Posts Tagged ‘manifestação’

A seguir, texto editorial do Atenas Indymedia, publicado por ocasião da visita oficial do fascista Erdogan à Grécia nos dias 7 e 8 de dezembro de 2017.

Em 7 de dezembro de 2017, o fascista Erdogan vem para a Grécia, convidado pelo governo local “esquerdista”. O assassino dos povos curdo e turco vem apertar a mão e reforçar suas relações com os mafiosos inescrupulosos que manipularam as expectativas do povo pelo Poder e os imigrantes, e agora estão negociando sem vergonha alguma armas com os assassinos do povo do Iémen, para receber como presentinho a prisão e tortura de lutadores turcos, e o encobrimento de seus crimes pela vizinha Europa “democrática”. Indesejáveis (“personas non gratas”).

Na quinta-feira, 7 de dezembro de 2017, a partir das 18 horas (Propileos da antiga Universidade de Atenas) nos manifestamos:

Contra a presença do fascista Erdogan. Pela libertação imediata dos nove lutadores curdos e turcos presos na Grécia. Pela solidariedade internacionalista com os povos da Turquia em luta. Pela libertação dos prisioneiros políticos curdos e turcos, encarcerados nas masmorras das prisões turcas.

O texto em grego, castelhano.

Nesta postagem publicamos o chamado da Organização Política Anarquista a uma manifestação contra a visita do presidente turco à Grécia, o regime de emergência na Turquia, e em solidariedade com os lutadores contra a barbárie do atroz regime turco. O título do texto original em grego é “7 de dezembro: Manifestação contra a guerra, o fascismo e o regime de emergência”.

O convite ao presidente turco pelo Estado grego para ir à Grécia em 7 e 8 de dezembro constitui mais uma ação de legalização e reconhecimento do regime autoritário de Erdogan, que, depois do referendo recente, concentrou ainda mais poderes em suas mãos. Ao mesmo tempo, tentando consolidar seu poder, vai intensificando as operações militares fora das fronteiras do Estado turco e impondo um regime de emergência no interior da Turquia.

Durante os últimos anos, a campanha repressiva do Estado turco foi se manifestando com operações militares nas zonas dos curdos, com encarceramentos e perseguições massivas, e com ataques assassinos a movimentos de resistência e a organizações revolucionárias. Nesta medida, anarquistas, comunistas, jornalistas, artistas, ativistas e os que de qualquer maneira põem em dúvida o fato de que o Regime seja todo poderoso, são processados, torturados e encarcerados. Read the rest of this entry »

Informação sobre a manifestação contra a instalação de armas nucleares na base aérea de AraxosInformação sobre a manifestação contra a instalação de armas nucleares na base aérea de AraxosInformação sobre a manifestação contra a instalação de armas nucleares na base aérea de AraxosInformação sobre a manifestação contra a instalação de armas nucleares na base aérea de AraxosInformação sobre a manifestação contra a instalação de armas nucleares na base aérea de AraxosInformação sobre a manifestação contra a instalação de armas nucleares na base aérea de AraxosInformação sobre a manifestação contra a instalação de armas nucleares na base aérea de Araxos
Segue o boletim informativo do grupo anarquista Dissinios Ippos (Cavalo Indomável) sobre a manifestação de ontem (12 de novembro) na base aérea de Áraxos (província de Acaya).

No domingo 12 de novembro de 2017 se realizou na base aérea de Araxos a manifestação antiguerra internacionalista contra a possível instalação de armas nucleares da OTAN nesta base. Na manifestação participaram umas 200 pessoas.

Na marcha se formou um bloco anarquista, após o chamado do grupo anarquista de Patras Dissinios Ippos (Cavalo Indomável). Na faixa do bloco anarquista dizia: “Luta internacionalista contra a guerra, a indigência e o totalitarismo moderno”. Outras convocatórias foram feitas por várias associações estudantis, organizações e partidos esquerdistas, e o grupo de anarquistas e comunistas “Contra-ataque de Classe”.

Às 9h30 se realizou uma concentração no centro de Patras. Desde ali os manifestantes foram em ônibus comuns e turísticos ao povoado Lakkópetra de Acaya. Uma vez chegados a este povoado, os manifestantes realizaram uma marcha, percorrendo uns 3-4 quilômetros até a entrada da base aérea. Durante toda a marcha estivemos gritando lemas contra a guerra e o totalitarismo moderno, contra as armas nucleares e as bases da morte nuclear, contra o Estado e o capitalismo. Fora da entrada da base estavam alinhadas fortes forças policiais, formando um cordão para impedir os manifestantes de entrarem na base. Read the rest of this entry »

Texto da União Sindical Libertária de Ioannina, publicado na sua página web.

