Posts Tagged ‘mobilizações’

Texto da coletividade antiautoritária de Ioannina Xeironimia-Movimento Antiautoritário sobre a instalação de antenas de celular nos bairros da cidade.

No dia 28 de janeiro de 2017 a coletividade Xeironimia-Movimento Antiautoritário realizou uma ação (intervenção) na praça principal de Ioannina contra a instalação de antenas de celular, distribuindo panfletos e abrindo faixas. O motivo do protesto foi a instalação em dois bairros da cidade de antenas de celular pela companhia Cosmote. Em ambos os casos, as antenas foram colocadas na casa de uma pessoa, que fica situada a pouca distância de duas escolas primárias. Segue o texto distribuído no protesto.

No dia 24 de dezembro de 2016 os habitantes de Lakkomata viram os membros de uma conhecida companhia de celular colocar (instalar) uma antena de telefonia que contêm altos níveis de radiação eletromagnética. Esta antena foi instalada a pouca distância do terreno da 4ªescola primária, dando para o pátio e para as salas de aula, da creche e do jardim de infância do bairro.

Confirma-se neste caso, que o legal não é necessariamente o correto, dado que a caótica autorização jurídica sobre o funcionamento das antenas não protege a população local, nem sequer os grupos sociais vulneráveis, legalizando a radiação destas antenas. O resultado é viver esta situação desumana com a instalação de uma antena ao lado de uma escola. Read the rest of this entry »

Texto da “Assembleia de estudantes do âmbito anarquista (Atenas)”, publicado na página web da Assembleia em razão das mobilizações dos estudantes do secundário. O título do texto original em grego é “A tomar de novo a vida em nossas mãos”.

Uma vez mais os alunos não estão em suas escolas senão nas ruas reclamando a vida e a dignidade que merecem. É uma vida que vamos perdendo minuto a minuto dentro da escola-opressora. E uma dignidade pisoteada diariamente com dezenas de pretextos: Eliminações de faculdades nas escolas técnicas, escassez de professores, de material e livros escolares, escolas sem calefação por falta de petróleo, desmaios de alunos por fome, edifícios perigosos, abuso de poder por parte de muitos professores, regulamentos escolares muito opressivos, com umas multas igualmente opressivas, um sistema educativo baseado nos exames e no antagonismo, que nos extermina e elimina todo pensamento criativo e livre, as “aulas de apoio” (em institutos privados) que já são necessárias e eliminam na prática a “educação livre e gratuita”, a pressão dos exames de ingresso, que nos conduz a todos a um estado de estresse e de aflição, e a alguns, lamentavelmente, até o suicídio. Refletindo sobre tudo isto (e sobre muito mais que não cabe em uma folha de papel) tiramos a conclusão que temos todas as razões para nos organizarmos como comunidade escolar, e para lutar, na rua e em nossas escolas, reclamando a vida que nós merecemos.

Reclamamos: Read the rest of this entry »

Nos dias 28 e 29 de julho aconteceram, em várias cidades do território do Estado grego, mobilizações e ações contra os desalojamentos das três casas okupadas em Tessalônica em 27 de julho. Segue um breve informe sobre as mais importantes delas.

Em Tessalônica, no dia 28 de julho, umas 500 pessoas realizaram uma manifestação e marcha pelas ruas da cidade. A marcha começou no centro da cidade e se dirigiu aos bairros ocidentais, onde se cruzou com vários imigrantes de um centro de reclusão. Os manifestantes então marcharam ao centro da cidade, passando pela prefeitura (o prefeito de Tessalônica ameaçou reprimir todas as okupações) e terminando na Escola de Teatro da Faculdade de Belas Artes, cujo edifício foi okupado umas horas antes com o fim de converter-se em um centro de luta.

Em Atenas, no dia 28 de julho, foi promovida uma marcha pelo centro da cidade com a participação de uns 700 solidários com as okupações desalojadas em Tessalônica. Alguns dos manifestantes eram refugiados e imigrantes sem-teto auto-organizados de Atenas. Nesta marcha a okupa de sem-tetos do hotel City Plaza, realizada por esquerdistas, tratou de manipular a manifestação. Na realidade, apesar desta okupa não ter sido chamada à marcha, seus membros se puseram à sua frente. Os membros da okupa da Rua Tsamadú (no bairro de Exarchia), em sua grande maioria anarquistas, reagiram a esta arbitrariedade, uma vez que havia sido ela que havia chamado à manifestação. Read the rest of this entry »

Calcídica: 10 dias de resistência antimineraçãoDe 24 de julho a 2 de agosto de 2015, na floresta de Skuriés, nordeste de Calcídica, os comitês de luta antimineração realizarão um acampamento livre com a celebração de vários eventos e ações contra a instalação de uma mineração de ouro nesta floresta. A seguir, publicamos o cartaz e o breve texto do chamado.

