Posts Tagged ‘manifestação antifascista’

Na quarta-feira, 25 de maio de 2016, na cidade de Kavala, ocorreu uma manifestação antifascista em resposta as recentes provocações dos fascistas nesta cidade. Em uma dela, durante uma ação antifascista, dois neonazis armados dispararam para o ar e um deles apontou sua pistola para os antifascistas. Um pouco antes haviam espancado uma garota antifascista.

Kavala, sábado, 21 de maio: os nazis da cidade aparecem no festival de dez dias da Escola Técnica de Kavala, onde mostram claramente suas intenções e destroem o carro de uma garota, que é companheira de um dos antifascistas posto sob a mira da arma dos fascistas, que naquele momento estavam no local onde se celebrava o festival. Desaparecem em seguida, pois tiveram o azar de haverem muitas testemunhas dessa bravata, ou seja, pessoas que naquele momento passavam perto do estacionamento.

Kavala, domingo, 22 de maio: enquanto os dois antifascistas postos sob a mira da pistola estavam assistindo ao festival, no porto da cidade vários antifascistas viram quatro dos invertebrados da cidade, os quais tomaram a lição que lhes corresponde, junto com seus veículos. Como puro bravateiros, incapazes de assumir a responsabilidade pelos seus atos, um deles, enquanto fugia, disparou descaradamente para o ar e apontou a arma para os dois antifascistas, os quais se detiveram de pronto. Desde então o doente delírio fascista não se limitou a este incidente, já que esses sujeitos covardes atacaram e lesionaram gravemente uma antifascista, que não duvidou em enfrentá-los. Os fascistas colocaram uma arma em sua cabeça e lhe davam tapas enquanto estava desmaiada e caída no chão. Quando alguns antifascistas se dirigiram ao local do incidente para ajudá-la, os dois dos fascistas (Triantáfyllos Alexandridis e Andreas Rigulis) fugiram, traídos pelos outros dois, gritando “daqui para frente sempre com armas”, brandindo a arma que um deles carregava. Read the rest of this entry »

Na quarta-feira 25 de maio de 2016, cerca de 100 antifascistas participaram de uma manifestação antifascista na cidade de Kavala, informando aos moradores da cidade das agressões fascistas que aconteceram na cidade nos últimos dias. Durante o protesto os manifestantes desfraldaram uma faixa em uma rua principal, distribuíram um texto informativo e gritaram slogans antifascistas.

Alguns fascistas tiveram a ousadia de vir com seus filhos para o parque onde acontecia a concentração antifascista, a fim de provocar dessa maneira descarada os antifascistas. Não hesitaram em usar algumas crianças como escudo humano para impedir a reação antifascista contra eles, o que teria sido muito diferente se os neonazistas tivessem vindo sozinhos. Os antifascistas optaram por não atacar as poucas escórias nazistas que estavam ao lado a poucos metros do local da concentração, respeitando as crianças e não seus pais. É a primeira vez que os fascistas fazem isso de forma organizada em um evento público.

No dia da manifestação houve uma forte presença da Polícia em frente aos escritórios do partido neonazista Aurora Dourada, no centro da cidade, e no bairro em que vivem alguns dos principais executivos do partido, assim como no bairro da okupa libertária. Read the rest of this entry »

O video que publicamos neste post foi gravado na maior praça de Atenas, na manifestação antifascista de 1º de fevereiro de 2014, convocada e realizada em resposta a uma concentração fascista celebrada naquele mesmo dia no centro de Atenas. No dia anterior o Regime havia proibido as marchas antifascistas convocadas para o dia da concentração dos nazis no centro de Atenas. Naquela manifestação a Polícia havia investido reiteradas vezes contra os manifestantes antifascistas ao mesmo tempo que os neonazis. Read the rest of this entry »

Duas concentrações antifascistas foram realizadas no sábado, 1º de novembro, nos bairros de Marusi e Neo Heraclion, no norte de Atenas. As concentrações foram realizadas simultaneamente a uma concentração convocada pela gangue neonazista Aurora Dourada no local onde um ano antes dois militantes neonazistas haviam caído mortos durante um ataque armado contra os escritórios (hoje fechados) deste partido neonazista.

Na concentração de Marusi participaram uns 500-600 antifascistas, em sua maioria anarquistas, antiautoritários e libertários. Na concentração de Neo Heraclion, realizada perto do local da concentração dos fascistas, participaram uns 150-200 antifascistas, em sua maioria membros de grupos esquerdistas extraparlamentares.