No dia 24 de outubro realizou-se na cidade de Ioannina uma manifestação contra a presença do primeiro-ministro [Aléxis] Tsipras e de vários ministros, com o motivo da celebração do 5º Congresso Para o Desenvolvimento. A presença dos policiais dos serviços secretos na cidade foi intensa durante todo o dia. Grupos de policiais secretos moveram-se constantemente pelos bairros onde estão os centros sociais auto-organizados. Em concreto, numa ruela estavam instalados desde o meio-dia cinco policiais, de vez em quando eram visitados por policiais motorizados e outros vestidos à paisana.

A manifestação começou às 18h30 na Casa do Obreiro. Depois de uma hora de conversas, as pessoas saíram em marcha até o Hotel Du Lac, onde acontecia o Congresso. À exceção do Pame (braço sindical do Partido “Comunista”), que fez tudo o que era possível para mostrar que o seu bloco era massivo (ou simplesmente combativo), trazendo manifestantes em ônibus desde as cidades de Preveza, Arta, Corfu, Igumenitsa e Lefkada, a marcha não foiPatras: Mobilizações anarquistas contra a instalação de armas nucleares na base aérea de Araxos massiva e nem combativa. Read the rest of this entry »

Neste post publicamos o chamado do grupo anarquista de Patras Dissinios Ippos (Cavalo Indomável) a duas manifestações contra a instalação de armas nucleares na base aérea de Araxos, perto da cidade de Patras.

Contra a instalação de armas nucleares na base aérea de Araxos.

As crises generalizadas do Estado e dos chefes no mundo conduzem com precisão matemática a uma via, se não for formada uma frente de luta e de resistência internacional ampla: a das sociedades em guerra, da generalização e agudização dos antagonismos geopolíticos e das operações militares, inclusive de uma grande guerra e da consolidação do estado de emergência, como uma rede inflexível de controle e de repressão de todas as facetas das atividades sociais.

Luta internacionalista contra a guerra, a indigência e o totalitarismo moderno.

Concentrações, marchas: segunda-feira, 6 de novembro de 2017, às 6h30, Praça Georgiou (Patras), domingo, 12 de novembro de 2017, às 11h, Araxos.

Grupo anarquista Dissinios Ippos (Cavalo Indomável) – membro da Organização Política Anarquista

Tradução: Agência de Notícias Anarquistas.

O texto em grego, castelhano.

Em 24 de outubro de 2017 os neonazis do Aurora Dourada e alguns grupúsculos fachas haviam convocado uma concentração no centro de Atenas contra a nova lei sobre a mudança de sexo. Umas três horas antes da hora programada da concentração, centenas de antifascistas, em sua maioria anarquistas, antiautoritários e esquerdistas da Esquerda extra-parlamentar, se reuniram na maior praça de Atenas (Sintagma) com o fim de anular a concentração racista.

A polícia havia fechado as entradas das estações de metrô mais próximas à praça, pensando que desta maneira desanimaria as pessoas de ir à manifestação antifascista. Os quase duzentos antifascistas que naquele momento estavam reunidos na praça não puderam aproximar-se do lugar no qual uns trinta fascistas haviam estendido uma faixa, pois eles estavam protegidos por centenas de policiais. Um pouco mais tarde os aproximadamente quatrocentos antifascistas que estavam concentrados na praça naquele momento estavam rodeados por fortes forças policiais. Vários esquadrões estavam alinhados diante dos cinquenta fascistas encurralados na parte superior da praça.

Naquele momento um grupo de manifestantes se separou da manifestação e entrando nos becos das zonas vizinhas da praça, conseguiu chegar a pouquíssima distância dos fascistas, pegando a polícia desprevenida. Eles responderam com granadas de efeito moral e com gases lacrimogêneos disparados até este grupo de antifascistas. Ao mesmo tempo, evacuaram os fascistas, levando-os ao interior dos jardins nacionais, um lugar totalmente isolado. Read the rest of this entry »

Informação sobre a manifestação antifascista de 18 de setembro em PatrasInformação sobre a manifestação antifascista de 18 de setembro em PatrasInformação sobre a manifestação antifascista de 18 de setembro em Patras
Nos dias 16 e 18 de setembro, quatro anos depois do assassinato do músico antifascista Pavlos Fyssas por neonazistas, manifestações antifascistas ocorreram em várias cidades do território do Estado grego. A seguir, o boletim informativo do grupo anarquista de Patras Dissinios Ippos (Cavalo Indomável) sobre a manifestação realizada nesta cidade.

