Posts Tagged ‘patras’

A seguir, texto do grupo anarquista de Patras Dissinios Ippos (Cavalo Indomável).

As crises generalizadas do Estado e dos chefes no mundo conduzem com precisão matemática a uma via, se não for formada uma frente de luta e de resistência internacional ampla: a das sociedades em guerra, da generalização e agudização dos antagonismos geopolíticos e das operações militares, inclusive de uma grande guerra e da consolidação do estado de emergência, como uma rede inflexível de controle e de repressão de todas as facetas das atividades sociais.

“Guerra e fascismo: Esta é a “resposta” do Sistema a sua crise global e profunda, a suas mesmas contradições, causadas pelo enfrentamento imposto por seu princípio fundamental, o da exploração do homem pelo homem”.

Fragmentos da declaração do segundo congresso da Organização Política Anarquista

A visita recente do primeiro ministro dos Estados Unidos da América (à Grécia) selou da maneira mais clara o acordo defensivo entre Grécia e EUA, assinado em 29 de agosto de 2017. Aparte do compromisso do governo grego de melhorar (modernizar) os aviões F16, que custam dois mil milhões de euros cada um, se confirmaram as informações sobre a modernização da base da OTAN em Suda (Creta) e a ampliação de seu papel nesta zona geográfica, assim como sobre a instalação das chamadas na linguagem da guerra “armas especiais” (os quais na realidade são armas nucleares) na base aérea de Araxos. Já desde a uns meses começaram os preparativos da modernização desta base aérea, com o reforço de sua cerca de arame e com as obras realizadas em seu interior. Read the rest of this entry »

Informação sobre a manifestação contra a instalação de armas nucleares na base aérea de AraxosInformação sobre a manifestação contra a instalação de armas nucleares na base aérea de AraxosInformação sobre a manifestação contra a instalação de armas nucleares na base aérea de AraxosInformação sobre a manifestação contra a instalação de armas nucleares na base aérea de AraxosInformação sobre a manifestação contra a instalação de armas nucleares na base aérea de AraxosInformação sobre a manifestação contra a instalação de armas nucleares na base aérea de AraxosInformação sobre a manifestação contra a instalação de armas nucleares na base aérea de Araxos
Segue o boletim informativo do grupo anarquista Dissinios Ippos (Cavalo Indomável) sobre a manifestação de ontem (12 de novembro) na base aérea de Áraxos (província de Acaya).

No domingo 12 de novembro de 2017 se realizou na base aérea de Araxos a manifestação antiguerra internacionalista contra a possível instalação de armas nucleares da OTAN nesta base. Na manifestação participaram umas 200 pessoas.

Na marcha se formou um bloco anarquista, após o chamado do grupo anarquista de Patras Dissinios Ippos (Cavalo Indomável). Na faixa do bloco anarquista dizia: “Luta internacionalista contra a guerra, a indigência e o totalitarismo moderno”. Outras convocatórias foram feitas por várias associações estudantis, organizações e partidos esquerdistas, e o grupo de anarquistas e comunistas “Contra-ataque de Classe”.

Às 9h30 se realizou uma concentração no centro de Patras. Desde ali os manifestantes foram em ônibus comuns e turísticos ao povoado Lakkópetra de Acaya. Uma vez chegados a este povoado, os manifestantes realizaram uma marcha, percorrendo uns 3-4 quilômetros até a entrada da base aérea. Durante toda a marcha estivemos gritando lemas contra a guerra e o totalitarismo moderno, contra as armas nucleares e as bases da morte nuclear, contra o Estado e o capitalismo. Fora da entrada da base estavam alinhadas fortes forças policiais, formando um cordão para impedir os manifestantes de entrarem na base. Read the rest of this entry »

O cartaz da convocatória do espaço anarquista de Patras Átakton a um evento sobre a luta dos indígenas Mapuches na Argentina e no Chile, e o recente sequestro e assassinato do anarquista Santiago Maldonado pelo Estado argentino.

Contra a pilhagem da natureza, luta pela terra e pela liberdade. Solidariedade internacionalista entre aqueles que lutam, se revoltam, se rebelam.

Evento-debate: A luta dos indígenas Mapuches na Argentina e no Chile. O sequestro e o assassinato do anarquista Santiago Maldonado.

Sexta-feira, 10 de novembro, às 19 horas, no espaço anarquista antiautoritário Átakton (Ástiggos, 100 e Kanakari): Exibição do video “Com os rebeldes sempre!” dos companheiros da coletividade “A Ovelha Negra”.

Aberto todas as sextas-feiras a partir das 19 horas. No espaço funciona uma livraria com livros de editoras pertencentes ao movimento (anarquista), uma biblioteca com livros de empréstimo, um café autogestionado e um arquivo de publicações sobre o movimento.

Tradução: Agência de Notícias Anarquistas.

O texto em grego, castelhano.

Neste post publicamos o chamado do grupo anarquista de Patras Dissinios Ippos (Cavalo Indomável) a duas manifestações contra a instalação de armas nucleares na base aérea de Araxos, perto da cidade de Patras.

