Posts Tagged ‘policiais’

Cartaz da Assembleia Antifascista autônoma-antifa.

É um dos fatos mais didáticos dos últimos anos: Depois de cada revolta em um centro de internamento, os primeiros que fazem falta “serem resgatados” pelas chamadas equipes antidistúrbios são os membros das Organizações Não Governamentais. Os imigrantes reclusos, por causa de suas posições e suas experiências, são os primeiros que perceberam que a palavra não no título destas organizações é um mero engano. Na realidade, as Organizações Não Governamentais, apesar de serem umas empresas privadas, são tão estatais como qualquer organização estatal.

E as organizações estatais ultimamente se ocupam de forma exaustiva da gestão da classe trabalhadora. O empilhamento dos imigrantes em campos de concentração em troca de dinheiro é o aspecto mais claro desta gestão.

No entanto, existem mais aspectos, como existem “desempregados”, “pessoas sem teto”, “drogaditos” e “marginais”. A política estatal sobre estas pessoas é sua detecção como problema, e a criação de campos de concentração abertos, onde o “problema” é registrado e controlado, e se converte em objeto da gestão estatal.

As ONGs se estendem pela cidade, indo aonde vão estes “problemas”, os quais por sua vez são o objetivo da gestão estatal. Seus escritórios se estendem nas “zonas conflitivas” como Victoria, Metaxourgeio, Patisia, segundo a distribuição das delegacias locais, e claro, segundo as zonas controladas pelas máfias locais. Read the rest of this entry »

Chania: Informações sobre a marcha contra as fronteirasAproximadamente 600 pessoas participaram, em 16 de outubro, da marcha contra as fronteiras (No Border), organizada no marco do Encontro Anarquista do Mediterrâneo, da Campanha Anarquista de Solidariedade Internacionalista “Três Pontes”. “Três Pontes”, que em colaboração com a IFA-IAF (Internacional de Federações Anarquistas) organizou o Encontro, realizado de 9 a 18 de outubro de 2015, em várias cidades de todo o território do Estado grego.

Este encontro teve o caráter de um evento de dez dias com atividades, debates e ações abertas, e foram realizados nas cidades onde teve colaborações de grupos locais, individualidades ou iniciativas locais envolvidas na campanha (Atenas, Tessalônica, Patras, Larissa, Chania, Heraklion, Réthymno). Ao mesmo tempo foram organizados debates temáticos com a participação de companheiros e companheiras que são membros de federações anarquistas regionais ou nacionais, grupos anarquistas individuais regionais e/ou individualidades, formas de organização anarcossindicalistas, espaços ocupados anarquistas ou libertários etc. O ponto culminante do Encontro Anarquista do Mediterrâneo aconteceu com eventos e debates temáticos de três dias realizados na ilha de Creta, entre os dias 16 e 18 de outubro.

A marcha em Chania [segunda maior cidade da ilha grega de Creta] foi realizada na parte da tarde e percorreu boa parte da cidade, passando por muitos bairros, e muitas ruelas, além das principais ruas. Sua característica mais significativa, contudo, foi o seu caráter multilíngue. Read the rest of this entry »

Patras: Manifestação em solidariedade com os lutadores turcos e curdosPatras: Manifestação em solidariedade com os lutadores turcos e curdosPatras: Manifestação em solidariedade com os lutadores turcos e curdos
A seguir, relato sobre uma manifestação realizada em Patras, em solidariedade com os lutadores turcos e curdos, e contra o terrorismo do Estado turco e de seus aparatos paraestatais. Semelhantes manifestações foram realizadas nos últimos dias em Atenas, Heraclión e Tessalônica, e nos próximos dias outras acontecerão em Lárisa e Volos.

Na terça-feira (13) à tarde aconteceu uma marcha de solidariedade com os lutadores turcos e curdos, com a participação de mais de 800 pessoas. No bloco anarquista, que foi formado após um chamado do grupo anarquista Disinios Ippos, participaram cerca de 80 pessoas.

