Posts Tagged ‘patras’

Texto informativo do Centro Social Auto-organizado Epí ta Proso, sobre a celebração da Terceira Feira do Livro Anarquista em Patras, de 26 a 28 de maio de 2016.

De 26 a 28 de maio de 2016 se celebrou no centro de Patras a 3ª Feira do Livro Anarquista, celebrada nos últimos três anos pelo Centro Social Auto-organizado Epí ta Proso. Durante três dias várias pessoas passaram pelo local celebrando o evento, entrando em contato com os livros anarquistas.

Como escrevemos no comunicado anterior “o objetivo do festival é colocar em destaque a riqueza das ideias anarquistas, antiautoritárias e libertárias, a difusão das propostas anarquistas na sociedade e em particular junto aos jovens da cidade, em uma época que prevalece a propaganda estatal contra aqueles que resistem de maneira auto-organizada e desde baixo, enquanto que o racismo, o canibalismo social e a fascistização parecem ser as únicas alternativas de uma sociedade em crise.

Ao mesmo tempo, em um período em que no seio dos movimentos de resistência se estão formando condições de depreciação da deliberação e aprofundamento político, acreditamos que a promoção da cultura de autoeducação, da exploração política e teórica, da conservação da memória social e de classe contra a cultura do anarquismo de estilo de vida e a transformação da política em um espetáculo cruel, constituem momentos particularmente importantes na direção à uma reorganização geral do movimento radical e revolucionário”. Read the rest of this entry »

A seguir, publicamos um texto do espaço auto-organizado de Patras Epi Ta Proso sobre a terceira Feira do Livro Anarquista que acontecerá em Patras de 26 a 28 de maio de 2016, assim como o programa da Feira.

O texto:

“Os livros anarquistas são armas contra o totalitarismo moderno”.

A organização da Feira do Livro Anarquista em Patras era algo que vários companheiros e companheiras que participamos no espaço autogestionado “Epi Ta Proso” estivemos pensando em realizar durante muito tempo. O êxito e o balanço positivo – desde nosso ponto de vista – dos eventos do ano passado, nos conduziram a organizar a Feira do Livro Anarquista este ano pela terceira vez, com o fim de que seja consolidado como um evento de três dias, com debates, apresentações, exposições, atividades culturais…, e claro com o fim de que se divulguem os livros e as edições do movimento anarquista.

O objetivo do festival é pôr em destaque a riqueza das ideias anarquistas, antiautoritárias e libertárias, a difusão das propostas anarquistas na sociedade e em particular entre os jovens da cidade, em uma época em que prevalece a propaganda estatal contra os que resistem de uma maneira auto-organizada e desde baixo, enquanto que o racismo, o canibalismo social e a fascistização parecem ser as únicas alternativas de uma sociedade em crise. Read the rest of this entry »

A seguir, relato sobre uma manifestação realizada em Patras, em solidariedade com os lutadores turcos e curdos, e contra o terrorismo do Estado turco e de seus aparatos paraestatais. Semelhantes manifestações foram realizadas nos últimos dias em Atenas, Heraclión e Tessalônica, e nos próximos dias outras acontecerão em Lárisa e Volos.

Na terça-feira (13) à tarde aconteceu uma marcha de solidariedade com os lutadores turcos e curdos, com a participação de mais de 800 pessoas. No bloco anarquista, que foi formado após um chamado do grupo anarquista Disinios Ippos, participaram cerca de 80 pessoas.

Os assassinatos de ativistas na Turquia não são casos fortuitos. É um objetivo estratégico do Estado turco e de seus aparatos paraestatais. O objetivo é o extermínio (aniquilação) dos que resistem ao regime bárbaro e totalitário do governo do presidente Recep Tayyip Erdogan. Read the rest of this entry »

Chamado da Assembleia de anarquistas pelo contra-ataque social e de classe para duas concentrações em Patras.

Desde a continuação da ofensiva contra a sociedade, promovendo novas medidas de perpetuação dos memorandos, até a continuação da pilhagem e destruição do mundo natural… Desde os assassinatos de trabalhadores nas galerias de exploração salarial, até os assassinatos dos imigrantes nas fronteiras e detenção em campos de concentração… Desde a intensificação da repressão contra os lutadores, até a perpetuação do estado de emergência para a grande maioria da sociedade…

O Estado não se embeleza, o capitalismo não se humaniza. Serão derrubados.

