Posts Tagged ‘solidariedade’

Informação sobre as concentrações em solidariedade com os presos políticos na TurquiaInformação sobre as concentrações em solidariedade com os presos políticos na TurquiaInformação sobre as concentrações em solidariedade com os presos políticos na Turquia
Em 2 de fevereiro de 2017 foram realizadas nas três maiores cidades do território do Estado grego (Atenas, Tessalônica e Patras) concentrações em solidariedade com os presos políticos anarquistas na Turquia e, em geral com aqueles que lutam contra o regime cruel neste país .

Especificamente, Hüseyin Civan, editor do jornal anarquista Meydan, foi condenado recentemente a um ano e três meses de prisão por suas atividades políticas. O preso anarquista e editor do jornal Meydan, Umut Firat, está encarcerado há 23 anos nas prisões turcas e em greve de fome denunciando o regime de emergência declarado pelo Estado turco, e as condições de detenção desumanas impostas por este Estado aos presos políticos.

As concentrações nas cidades gregas foram chamadas pela Organização Política Anarquista. Nas faixas que se veem nas fotos, diz: “Solidariedade com os anarquistas da DAF (Ação Revolucionária Anarquista) e com todos aqueles que lutam contra o estado de emergência na Turquia”, “O Estado totalitário da Turquia assassina e encarcera. Solidariedade com os companheiros da DAF”. Read the rest of this entry »

O lutador anarquista e preso político Umut Firat Suvariogullari continua a greve de fome que começou no início de dezembro 2016 na prisão de tipo T, em Yenisakran Izmir, Turquia, denunciando o estado de emergência declarado pelo Estado turco e as condições de detenção desumanas dos presos políticos nos calabouços infernais da Turquia.

A última informação sobre sua saúde nos chegou em 2 de fevereiro de 2017, 52 dias após o início da greve de fome. De acordo com esta informação, a sua saúde deteriorou-se acentuadamente. No entanto, a Direção da prisão onde ele está encarcerado não reconhece sua luta como greve de fome e não permite que ele seja visto por um médico. Este é um pretexto absurdo dos patrões políticos da Direção da prisão.

Os companheiros de Umut da DAF (Ação Revolucionária Anarquista) entraram com um pedido legal para obter informações sobre seu estado de saúde. Ressaltamos que é proibido entrar em contato com Umut Firat. Os companheiros da DAF esperam obter contato com ele, ainda que indiretamente, em 7 de fevereiro, através dos advogados que tem programada uma visita ao preso político anarquista. Read the rest of this entry »

O preso anarquista e editor do jornal Meydan, Umut Firat Suvariogullari, está encarcerado há 23 anos nas prisões turcas e em greve de fome na prisão de tipo T em Yenisakran Izmir desde 13 de dezembro de 2016, denunciando o regime de emergência declarado pelo Estado turco, e as condições de detenção desumanas impostas por este Estado aos presos políticos. É um cárcere dentro do cárcere, no qual as visitas estão proibidas, os presos não tem nenhum direito e se submetem a constantes torturas.

Em 23 de dezembro de 2016 o tribunal de Constantinopla condenou Hüseyin Civan, editor do jornal anarquista Meydan, a um ano e três meses de cárcere por ter feito “propaganda a favor do terrorismo”. O chefe dos fiscais havia ordenado uma investigação contra o jornal em dezembro de 2015, com o pretexto de uns artigos que haviam sido publicados no volume 30, cuja temática era “Proibindo tudo”.

A prisão de Hüseyin Civan e a imposição de umas condições de detenção desumanas aos presos, estão integradas na campanha repressiva do Estado turco, que nos últimos anos se manifesta por meio de operações militares (de guerra) nos territórios kurdos, com perseguições massivas e ataques contra os movimentos de resistência e organizações revolucionárias. Na atualidade esta campanha foi intensificada, sobretudo depois do golpe de estado frustrado de julho de 2016 e a extensão (generalização) do estado de emergência. Read the rest of this entry »

Texto da Organização Política Anarquista sobre as concentrações que se realizarão em três cidades do território do Estado grego em solidariedade com os lutadores anarquistas da DAF (Ação Revolucionária Anarquista) na Turquia, reprimidos pelo Regime fascista turco.

Solidariedade com os lutadores anarquistas da DAF ns Turquia. Solidariedade com o preso Hüseyin Civan, redator do periódico anarquista Meydan

Em 23 de dezembro de 2016 o tribunal de Constantinopla condenou Hüseyin Civan, redator do periódico anarquista Meydan, a um ano e três meses de cárcere por ter feito “propaganda a favor do terrorismo”. O chefe dos fiscais havia ordenado uma investigação contra o periódico em dezembro de 2015, com o pretexto de uns artigos que haviam sido publicados no volume 30, cuja temática era “Proibindo tudo”.

