Posts Tagged ‘inter-relação entre polícia grega e abandas fascistas’

Ilion, Atenas, 21 de maio de 2017: Manifestação contra os fascistas e os seus amiguitos policiaisIlion, Atenas, 21 de maio de 2017: Manifestação contra os fascistas e os seus amiguitos policiaisIlion, Atenas, 21 de maio de 2017: Manifestação contra os fascistas e os seus amiguitos policiaisIlion, Atenas, 21 de maio de 2017: Manifestação contra os fascistas e os seus amiguitos policiais
No domingo 21 de maio de 2017 realizou-se uma manifestação antifascista no bairro de Ilion, na periferia de Atenas. Participaram na manifestação cerca de 100 pessoas, nativos e imigrantes. Esta, realizou-se em solidariedade com o imigrante que uns dias antes, em 22 de abril, sofreu um ataque por parte de um grupo antifascista, mas também contra os fascistas e os seus colaboradores policiais.

Durante a manifestação ouviram-se gritos e picharam-se frases contra os fascistas e os seus amiguitos policiais. Também, foi distribuído um texto sobre o ataque contra o imigrante, o qual foi silenciado tanto pelos policiais como pelos meios de desinformação. Apesar de a polícia estar informada sobre a presença de um grupo antifascista no bairro, não fez absolutamente nada, nem antes e nem depois do ataque ao imigrante. Os policiais nem apareceram no local, nem mesmo quando um dos amigos do imigrante, após ter sido agredido se ter deslocado à delegacia e, relatado que o seu amigo estava gravemente ferido.

Quando os manifestantes passaram nas proximidades da delegacia local gritaram e picharam frases sobre o papel que exerce a polícia e a interligação que existe entre os agentes e os bandos fascistas. Alguns dos lemas e frases: “Os bairros são zonas de resistência e solidariedade. Combatendo o Estado, os patrões e os fascistas”, “Agentes e fascistas: O mesmo negócio”, “Agentes, televisão, neonazis: Todos os patifes trabalham juntos”. Read the rest of this entry »

Hoje, 14 de fevereiro de 2017, começou em um tribunal de Atenas o julgamento do partido neonazista Aurora Dourada. O julgamento tem que ver com vários casos associados com agressões de batalhões de assalto desta gangue. O início do julgamento foi marcado com uma carga policial contra os antifascistas que se encontravam dentro da sala do tribunal.

Na verdade, a primeira testemunha que foi chamada a testemunhar declarou que não ia fazê-lo se não assistissem ao julgamento os antifascistas, que a Polícia havia proibido ilegalmente a entrada na sala do tribunal. Em contrapartida, a Polícia permitiu a entrada de todos os fascistas membros do Aurora Dourada que a haviam solicitado. Entre eles havia várias escórias acusadas de ter participado em agressões realizadas pelos batalhões de assalto neonazistas da cidade de Pireo.

O depoimento da primeira testemunha foi sucedido por um intercâmbio de lemas entre os neonazis e os antifascistas que conseguiram entrar na sala dos julgamentos na qual se realizava o juízo. Naquele momento os dois grupos estavam separados por policiais das chamadas forças antidistúrbios. Ao mesmo tempo, outro esquadrão da mesma equipe de policiais entrou na sala pela porta mais próxima aos antifascistas, os rodeou e se pôs a golpeá-los com raiva. A carga policial foi recebida com aplausos e consignas pelos neonazistas, que, não obstante, se viram forçados mais tarde a sair da sala, quando ela foi evacuada. Read the rest of this entry »

Desde os princípios do verão de 2006, devido ao julgamento dos assassinos paraestatais do Aurora Dourada no Tribunal de Primeira Instância, bairro das velhas casas de refugiados da Ásia Menor está em um contínuo estado de sítio, no qual os que vivem no bairro ou em suas imediações foram atingidos pelo Estado, pelos aparatos repressivos e pelos fascistas. A decisão dos juízes de não aceitar o caráter político do julgamento foi o que permitiu que tal situação se perpetuasse, jogando com o equilíbrio do Poder expressado, por um lado, com o isolamento dos antifascistas e da okupa, e por outro lado com a intensificação da repressão e do respaldo aos fascistas.

Insta sublinhar uma vez mais, que no bairro das velhas casas dos refugiados (gregos da Ásia Menor) vivem umas 500 pessoas, okupantes ou não, entre dois hospitais, de todas as nacionalidades, religiões, culturas: Idosos, crianças, pacientes, imigrantes e refugiados. O intento continuado do Estado e do Mercado em esvaziar, ilhar, reprimir e saquear este bairro está relacionado a transferência (das casas) para a periferia de Ática no verão passado, e também com o julgamento do Aurora Dourada no Tribunal de Primeira Instância, e em geral com as políticas das autoridades institucionais.

