jornalistas. Alguns deles: “Pão, Educação, Liberdade, a Ditadura não acabou em 1973”, “Canalhas, rufiões, jornalistas”, “A solidariedade é a arma dos povos, violência à violência da patronal”, “O sangue flui buscando vingança”. No protesto participaram vários manifestantes motociclistas, que chegaram motorizados em marcha até a praça, e muitas pessoas mais velhas.

A Polícia foi forçada a retirar das guaritas os seus soldados da guarda do Parlamento. Um manifestante leu em voz alta o bilhete que deixou o aposentado que tirou sua vida em frente do Parlamento, algumas horas atrás. Read the rest of this entry »

Um aposentado de 77 anos suicidou-se nesta manhã na praça principal de Atenas, Sintagma (Constituição), em frente ao Parlamento. Foi um dos muitos suicídios realizados durante os últimos anos na Grécia. Talvez a palavra suicídio esteja colocada errada. Na realidade se trata de um assassinato. As condições desumanas de insegurança, precariedade, miséria e raiva que geraram o Sistema, conduzem ao desespero e à morte.

A Grécia é um dos primeiros países na Europa em número de suicídios por habitantes, apesar de alguns anos atrás ter sido um dos países com menor número de suicídios na Europa. Segundo dados oficiais, há um aumento de 40% entre janeiro e maio deste ano em relação ao mesmo período de 2010. Os suicídios dobraram desde que começou a chamada crise, há aproximadamente dois anos. E vão crescendo dia a dia. Somente hoje, 4 de abril, uma outra pessoa cometeu suicídio em Creta, enquanto outra pessoa tentou o suicídio na ilha de Quios.

O aposentado enfrentava enormes problemas econômicos que o levaram ao desespero. Às 9 horas da manhã ele deu um tiro com uma arma em si mesmo, escolhendo acabar com a sua vida em um local simbólico. No bilhete que ele deixou (primeira foto) diz: Read the rest of this entry »

Por mais de um mês, os ativistas sociais que foram presos na manifestação do dia 12 de fevereiro estão presos em condições precárias nas masmorras da Direção Geral da Polícia, sem ter visto a luz do dia (já que nos centros detenção não está previsto que prisioneiros saiam ao ar livre), em condições miseráveis de nutrição, higiene e de vida em geral. Desde 20 de março permanecem detidos nos calabouços da sede da polícia em Atenas, por não haver prisão para recebê-los, devido à falta de espaço nas prisões e à greve do sistema “penitenciário”!

A manifestação do dia 12 de fevereiro, dia da votação do contrato do novo empréstimo, foi uma das manifestações mais massivas e combativas dos últimos anos, frente à brutal ofensiva antissocial e antitrabalhista do Estado e patronal. Centenas de milhares de pessoas se reuniram em Atenas, na Praça Syntagma (Constituição), em frente ao Parlamento, indicando os responsáveis pelo saque de suas vidas, aos que conduzem porções cada vez maiores da sociedade ao desemprego, à pobreza, à miséria e à indignação. Read the rest of this entry »

Os meios de comunicação internacionais têm falado sobre a noite passada na Grécia. Falam sobre fogo, de caos, de violência…

Falam sobre as 100.000 pessoas reunidas em Syntagma, mas não das 200.000 que realmente havia, nem das 300.000 que não puderam chegar à praça, porque as ruas e metrôs foram bloqueados pela polícia.Não falam sobre como a polícia provocou o início dos distúrbios às 17 horas, atirando bombas de gás lacrimogêneo indiscriminadamente por toda a Praça Syntagma, dispersando os manifestantes por todo o centro de Atenas, para que não incomodassem em frente ao Parlamento.