Os assassinatos de ativistas na Turquia não são casos fortuitos. É um objetivo estratégico do Estado turco e de seus aparatos paraestatais. O objetivo é o extermínio (aniquilação) dos que resistem ao regime bárbaro e totalitário do governo do presidente Recep Tayyip Erdogan. Read the rest of this entry »

Informação sobre a manifestação contra as "Noites Brancas"Informação sobre a manifestação contra as "Noites Brancas"Informação sobre a manifestação contra as "Noites Brancas"
Em 10 de outubro de 2015, o município de Marusi (bairro no subúrbio de Atenas) e a Associação de Comerciantes local, permitiram que os comércios do bairro ficassem abertos até a meia-noite, apresentando essa deliberação como uma festa sob o nome “Noite Branca”. Além de promover o consumismo e consolidá-lo no inconsciente das pessoas, essa suposta festa não é uma desculpa para a imposição dos horários comerciais “liberalizados” e a transformação dos de baixo em escravos sem direitos trabalhistas.

Para o mesmo dia a Coordenadora de ação contra a abolição do domingo como dia festivo e os “horários liberalizados”, a coletividade obreira Trabalhadores/as no setor do comércio, e outros grupos do bairro e de Atenas, haviam chamado uma manifestação contra as chamadas “Noites Brancas”.

No entardecer do dia 10 de outubro aconteceu uma concentração do lado de fora da estação do metrô de Marusi, onde uma faixa foi exibida e folhetos distribuídos. Duas horas mais tarde começou a marcha pelas ruas do bairro. A marcha passou pelas principais ruas comerciais de Marusi, e pelas praças do bairro onde aconteciam eventos artísticos no marco da chamada “Noite Branca”. Read the rest of this entry »

As forças repressivas do Regime seguem sendo fiéis ao fascismo. Demonstram-no diariamente e demostraram uma vez mais os resultados das eleições gerais de 20 de setembro. Como escrevíamos em outros de nossos posts relativos ao tema, não nos surpreende a atitude eleitoral dos mercenários da guarda pretoriana do Regime. É bem conhecida e documentada a inter-relação entre a Polícia grega e os fascistas. Tampouco temos ilusões sobre o papel histórico das forças repressivas do Estado.

Depois das eleições de maio de 2012 e as eleições europeias de maio de 2014, nas últimas eleições quase a metade dos policiais que votaram em certos centros eleitorais de Atenas, votaram massivamente nos fascistas neonazis de Jrisí Avgí (Aurora Dourada). Os dados que seguem procedem de dez centros eleitorais em Atenas, nos quais votou uma boa parte dos policiais das delegacias e da Direção Geral de Polícia de Atenas.

Nestes centros eleitorais as porcentagens do bando fascista Aurora Dourada nas últimas eleições foram as seguintes (entre parenteses as respectivas porcentagens nas eleições de janeiro de 2015): 15,94% (15,04%), 16,94% (14,37%), 14,81% (13,03%), 12,12% (7,63%), 15% (12,67%), 11,47% (9,45%), 14,18% (10,58%), 16,24% (10,73%), 13,68% (9,68%), 11,74% (8,54%). Na zona eleitoral a qual pertencem estes centros eleitorais a porcentagem do Aurora Dourada chegou a 6.91%. Nas eleições de janeiro de 2015 havia chegado a 7,05%. A nível nacional a porcentagem deste bando criminoso chegou em setembro de 2015 a 6,99% e nas eleições de janeiro de 2015 a 6,28%. Read the rest of this entry »

Policiais e fascistas arremetem contra marcha motorizada de protesto pelo assassinato de quatro trabalhadores na empresa petrolífera Petróleo GregoPoliciais e fascistas arremetem contra marcha motorizada de protesto pelo assassinato de quatro trabalhadores na empresa petrolífera Petróleo GregoPoliciais e fascistas arremetem contra marcha motorizada de protesto pelo assassinato de quatro trabalhadores na empresa petrolífera Petróleo GregoPoliciais e fascistas arremetem contra marcha motorizada de protesto pelo assassinato de quatro trabalhadores na empresa petrolífera Petróleo Grego
Neste sábado, 13 de junho de 2015, durante uma marcha motorizada até as refinarias da empresa petrolífera Petróleo Grego, a Polícia e um grupo de neonazistas arremeteram contra os manifestantes. A marcha motorizada foi realizada para protestar contra a morte-assassinato de quatro trabalhadores durante algumas obras nas instalações da empresa petrolífera. Além disso, antes de começar a marcha, a Polícia procedeu a doze retenções preventivas e duas prisões.