Solidariedade com o preso Umut Firat, editor (redator) do Meydan, que está em greve de fome desde 13 de dezembro de 2016

Umut Firat Suvariogullari está em greve de fome desde 13 de dezembro de 2016 no cárcere de tipo T, em Yenisakran de Esmirna, denunciando o regime de emergência declarado pelo Estado turco, e as condições de detenção desumanas impostas por este Estado aos presos políticos. É um cárcere dentro do cárcere, no qual as visitas estão proibidas, os presos não tem nenhum direito e se submetem a constantes torturas. Read the rest of this entry »

Chamado em solidariedade com os processados da luta antimineracao em CalcidicaEm 10 de novembro serão julgados três dos processados por sua participação na manifestação de 21 de outubro de 2012, na qual o Regime desatou um ataque cruel aos manifestantes contra a mineração de ouro. O texto que segue é um chamado a uma manifestação diante dos tribunais de Tessalônica, em solidariedade com os processados.

O texto do cartaz:

SOS Calcídica

Nos colocamos ao lado dos três detidos do 21 de outubro de 2012.

Quinta-feira, 10 de novembro, às 10h, Palácio de Justiça de Tessalônica

Comitês de Luta de Tessalônica e Calcídica contra a extração de ouro

O texto do chamado:

Em 21 de outubro de 2012 uma manifestação de mais de 2.500 pessoas percorreu uma distância de oito quilômetros no bosque de Kákavos para chegar a Skuriés. Ali lhes esperava um contingente de policiais raivosos, armados até os dentes (sendo uma dissonância dentro do bosque arcaico), havendo recebido a ordem de dispersar os manifestantes. Desataram um ataque de incrível violência contra os manifestantes, perseguindo-os por muitos quilômetros, dando-lhes surras, disparando gases e granadas aturdidoras no bosque, destruindo carros e lesionando pessoas, sem ter o mínimo pretexto. Read the rest of this entry »

A seguir, a chamada do grupo anarquista de Patras Disinios Ippos (Corcel Indomável) para uma concentração em solidariedade com os processados da okupa Maragopulio, detidos pelas forças repressivas do Regime durante a sua expulsão, em 5 de agosto de 2013. O título do texto em grego é “As okupas são parte das lutas sociais e de classe”.

Em 5 de agosto de 2013, uma segunda-feira, o Estado despejou três okupas em Patras: A histórica okupa de Parártima, localizada no centro da cidade, que está intimamente associada com as lutas sociais e de classe da sociedade local desde novembro de 1973, e tem sido ponto de referência para milhares de pessoas que resistem e se rebelam diacronicamente, a okupa Maragopulio e a okupa N. Gyzi, 33, local autogestionado da Escola Técnica de Patras.

Na okupa de Maragopulio foram detidos cinco companheiros e companheiras, acusados de perturbação da ordem pública, de provocar danos, e de violar a lei sobre posse de armas e uso de eletricidade de maneira irregular. O julgamento dos cinco será na terça-feira, 25 de outubro, no tribunal de Patras. Esta operação constitui o ponto mais elevado da ofensiva repressiva do Estado contra as pessoas lutadoras de Patras, e está integrada ao planejamento repressivo nacional contra os espaços de resistência e de luta, materializado em várias cidades nos últimos anos. Read the rest of this entry »

Informação sobre a marcha realizada em Atenas em solidariedade com as okupas reprimidas em TessalônicaInformação sobre a marcha realizada em Atenas em solidariedade com as okupas reprimidas em TessalônicaInformação sobre a marcha realizada em Atenas em solidariedade com as okupas reprimidas em Tessalônica
Nesta quarta-feira, 3 de agosto, foi realizada no centro de Atenas uma marcha em solidariedade com as três okupas desalojadas em Tessalônica em 27 de julho. Depois de um concentração realizada no Propileos da antiga Universidade de Atenas, começou uma marcha que percorreu uma boa parte do centro de Atenas. A marcha terminou nos escritórios do Syriza, o maior partido da coalizão governista.

Recordamos que em 27 de julho a Polícia de Tessalônica realizou uma operação de desalojo de três okupas para imigrantes e refugiados. As três foram desalojadas e uma delas foi demolida logo após a sua expulsão.

A marcha foi combativa. Os 300 manifestantes gritaram palavras de ordem contra a repressão, em solidariedade com as okupas reprimidas e os imigrantes, contra a Igreja, as autoridades municipais e o Estado grego. Durante todo o percurso do protesto foram distribuídos e espalhados folhetos. A presença da Polícia foi forte. Vários esquadrões de policiais acompanharam os manifestantes desde o início até o final da marcha. Pouco antes do final da marcha, os manifestantes perceberam que em um carro que seguia o ato se encontrava um policial à paisana. Ele foi perseguido juntamente com um policial uniformizado. Ambos os policiais foram forçados a fugir.