A mídia tem falado em destruição indiscriminada, espalharam o rumor de que a Biblioteca Nacional de Atenas ardia em chamas. Falso.Foram queimados bancos, cafés e lojas, franquias de indústrias multimilionárias que levaram a Grécia a esta situação; a mídia fala de jovens anti-sistema, mas não falam sobre mulheres e homens idosos com máscaras anti-gás mostrando seu apoio durante horas batendo ritmicamente nas portas dos bancos e das multinacionais com as mãos e pés, assobiando e gritando em apoio às primeiras linhas que resistiam aos ataques dos anti-distúrbios nas ruas cheias de gases lacrimogêneos e foguetes, aplaudindo ao ver as chamas no Alpha Bank e Eurobank. Read the rest of this entry »

Greece Financial CrisisGreece Financial CrisisGreece Financial CrisisGreece Financial CrisisNo 577104Thousands of people take part in an anti-austerity demonstration in AthensA protester sprays riot police with a fire extinguisher during violent anti-austerity protests in AthensÅÐÅÉÓÏÄÉÁ ÓÔÏ ÓÕËËÁËÇÔÇÑÉÏ ÔÇÓ ÃÓÅÅ ÊÁÉ ÔÇÓ ÁÄÅÄÕ ÓÔÏ ÓÕÍÔÁÃÌÁ ÊÁÔÁ ÔÏÕ ÍÅÏÕ ÌÍÇÌÏÍÉÏÕ (EUROKINISSI / ÌÐÏËÁÑÇ ÔÁÔÉÁÍÁ)A petrol bomb explodes near riot police during a huge anti-austerity demonstration in Athens4444443oatenas
Atenas, defendendo a dignidade

Desde as 16h30 as pessoas começaram a chegar a Praça Syntagma, para a manifestação das 17h. Aos poucos, as pessoas de todos os bairros de Atenas, bem como membros das assembléias de bairros e coletivos foram chegando ao centro, marchando ou caminhando. O Regime tinha fechado todas as estações do centro. Isso não impediu que mais de 500.000 pessoas permanecessem durante toda a tarde e à noite protestando contra a barbárie que nos tem reservada a Soberania se não resistirmos a seus planos.

É uma das poucas vezes que o número de participantes numa manifestação é extremamente difícil de calcular. O povo ateniense entupiu todo o centro de uma cidade de aproximadamente 5 milhões de pessoas. As praças de Syntagma, Omonia e Monastiraki, assim como todas as ruas do centro de Atenas foram palco de uma e ao mesmo tempo de muitas manifestações, de numerosas frentes e pontos de enfrentamentos contra as hediondas tropas de choque. Foi tanta a quantidade de pessoas que tomaram as ruas de Atenas, foi tanta raiva contra o Regime e contra tudo o que estão nos impondo, que por pouco não se esgotaram os gases lacrimogêneos e os perigosos produtos químicos utilizados pela Polícia em cada manifestação. A Polícia usou balas de borracha contra os manifestantes, especialmente contra os anarquistas ocupantes da Faculdade de Direito. Note-se que de acordo com várias testemunhas, entre os policiais gregos havia vários reforços dos regimes totalitários da União Européia. Read the rest of this entry »

368983_Screen Shot 2012-02-10 at 9.55.18 PMdp101864.sJPG_900_540_0_95_1_50_50.sJPGGeneral Strike Leads To More Clashes in Athens-dp101882.sJPG_900_540_0_95_1_50_50.sJPG-A riot policeman kicks a protester during clashes in AthensAPTOPIX Greece Financial Crisisimg_3637__2_s814nuScreen Shot 2012-02-10 at 9.32.28 PMScreen Shot 2012-02-10 at 9.32.35 PMScreen Shot 2012-02-10 at 9.32.46 PMScreen Shot 2012-02-10 at 9.33.03 PMScreen Shot 2012-02-10 at 9.32.56 PMScreen Shot 2012-02-10 at 9.32.46 PMA riot policeman kicks a protester during clashes in Athens
Atenas: A participação na manifestação do primeiro dia da greve de 48 horas foi inferior à esperada. A manifestação de mais de 10.000 pessoas começou um pouco depois do meio-dia com conflitos na praça principal de Atenas, Sintagma, entre manifestantes de um lado e numerosos agentes das forças repressivas e policiais secretos e fascistas do outro. Um manifestante ficou gravemente ferido e 7 foram presos, apesar de que houve cerca de 15 prisões preventivas.

Nas ruas circundantes agentes da equipe motorizada da Polícia grega investiram contra manifestantes batendo em muitos deles. Os enfrentamentos nas ruas do centro duraram várias horas. Os agentes da chamada tropa de choque atacaram e bateram a sangue frio num manifestante, jogaram-no ao chão, e em seguida ficaram um bom tempo dando chutes e depois lançaram granadas de ruído enquanto ele estava caído e sangrando no chão (foto).