Quando a marcha chegou ao bairro de Asprópyrgos, fora de Atenas, onde estão às instalações da refinaria, recebeu uma arremetida por parte de fascistas da gangue neonazista Aurora Dourada, que estavam armados com facas, garrafas, paus e armas parecidas. Os neonazistas saíram das fileiras das forças uniformizadas. O ataque aconteceu quando a marcha motorizada, depois de passar pela refinaria, passou perto dos escritórios da sede desta gangue neonazista, que tinha sido parcialmente queimada em 4 de dezembro de 2012 durante um ataque incendiário feito pelo grupo de luta armada Frente Antifascista-Federação Anarquista Informal.

Quando alguns dos participantes da marcha motorizada baixaram de suas motocicletas para enfrentar os neonazistas, receberam uma arremetida policial. Como é possível ver em algumas das fotos publicadas neste post, no momento da arremetida os policiais da chamada Polícia antidistúrbios estavam ao lado dos valentões neonazistas e disparavam gás lacrimogênio contra os manifestantes. Devido a este duplo fardo os manifestantes deixaram na estrada três motocicletas. Alguns minutos depois que eles voltaram para pegá-las, receberam outras arremetidas, a primeira cometida pelos fascistas do Aurora Dourada e depois pelos fascistas uniformizados. Durante os conflitos vários manifestantes ficaram feridos. Incluindo um que ficou gravemente ferido ao ser atingido em cheio pelos fascistas, e foi levado ao hospital, onde permanece internado. Read the rest of this entry »

Não o novo sistema. Não somos cobaias, somos estudantes

Não o novo sistema. Não somos cobaias, somos estudantes

Faz alguns dias que os estudantes secundaristas estão mobilizados em muitas cidades do território do Estado grego. Há três dias o próprio ministro da Educação admitiu que as escolas secundárias ocupadas eram mais de 500. Os alunos protestam contra a imposição da chamada “Nova Escola”, ou seja, de um plano de estudos exaustivo, o novo sistema de exame (igualmente exaustivo e intensificado) e a privatização da Educação.

Na segunda-feira, 3 de novembro, e na terça-feira, 4 de novembro de 2014, realizaram-se massivas manifestações e marchas estudantis em várias cidades. Ante esta situação perigosa para o Sistema, o Regime não ficou de braços cruzados. O governo conta com a ajuda de juízes, policias, diretores de escolas e paraestatais para reprimir a luta dos estudantes das escolas secundárias.

Na segunda-feira passada o diretor de uma escola secundária de Tessalônica tratou de impedir a participação dos alunos da escola em uma manifestação. Chamou a Polícia, mas nem os policiais nem o sujeito que os chamou lograram impedir que os jovens tomassem parte na manifestação. No mesmo dia, na cidade de Lamía o fiscal ordenou a detenção de nove jovens e de oito de seus pais dentro do recinto de uma escola secundária da cidade que estava ocupada. A Polícia, na presença do fiscal, invadiu a escola ocupada, deteve alunos e pais, e levou-os à delegacia da cidade, onde ficaram retidos até às 4 da madrugada. Read the rest of this entry »

Uma vez mais depois das eleições gerais de 2012 os “filhos dos operários” (segundo o Partido “Comunista”) votaram massivamente no partido neonazi Aurora Dourada. Nas últimas eleições europeias de maio de 2014 mais da metade dos coxinhas que vivem em Atenas votaram nos neonazis. Não nos surpreende a atitude eleitoral dos mercenários da guarda pretoriana do Regime. Tampouco temos ilusões falsas do papel histórico das forças repressivas. Ademais, é bem conhecida e documentada a inter-relação entre a Polícia grega e os grupos fascistas-neonazis.