Read the rest of this entry »

Atenas, 3 de julho: Manifestação em solidariedade com as okupas desalojadas em TessalônicaCartaz-chamada para uma marcha em solidariedade com as três okupas reprimidas (três desalojadas, uma demolida) em 27 de julho em Tessalônica.

Atenas, Propileos da antiga Universidade, 3 de julho de 2016, às 19h: Marcha em solidariedade com as okupas, pelo motivo dos desalojos das três okupas em Tessalônica.

Em 27 de julho o Estado, em colaboração harmoniosa com as autoridades religiosas, municipais e universitárias, atacou e desalojou três okupas de solidários e imigrantes em Tessalônica. As respostas dos solidários foram diretas e agressivas, tanto na cidade onde se encontravam as okupas, como em outras cidades. Simultaneamente, em Atenas, o prefeito [George] Kaminis ameaça abertamente realizar novos desalojos.

As okupas são o desafio na prática da propriedade e do individualismo. São espaços onde as lutas coletivas se transformam em prática, e por esta razão estão na mira da repressão.

Nenhuma perseguição aos detidos dos desalojos e das ações de solidariedade.

Solidariedade na prática com as okupas.

Ocupação das propriedades (pertencentes) do Estado, do Capital e da Igreja.

Assembleia de mobilização extraordinária contra a repressão das okupas em Tessalônica

O texto em castelhano.

Durante os últimos dias em várias cidades do território do Estado grego se realizaram várias mobilizações em solidariedade com as greves e as lutas sociais e de classe que estão em curso na França. Segue uma breve informação sobre elas.

Na terça, 14 de junho, dia da Greve Geral e de várias manifestações no território do Estado francês, a Organização Política Anarquista convocou uma manifestação fora da embaixada da França, no centro de Atenas. Assim que os primeiros manifestantes anarquistas chegaram ao local da manifestação e abriram suas faixas, foram agredidos por fortes forças policiais. Os policiais trataram de repelir os manifestantes, que não se dispersaram e se reuniram a poucos metros do cordão policial. A manifestação se realizou neste lugar, a poucos metros da embaixada. Os blocos dos partidos esquerdistas e extraparlamentares chegaram meia hora depois e uma hora depois de sua chegada todos os manifestantes se retiraram realizando uma curta marcha pelo centro de Atenas.

Em 15 de junho a Organização Política Anarquista realizou uma manifestação fora do consulado da França, em Tessalônica. A atitude da polícia foi semelhante a da de Atenas. Os policiais haviam bloqueado o acesso ao consulado antes da chegada dos primeiros manifestantes. A concentração se realizou a poucos metros do consulado. Durante a hora e meia que durou a concentração se entregaram panfletos, volantes e se gritarem lemas em solidariedade com a gente lutadora da França. Read the rest of this entry »

Atenas, 23 de março: Concentração em solidariedade com os três acusados ​​de participar na concentração obreiraEm 28 de dezembro de 2014, dia de greve no setor do livro, a Polícia reprimiu uma concentração de grevistas e solidários, reunidos em frente à livraria Ianos, no centro de Atenas, retendo preventivamente quatro pessoas. Os manifestantes estavam protestando contra a abolição do domingo como dia festivo, e especificamente contra a celebração de um evento dentro desta livraria. O evento foi organizado pela livraria em conjunto com a estação de rádio “105,5 fm”, ligada ao partido esquerdista Syriza, cujos encarregados sabiam muito bem que a patronal desta livraria havia violado repetidamente os direitos laborais dos trabalhadores.

Após estes incidentes os manifestantes marcharam para a delegacia da Acrópole, onde os detidos tinham sido conduzidos. Na concentração realizada em frente à delegacia a Polícia reprimiu os manifestantes, realizando mais detenções. No total, três pessoas foram detidas. Poucos dias depois, mais manifestações foram realizadas em solidariedade com os acusados, e contra a repressão e a criminalização das lutas dos trabalhadores e da ação sindical.

Segue o cartaz da Coordenação de ação contra a abolição do domingo como dia festivo e contra os horários “flexibilizados”, chamando para uma concentração do lado de fora dos tribunais de Atenas, em 23 de março de 2016, dia do julgamento dos acusados.

Contra a repressão, a criminalização das lutas dos trabalhadores, a arbitrariedade da patronal e o terrorismo de Estado, contestamos continuando lutando e defendendo o domingo como dia festivo, os interesses e as conquistas dos trabalhadores. Read the rest of this entry »

Arquivo