Posts Tagged ‘referendo’

Texto publicado em Atenas Indymedia.

Assim como as ovelhas domesticadas não propõem o tema da abolição do pastor, as populações civilizadas não propõem o tema da abolição de seus amos. Em 1936-1939 a luta civil armada na Catalunha se degenerou, acabando por ser uma resistência contra o fascismo, atuando em comum com a reação pequeno burguesa, autoritária e democrática. Na atualidade, o nacionalismo pequeno burguês catalão está lutando pacificamente pela independência desta região da Espanha e pela fundação de um Estado catalão independente e democrático. No entanto, quem busca a paz social, busca a continuação de seu estado humilhante de estar sob o Poder da Democracia, do Estado e do capitalismo. Isto constitui uma arma política alternativa, utilizada pelo Poder para enganar.

Ante as urnas os policiais do governo central da Espanha democrática se cruzam com os votantes. Frente aos policiais armados até os dentes os votantes se rendem com as mãos ao alto. Ainda que os votantes são muitos mais que os policiais, parecem ser totalmente incapazes de resistir de alguma maneira. A organização de uma guarda civil lhes é totalmente desconhecida. Estão olhando como se fossem vigilantes as surras sem fim que recebem seus próximos, esperando pateticamente seu turno. Se limitam a imortalizar esta situação lúgubre em fotos e vídeos, à maneira de uns mártires cristãos modernos. De todas as formas, estão acostumados a esperar (estar passivos) e a usar os meios sociais digitais para defender sua dignidade perdida. Dentro de seu cérebro e sua alma tem bem guardado um fim sagrado: a criação de um novo Estado nacional. Read the rest of this entry »

Nesta introducao publicamos uns fragmentos extraidos de um texto escrito sobre o recente referendo, e publicado na pagina web respublica.gr. Assinalamos que o texto foi escrito antes do referendo. Apesar de que nao estamos de acordo com tudo o que e citado no texto e nos fragmentos extraidos, cremos que tem um certo interesse.

Os referendos requerem orgaos politicos que decidam e implementam suas proprias decisoes. Este referendo e por hora de carater vinculante so no caso do “sim”. Em outro caso, no caso do “nao” esta coberto por um veu de “vaga criatividade?”. Mas com vaticinios piticos e impossivel estabelecer um marco de consulta publica, ainda que seja efemero. O unico objetivo desta indefinicao e usurpar o rechaco justo e emocional do “sim” do corpo politico, expresso em um “nao” que interpretara o governo segundo lhe convem…

…Este referendo e anunciado vagamente como uma possibilidade para o inicio de um debate publico e de uma politica real. Suponhamos que seu resultado conduzira muito ao contrario. No caso de que prevaleca o “sim”, por fim as instituicoes encontrarao neste referendo uma poderosa arma de legitimidade popular que ha tanto tempo lhes faltava para justificar sua agenda. Deixarao de ser uns tecnocratas designados e o proprio povo atraves de seu voto os declarara representantes politicos oficiais da gestao do PNB e da politica das “reformas”. No caso do “nao” da um cheque em branco ao governo para que siga com seus amadorismos e com o lobby. O que nao pode dar-lhe nesta roda de negociacoes durante quatro meses o mandato popular das eleicoes, por arte de magia lhe dara este resultado do referendo… Read the rest of this entry »

Texto da “Assembleia de anarquistas-comunistas pelo contra-ataque de classe contra a UE” sobre o resultado do recente referendo.

Apesar do clima de intimidação e aterrorização constante e tenso imposto nos últimos dias pela frente negro coordenada e organizada da burguesia (através dos bancos fechados, as chantagens da patronal e a propaganda dos meios de desinformação), a classe trabalhadora, os desempregados e os estratos populares pobres deram uma resposta clara no referendo de 5 de julho, dizendo “não” às políticas a favor do memorando, às políticas da austeridade, do empobrecimento violento e do sangramento de classe. Apesar de que a pergunta foi colocada desde cima, a resposta foi dada desde baixo: O voto foi de classe e foi claro. Apesar de que a coalizão governamental quer usar o referendo como moeda de troca, seu resultado na realidade deslegitima qualquer acordo de submissão que se tente realizar com o consentimento da totalidade do grupo político burguês depois da celebração do conselho entre os líderes políticos dos partidos parlamentares (pela primeira vez chamando até o partido neo-nazi Aurora Dourada).

Ainda que na geografia humana do “não” há sem dúvida múltiplas significações e uma relativa contradição, seria um enorme erro político identificá-lo e igualá-lo com a aceitação de um memorando “esquerdista”. Algo semelhante apoiar ao partido governante Syriza, presenteando-o com o “não” e consentindo-lhe que o converta em um “sim” sobre a base da proposta de Yunker (a qual foi rechaçada no referendo!). O “não” do povo excede (ultrapassa) os propósitos e objetivos da coalizão governamental e por isso o mundo da luta optou por apoiá-lo nas ruas por todos os meios possíveis, continuando sua luta constante contra todos os memorandos, velhos e novos. Read the rest of this entry »

Chamamento do coletivo “Organização de antifascismo combativo” a uma manifestação contra a concentração convocada pelos lacaios do neoliberalismo, na quinta-feira, 9 de julho, na praça maior de Atenas.

