Posts Tagged ‘luta antimineração’

Chamado em solidariedade com os processados da luta antimineracao em CalcidicaEm 10 de novembro serão julgados três dos processados por sua participação na manifestação de 21 de outubro de 2012, na qual o Regime desatou um ataque cruel aos manifestantes contra a mineração de ouro. O texto que segue é um chamado a uma manifestação diante dos tribunais de Tessalônica, em solidariedade com os processados.

O texto do cartaz:

SOS Calcídica

Nos colocamos ao lado dos três detidos do 21 de outubro de 2012.

Quinta-feira, 10 de novembro, às 10h, Palácio de Justiça de Tessalônica

Comitês de Luta de Tessalônica e Calcídica contra a extração de ouro

O texto do chamado:

Em 21 de outubro de 2012 uma manifestação de mais de 2.500 pessoas percorreu uma distância de oito quilômetros no bosque de Kákavos para chegar a Skuriés. Ali lhes esperava um contingente de policiais raivosos, armados até os dentes (sendo uma dissonância dentro do bosque arcaico), havendo recebido a ordem de dispersar os manifestantes. Desataram um ataque de incrível violência contra os manifestantes, perseguindo-os por muitos quilômetros, dando-lhes surras, disparando gases e granadas aturdidoras no bosque, destruindo carros e lesionando pessoas, sem ter o mínimo pretexto. Read the rest of this entry »

Em 23 de agosto se realizou uma marcha contra a extração de ouro em Skuriés, Calcídica. Em março deste ano houve confrontos entre manifestantes e policiais, nos quais os últimos realizaram a retenção de um ônibus inteiro, no qual 78 pessoas estavam viajando. Essas retenções tornaram-se prisões, inicialmente sob a acusação de motim e, então, sob a acusação de alteração da ordem pública. 74 detidos foram liberados, enquanto que dos outros quatro, dois companheiros se recusaram a dar suas impressões digitais e outros dois não forneceram nenhum dos seus dados pessoais.

No julgamento no dia seguinte, dois companheiros foram sentenciados a 17 meses de suspensão e no mesmo dia, mais tarde, a polícia adiciona a suas penas a deportação administrativa. Deve notar-se que é a primeira vez que se condena por crimes menores. Em 25 de agosto, os dois companheiros foram transferidos da Delegacia de Poliguiros, onde estavam detidos, para a Direção Geral da Polícia em Tessalônica, esperando para ver como iria avançar o processo de sua deportação. Dois dias depois foi realizada uma concentração de solidariedade fora do edifício da Direção Geral de Polícia. Durante e após a concentração a atitude dos policiais tornou-se mais vingativa que antes (“guarda eficiente”, ameaça com o risco de redução do tempo de visitas, ameaçando-os com o isolamento e a separação de outros prisioneiros e outras bravatas deste tipo). Read the rest of this entry »

A seguir, texto da “Coletividade pelo anarquismo social Vermelho e Negro” sobre os acontecimentos na marcha antimineração de 23 de agosto, realizada em Calcídica.

Uma das questões ideológicas mais significantes do anarquismo social é a oposição a qualquer tipo de delegação. O conteúdo da própria liberdade está determinada em grande medida pela possibilidade de materializar nós mesmos as nossas decisões sem a necessidade de patrões, mediadores e especialistas. Há inúmeros exemplos na história do mundo que demonstram o valor dessa posição, no entanto, no território do Estado grego o exemplo recente de Skuriés pode convencer até os mais céticos.

Mudaram as autoridades municipais, mudou o governo (que antes de ganhar o Poder se opunha ferozmente à exploração das minas), mas a mina continua funcionando. O primeiro governo esquerdista decidiu um pouco antes de demitir-se e no meio de uma campanha eleitoral dura pelo fechamento temporário de funcionamento da mineração. Esta decisão é uma vulgaridade absoluta, dado que um governo que consentiu com a continuação de funcionamento da mineração e os ataques dos pretorianos e dos esbirros de Bóbolas [milionário empresário grego] aos manifestantes em abril de 2015, em agosto de 2015 decide pela suspensão temporária da exploração da mina para receber algum voto dos lutadores do movimento antimineração. Read the rest of this entry »

O texto abaixo foi escrito por dois anarquistas que foram detidos na marcha ao bosque de Skuriés, Calcídica, em 23 de agosto de 2015.

Ao mesmo tempo em que vão saqueando cada vez mais zonas da Terra em nome do lucro dos de cima na sociedade, vão surgindo cada vez mais lutas desde baixo, reagindo a esses planos destrutivos.

Há vários anos que a luta contra as minas de ouro em Skuriés, Calcídica, é caracterizada pela experimentação de novas técnicas de controle e repressão, como as tomadas maciças de DNA, por vezes, pela força, a proibição de se aproximar de qualquer local de trabalho da empresa de mineração Ouro Grego (Elinikós Jrisós) a uma distância de menos de quatro quilômetros, ou a invasão das forças especiais da Polícia Grega em Ierissós na primavera de 2013.

