Posts Tagged ‘presos políticos’

Desde 12 de abril de 2017 está em andamento na praça principal de Atenas (Syntagma) a greve de fome de curdos que vivem em Atenas, em solidariedade com os 13 presos políticos curdos que estão em greve de fome desde 15 de fevereiro. Além disso, outros 174 presos políticos nas prisões da Turquia estão em greve de fome em solidariedade com a luta deles. Neste sábado, 15 de abril, vai acontecer em Atenas uma marcha à embaixada turca. Publicamos esta notícia como mínima mostra de solidariedade com a luta dessas pessoas tão sofridas. A seguir, o breve comunicado do Centro Cultural do Curdistão (em Atenas).

Como vocês sabem, neste momento estão sendo realizadas greves de fome em muitas prisões turcas pelos direitos dos presos e os direitos humanos dos povos da Turquia e do Curdistão, assim como para conseguir o fim do isolamento ilegal que foi imposto ao líder do povo curdo Abdullah Öcalan.

Nós, em solidariedade e protesto contra o governo fascista de Erdogan realizaremos uma greve de fome e uma manifestação na praça Syntagma (praça principal de Atenas). De quarta-feira, 12 de abril, das 10h às 21h, e cada dia (até sábado, 15 de abril) os participantes da greve de fome, assim como os curdos e os democratas que vivem em Atenas, estarão na praça Syntagma. Read the rest of this entry »

Informação sobre as concentrações em solidariedade com os presos políticos na TurquiaInformação sobre as concentrações em solidariedade com os presos políticos na TurquiaInformação sobre as concentrações em solidariedade com os presos políticos na Turquia
Em 2 de fevereiro de 2017 foram realizadas nas três maiores cidades do território do Estado grego (Atenas, Tessalônica e Patras) concentrações em solidariedade com os presos políticos anarquistas na Turquia e, em geral com aqueles que lutam contra o regime cruel neste país .

Especificamente, Hüseyin Civan, editor do jornal anarquista Meydan, foi condenado recentemente a um ano e três meses de prisão por suas atividades políticas. O preso anarquista e editor do jornal Meydan, Umut Firat, está encarcerado há 23 anos nas prisões turcas e em greve de fome denunciando o regime de emergência declarado pelo Estado turco, e as condições de detenção desumanas impostas por este Estado aos presos políticos.

As concentrações nas cidades gregas foram chamadas pela Organização Política Anarquista. Nas faixas que se veem nas fotos, diz: “Solidariedade com os anarquistas da DAF (Ação Revolucionária Anarquista) e com todos aqueles que lutam contra o estado de emergência na Turquia”, “O Estado totalitário da Turquia assassina e encarcera. Solidariedade com os companheiros da DAF”. Read the rest of this entry »

O lutador anarquista e preso político Umut Firat Suvariogullari continua a greve de fome que começou no início de dezembro 2016 na prisão de tipo T, em Yenisakran Izmir, Turquia, denunciando o estado de emergência declarado pelo Estado turco e as condições de detenção desumanas dos presos políticos nos calabouços infernais da Turquia.

A última informação sobre sua saúde nos chegou em 2 de fevereiro de 2017, 52 dias após o início da greve de fome. De acordo com esta informação, a sua saúde deteriorou-se acentuadamente. No entanto, a Direção da prisão onde ele está encarcerado não reconhece sua luta como greve de fome e não permite que ele seja visto por um médico. Este é um pretexto absurdo dos patrões políticos da Direção da prisão.

Os companheiros de Umut da DAF (Ação Revolucionária Anarquista) entraram com um pedido legal para obter informações sobre seu estado de saúde. Ressaltamos que é proibido entrar em contato com Umut Firat. Os companheiros da DAF esperam obter contato com ele, ainda que indiretamente, em 7 de fevereiro, através dos advogados que tem programada uma visita ao preso político anarquista. Read the rest of this entry »

O preso anarquista e editor do jornal Meydan, Umut Firat Suvariogullari, está encarcerado há 23 anos nas prisões turcas e em greve de fome na prisão de tipo T em Yenisakran Izmir desde 13 de dezembro de 2016, denunciando o regime de emergência declarado pelo Estado turco, e as condições de detenção desumanas impostas por este Estado aos presos políticos. É um cárcere dentro do cárcere, no qual as visitas estão proibidas, os presos não tem nenhum direito e se submetem a constantes torturas.

Em 23 de dezembro de 2016 o tribunal de Constantinopla condenou Hüseyin Civan, editor do jornal anarquista Meydan, a um ano e três meses de cárcere por ter feito “propaganda a favor do terrorismo”. O chefe dos fiscais havia ordenado uma investigação contra o jornal em dezembro de 2015, com o pretexto de uns artigos que haviam sido publicados no volume 30, cuja temática era “Proibindo tudo”.