Autodefesa, castigo, contra-ataque à sabotagem da classe burguesa e de seus lacaios.

As ameaças dos neoliberais continuam. Apesar da derrota esmagadora do terrorismo e dos lockout no referendo, os neoliberais chamam de novo a uma concentração na praça Síntagma na próxima quinta-feira, 9 de julho. As ameaças dos deputados direitistas Bakoyianni e Meimarakis nos dias anteriores deram motivo aos demais neoliberais para mobilizar-se e pôr a lista ainda mais alto, falando de execuções. Uma vez mais, no entanto, as ameaças não ficarão sem resposta.

A praça da Constituição (Síntagma) não lhes pertence, pertence ao movimento popular que durante muitos anos nesta praça esteve lutando contra os memorandos e nesta praça celebrou a vitória do “não” de caráter classista no último referendo. Não vamos deixar que o terrorismo burguês passe e esmague nossa vida e a sociedade. Daremos-lhes a resposta que lhes corresponde aos lacaios da burguesia, aos servos dos donos dos canais televisivos e aos esbirros dos patrões. Read the rest of this entry »

A Promotoria de Atenas pôs em marcha uma investigação pelo modo como os canais televisivos cobriram o referendo de 5 de julho. Concretamente, a Promotoria investigará se os canais televisivos privados trataram de influir direta ou indiretamente na decisão dos votantes (a favor do “sim”), e se pretenderam falsear o resultado do referendo.

Declaramos com antecipação que não temos nenhuma falsa ilusão sobre o papel da denominada “Justiça”. Trata-se de um dos pilares do sistema capitalista, e como tal não vai tocar outro dos pilares do mesmo sistema social: Os meios de desinformação massiva. Tampouco esperamos que sua investigação chegue a fundo e traga à luz a orgia da propaganda descarada e talvez sem precedentes que realizaram os mass media no caso do último referendo. Vamos fazer uma menção mais detalhada a este tema em uma de nossas próximas entradas. A razão pela qual publicamos esta notícia é para pôr em relevo uma vez mais o papel dos mass media, os quais durante os últimos anos reiteradas vezes passaram dos limites que seus próprios patrões marcaram, dedicando-se esta vez a uma campanha de aterrorização do povo (pelo menos dos que seguem vendo a televisão).

A investigação acontecerá após numerosas denúncias que chegaram à Promotoria de Atenas. As denúncias estão assinadas por pessoas que protestam tanto pela forma como os canais cobriram o referendo, como pelo tempo televisivo que dedicaram às manifestações do “sim” e do “não”. Assinalamos que dois canais televisivos transmitiram debates televisivos e programas políticos associados com o referendo (posicionando-se abertamente a favor do “sim”) no sábado, 4 de julho, no dia anterior ao referendo, apesar de que isto está estritamente proibido pela legislação. Um canal transmitiu reiteradas vezes fotos de pessoas fazendo longas filas ante os caixas automáticos sem mencionar que algumas delas haviam sido tiradas em 2012. A parte disto, há suspeitas de que uma delas foi tirada no exterior. Read the rest of this entry »

A seguir, texto baseado num editorial do Atenas Indymedia, escrito por ocasião do referendo de 5 de julho.

5 de julho é uma data crucial para a classe trabalhadora na Grécia. Na verdade, o resultado político do referendo extrapola em muito a aceitação ou não das medidas que querem impor, a permanência ou não na zona do euro, mesmo na mesma União Europeia. O resultado do referendo determinará em grande parte o marco político e sob que circunstâncias sociais e políticas terá a luta de classe e social a partir de 6 de julho.

O medo que buscam cultivar os soberanos e os meios de desinformação com as filas – existentes ou fictícias – em frente aos caixas eletrônicos e supermercados, e com sua campanha terrorista, respondemos com a organização política e social de nossa classe e com a luta de massas e coordenada. A presença do povo na conjuntura atual é mais necessária do que nunca, assim que o referendo seja realizado, se possível antes de domingo, estejamos nas ruas, nas praças, nas manifestações. O povo tem que estar presente para responder de uma forma combativa o slogan da burguesa “ficamos na Europa”, e para evitar a propagação da atmosfera de terror, visando a vitória do “sim” no referendo e no fundo a vitória do totalitarismo neoliberal. Essa vitória será desastrosa para o povo, e extremamente benéfica para os assassinos e chantagistas da União Europeia, do Banco Central Europeu e do Fundo Monetário Internacional. O povo tem a obrigação moral de converter o “não” do referendo em um “não” combativo ao novo memorando que estará baseado nas propostas que o governo grego já apresentou à Troika. Read the rest of this entry »

O diretor de uma empresa de informática, que é especializada em serviços de consultoria para organizações e corporações governamentais anunciou ontem, terça-feira, 30 de junho, que a empresa Agilis pagaria apenas os trabalhadores que participaram na manifestação realizada ontem em Atenas a favor da permanência da Grécia na zona do euro e da União Europeia. Dito sujeito, que também foi candidato do partido direitista Nova Democracia, também anunciou que anotaria faltas na concentração, chantageando e ameaçando diretamente aos trabalhadores da empresa.