Na segunda-feira, 18 de setembro de 2017, uma manifestação antifascista ocorreu em Patras quatro anos depois do assassinato de Pavlos Fyssas pelos batalhões de assalto do Aurora Dourada. Durante a manifestação realizada na praça principal da cidade, no teatro municipal Apollo foi desfraldada uma faixa que dizia: “Pavlos está vivo. Esmague os nazis. Capital e Estado engendram o fascismo”.

A manifestação foi sucedida por uma marcha pelas ruas do centro da cidade de Patras, na qual muitas pessoas participaram. No bloco anarquista, formado pelo grupo anarquista Dissinios Ippos (Cavalo Indomável) após várias convocatórias (chamados) da Organização Política Anarquista, participaram aproximadamente 80 pessoas. A faixa principal dizia: “Da Europa à América… esmagar o Estado, o Capital e os fascistas”. No geral, a manifestação foi combativa, especialmente quando a marcha passou muito perto dos escritórios do Aurora Dourada, que estavam protegidos por numerosas forças policiais. Read the rest of this entry »

A seguir, publicamos o chamado do grupo anarquista de Patras Dissinios Ippos (Cavalo Indomável) e da Organização Política Anarquista a uma concentração e marcha nesta cidade, em 18 de setembro, quatro anos depois do assassinato do músico antifascista Pavlos Fyssas por um batalhão de assalto neonazista em um bairro de Pireus. Várias manifestações antifascistas serão realizadas entre os dias 16 e 18 de setembro em Atenas e em várias cidades do território do Estado grego.

Quatro anos depois do assassinato de Pavlos Fyssas pelos batalhões de assalto do Aurora Dourada…

O julgamento do Aurora Dourada ainda está em andamento, sendo seu principal objetivo a imposição da “normalidade democrática” e a consolidação da teoria dos dois extremos. Ao mesmo tempo, está sendo preparado o reaparecimento dos batalhões de assalto paraestatais, o assassino Rupakiás saiu da prisão, e se pretende ilegalizar e reprimir a luta social e antifascista nas ruas, com os ataques e acusações contra várias mobilizações antifascistas e com constantes perseguições de ativistas anarquistas e antifascistas. Read the rest of this entry »

Este ano, no sábado 9 de setembro de 2017, acontecerá uma manifestação-marcha em Tessalônica, no marco da celebração anual por parte dos soberanos da Feira Internacional de Tessalônica. Neste post publicamos o cartaz-chamado dos Comitês de luta de Tessalônica e Calcídica contra a extração de ouro (em Calcídica) à manifestação.

Manifestação na Feira Internacional de Tessalônica, sábado 9 de setembro, às 18h. Ponto de concentração: Kamares.

Não a extração de ouro. Solidariedade com os ativistas (da luta anti-mineração) criminalizados.

Comitês de luta de Tessalônica e Calcídica contra a extração de ouro

Na faixa da foto se lê: Primeiro te ignoram, depois te enganam, em seguida fazem a guerra, após te derrotam. SOS Calcídica, Juventude contra a extração de ouro. Read the rest of this entry »

Na quarta-feira, 23 de agosto de 2017, uns deputados do partido neonazi Aurora Dourada chegaram à ilha de Creta para celebrar um evento em Heraklion, capital da ilha. Como sucedeu no passado em casos semelhantes, a data e a hora da celebração do evento foram divulgadas dois dias antes, pensando que desta maneira se evitaria a realização de uma manifestação antifascista.

No entanto, apenas os antifascistas da ilha se inteiraram da chegada dos deputados neonazis, uns 130 deles realizaram uma concentração no bairro de Alicarnaso, onde se celebraria o evento fascista. A concentração durou umas três horas. Segundo o comunicado que emitiram os antifascistas de Heraklion, as pessoas deste bairro reagiram de maneira positiva ao verem os antifascistas manifestando-se contra a presença dos nazis na cidade, em uma ilha que sofreu muitíssimo durante sua ocupação pelas tropas alemãs na segunda guerra mundial.

Quatro esquadrões das chamadas forças antidistúrbios, uns vinte policiais motorizados e mais alguns vestidos à paisana, se alinharam em torno ao local em que estavam reunidos os fascistas. Apesar de que não foi possível que os antifascistas se aproximassem deste lugar, sua presença na praça do bairro desalentou a participação de muitos neonazis no evento organizado por seu bando criminoso. Uma vez mais os deputados neonazis (que viajaram desde Atenas só para assistir a este evento) se viram forçados a celebrar um evento sem gente, na presença apenas de um punhado de lacaios, esbirros seus e outras escórias e mercenários. Read the rest of this entry »

Arquivo