A prisão de Hüseyin Civan e a imposição de umas condições de detenção desumanas aos presos, estão integradas na campanha repressiva do Estado turco, que nos últimos anos se manifesta por meio de operações militares (de guerra) nos territórios kurdos, com perseguições massivas e ataques contra os movimentos de resistência e organizações revolucionárias. Na atualidade esta campanha foi intensificada, sobretudo depois do golpe de estado frustrado de julho de 2016 e a extensão (generalização) do estado de emergência. Read the rest of this entry »

Texto da Organização Política Anarquista sobre as concentrações que se realizarão em três cidades do território do Estado grego em solidariedade com os lutadores anarquistas da DAF (Ação Revolucionária Anarquista) na Turquia, reprimidos pelo Regime fascista turco.

Solidariedade com os lutadores anarquistas da DAF ns Turquia. Solidariedade com o preso Hüseyin Civan, redator do periódico anarquista Meydan

Em 23 de dezembro de 2016 o tribunal de Constantinopla condenou Hüseyin Civan, redator do periódico anarquista Meydan, a um ano e três meses de cárcere por ter feito “propaganda a favor do terrorismo”. O chefe dos fiscais havia ordenado uma investigação contra o periódico em dezembro de 2015, com o pretexto de uns artigos que haviam sido publicados no volume 30, cuja temática era “Proibindo tudo”.

Solidariedade com o preso Umut Firat, editor (redator) do Meydan, que está em greve de fome desde 13 de dezembro de 2016

Umut Firat Suvariogullari está em greve de fome desde 13 de dezembro de 2016 no cárcere de tipo T, em Yenisakran de Esmirna, denunciando o regime de emergência declarado pelo Estado turco, e as condições de detenção desumanas impostas por este Estado aos presos políticos. É um cárcere dentro do cárcere, no qual as visitas estão proibidas, os presos não tem nenhum direito e se submetem a constantes torturas. Read the rest of this entry »

Após 31 dias de luta dura e tenaz eu abandono a greve de fome, tendo alcançado uma vitória significativa. A emenda aprovada pelo Parlamento, cujo único destinatário sou eu, teve diferenças significativas em comparação com as declarações iniciais do Ministro da Justiça, aceitando finalmente a minha exigência (pedido), inclusive se isso signifique que eu use uma “pulseira” eletrônica.

A única coisa que é certa é que esta vitória foi o resultado da pressão política exercida por nós, por isso o mundo da luta e a anarquia combativa são, sem dúvida, ética, política e praticamente, os grandes vencedores. Esta luta revolucionária polimórfica, e nós, como presos políticos, estamos saindo mais fortes desta batalha.

Levanto meu punho enviando minhas mais calorosas saudações e meu amor incondicional a todos aqueles companheiros que estiveram ao meu lado por todos os meios!

Solidariedade com os presos políticos. Viva a anarquia. Read the rest of this entry »

O preso anarquista Nikos Romanós terminou hoje (10) a greve de fome que havia iniciado em 10 de novembro, reivindicando o seu direito de sair da prisão durante o dia para frequentar um curso universitário. Romanós terminou a greve depois que o Parlamento votou uma emenda que permite aos detidos seguirem seus estudos fora da prisão munidos de uma pulseira eletrônica, mas com a condição de terem cumprido um semestre de estudos por correspondência.

Em um comunicado divulgado nesta tarde, Romanós conta que esta é uma grande vitória, e que a emenda aprovada tem diferenças significativas em relação à proposta inicial, sugerida pelo ministro da “Justiça”. Segundo Romanós, esta vitória foi fruto da forte pressão exercida, e aqueles que saíram vitoriosos são o mundo da luta e a anarquia combativa. No mesmo comunicado ele agradece aos médicos que o atenderam, que não sucumbiram às pressões do Ministério Público e que não praticaram a alimentação forçada.

Esta emenda, aprovada nesta tarde pelos deputados de todos os partidos menos o partido neonazista Aurora Dourada, será válida tanto para Romanós como para todos os presos que entraram nas Escolas Técnicas Superiores e Universidades. Romanós havia declarado antes da votação que aceitaria a condição da pulseira de monitoramento eletrônico. Como mencionamos acima, a única exigência da lei é que o preso para ter acesso a essas permissões tenha obrigatoriamente cumprido um semestre de estudos por correspondência. Durante essas saídas da prisão por razões educativas, os presos terão que usar uma pulseira eletrônica como um sistema de vigilância.

O texto em castelhano.