Durante o último período, desde os princípios do verão até a última sessão do julgamento (30 de setembro de 2016), o Estado e os fascistas trataram de impor sua presença no bairro. Seu plano original era de que os fascistas estivessem (permanecessem) juntos aos policiais, diante da entrada principal dos tribunais, que as organizações antifascistas estivessem isoladas em uma rua lateral, e que os policiais vestidos em trajes civis e as chamadas forças antidistúrbios fossem os “protetores” de um bairro cujos habitantes estaria metidos em seus orifícios como ratos. Read the rest of this entry »

Novo ataque coordenado da Polícia e fascistas contra okupa no centro de AtenasNovo ataque coordenado da Polícia e fascistas contra okupa no centro de AtenasNovo ataque coordenado da Polícia e fascistas contra okupa no centro de AtenasNovo ataque coordenado da Polícia e fascistas contra okupa no centro de AtenasNovo ataque coordenado da Polícia e fascistas contra okupa no centro de AtenasNovo ataque coordenado da Polícia e fascistas contra okupa no centro de AtenasNovo ataque coordenado da Polícia e fascistas contra okupa no centro de AtenasNovo ataque coordenado da Polícia e fascistas contra okupa no centro de AtenasNovo ataque coordenado da Polícia e fascistas contra okupa no centro de AtenasNovo ataque coordenado da Polícia e fascistas contra okupa no centro de AtenasNovo ataque coordenado da Polícia e fascistas contra okupa no centro de Atenas
Na segunda-feira, 31 de outubro de 2016, policiais e fascistas operaram em conjunto uma vez mais, realizando um ataque coordenado contra a okupa das velhas moradias dos refugiados gregos que vieram da Ásia Menor em 1922. O ataque foi realizado ao mesmo tempo que fora dos tribunais (situados a pouquíssima distância da okupa) estava se realizando uma concentração antifascista.

A okupa se encontra muito próxima da Direção Geral da Polícia de Atenas e dos tribunais nos quais se realizaria o julgamento de vários membros e altos executivos do partido neonazi Aurora Dourada. Muito cedo pela manhã vários solidários com a okupa e habitantes do bairro haviam se dirigido às velhas moradias dos refugiados gregos da Ásia Menor para participar, junto com os membros da okupa, na salvaguarda e defesa da okupa de uma potencial agressão fascista.

A primeira fase do ataque foi realizada pelos policiais uniformizados. O ataque foi respondido pelos defensores da okupa, que em várias ocasiões conseguiram repelir os policiais, atirando pedras e levantando barricadas (vídeo). Durante a operação policial duas pessoas foram detidas, acusadas de cinco crimes, enquanto várias pessoas, a maioria moradoras do bairro e transeuntes, foram retidas preventivamente. Os policiais também sofreram baixas. Além dos feridos durante a operação, um à paisana levou uma surra, e sua moto foi quebrada. Read the rest of this entry »

“Tinha que haver sacado a navalha antes que a serpente aparecesse, ou antes de que trepasse na árvore”.

No dia 28 de setembro de 2016, na prefeitura de Réthimno ocorreu uma sessão do conselho municipal, com a finalidade de debater sobre a questão dos refugiados que vão se instalar na ilha. Em razão disso, há alguns dias se publicou um chamamento anônimo para um protesto fora da prefeitura, com o fito de impedir o conselho de tomar uma decisão a favor de mencionada instalação. O chamamento xenófobo falava, de maneira inteligível, de nações, pátrias, genocídios e expulsão dos gregos e cretenses pelos “estrangeiros”. Os protagonistas de tal propaganda, assim como dos incidentes de 28 de setembro, eram membros da “Associação de ajuda mútua entre os devedores de Réthimno”, que acabou por se tornar um núcleo ultradireitista na cidade. Depois do fiasco total em consolidar o [partido] Aurora Dourada em nível local, os nazis locais tem buscado uma maneira de penetração nas estruturas locais como “cidadãos indignados”, que esperaria que protegesse o direito à moradia, independente de nação, sexo, pele ou religião. Mas andavam difundindo mentiras, enviando mensagens a celulares afirmando que as casas expropriadas dos gregos são entregues para estrangeiros.

