Posts Tagged ‘marusi’

No sábado 2 de julho de 2016 a “Coordenadora de ação contra a abolição do domingo como dia festivo”, assim como várias coletividades, assembleias e iniciativas, participaram em uma ação contra as denominadas “Noites Brancas” no bairro ateniense de Marusi. Esse sábado foi o segundo consecutivo em que houveram tais mobilizações neste bairro.

Informação sobre a mobilização contra a "Noite Branca" em MarusiInformação sobre a mobilização contra a "Noite Branca" em MarusiInformação sobre a mobilização contra a "Noite Branca" em MarusiInformação sobre a mobilização contra a "Noite Branca" em MarusiInformação sobre a mobilização contra a "Noite Branca" em MarusiInformação sobre a mobilização contra a "Noite Branca" em Marusi
Mais de 400 pessoas participaram nesta ação auto-organizada. A concentração começou às 18h na rua de pedestre mais central e comercial do bairro, e terminou por volta das 23h. Meia hora depois do começo da ação os manifestantes começaram os bloqueios de 19 lojas. Durante os bloqueios se distribuíram panfletos e se entabularam conversas tanto com os trabalhadores nas lojas quanto com as pessoas que passavam pelas ruas comerciais do bairro. As reações por parte dos donos das lojas e dos consumistas lobotomizados foram escassas. Depois dos bloqueios se realizou uma marcha pela zona comercial do bairro.

Entre as lojas bloqueadas, mencionamos as seguintes:

– A loja da Wind. Esta companhia telefônica foi uma das patrocinadoras principais da “Noite Branca”. No bloqueio participaram membros dos sindicatos dos trabalhadores na empresa, levantando uma faixa e informando às pessoas das verdadeiras condições de trabalho na Wind.

– As lojas das cadeias Hondos Center e Gallery De Beaute. Devido aos bloqueios, estas lojas fecharam às 20h e os trabalhadores se foram a descansar. Apontamos que os trabalhadores que se viram forçados a trabalhar até tarde da noite ou não cobraram nada pelas horas trabalhadas, ou no melhor dos casos cobraram as migalhas que cobra a
nova legislação trabalhista. Read the rest of this entry »

Informação sobre a manifestação contra as "Noites Brancas"Informação sobre a manifestação contra as "Noites Brancas"Informação sobre a manifestação contra as "Noites Brancas"
Em 10 de outubro de 2015, o município de Marusi (bairro no subúrbio de Atenas) e a Associação de Comerciantes local, permitiram que os comércios do bairro ficassem abertos até a meia-noite, apresentando essa deliberação como uma festa sob o nome “Noite Branca”. Além de promover o consumismo e consolidá-lo no inconsciente das pessoas, essa suposta festa não é uma desculpa para a imposição dos horários comerciais “liberalizados” e a transformação dos de baixo em escravos sem direitos trabalhistas.

Para o mesmo dia a Coordenadora de ação contra a abolição do domingo como dia festivo e os “horários liberalizados”, a coletividade obreira Trabalhadores/as no setor do comércio, e outros grupos do bairro e de Atenas, haviam chamado uma manifestação contra as chamadas “Noites Brancas”.

No entardecer do dia 10 de outubro aconteceu uma concentração do lado de fora da estação do metrô de Marusi, onde uma faixa foi exibida e folhetos distribuídos. Duas horas mais tarde começou a marcha pelas ruas do bairro. A marcha passou pelas principais ruas comerciais de Marusi, e pelas praças do bairro onde aconteciam eventos artísticos no marco da chamada “Noite Branca”. Read the rest of this entry »

Informações sobre as concentrações antifascistas de 1º de novembroDuas concentrações antifascistas foram realizadas no sábado, 1º de novembro, nos bairros de Marusi e Neo Heraclion, no norte de Atenas. As concentrações foram realizadas simultaneamente a uma concentração convocada pela gangue neonazista Aurora Dourada no local onde um ano antes dois militantes neonazistas haviam caído mortos durante um ataque armado contra os escritórios (hoje fechados) deste partido neonazista.