90 crimes, 350 perseguidos. O nordeste de Calcídica segue resistindo contra toda lógica de delegação. Não temos nenhuma confiança na delegação, lutamos nós mesmos.

Desde o 12 de julho de 2015 (data em que expirou o prazo que tinha recebido a empresa de mineração Ouro Grego para apresentar todos os dados necessários para a extração de ouro), a empresa Ouro Grego (Eldorado Gold) é totalmente ilegal, ignorando de uma maneira provocativa todas as condições restritivas que lhe foram impostas pelo Ministério, como se ela fosse um Estado dentro do Estado grego.

As evoluções recentes não permitem-nos que fiquemos à espera, nem que tenhamos ilusões falsas de que haverá qualquer resultado delegando a expulsão da empresa de mineração ao governo. Quando se diz resultado é para se referir à retirada da empresa antes da conclusão do seu plano inversivo. De qualquer forma, a única razão para anular a destruição ambiental é (e deve ser) a presença combativa do movimento antimineração. Read the rest of this entry »

Atenas, 3 de junho de 2015: Mobilizações contra a extração de ouro em CalcídicaNeste post publicamos um chamamento a duas concentrações contra a extração de ouro em Calcídica, na quarta-feira, 3 de junho, em Atenas.

A atividade da empresa mineradora de interesses canadenses Ouro Grego (Elinikós Jrisós) teria que ter parado faz muito tempo. Porque é destrutiva, ilegal, sem benefícios sociais e sem o consenso da sociedade. Em vez disto, a empresa segue destruindo rapidamente o monte Kákavos. É óbvio que a empresa se aproveita de tudo para criar fatos consumados que tornaria inevitável a destruição de Calcídica. Ao mesmo tempo, mais de 350 lutadores são perseguidos, sendo a única acusação substancial contra eles sua resistência à lógica das “inversões a qualquer custo” e exerceram seu direito a proteger sua terra.

A responsabilidade desta situação recai no governo e no poder judiciário. Os juízes devem fazer justiça baseando-se na legislação, no interesse público social, e no senso comum da justiça, e não sobre a base dos interesses dos “investidores”. O governo tem que deixar de ser um espectador do crime que está sendo cometido, e deve assumir a responsabilidade política e moral que acarreta a destruição de toda uma região. Deve mostrar a vontade política adequada – e que antes das eleições havia ficado clara – de resolver de imediato esta questão de uma vez por todas. Read the rest of this entry »

Mobilizações em solidariedade com os lutadores de AyotzinapaA seguir, o texto do cartaz dos “Solidárixs anarquistas, antiautoritárixs e libertárixs” (com a luta/causa dos zapatistas), chamando para um evento informativo e uma concentração por ocasião dos recentes acontecimentos no Estado de Guerrero, no México.

Na sexta-feira, 26 de setembro, a Polícia mexicana, juntamente com membros do cartel de drogas “Guerreiros Unidos”, realizou um ataque armado contra estudantes da Escola Normal Rural de Ayotzinapa e contra cidadãos que estavam em uma mobilização combativa na cidade de Iguala, Guerrero, no sul do México, matando sete pessoas, ferindo pelo menos 25 e sequestrando 43. Imediatamente após o ataque, a responsabilidade pela segurança pública na cidade de Iguala assumiu a Gendarmeria e forças militares.

Em 3 de outubro, após investigação dos familiares dos desaparecidos são descobertas valas comuns fora da cidade, com dezenas de corpos carbonizados.

Nas cidades de Iguala e Chilpancingo, a capital do Estado de Guerrero, manifestações, ocupações de prédios públicos e bloqueios de estradas acontecem diariamente, com a participação de todos os movimentos populares do Estado.

Em 8 de outubro, o EZLN promoveu uma manifestação com dezenas de milhares de zapatistas em San Cristobal, denunciando o massacre dos estudantes, expressando sua solidariedade com os lutadores de Ayotzinapa, e chamando para uma mobilização em todo o mundo. Em dezenas de cidades do México e em muitos outros países foram realizadas ações de solidariedade com os lutadores de Ayotzinapa. Read the rest of this entry »

Publicamos o texto de convocação da Iniciativa Antifascista de Marusi para duas mobilizações contra a abertura das oficinas da gangue fascista Aurora Dourada no bairro, sem compartilhar as referências feitas no texto à luta pela Democracia.

A abertura das oficinas do setor norte da gangue neonazi Aurora Dourada em 11 de julho de 2014 no bairro ateniense de Marusi, sem aviso prévio e guardando o máximo segredo, não ficou sem resposta por parte dos cidadãos de Marusi e dos outros bairros do norte de Atenas.

A grande marcha dos mais de 1.500 antifascistas em 24 de julho de 2014 mostrou a vontade de nossos concidadãos de lutar por fechar as oficinas da Aurora Dourada, e sua determinação de lutar contra o fascismo. A forte presença policial nesta marcha não foi capaz de aterrorizar a ninguém, nem de deter a marcha.