Os dados relativos publicados em várias mídias de massa procedem de dezenove centros eleitorais de Atenas, situados no centro da cidade e muito perto da Direção Geral da Polícia de Atenas. Assinalamos que nas últimas eleições europeias em Atenas os coxinhas votaram em mais centros eleitorais em comparação com as eleições gerais de maio de 2012. Por outro lado, como vamos mencionar mais abaixo os resultados dos colégios eleitorais nos que votaram são os mesmos que os das eleições de maio de 2012.

Também, queremos repetir algo que assinalamos em nosso post “Um de cada dois policiais votou nos neonazis nas eleições gerais de 6 de maio”, publicada depois daquelas eleições gerais. Dado que nas eleições as pessoas das províncias (pelo menos na Grécia peninsular) tem uma atitude eleitoral mais “conservadora” que a que vive nos grandes centros urbanos, se pode deduzir que nas províncias a porcentagem dos coxinhas que votaram neste partido fascista é ainda mais alto, para não falar dos militares, os quais, segundo admitem os mesmos meios desinformativos, votaram ainda mais massivamente nos neonazis. Os resultados das eleições de 2012 procedentes de dois centros eleitorais das províncias comprovam esta afirmação. Read the rest of this entry »

Nas últimas eleições gerais de 6 de maio, mais da metade dos policiais votaram a favor do partido neonazista Jrisi Avgi (Amanhecer Dourado). Não nos surpreende a atitude eleitoral dos mercenários da guarda pretoriana do Regime. Na rua, policiais, fascistas e outros paraestatais colaboram e realizam operações conjuntas contra imigrantes e manifestantes. Tampouco temos ilusões sobre o papel histórico das forças repressivas, como alguns progressistas, esquerdistas, reformistas e demais apoiadores e defensores do “capitalismo com rosto humano”, que sonham com a democratização da Polícia.

Os números apresentados abaixo são dos centros eleitorais de Atenas, onde uma grande parte dos policiais da capital da Grécia votou. Dado que nas eleições os moradores das províncias (pelo menos na Grécia peninsular) tem uma atitude eleitoral ainda mais conservadora, pode-se supor que nas províncias o percentual de policiais que votaram neste partido fascista é ainda maior. Além disso, os números que temos à nossa disposição de dois centros eleitorais nas províncias comprovam esta afirmação. Read the rest of this entry »

“[…] Quando chegaram a Patission e encontraram-se nos arredores do portão histórico da Politécnica, que havia sido atacada por tanques em 1973, cortaram a avenida sem perguntar o que fazer e, a seguir, cantaram o típico lema “Batsi, gourounya, dolofoni!” – “Policiais, porcos, assassinos”. Ao presenciar esta cena, me senti em êxtase. Compreendi neste momento que o avião da insurreição havia decolado. Era maior do que nós. Não estou dizendo que nos superou, embora muitos de seus participantes pensem assim. Talvez tivessem superado-os porque eles achavam que nunca iriam passar por uma coisa dessas. O que a insurreição conseguiu foi superar as idéias pessimistas, que pensavam que algo assim nunca poderia acontecer”.

Este livro reúne os testemunhos de vários dos protagonistas de Dezembro de 2008, um momento carregado de um profundo fundo social, político e histórico, que se vinculam com a história das lutas dos últimos trinta anos. O livro, cujo título – ‘Policiais, porcos, assassinos’ – é uma canção popular em todas as manifestações gregas; descreve o que aconteceu na Revolta de Dezembro em diferentes partes de Atenas e outras cidades helênicas e a participação dos anarquistas. Tal participação se caracterizou – e se caracteriza – para a prática da revolta social sem mediadores e sem ilusões de fazer mudanças dentro do sistema existente, propondo a auto-organização contra qualquer tipo de organização hierárquica, propondo a contraviolência frente à violência estatal e a solidariedade contra a individualização e as divisões artificiais criadas pelo poder. Read the rest of this entry »

Arquivo