Na concentração de Marusi participaram uns 500-600 antifascistas, em sua maioria anarquistas, antiautoritários e libertários. Na concentração de Neo Heraclion, realizada perto do local da concentração dos fascistas, participaram uns 150-200 antifascistas, em sua maioria membros de grupos esquerdistas extraparlamentares.

Nenhuma das concentrações antifascistas se transformou em passeata. Por outro lado, cerca de 250 fascistas marcharam até o cemitério de Neo Heraclion, onde estão enterrados os dois neonazistas que foram mortos no ataque armado. Lembramos que alguns dias atrás, a família de um dos dois mortos entrou com uma ação contra o Aurora Dourada solicitando que a gangue fascista pare de fazer uso do nome do morto para fins políticos, e que seja proibida de realizar concentrações em sua memória. Read the rest of this entry »

Concentração contra a abolição do domingo como dia festivo dentro do maior shopping de AtenasConcentração contra a abolição do domingo como dia festivo dentro do maior shopping de AtenasConcentração contra a abolição do domingo como dia festivo dentro do maior shopping de Atenas
No sábado, 18 de outubro de 2014, a “Coordenação de ação contra a abolição do domingo como dia festivo e os horários flexíveis” realizou uma concentração de protesto no shopping Mall, localizado nos arredores do bairro de Marusi, a uma curta distância da Vila Olímpica.

A concentração começou no último andar do shopping, às 10h30. Lá foram distribuídos panfletos contra a abolição do domingo como dia festivo e os horários comerciais estendidos, e em várias ocasiões se puxaram conversas com os trabalhadores das lojas e os clientes delas. Simultaneamente foram distribuídos textos na entrada do shopping.

Em seguida, por volta do meio-dia, a concentração mudou-se para o piso inferior do shopping, onde uma faixa foi desfraldada e uma pequena marcha realizada por seus corredores. A manifestação terminou do lado de fora do shopping, na estação de metrô local, onde mais panfletos foram distribuídos e cartazes espalhados na região. Read the rest of this entry »

Publicamos o texto de convocação da Iniciativa Antifascista de Marusi para duas mobilizações contra a abertura das oficinas da gangue fascista Aurora Dourada no bairro, sem compartilhar as referências feitas no texto à luta pela Democracia.

A abertura das oficinas do setor norte da gangue neonazi Aurora Dourada em 11 de julho de 2014 no bairro ateniense de Marusi, sem aviso prévio e guardando o máximo segredo, não ficou sem resposta por parte dos cidadãos de Marusi e dos outros bairros do norte de Atenas.

A grande marcha dos mais de 1.500 antifascistas em 24 de julho de 2014 mostrou a vontade de nossos concidadãos de lutar por fechar as oficinas da Aurora Dourada, e sua determinação de lutar contra o fascismo. A forte presença policial nesta marcha não foi capaz de aterrorizar a ninguém, nem de deter a marcha.

Semelhante foi a reação dos lutadores antifascistas de nosso bairro, quando a sexta-feira, 1º de agosto de 2014, com a operação coordenada, os assassinos paraestatais da Aurora Dourada e as forças repressivas oficiais puseram no ponto de mira a okupa Kuvelu. Neste caso também se reuniram centenas de pessoas e exigiram a retirada imediata das forças da repressão e o fechamento imediato das oficinas de Aurora Dourada em Marusi. Esta reação direta e combativa deu lugar à retirada da polícia antidistúrbios das zonas vizinhas da okupa na mesma noite da operação. Read the rest of this entry »

Agressão fascista contra a okupa Kuvelu com o consentimento da Polícia Agressão fascista contra a okupa Kuvelu com o consentimento da Polícia Agressão fascista contra a okupa Kuvelu com o consentimento da Polícia Agressão fascista contra a okupa Kuvelu com o consentimento da Polícia
Nesta sexta-feira, 1º de agosto, um grupo de 100 neonazistas atacou a okupa Kuvelu, no bairro de Marusi, no norte de Atenas. Antes de atacar a okupa, os fascistas haviam feito uma marcha motorizada desde a sede fechada da gangue neonazista Aurora Dourada no bairro vizinho de Neo Iraklio até a sua nova sede em Marusi.