Nenhuma das concentrações antifascistas se transformou em passeata. Por outro lado, cerca de 250 fascistas marcharam até o cemitério de Neo Heraclion, onde estão enterrados os dois neonazistas que foram mortos no ataque armado. Lembramos que alguns dias atrás, a família de um dos dois mortos entrou com uma ação contra o Aurora Dourada solicitando que a gangue fascista pare de fazer uso do nome do morto para fins políticos, e que seja proibida de realizar concentrações em sua memória. Read the rest of this entry »

Publicamos o texto de convocação da Iniciativa Antifascista de Marusi para duas mobilizações contra a abertura das oficinas da gangue fascista Aurora Dourada no bairro, sem compartilhar as referências feitas no texto à luta pela Democracia.

A abertura das oficinas do setor norte da gangue neonazi Aurora Dourada em 11 de julho de 2014 no bairro ateniense de Marusi, sem aviso prévio e guardando o máximo segredo, não ficou sem resposta por parte dos cidadãos de Marusi e dos outros bairros do norte de Atenas.

A grande marcha dos mais de 1.500 antifascistas em 24 de julho de 2014 mostrou a vontade de nossos concidadãos de lutar por fechar as oficinas da Aurora Dourada, e sua determinação de lutar contra o fascismo. A forte presença policial nesta marcha não foi capaz de aterrorizar a ninguém, nem de deter a marcha.

Semelhante foi a reação dos lutadores antifascistas de nosso bairro, quando a sexta-feira, 1º de agosto de 2014, com a operação coordenada, os assassinos paraestatais da Aurora Dourada e as forças repressivas oficiais puseram no ponto de mira a okupa Kuvelu. Neste caso também se reuniram centenas de pessoas e exigiram a retirada imediata das forças da repressão e o fechamento imediato das oficinas de Aurora Dourada em Marusi. Esta reação direta e combativa deu lugar à retirada da polícia antidistúrbios das zonas vizinhas da okupa na mesma noite da operação. Read the rest of this entry »

Mais de 5.000 pessoas participaram das duas manifestações e marchas no bairro de Keratsini, Pireo, nesta quinta-feira (18), um ano depois do assassinato do antifascista Pavlos Fyssas por um batalhão de assalto neonazista da gangue fascista Aurora Dourada. A marcha havia sido antecedida por duas concentrações perto do local do crime, uma convocada por grupos anarquistas e antiautoritários, e outra por partidos de esquerda extra-parlamentar.

A Polícia arremeteu contra a marcha dos grupos anarquistas e antiautoritários, conseguindo dissolvê-la com gases lacrimogêneos. Os manifestantes responderam com coquetéis molotov, pedras e barricadas antes de se dividirem. A Polícia conseguiu cercar um grupo de aproximadamente sessenta pessoas, as retendo e conduzindo à Direção-Geral da Polícia de Atenas. No total, 73 manifestantes foram retidos, dos quais 34 se transformaram em prisões.

Durante a marcha vários bancos, caixas eletrônicos e casas de penhores foram alvos de ataques. Além disso, alguns manifestantes atacaram o líder de um partido de direita nacionalista, que teve a ousadia de aparecer no monumento erguido em memória de Pavlos Fyssas. Os guarda-costas que estavam com ele também foram atacados pelos manifestantes. Um pouco mais tarde os manifestantes atacaram jornalistas de um canal de televisão, acusando-os de desinformação e de colaboração com o Regime. Read the rest of this entry »

Publicamos a seguir um chamado da Assembleia de bairro de Keratsini, Drapetsona e do espaço auto-organizado de solidariedade e ruptura Resalto, a uma manifestação antifascista em 18 de setembro de 2014, um ano depois do assassinato do músico e antifascista Pavlos Fyssas por um batalhão de assalto da gangue neonazista paraestatal Aurora Dourada.

Em 18 de setembro de 2013 Pavlos Fyssas foi assassinado no bairro de Keratsini por um batalhão de assalto da gangue fascista Aurora Dourada, por dar de cara com a praga fascista. Este assassinato não foi o começo da ação da gangue neonazista. Ele foi precedido por uma série de ataques racistas, pogroms e assassinatos de imigrantes. Como a “evacuação” da Praça de Aguios Panteleimon em Atenas pelos imigrantes em 2009, com o apoio da Polícia e dos ministros competentes, e o estabelecimento de um “gueto branco” na área da praça, proibindo o acesso a ela de pessoas de cor de pele diferente. Como o pogrom que durou muitos dias, sob a supervisão e apoio da Polícia, mais uma vez no centro de Atenas, depois do assassinato de Manolis Kantaris no centro de Atenas, em setembro de 2011. Como as centenas de ataques sangrentos nas ruas e casas de imigrantes, incluindo o ataque à casa de pescadores egípcios, no verão de 2012, em Perama, em que um imigrante ficou gravemente ferido, e o assassinato do imigrante paquistanês Lukman Sajzat em Petrálona na madrugada de 17 de janeiro de 2013.