Poucos dias atrás, o governo declarou um referendo sobre a aceitação ou rejeição do último pacote de medidas que o Fundo Monetário Internacional, o Banco Central Europeu e a União Europeia querem impor ao povo grego. As manifestações pró-governo, assim como a favor da permanência da Grécia na zona do euro e da União Europeia “custe o que custar”, haviam começado vários dias antes do anúncio do referendo.

Estas últimas são convocadas oficialmente por particulares, e são apoiadas por vários partidos neoliberais da Oposição e, claro, pela alta burguesia, a patronal e o Capital nacional e transnacional. E, também, estão excessivamente promovidas por quase todos os meios de massa de desinformação. No entanto, nas duas concentrações-funerais que foram realizadas até agora a afluência de pessoas tem sido decepcionante para os organizadores e patrocinadores. Agora apelam para o terrorismo direto e indireto. O caso de Agilis é apenas um exemplo de terrorismo que estão sofrendo diariamente os escravos assalariados e, em geral, os súditos desta província da União Europeia. Read the rest of this entry »

As filas em frente aos caixas eletrônicos após o anúncio do referendum, e o valor da vida humanaNesta foto, tirada fora de um banco, se vê algo que todos os meios de desinformação gregos e estrangeiros silenciaram. Eles se centraram nas filas existentes ou não ante os caixas eletrônicos após o anúncio do referendum sobre as novas medidas penosas que a Troika quer impor ao povo grego para aniquilá-lo, mas não nos de baixo, nas pessoas sem casa, sem teto, nas vítimas da guerra social que declararam os Estados europeus, os bancos e o Capital local e transnacional à sociedade grega. Para eles estas pessoas deitadas ao lado dos caixas eletrônicos não existem.

É uma imagem de umas pessoas as quais o Fundo Monetário Internacional, o Banco Central Europeu, a União Europeia, os soberanos deste mundo, os políticos e os reprodutores da ideologia (todavia) dominante fazem que não vêem. As pessoas que se vêem na foto, assim como as centenas de milhares de pessoas que foram conduzidas à pobreza e a indigência nunca farão fila ante nenhum caixa eletrônico: São os deserdados deste sistema sociopolítico cruel e desumano que defende todos estes parasitas. Para eles estes seres humanos são umas meras cifras, umas baixas colaterais.

Para eles a vida humana não tem o mínimo valor se se trata da vida dos plebeus, dos oprimidos, dos escravos assalariados, dos desempregados, dos sem casa. Todos estes “europeus civilizados” e suas marionetes locais são inimigos da liberdade e da dignidade humana, são os destruidores do planeta, são os portadores da “ideologia” totalitária mais horrorosa e perigosa que a humanidade conheceu. O sistema social e político que querem impor estes depredadores cheira a morte, e o fedor envolveu o planeta inteiro, não só a Grécia. Read the rest of this entry »

Texto publicado em http://withoutreasonorrhyme.wordpress.com, sobre os acontecimentos recentes na Grécia.

O negócio está concluído. O plano foi bem-sucedido, o governo mudou, o referendo não foi realizado e as eleições remontam a um futuro distante … se é que acontecerão.

Assistimos por vários dias um jogo muito bonito: os do partido governante Pasok se confrontam com Papandreu [1], este não se demite, Samaras [2] quer a renuncia, Karatzaferis [3] e Bakoyanni [4] fingem “seriedade diante dos momentos críticos”. Em última instância, os competentes líderes da nação, depois de alguns dias de oscilações e argumentos que recordam às crianças na creche (“vai”, “não, vai você”), conseguiram deixar de lado suas “diferenças” e uniram-se pelo bem da nação. Read the rest of this entry »

O desenvolvimento dos acontecimentos comprova que o foguete do referendo lançado pelo primeiro-ministro há uns dias atrás era um truque, uma manobra tirada do repertório do circo político do Regime, que por um lado se destinava a enganar a sociedade e evitar o escalonamento das reações populares, e por outro lado preparar a mudança do primeiro-ministro ou o governo do dia no cenário deste circo montado pela Soberania.

Na madrugada de 3 de novembro, o vice-primeiro ministro e ministro da Economia – o novo e emergente representante e agente na Grécia dos abastados e do Regime, atuando em nome da Soberania européia e transnacional – tentou restaurar o equilíbrio do sistema político-institucional grego que estava um pouco abalado. Retornando de Cannes, França, confirmou a convicção de que o referendo anunciado pelo primeiro-ministro não passava de um truque, uns fogos de artifício, preparando sua saída de cena deste circo. O ministro da Economia, defendendo a coesão do sistema econômico e político e a da classe rica, afirmou que não se pode duvidar da permanência da Grécia na zona do euro, que se deve ratificar o pacto do chamado pacote de resgate (um empréstimo de condições penosas para o povo) e que deve-se retirar os fundos do sexto prazo do empréstimo, que está pendente desde setembro. Read the rest of this entry »

Arquivo