Durante o ataque fascista umas 30 pessoas estavam dentro da okupa e a defenderam da agressão fascista-paraestatal. Os fascistas armados com facas, navalhas, bastões e escudos, fizeram um ataque organizado e coordenado por 15 minutos. As pessoas que estavam ali naquele momento conseguiram rebater o ataque e puseram os nazis para correr. Durante a agressão os fascistas causaram estragos a vários carros que estavam estacionados nas cercanias da okupa. A Polícia apareceu logo após a fuga dos neonazistas, rodeando a okupa. Ressaltamos que as forças de segurança eram numerosas e durante o ataque dos fascistas se encontravam a pouca distância dos fascistas, mas sem intervir.

No ataque ficaram feridas várias pessoas que defenderam a okupa. Os vizinhos atenderam os feridos, e permaneceram do lado de fora de suas residências durante o bloqueio dos policiais. Durante esse tempo, cerca de 100 pessoas vieram para as imediações da okupa, solidários com ela. Read the rest of this entry »

Informações sobre a manifestação antifascista de 24 de julho em MarusiInformações sobre a manifestação antifascista de 24 de julho em MarusiInformações sobre a manifestação antifascista de 24 de julho em Marusi
Na quinta-feira, 24 de julho de 2014, mais de 1.000 pessoas participaram da massiva manifestação e marcha contra a abertura dos escritórios da gangue neonazista Aurora Dourada no bairro de Marusi, em Atenas. Os participantes da marcha eram em sua grande maioria anarquistas, antiautoritários, e esquerdistas da esquerda extraparlamentar. O ato foi chamado por vários grupos anarquistas e antifascistas, assim como pela Assembleia popular do bairro.

Pouco antes do término da manifestação um grupo de neonazistas atacou um membro de um partido esquerdista parlamentar, que distribuía folhetos no centro do bairro. A marcha não chegou aos escritórios da Aurora Dourada porque a Polícia bloqueou a rua a uns duzentos metros do espaço fascista. Na volta para o lugar de onde tinha começado a marcha, os manifestantes quebraram uma casa de penhores.

Alguns dos lemas gritados no ato: “Nem em Marusi nem em qualquer outro lugar, esmagar os fascistas em todos os bairros”, “Policiais, TV, neonazistas: todas as escórias trabalham em conjunto”. Read the rest of this entry »

Marusi, 24 de julho: Manifestação contra a abertura dos escritórios da gangue neonazista Aurora DouradaNesta quinta-feira, 24 de julho de 2014, vários grupos anarquistas e antifascistas, e assembleias locais, chamaram uma manifestação e marcha no bairro Marusi, em Atenas, onde há poucos dias a gangue neonazista Aurora Dourada anunciou a abertura de seus escritórios. A seguir, publicamos o cartaz do chamado.

Não consentimos o fascismo, lutamos contra ele na rua

A apatia (passividade) e a inércia não dão uma resposta ao fascismo que estamos vivenciando. Os que delegam ao Estado a confrontação do fascismo, denunciando-o, atuando com neutralidade e com desculpas, fazem que não veem.

Isso ocorre porque o próprio Estado é fascista. É o que cria centros de detenção (reclusão) para imigrantes, que governa com uma legislação no âmbito do estado de emergência, que ordena a mobilização forçada dos grevistas, que constrói prisões infernais.

Em 11 de julho de 2014 a organização local da Aurora Dourada anunciou a abertura de seus escritórios em Marusi. No mesmo dia, um grupo de companheiros atacou o edifício de seus escritórios, para que recebam a mensagem clara de que devem ir embora tal como chegaram.

Manifestação (marcha) contra a abertura dos escritórios da gangue neonazista Aurora Dourada.