Contra a instalação de armas nucleares na base aérea de Araxos.

As crises generalizadas do Estado e dos chefes no mundo conduzem com precisão matemática a uma via, se não for formada uma frente de luta e de resistência internacional ampla: a das sociedades em guerra, da generalização e agudização dos antagonismos geopolíticos e das operações militares, inclusive de uma grande guerra e da consolidação do estado de emergência, como uma rede inflexível de controle e de repressão de todas as facetas das atividades sociais.

Luta internacionalista contra a guerra, a indigência e o totalitarismo moderno.

Concentrações, marchas: segunda-feira, 6 de novembro de 2017, às 6h30, Praça Georgiou (Patras), domingo, 12 de novembro de 2017, às 11h, Araxos.

Grupo anarquista Dissinios Ippos (Cavalo Indomável) – membro da Organização Política Anarquista

Tradução: Agência de Notícias Anarquistas.

O texto em grego, castelhano.

A seguir, publicamos o chamado do grupo anarquista de Patras Dissinios Ippos (Cavalo Indomável) e da Organização Política Anarquista a uma concentração e marcha nesta cidade, em 18 de setembro, quatro anos depois do assassinato do músico antifascista Pavlos Fyssas por um batalhão de assalto neonazista em um bairro de Pireus. Várias manifestações antifascistas serão realizadas entre os dias 16 e 18 de setembro em Atenas e em várias cidades do território do Estado grego.

Quatro anos depois do assassinato de Pavlos Fyssas pelos batalhões de assalto do Aurora Dourada…

O julgamento do Aurora Dourada ainda está em andamento, sendo seu principal objetivo a imposição da “normalidade democrática” e a consolidação da teoria dos dois extremos. Ao mesmo tempo, está sendo preparado o reaparecimento dos batalhões de assalto paraestatais, o assassino Rupakiás saiu da prisão, e se pretende ilegalizar e reprimir a luta social e antifascista nas ruas, com os ataques e acusações contra várias mobilizações antifascistas e com constantes perseguições de ativistas anarquistas e antifascistas. Read the rest of this entry »

Segue o texto de um grupo de pessoas da província de Eubea que se opõe à destruição do pantanal de Kolovrejtis (Eubea) em solidariedade com a luta contra o desvio do rio Aqueloo. Deixando de lado o uso da palavra “cidadãos” no título do grupo e no texto, as inexatidões sobre a participação dos habitantes de Mesojora e os povos vizinhos na luta combativa e desde baixo contra o desvio do rio, os lemas altissonantes e genéricos ao final do texto, assim como a falta de qualquer referência (não só neste texto, senão também em textos de várias iniciativas e coletividades políticas e ecológicas) a atitude da maior parte destes habitantes a favor do marco constitucional da legalidade e a mediação, o texto constitui uma das pouquíssimas vozes de solidariedade, ainda que seja teórica, com a luta contra a destruição do meio ambiente da serra de Pindos.

O grupo de cidadãos do pantanal de Kolovrejtis expressa sua solidariedade com a luta que se está dando durante muitos anos contra o desvio do rio Aqueloo. Durante os últimos trinta anos os habitantes de Mesojora, Tríkala, e cidadãos solidários do resto da Grécia estão lutando com fervor contra o desvio do rio, planificado pelos lobbies das empresas construtoras e da agricultura intensiva. Estão lutando contra o funcionamento da central hidroelétrica faraônica que foi construída no alto fluxo do rio, no coração da serra de Pindos.

O potencial funcionamento deste monstro de cimento de 150 metros, promovido durante o último tempo pelo ministério do Meio Ambiente, lhe dará o golpe de graça ao rio Aqueloo, no curso do qual já estão em funcionamento três represas. Como assinala a Rede “Mesojora-Aqueloo SOS” “o Estado e a Companhia de Eletricidade percebem o rio, as águas e em geral os recursos naturais, como algo que tem que ser explorado, como um meio que pode ser usado para explorar os recursos naturais. Estão aplainando o caminho à privatização das águas e da energia. Não lhes importa que seu novo plano continue tendo enormes consequências ambientais e que conduza à desaparição de Mesojora”. Read the rest of this entry »

Patras, 21 de julho de 2017: Ação anarquista contra o desvio do rio AquelooPatras, 21 de julho de 2017: Ação anarquista contra o desvio do rio AquelooPatras, 21 de julho de 2017: Ação anarquista contra o desvio do rio Aqueloo
A seguir, texto do grupo anarquista de Patras Disinios Ippos (Cavalo Indomável) sobre uma ação realizada por este grupo e por anarquistas da cidade em frente do edifício da Companhia de Eletricidade, contra o desvio do rio Aqueloo.