Também (o assassinato de Pavlos Fyssas) havia sido precedido durante os anos anteriores pelos ataques incendiários ou de grupos de assalto a centros sociais auto-organizados, espaços e okupas, como no caso de um ataque de pessoas armadas com facas ao espaço anarquista Antipnia, em 30 de junho de 2008, no qual dois companheiros ficaram feridos. Este caso será julgado em 19 de setembro de 2014 em um tribunal de Atenas (dois dos fascistas tinham sido detidos acidentalmente durante a fuga do local, e admitiram seu envolvimento no ataque). Além disso, poucos dias antes do assassinato de Pavlos Fyssas havia acontecido um ataque de um batalhão de assalto da Aurora Dourada contra sindicalistas do Partido “Comunista” no bairro de Pireo Pérama. Read the rest of this entry »

Neste sábado, 5 de outubro, em Atenas, foi realizada uma manifestação antiestado, anticapitalista e antifascista, convocada por vários grupos e assembleias anarquistas e antifascistas, alguns dias após o assassinato de Pavlos Fyssas por um batalhão de assalto neonazista e os acontecimentos que se seguiram.

A concentração aconteceu às 12 horas na estação de metrô de Thisio, perto do centro da cidade moderna e do lado antigo de Atenas, no local onde no dia 1º de fevereiro de 2013 o imigrante Babacar Ndiaye foi morto durante uma perseguição policial (Polícia Municipal). Em seguida, uma passeata atravessou vários pontos do centro da cidade. Participaram da manifestação cerca de 3.000 anarquistas e antifascistas. Alguns dos slogans gritados ou pintados nas faixas: “Pavlos está vivo, esmaguemos os nazistas”, “Estado e Capital engendram o fascismo”, “O povo não vai esquecer, enforcará os fascistas”, “O fascismo é uma porcaria tanto quanto a Democracia”, e vários outros, em solidariedade com os imigrantes e os lutadores rebelados contra a Ditadura e contra a Polícia e os fascistas. Read the rest of this entry »

Mais de 25 mil pessoas participaram de várias passeatas antifascistas que convergiram em frente ao Parlamento em Atenas, na quarta-feira passada, dia 25 de setembro. O evento foi chamado por vários partidos de esquerda, organizações antifascistas e alguns grupos anarquistas e antiautoritários.

A concentração principal ocorreu na praça Syntagma, perto do Parlamento, onde se deu um comício e um concerto musical; em seguida alguns manifestantes avançaram em passeata até à sede do partido neonazista Aurora Dourada, localizada a alguns quilômetros do Parlamento.

Nos arredores da sede da gangue neonazista, a cerca de 100 metros, a polícia de choque bloqueou o caminho da passeata. Logo após a chegada dos blocos anarquistas neste ponto, irromperam conflitos entre policiais (que arremessaram bombas de gás lacrimogêneo) e manifestantes, que responderam com pedras e coquetéis molotov. Foram realizadas 62 retenções preventivas e 4 prisões. Read the rest of this entry »

Publicamos o texto dos detidos na manifestação do dia 18 de setembro, no bairro de Keratsini, realizada poucas horas depois do assassinato do músico e antifascista Pavlos Fyssas (Killiah P) por um batalhão de assalto do bando neonazista Aurora Dourada. O texto foi escrito e publicado em 19 de setembro, um dia depois das detenções.

Na quarta-feira, 18 de setembro, nos detiveram na manifestação que ocorreu no bairro de Keratsini, após o assassinato de Pavlos Fyssas por uma gangue de fascistas no dia anterior. Detenções feitas logo após uma ofensiva das equipes antidistúrbios.

Hoje (19 de setembro), estamos presos na Direção Geral da Polícia de Atenas, e “carregados” com uma série de acusações infundadas de “fatos” que nunca ocorreram. Muitos de nós foram espancados durante a detenção. Estivemos lá e, se pudéssemos voltar no tempo, estaríamos lá novamente: porque uma pessoa foi assassinada, desta vez por suas atividades políticas. Estivemos lá contra o fascismo e os ataques assassinos, seja de gangues neonazistas ou do próprio Estado e da repressão. Read the rest of this entry »

Arquivo