Pode ser que a manifestação não teve as características quantitativas esperadas, mas as características qualitativas do protesto foram muito significantes. A fúria e a insistência dos manifestantes durante os confrontos eram grandes. As pessoas não retrocediam diante das investidas da Polícia, apesar do uso excessivo de gás lacrimogêneo e produtos químicos por parte dela. Em várias ocasiões grupos de pessoas resgataram os manifestantes detidos pela Polícia ou outros prestes a ser presos, evitando a sua detenção. É interessante assinalar a surra que vários manifestantes deram em um grupo de fascistas que apareceram para acompanhar seus irmãos de farda. Read the rest of this entry »

Nesta quinta-feira, 15 de dezembro, foi realizada a primeira manifestação de desempregados na história de um país que já conta com mais de um milhão de desempregados. Mais de 1.000 pessoas se reuniram na praça principal de Syntagma (Constituição), e em seguida marcharam pelo centro da cidade, distribuindo folhetos e rompendo por quase uma hora a normalidade consumista, já tão pertubada por causa da situação económica e social. A marcha passou pelas duas sedes do Ministério do Emprego e acabou nos Propileos da antiga Universidade de Atenas, entre a praça principal de Syntagma e a praça de Omonia (Concórdia), onde a marcha já tinha passado.

Alguns dos lemas gritados no protesto:

Terrorismo é procurar por trabalho, nenhuma paz com a patronal;

Sindicalismo classista, nem estatal nem partidário;

Vitória para os trabalhadores da “Siderurgia Grega”, o inimigo está nos bancos e nos ministérios; Read the rest of this entry »

Outra vez os membros do chamado Partido “Comunista” jogaram o papel da Guarda Civil do Regime. Desta vez eles tentaram bloquear milhares de manifestantes, que pelo segundo dia consecutivo tomaram as ruas do centro de Atenas, em oposição à política do totalitarismo que está tirando nossas vidas. Desde a manhã os brucutus do dito partido se

20 de outubro: Mais uma vez o chamado Partido “Comunista” faz o papel da Guarda Civil do Regime, reprimindo a manifestação da greve geral,234567
alinharam em frente do Parlamento, impedindo que milhares de manifestantes se aproximassem da Praça da Constituição (Syntagma) e se movesse até o Parlamento para enfrentar com os outros pretorianos do Regime, os denominados grupos antidistúrbios.

Enquanto dentro do Parlamento o governo estava aprovando um decretaço que acaba com os acordos coletivos e com as nossas vidas, do lado de fora os membros do Partido “Comunista” substituía a Polícia, tentando reprimir uma manifestação combativa e massiva do povo de Atenas. Eles estavam bem preparados e equipados, com paus e bastões, usando capacetes, a fim de levar a cabo um plano bem definido. Em coordenação com a outra Polícia, formaram uma corrente humana em frente ao Parlamento, repelindo violentamente os blocos de manifestantes que se aproximavam da área. Até agora, dito partido tinha apenas se limitado a um desfile apressado por uma parte do centro da cidade antes de sair também às pressas. Hoje, esse plano mudou. Tanto em Atenas, como em outras cidades gregas desempenharam o papel da guarda pretoriana do Regime. Read the rest of this entry »

Nesta segunda-feira, 03 de outubro, estudantes de várias escolas de Atenas realizaram uma manifestação contra a política educacional neoliberal do governo. No início da tarde, centenas de estudantes começaram uma sentada de protesto em frente ao Parlamento, ocupando o seu pátio e a Avenida Amalia, que passa pela frente. Então, a polícia da equipe “antidistúrbios” entrou no pátio do Parlamento e começou a provocar e repelir os jovens.

Os policiais tinham recebido a ordem de evacuar a praça e recuperar o tráfego de veículos na avenida, ou seja, restaurar a normalidade do terror que estamos vivendo na Grécia por um longo tempo. Os alunos responderam, mas não conseguiram resistir. Primeiramente recuaram e deixaram o local do protesto, mas logo retornaram. A segunda manifestação não durou muito tempo. Um pouco mais tarde eles foram embora. Read the rest of this entry »

Arquivo