Semelhante foi a reação dos lutadores antifascistas de nosso bairro, quando a sexta-feira, 1º de agosto de 2014, com a operação coordenada, os assassinos paraestatais da Aurora Dourada e as forças repressivas oficiais puseram no ponto de mira a okupa Kuvelu. Neste caso também se reuniram centenas de pessoas e exigiram a retirada imediata das forças da repressão e o fechamento imediato das oficinas de Aurora Dourada em Marusi. Esta reação direta e combativa deu lugar à retirada da polícia antidistúrbios das zonas vizinhas da okupa na mesma noite da operação. Read the rest of this entry »

Continuam os protestos contra a abolição do domingo como dia festivoContinuam os protestos contra a abolição do domingo como dia festivoContinuam os protestos contra a abolição do domingo como dia festivoContinuam os protestos contra a abolição do domingo como dia festivo
No domingo, 24 de agosto de 2014, a “Coordenação de ação contra a abolição do domingo como dia festivo e os horários de trabalho flexíveis”, a iniciativa “Trabalhadores/as do setor de comércio” e diversos sindicatos de base, realizaram no centro de Atenas várias ações contra a decisão do governo neoliberal de eliminar o domingo como dia festivo.

As ações ocorreram na rua mais comercial do centro de Atenas, com a finalidade de anular os planos políticos e econômicos do governo e dos patrões de converter-nos em escravos modernos. A mobilização começou às 11h e terminou três horas depois, às 14h.

Na mobilização, textos foram distribuídos dentro e fora das poucas lojas que estavam abertas, faixas foram abertas do lado de fora delas, foi lido várias vezes através de um megafone o chamado dos “Trabalhadores/as do setor de comércio” para uma assembleia na tarde do mesmo dia, assim como o comunicado emitido pela “Coordenação de ação contra a abolição do domingo como dia festivo e os horários de trabalho flexíveis”, e em várias ocasiões foram estabelecidas conversas com os funcionários que estavam trabalhando. Read the rest of this entry »

Informações sobre as mobilizações de 13 julho contra a abolição do domingo como dia festivoInformações sobre as mobilizações de 13 julho contra a abolição do domingo como dia festivoInformações sobre as mobilizações de 13 julho contra a abolição do domingo como dia festivoInformações sobre as mobilizações de 13 julho contra a abolição do domingo como dia festivoInformações sobre as mobilizações de 13 julho contra a abolição do domingo como dia festivoInformações sobre as mobilizações de 13 julho contra a abolição do domingo como dia festivo
Como parte da greve convocada no setor comercial contra a tentativa do governo neoliberal de abolir o domingo como dia festivo, neste domingo, 13 de julho, em Atenas e em cidades de todo o território do estado grego, foram realizadas manifestações, concentrações, bloqueios de lojas e piquetes.

No centro de Atenas, a “Coordenação de ação contra a abolição do domingo como dia festivo” e vários sindicatos de base realizaram uma passeata combativa, assim como vários bloqueios de lojas e piquetes do lado de fora das empresas das ruas comerciais Ermú e Stadíu.

As manifestações realizadas no centro da capital foram muito bem sucedidas. Muitas lojas e grandes magazines não abriram suas portas, enquanto outras que abriram, fecharam logo após a chegada dos manifestantes contra a abolição do domingo.

Durante a manifestação houve a distribuição de panfletos, cujo texto foi lido por megafone, desde os escritórios da Associação de Professores do Ensino Secundário. A próxima greve e mobilização contra a abolição do domingo como dia festivo será no domingo 20 de julho. Read the rest of this entry »

Na quarta-feira, 07 de março, foram realizadas uma concentração e passeata em resposta à tentativa de evacuação da ocupação Elea. A passeata partiu da Praça Georgakis e foi antecedida por um evento de contrainformação sobre o caso por meio de megafones. No ato participaram pessoas solidárias de muitos coletivos da ilha e não só dela. A manifestação foi muito combativa e marchamos por todas as ruas principais da cidade, até chegar à área da Ocupação. Foram distribuídos folhetos informativos e produzidas diversas pichações nas paredes exteriores da Prefeitura Municipal. Uma vez finalizada a passeata, houve uma assembleia muito concorrida na área da Ocupação.

Na quinta-feira, 08 de março, pela manhã, realizamos uma intervenção informativa na estação de rádio “Kima” (Onda), onde se leu um comunicado da Ocupação. Na parte da noite aconteceu uma assembleia, na qual se decidiu organizar mais manifestações.

Agradecemos aos companheiros e companheiras da ocupação Draka, aos solidários e solidárias da ilha, bem como aos companheiros e companheiras de outras cidades que mostraram na prática a sua solidariedade com a gente e nos apoiaram com sua presença. Read the rest of this entry »

Arquivo