Nenhuma ilusão sobre o parlamentarismo, nenhuma confiança na nova “gestão da Esquerda”. A única esperança é na criação de um movimento amplo, combativo e auto-organizada desde baixo para eliminar as relações de exploração e opressão, para a destruição do Estado e do Capital e a criação de uma nova comunidade de igualdade, solidariedade e liberdade, para a revolução social, o comunismo e a anarquia. Read the rest of this entry »

“Uma Feira do Livro Anarquista em cada cidade”, informação e momentos da segunda Feira do Livro Anarquista em Patras.

No sábado, 30 de maio de 2015, tarde da noite, foi finalizada a segunda Feira do Livro Anarquista de Patras, realizada no pátio ao ar livre de Ésperos, na praça Georguíu.

No primeiro dia, quinta-feira, 28 de maio, foram celebrados dois eventos. O primeiro evento, organizado por grupos autônomos e trabalhadores da Universidade de Atenas, tinha que ver com o lançamento do livro “Desde a maré baixa até a maré alta e vice-versa”, relacionado com a luta grevista dos trabalhadores na Administração das universidades e escolas técnicas. O evento foi seguido por uma discussão sobre a conjuntura atual nas universidades e formas de auto-organização e participação nelas.

Na continuação foi exibido o documentário Koltavanej, que em língua indígena Tzotzil maia significa “libertação da escravidão”. A exibição foi seguida por uma apresentação da autora do documentário e membro da Sexta, a companheira Concepción Suárez, sobre as lutas das mulheres em Chiapas e os desafios para a libertação das mulheres. O evento foi realizado na Feira do Livro, como parte de uma série de eventos com o mesmo tema feito pela assembleia “Solidários e solidárias do espaço anarquista, antiautoritário e libertário” em Patras, Atenas e Berea. O primeiro dia terminou com um bar de apoio financeiro da Feira, com canções zapatistas. Read the rest of this entry »

Neste post publicamos um texto do espaço autogestionado de Patras Epi Ta Proso sobre a segunda Feira do Livro Anarquista que se celebrará em Patras de 28 a 30 de maio, assim como o programa da Feira.

O texto:

Segunda Feira do Livro Anarquista em Patras, de 28 a 30 de maio em Ésperos (praça Georguíu)

A organização da primeira Feira do Livro Anarquista em maio de 2014 em Patras havia sido algo que vários companheiros e companheiras que participaram no espaço auto-gestionado “Epi ta Proso” haviam pensado em realizar. O êxito e o balanço positivo – do nosso ponto de vista – dos eventos do ano passado, nos conduziram a repetir a organização este ano, com o fim de que a Feira do Livro Anarquista se consolide já como um evento de 3 dias, com debates, apresentações, exposições, atividades culturais… e claro, divulgar os livros e as edições do movimento anarquista.

O objetivo do festival é pôr em relevo a riqueza das ideias anarquistas, antiautoritárias e libertárias, a difusão das propostas anarquistas na sociedade e em particular aos jovens da cidade, em uma época na qual prevalece a propaganda estatal contra os que resistem de uma maneira auto-organizada e desde abaixo, enquanto que o racismo, o canibalismo social e a fascistização parecem ser as únicas opções de uma sociedade em crise. Read the rest of this entry »

No domingo 26 de abril o Centro Social Ocupado Epi Ta Proso recebeu um ataque por parte de uns 15 valentões. No momento da agressão em seu interior estava acontecendo uma assembleia. As pessoas que estavam no interior do CSO saíram em seguida e com determinação repeliram os agressores. Ninguém se machucou no ataque. Tampouco houve danos materiais, salvo uma janela quebrada, que foi substituída quase de imediato.

Como lemos no comunicado que emitiu o CSO, depois da fuga dos agressores acudiram ao CSO muitos solidários, e umas horas depois realizou-se uma marcha pelas ruas de Patras com a participação de umas 150 pessoas solidárias com o CSO. No mesmo comunicado se cita que espaços auto-organizados como o do CSO Epi Ta Proso constituem lugares nos quais as pessoas tem a oportunidade de organizar-se sobre a base da igualdade e da solidariedade. Por conseguinte, qualquer que seja a identidade dos autores da agressão e a finalidade de sua ação, uma agressão a um centro social anarquista serve aos interesses dos aparatos repressivos do Estado (que pôs no ponto de mira estes lugares) e dos fascistas. Os autores da agressão atuaram como uma gangue paraestatal, como braço armado dos mecanismos de repressão estatais e paraestatais.