O funcionamento iminente da represa (central hidroelétrica) da Companhia de Eletricidade em Mesojora converterá o vale montanhoso do Rio Aqueloo no sul da Serra de Pindos em um pântano artificial, eliminando (fazendo desaparecer) o rio e o povoado de Mesojora de Tríkala, afundando-o no fundo deste pântano. Ao mesmo tempo, o funcionamento de dita represa abre caminho para a materialização da obra de desvio do Aqueloo a Tessália. Este fato terá umas consequências desastrosas para toda a zona da Grécia central e ocidental, tanto para a natureza como para as sociedades locais, desde o nascimento do rio na Serra de Pindos até sua desembocadura na província de Etólia e Acarnânia.

Desde princípios dos anos 90 os habitantes de Mesojora tem resistido aos projetos desastrosos do Estado e da Companhia de Eletricidade na zona. Há muitos anos, vários lutadores de todos os rincões do país estão se mobilizando de várias formas combativas contra as represas e o desvio do rio. Semelhantes mobilizações, eventos e intervenções serão realizadas este ano, de 9 a 14 de agosto, nas margens do rio em Mesojora. Read the rest of this entry »

A seguir, a programação da 4ª Feira do Livro Anarquista de Patras, como foi publicada no site da Feira.

Quinta-feira, 25 de maio

18h: Apresentação do livro “O mito bolchevique”, de Alexandre Berkman, edições Panoptikon.

20h: Evento-debate realizado por ocasião da publicação do livro “Anarquistas israelenses. A mobilização no confronto entre palestinos e israelenses”, edições Opportuna, com a presença do autor do livro e membro do grupo “Anarquistas Contra o Muro”, Uri Gordon.

22h: Noite de música, bar de apoio financeiro da Feira com canções de luta.

Sexta-feira, 26 de maio

18h: Apresentação do livro “Uma proposta libertária. História, evolução e prática”, por edições Stasei Ekpiptontes.

20h: Apresentação do livro “Antologia da revolução espanhola. Espanha vermelha e negra”, por edições Kaina Daimonia.

22h: Noite de música com canções rebetika, para o apoio financeiro da Feira. Read the rest of this entry »

Informações sobre a manifestação de 18 de março em Patras contra as fronteiras, a guerra e o totalitarismo modernoInformações sobre a manifestação de 18 de março em Patras contra as fronteiras, a guerra e o totalitarismo modernoInformações sobre a manifestação de 18 de março em Patras contra as fronteiras, a guerra e o totalitarismo modernoInformações sobre a manifestação de 18 de março em Patras contra as fronteiras, a guerra e o totalitarismo modernoInformações sobre a manifestação de 18 de março em Patras contra as fronteiras, a guerra e o totalitarismo moderno
A seguir, o texto informativo do grupo anarquista “Disinios Ippos” (Cavalo Selvagem) sobre a manifestação, publicado em seu site.

No sábado, 18 de março de 2017, nos manifestamos contra as fronteiras, a guerra e o totalitarismo moderno. Os resultados desastrosos das cruzadas bélicas e da intensificação do saque da periferia capitalista, são a desarticulação de qualquer conceito de vida e existência social no Oriente Médio, onde a guerra arrasou as populações locais. Tudo isso fez com que milhões de homens desarraigados e desesperados tentassem fugir para a Europa por todos os meios possíveis.

Após um chamado do grupo anarquista “Disinios Ippos” (Cavalo Selvagem) e de outros companheiros, foi formado um bloco anarquista cuja faixa principal estava escrito o slogan “Contra as fronteiras, a guerra e o totalitarismo moderno. Solidariedade com os refugiados e os imigrantes”. No centro da cidade aproximadamente 400 pessoas se manifestaram. Na rua nos encontramos com alguns dos refugiados de Myrsini. Durante a marcha foram espalhados e distribuídos panfletos com o jornal “Terra e Liberdade”, da Organização Política Anarquista.

Quando a marcha passou pela loja Mikel na praça de Olga, realizamos uma intervenção, jogando tinta e espalhando panfletos, por ocasião da recente morte de um jovem de 22 anos, que trabalhava como entregador nesta empresa¹. Read the rest of this entry »

Publicamos aqui o chamado do grupo anarquista de Patras “Disinios Ippos” (Cavalo Selvagem) para uma marcha contra a Europa fortaleza.

Os resultados desastrosos das cruzadas bélicas e da intensificação do saque da periferia capitalista, são a desarticulação de qualquer conceito de vida e existência social no Oriente Médio, onde a guerra arrasou as povoações locais. Tudo isto tem como consequência que milhões de homens desarraigados e desesperados tratem de fugir para a Europa por todos os meios possíveis.

As políticas da Europa fortaleza estão literalmente traçadas sobre os corpos dos refugiados e dos imigrantes, que constituem as primeiras vítimas da ampliação constante dos meios de controle, repressão e reclusão do estado de emergência, simultaneamente com a intensificação da ofensiva contra os estratos sociais inferiores.

Hoje, que a faceta ultradireitista e fascista do totalitarismo moderno (a faceta mais extrema do complexo de exploração do Estado e do Capital) está se ampliando no marco da “Europa fortaleza”, o isolamento dos fascistas e o enfrentamento com eles em todo o campo social, ganha ainda mais importância. Read the rest of this entry »

Arquivo