Quinta-feira, 24 julho, às 18h, na estação do metrô. Read the rest of this entry »

1º de Maio de 2014: Marcha motorizada ao café Scherzo, cujo dono tinha maltratado um trabalhador1º de Maio de 2014: Marcha motorizada ao café Scherzo, cujo dono tinha maltratado um trabalhador1º de Maio de 2014: Marcha motorizada ao café Scherzo, cujo dono tinha maltratado um trabalhador1º de Maio de 2014: Marcha motorizada ao café Scherzo, cujo dono tinha maltratado um trabalhador
Neste 1º de Maio de 2014, o sindicato de base de garçons e cozinheiros, e a assembleia de base dos distribuidores de Atenas, realizaram uma marcha motorizada com cerca de 120 motos, do centro de Atenas até a cafeteria Scherzo, cujo proprietário, há algumas semanas, tinha dado uma surra em um dos trabalhadores na loja, causando uma série de protestos e manifestações.

Antes de chegar ao bairro de Marusi, onde fica o café, a marcha percorreu vários bairros do centro e nos subúrbios de Atenas, com manifestantes gritando palavras de ordem e jogando panfletos. Quando a marcha chegou à cafeteria, os manifestantes estacionaram suas motos e realizaram uma marcha até a cafeteria, gritando lemas como “A solidariedade é a arma do povo, guerra contra a guerra dos patrões” e “Nem em Marusi ou em qualquer outro lugar, nenhuma paz com a patronal”.

Muitas pessoas que naquele momento estavam sentadas nas mesas do café Scherzo não sabiam nada sobre a atrocidade de seu proprietário, Dimitris Tyrologos, nem sua atitude terrorista com os trabalhadores, e quando eles se inteiraram do assunto se levantaram das mesas e foram embora sem pagar, já que os manifestantes bloquearam a entrada do local, exibindo uma faixa onde se lia “A solidariedade de classe irá esmagar o patrão do café Scherzo”. Poucos foram aqueles que optaram por ficar no local. Read the rest of this entry »

Ação no bairro do patrão que deu uma surra em um trabalhadorAção no bairro do patrão que deu uma surra em um trabalhadorAção no bairro do patrão que deu uma surra em um trabalhadorAção no bairro do patrão que deu uma surra em um trabalhador
No sábado, 29 de março, realizou-se uma ação no bairro de Demetrio Tyrologos, proprietário da cafeteria Scercho, que há alguns dias tinha dado uma surra em um trabalhador, por pedir-lhe as migalhas que lhe pagava por doze horas de escravidão ao dia, sem seguridade social e sem ter dias livres.

No sábado, 22 de fevereiro, o Sindicato de Camareiros e Cozinheiros (e em geral dos trabalhadores no setor de alimentação, bebidas e serviço de alimentos) havia realizado uma manifestação no bairro ateniense de Marusi, onde está o negócio de Tyrologos, com a colaboração de vários sindicatos de base organizados horizontalmente, coletividades de trabalhadores, assembleias, okupas e centros sociais dos bairros próximos. No sábado seguinte,1 de março de 2014, a ação realizou-se pela segunda vez, sem que tenha sido antecedida por um chamamento feito em público. No sábado, 8 de março, depois de um chamamento, mais de doze sindicatos de base, assembleias e coletivos, participaram em outra manifestação de protesto no centro comercial de Marusi.

Durante esta intervenção, realizada fora da casa de Tyrologos e em toda a vizinhança,  distribuíram-se muitos panfletos informativos, e muitos outros foram espalhados com uma breve menção à agressão, junto com o nome, o sobrenome e o endereço do patrão, e pintaram-se lemas fora de sua casa. A mensagem que foi enviada a dito sujeito é que nenhum trabalhador estará só frente à patronal, que os oprimidos podem dar respostas adequadas à violência e à exploração que experimentam diariamente, e que coletivamente podem transferir o temor ao grupo dos patrões. Escravos assalariados nativos e estrangeiros, podemos solidarizar-nos e lutar juntos contra o mundo dos patrões. Read the rest of this entry »

Arquivo