Os protagonistas do incidente foram vários dirigentes do Aurora Dourada, os quais estando acompanhados por neonazis de outras cidades, proxenetas, provocadores e vários “chefes de clãs familiares” de Réthimno e Sfakiá, que além de ameaçar vários antifascistas lançaram contra os mesmos extintores, paus e cadeiras. Read the rest of this entry »

Réthimno, Creta: Operação coordenada entra a Polícia e grupos fascistas durante manifestação antifascistaRéthimno, Creta: Operação coordenada entra a Polícia e grupos fascistas durante manifestação antifascistaRéthimno, Creta: Operação coordenada entra a Polícia e grupos fascistas durante manifestação antifascistaRéthimno, Creta: Operação coordenada entra a Polícia e grupos fascistas durante manifestação antifascista
Na quarta-feira, 28 de setembro de 2016, pela manhã, cerca de 30 antifascistas realizaram uma concentração fora da prefeitura de Réthimno (ilha de Creta). Nesse dia o conselho municipal decidiria sobre a instalação de refugiados na cidade. Um pouco depois do meio-dia uns 20 fascistas estavam concentrados no pátio da prefeitura, enquanto que dentro do edifício encontravam-se vários policiais, uniformizados ou vestidos em trajes civis.

Quando as duas manifestações se cruzaram teve inicio os enfrentamentos entre os antifascistas e a escória neonazi. Durante o ocorrido várias pessoas de ambos os lados ficaram feridas. Os policiais participaram do conflito disparando gás lacrimogêneo nos antifascistas e protegendo aos fascistas. Alguns gases atingiram uma escola primária localizada nas proximidades da prefeitura. Ao mesmo tempo em que o grupo dos antifascistas se viu obrigado a retroceder os fascistas conversavam com os policiais vestidos a paisana dentro e fora do espaço da prefeitura.

Logo depois chegaram mais fascistas ao centro da cidade. Então começaram a lançar paus, pedras e garrafas d’água nos manifestantes antifascistas, sendo que na sequência estes foram atacados com paus e barras de ferro, porém conseguiram repelir tais atos. Os fascistas se retiraram do pátio da prefeitura escoltados pela polícia. Suas provocações não pararam. Eles continuaram brandido paus e barras de ferro e cajados, estando organizados a pouca distância dos policiais. Durante e depois dos enfrentamentos vários fascistas entravam e saíam da prefeitura como se fosse sua casa. Read the rest of this entry »

As forças repressivas do Regime seguem sendo fiéis ao fascismo. Demonstram-no diariamente e demostraram uma vez mais os resultados das eleições gerais de 20 de setembro. Como escrevíamos em outros de nossos posts relativos ao tema, não nos surpreende a atitude eleitoral dos mercenários da guarda pretoriana do Regime. É bem conhecida e documentada a inter-relação entre a Polícia grega e os fascistas. Tampouco temos ilusões sobre o papel histórico das forças repressivas do Estado.

Depois das eleições de maio de 2012 e as eleições europeias de maio de 2014, nas últimas eleições quase a metade dos policiais que votaram em certos centros eleitorais de Atenas, votaram massivamente nos fascistas neonazis de Jrisí Avgí (Aurora Dourada). Os dados que seguem procedem de dez centros eleitorais em Atenas, nos quais votou uma boa parte dos policiais das delegacias e da Direção Geral de Polícia de Atenas.

Nestes centros eleitorais as porcentagens do bando fascista Aurora Dourada nas últimas eleições foram as seguintes (entre parenteses as respectivas porcentagens nas eleições de janeiro de 2015): 15,94% (15,04%), 16,94% (14,37%), 14,81% (13,03%), 12,12% (7,63%), 15% (12,67%), 11,47% (9,45%), 14,18% (10,58%), 16,24% (10,73%), 13,68% (9,68%), 11,74% (8,54%). Na zona eleitoral a qual pertencem estes centros eleitorais a porcentagem do Aurora Dourada chegou a 6.91%. Nas eleições de janeiro de 2015 havia chegado a 7,05%. A nível nacional a porcentagem deste bando criminoso chegou em setembro de 2015 a 6,99% e nas eleições de janeiro de 2015 a 6,28%. Read the rest of this entry »

Policiais e fascistas arremetem contra marcha motorizada de protesto pelo assassinato de quatro trabalhadores na empresa petrolífera Petróleo GregoPoliciais e fascistas arremetem contra marcha motorizada de protesto pelo assassinato de quatro trabalhadores na empresa petrolífera Petróleo GregoPoliciais e fascistas arremetem contra marcha motorizada de protesto pelo assassinato de quatro trabalhadores na empresa petrolífera Petróleo GregoPoliciais e fascistas arremetem contra marcha motorizada de protesto pelo assassinato de quatro trabalhadores na empresa petrolífera Petróleo Grego
Neste sábado, 13 de junho de 2015, durante uma marcha motorizada até as refinarias da empresa petrolífera Petróleo Grego, a Polícia e um grupo de neonazistas arremeteram contra os manifestantes. A marcha motorizada foi realizada para protestar contra a morte-assassinato de quatro trabalhadores durante algumas obras nas instalações da empresa petrolífera. Além disso, antes de começar a marcha, a Polícia procedeu a doze retenções preventivas e duas prisões.