Nesta sexta-feira, 5 de dezembro, às 19h30, acontecerá uma concentração em solidariedade com Nikos Romanós, na Praça da Revolução (Gracia), em Barcelona. Confira abaixo a chamada solidária da Rede Antifascista por Grécia – Barcelona.

Asfixia por um sopro de liberdade

Nikos Romanós é um preso do Estado grego desde 1º de fevereiro de 2013 por dupla expropriação bancária em Velvento Kozani junto com seus companheiros I. Michailidis, D. Politis e A.D. Bourzoukos.

Após sua prisão uma série de contradições, mentiras e afirmações ridículas foram produzidas pela polícia. Os detidos foram severamente torturados durante horas em delegacias de polícia. No dia seguinte, a polícia divulgou fotos dos detidos manipuladas com photoshop escondendo as marcas da tortura. No julgamento pela dupla expropriação, onde no seu caso não se aplicou a lei antiterrorista, sua sentença foi injustificadamente dura. Desde o princípio, Romanós se declara anarquista e afirma que luta por um mundo sem autoridades, exploração, nem proprietários. O comportamento político e militante de Romanós forma um contínuo com a revolta social de Dezembro de 2008, visto que Romanós foi companheiro de classe e amigo íntimo de Alexis Grigoropoulos, e esteve presente no episódio do seu assassinato em 6 de dezembro de 2008 por um policial. A grande mídia apresentou Romanós como um jovem desviado da legalidade, guiado apenas pelo trauma psicológico que provocou o assassinato de Alexis, enquanto ele afirma que é uma decisão política e consciente.

Na primavera passada Romanós se apresentou aos exames seletivos desde dentro da prisão e entrou em uma faculdade da Universidade de Atenas. Em setembro de 2014, o novo Ministro da Justiça, Haralambos Athanasiou, visitou a prisão de Avlona para premiar todos os prisioneiros que passaram no exame seletivo. Romanós rejeitou tanto a visita como o prêmio de 500 euros. Segundo a lei, desde setembro de 2014, Romanós tem direito a permissão de sair para assistir às aulas. Embora o Estado reconheça o seu direito de se apresentar aos exames, e até o premiou, lhe nega a permissão para participar fisicamente das aulas. Read the rest of this entry »

Na quinta-feira, 4 de dezembro, solidários com a luta do anarquista em greve de fome Nikos Romanós ocuparam o edifício do sindicato oficialista “Confederação Geral dos Trabalhadores Gregos (GSEE)”. Um dia antes, na quarta-feira, 3 de dezembro, o Conselho Jurídico havia rejeitado o pedido de Nikos Romanós de permissão de saída da prisão por razões educativas. A seguir, publicamos os dois comunicados emitidos pela assembleia da ocupação.

O primeiro comunicado da Ocupação da Confederação Geral dos Trabalhadores Gregos:

“Nos diziam que venceríamos quando nos submetêssemos. Nos submetemos e encontramos cinzas”

Hoje, 4 de dezembro de 2014, ocupamos o edifício da Confederação Geral dos Trabalhadores Gregos, para mostrar solidariedade com o anarquista em greve de fome Nikos Romanós. O anarquista Nikos Romanós é um inimigo consciente do Regime. Ele optou por lutar na prática contra o Estado e o Capital, dentro e fora das prisões.

Aqueles que pretendem a sua aniquilação ou a sua rendição sem condições são:

– O governo, que sendo fiel às ordens do Capital local e internacional, impõe a aplicação dos memorandos, uma dura política de austeridade econômica e a desvalorização da nossa força de trabalho. Read the rest of this entry »

Testemunho de uma advogada que visitou na Direção-Geral da Polícia de Atenas alguns dos detidos na manifestação de 2 de dezembro, em solidariedade com a greve de fome do preso Nikos Romanós.

Há momentos que eu tenho vergonha de ser uma advogada. Um desses momentos foi ontem, quando fui a Direção-Geral da Polícia de Atenas para visitar alguns dos detidos da manifestação de ontem e vi os corredores do sexto andar cheios de sangue e de pessoas com pernas, braços, cabeças e costelas quebradas…

Testemunhos inequívocos de uma barbárie estatal, que você não terias nem o tempo nem a coragem de enfrentar, no âmbito sufocante das prioridades e dos procedimentos jurídicos, além de fazer uma denúncia. Tinha ouvido falar de tais imagens na época da Ditadura. Mas agora nós estamos na Democracia, certo? Ou talvez não?

(O comentário) é dedicado aos amantes (partidários) da Democracia, das instituições e da legalidade, uma vez que são questões da época presente. Não terão que se perguntar (estes partidários da Democracia), no entanto, sobre o que está por vir, como conseqüência natural, mas não necessária. Read the rest of this entry »

Arquivo