Em 23 de agosto, foi realizada uma manifestação na zona de Skuriés, no noroeste de Calcídica, com a participação massiva de muitas pessoas. Durante a marcha reiteradas vezes tratou-se de se aproximar da área das obras, que estava protegida por centenas de policiais. Depois de terminada a marcha, o último ônibus que tinha acabado de sair para voltar ao acampamento de Ierissós foi detido pela Polícia, que confirmou mais uma vez o seu papel, derrubando um manifestante ao chão e quebrando sua perna com golpes de cassetetes. Read the rest of this entry »

Nova repressão policial contra marcha anti-mineradora em CalcídicaNova repressão policial contra marcha anti-mineradora em CalcídicaNova repressão policial contra marcha anti-mineradora em CalcídicaNova repressão policial contra marcha anti-mineradora em CalcídicaNova repressão policial contra marcha anti-mineradora em Calcídica
Centenas de pessoas participaram na manifestação e marcha de 23 de agosto de 2015 ao bosque de Skuriés, no noroeste de Calcídica, onde a empresa mineradora Elinikós Jrisós (Ouro Grego), filial da multinacional Eldorado Gold, está tratando de instalar uma megamineradora de ouro.

Os manifestantes chegaram ao ponto da concentração com 6 ônibus e mais de 250 carros. A marcha até a mineradora começou um pouco mais tarde com a participação massiva de lutadores de Calcídica e de províncias vizinhas. Quando os manifestantes chegaram a pouca distância de onde são feitas as obras de instalação da mineradora, trataram de romper o cordão policial que tinha rodeado a zona das obras. Então a Polícia os repeliu disparando gás lacrimogênio até eles. Em seguida os policiais se puseram a perseguir com raiva aos manifestantes que estavam fugindo para o bosque. Alguns dos manifestantes responderam ao ataque atirando pedras ou coquetéis molotov aos policiais.

Depois do ataque os manifestantes não se dispersaram. Se reuniram a uns 400 metros do local onde haviam recebido o ataque e uma parte deles se dirigiu a uma das portas de acesso às obras, atacando a Polícia. As forças repressivas responderam com gás lacrimogênio. Ante o perigo de ficarem presos, estes manifestantes retrocederam e se juntaram com os demais que estavam descendo da montanha. Read the rest of this entry »

Calcídica, 23 de agosto de 2015: Marcha contra a mineração de ouro

 

No domingo, 23 de agosto de 2015, os Comitês de luta contra a mineração de ouro de Calcídica e Tessalônica chamam para uma marcha no monte Kákavos contra a instalação de uma mega-mineração no nordeste da província de Calcídica. Neste post publicamos o cartaz do chamado para essa mobilização contra a destruição ambiental em Calcídica.

Não a espera, a delegação, ao palavrório, as promessas, a inércia, as perseguições, a prorrogação, aos falsos dilemas, a repressão, ao medo. Nenhuma extração de ouro.

Marcha ao monte Kákavos, domingo, 23 de agosto de 2015.

Comitês de luta contra a mineração de ouro de Calcídica e Tessalônica

O texto em castelhano.

Esta semana as forças repressivas do Regime imputou a outros 55 habitantes da província de Calcídica. Essas novas imputações vem somar-se a uma série de imputações, processos, judicializações, detenções, exames de DNA, agressões, cercos e todo tipo de terrorismo, repressão e criminalização das lutas dos habitantes, dos povos do noroeste da província contra a instalação de uma mina de ouro e a consequente destruição do meio ambiente e de suas vidas.

As imputações se referem a fatos ocorridos entre janeiro e julho de 2013. De concreto se referem a invasão das forças armadas do Regime a dois povoados em 7 de março passado e a resistência de seu habitantes, ao bloqueio do acesso a montanha de jornalistas títeres da empresa mineradora Ouro Grego, e ao bloqueio da estrada local por habitantes dos povoados da região. Aos 55 habitantes se imputam vários delitos menores tirados do repertório da repressão estatal.

Ao mesmo tempo que se desenrolou essa nova onda de repressão e intimidação, o governo tratou de igualar a luta antimineração dos habitantes de Calcídica com a violência dos bandos fascistas e paraestatais, entre elas do bando neonazista Aurora Dourada. O mesmo primeiro ministro foi o que em seu último discursinho, botou como alvo a luta antimineração. Read the rest of this entry »

Tessalônica: 35.000 pessoas assistem concerto em solidariedade com a luta antimineração em CalcídicaTessalônica: 35.000 pessoas assistem concerto em solidariedade com a luta antimineração em CalcídicaTessalônica: 35.000 pessoas assistem concerto em solidariedade com a luta antimineração em CalcídicaTessalônica: 35.000 pessoas assistem concerto em solidariedade com a luta antimineração em Calcídica
No sábado, 5 outubro de 2013, mais de 35.000 pessoas assistiram um concerto em solidariedade com a luta antimineração dos habitantes de Calcídica e com os quatro ativistas sociais que permanecem na prisão, e contra a tentativa de repressão e criminalização da luta pelo Estado grego e o Capital local e transnacional. O concerto realizado em Tessalônica foi um dos acontecimentos antimineração mais massivos que já ocorreram no território do Estado grego.

Antes do início do concerto tomaram a palavra membros dos comitês de luta antimineração de Calcídica e Tessalônica, narrando uma crônica da luta contra a instalação de mineração de ouro no noroeste da província de Calcídica, contra as corporações multinacionais que estão envolvidas neste assunto e contra o terrorismo que sentem os habitantes da província que se opõem de forma combativa à destruição ambiental de suas terras.

O concerto não foi o único evento antimineração. No mesmo espaço foram realizadas discussões informativas e outras atividades relacionadas. Em algumas das discussões foram intercambiadas ideias e propostas sobre os próximos passos da luta antimineração. Read the rest of this entry »

Arquivo