Quando a marcha chegou ao bairro de Asprópyrgos, fora de Atenas, onde estão às instalações da refinaria, recebeu uma arremetida por parte de fascistas da gangue neonazista Aurora Dourada, que estavam armados com facas, garrafas, paus e armas parecidas. Os neonazistas saíram das fileiras das forças uniformizadas. O ataque aconteceu quando a marcha motorizada, depois de passar pela refinaria, passou perto dos escritórios da sede desta gangue neonazista, que tinha sido parcialmente queimada em 4 de dezembro de 2012 durante um ataque incendiário feito pelo grupo de luta armada Frente Antifascista-Federação Anarquista Informal.

Quando alguns dos participantes da marcha motorizada baixaram de suas motocicletas para enfrentar os neonazistas, receberam uma arremetida policial. Como é possível ver em algumas das fotos publicadas neste post, no momento da arremetida os policiais da chamada Polícia antidistúrbios estavam ao lado dos valentões neonazistas e disparavam gás lacrimogênio contra os manifestantes. Devido a este duplo fardo os manifestantes deixaram na estrada três motocicletas. Alguns minutos depois que eles voltaram para pegá-las, receberam outras arremetidas, a primeira cometida pelos fascistas do Aurora Dourada e depois pelos fascistas uniformizados. Durante os conflitos vários manifestantes ficaram feridos. Incluindo um que ficou gravemente ferido ao ser atingido em cheio pelos fascistas, e foi levado ao hospital, onde permanece internado. Read the rest of this entry »

Calcídica: Polícia, mineiros e valentões da empresa mineradora atacam a manifestantes antimineraçãoCalcídica: Polícia, mineiros e valentões da empresa mineradora atacam a manifestantes antimineraçãoCalcídica: Polícia, mineiros e valentões da empresa mineradora atacam a manifestantes antimineraçãoCalcídica: Polícia, mineiros e valentões da empresa mineradora atacam a manifestantes antimineraçãoCalcídica: Polícia, mineiros e valentões da empresa mineradora atacam a manifestantes antimineração
No domingo, 5 de abril de 2015, centenas de manifestantes antimineração, em sua grande maioria habitantes dos povoados do noroeste da província de Calcídica, se concentraram aos pés do monte Kákavos para realizar uma marcha antimineração até o lugar onde a empresa mineradora Ouro Grego (Elinikós Jrisós), filial da multinacional Eldorado Gold, está tentando instalar uma mineradora de ouro.

A manifestação antimineração havia sido anunciada faz uns dias por vários comitês de luta antimineração locais e por iniciativas de habitantes da província, que resistem a destruição dos ecossistemas de sua terra. Ao mesmo tempo a empresa mineradora e seus capangas haviam chamado a uma concentração contra esta manifestação.

Os manifestantes que se concentraram a pouca distância da Polícia foram testemunhas da atitude dos policiais, que não só não bloquearam os mineiros e os valentões da empresa, senão que quando eles passaram por entre as filas dos policiais e atacaram os manifestantes antimineração atirando pedras, ajudaram aos valentões disparando gases lacrimogênios nos manifestantes antimineração. Apesar de que estes últimos receberam o ataque coordenado de mineiros, valentões e policiais, não se dissolveram nem retrocederam. Enfrentaram a todas estas escórias que atuaram em comum de uma maneira coordenada e organizada. Read the rest of this entry »

Ontem foi publicada nos meios de comunicação uma foto do chefe de Polícia de Hydra, Georgios Kágalos, fazendo a saudação fascista na frente de símbolos nazistas no Museu Ferroviário e da Comunicação de Nuremberg. Não é a primeira vez que este oficial da Polícia grega expressa em público sua “ideologia”. Há alguns anos, no funeral do chefe da ditadura dos coronéis (1967-1974), o mesmo sujeito disparava para o ar com a sua “arma de serviço”.

O chefe de Polícia de Hydra, no entanto, não se limitou a posar fazendo a saudação fascista, disparando para o ar ou admitindo em público que é fascista e que sente saudade da ditadura militar. Anos atrás ele agrediu outro policial, por que o mesmo tinha atrasado a sua promoção na hierarquia da Polícia.

Pelo menos ele (ainda) não negou seu passado. O líder do partido neonazista Aurora Dourada, Mijaloliakos, que se apresenta como “patriota”, negando ser um nazista, na década de 80 cobrava 10 salários mínimos por seu serviço como “policial disfarçado” na Agência de Segurança Nacional. Aqui você pode ver várias fotos tanto do líder deste grupo criminoso, como de seus vices, Pappás e Kasidiaris, fazendo a saudação fascista na frente de símbolos nazistas e imagens de Hitler, e segurando a bandeira nazista. Read the rest of this entry »

Arquivo