O CSO Epi Ta Proso foi fundado em Patras faz um ano e meio por anarquistas. É um lugar de criação e ação, através de atividades e eventos culturais e políticos. Em seu comunicado os participantes do projeto assinalam que o objetivo do ataque paraestatal era causar danos às infraestruturas e aos processos políticos do CSO, e em geral à auto-organização, à coletivização e à luta pela revolução social e a Anarquia. Portanto, a resposta do CSO será coletiva e combativa. Read the rest of this entry »

Enquanto em Corinto uns professores de uma escola secundarista optaram por encarregar-se com a repressão das mobilizações estudantis, em várias outras cidades foram realizadas massivas manifestações de estudantes secundaristas.

Em Corinto, uma pequena cidade perto de Atenas, o diretor e alguns professores de uma escola secundarista trancaram dentro dela seus alunos, para impedir a participação deles na manifestação que aconteceria hoje (13 de novembro de 2014) no centro da cidade. Contudo, os estudantes desta escola avisaram os colegas de outras escolas da cidade, que chegaram em massa fora da escola isolada, gritando lemas de solidariedade e exigindo o fim do cativeiro de seus companheiros.

O diretor da escola chamou a Polícia, e prontamente a escola foi cercada por um bom número de policiais. No entanto, os jovens que estavam dentro e fora da escola não se curvaram ante as ameaças e o terrorismo dos professores e dos policiais. E continuaram se manifestando, e logo os alunos que estavam trancados conseguiram abrir as portas da escola, sair dela e participar na manifestação, juntamente com os jovens de outras escolas da cidade. Read the rest of this entry »

Não o novo sistema. Não somos cobaias, somos estudantes

Não o novo sistema. Não somos cobaias, somos estudantes

Faz alguns dias que os estudantes secundaristas estão mobilizados em muitas cidades do território do Estado grego. Há três dias o próprio ministro da Educação admitiu que as escolas secundárias ocupadas eram mais de 500. Os alunos protestam contra a imposição da chamada “Nova Escola”, ou seja, de um plano de estudos exaustivo, o novo sistema de exame (igualmente exaustivo e intensificado) e a privatização da Educação.

Na segunda-feira, 3 de novembro, e na terça-feira, 4 de novembro de 2014, realizaram-se massivas manifestações e marchas estudantis em várias cidades. Ante esta situação perigosa para o Sistema, o Regime não ficou de braços cruzados. O governo conta com a ajuda de juízes, policias, diretores de escolas e paraestatais para reprimir a luta dos estudantes das escolas secundárias.

Na segunda-feira passada o diretor de uma escola secundária de Tessalônica tratou de impedir a participação dos alunos da escola em uma manifestação. Chamou a Polícia, mas nem os policiais nem o sujeito que os chamou lograram impedir que os jovens tomassem parte na manifestação. No mesmo dia, na cidade de Lamía o fiscal ordenou a detenção de nove jovens e de oito de seus pais dentro do recinto de uma escola secundária da cidade que estava ocupada. A Polícia, na presença do fiscal, invadiu a escola ocupada, deteve alunos e pais, e levou-os à delegacia da cidade, onde ficaram retidos até às 4 da madrugada. Read the rest of this entry »

A seguir, publicamos uma introdução informativa sobre os eventos realizados durante a Primeira Feira do Livro Anarquista, celebrada em Patras de 29 a 31 de maio de 2014. O texto foi publicado em grego na página web da Feira.

No sábado 31 de maio de 2014 a noite, terminou a Primeira Feira do Livro Anarquista celebrada em Patras e organizada pelo centro social autogestionado “Epi Ta Proso”. Desde quinta-feira, 29 de maio, em um dos pontos mais centrais da cidade esteve em funcionamento um dos focos de difusão das ideias anarquistas e libertárias mais vivas, que abarcou uma série de atividades com vários formatos (apresentações de livros, debates, projeções, eventos culturais, etc.).

Concretamente, na quinta-feira, 29 de maio, a partir das 17h (apesar do mal tempo) iniciou a feira do livro, de material impresso, e dos produtores de música independente. Pouco depois das 19h iniciou a apresentação da revista política Anarquismo Social, e em seguida teve lugar um debate muito interessante sobre a questão da organização do movimento anarquista, as formas e maneiras que ela pode tomar, assim como sobre a necessidade que hoje em dia a faz mais atual que nunca. Read the rest of this entry »

Arquivo