Posts Tagged ‘fascistas’

A seguir, publicamos o chamado do grupo anarquista de Patras Dissinios Ippos (Cavalo Indomável) e da Organização Política Anarquista a uma concentração e marcha nesta cidade, em 18 de setembro, quatro anos depois do assassinato do músico antifascista Pavlos Fyssas por um batalhão de assalto neonazista em um bairro de Pireus. Várias manifestações antifascistas serão realizadas entre os dias 16 e 18 de setembro em Atenas e em várias cidades do território do Estado grego.

Quatro anos depois do assassinato de Pavlos Fyssas pelos batalhões de assalto do Aurora Dourada…

O julgamento do Aurora Dourada ainda está em andamento, sendo seu principal objetivo a imposição da “normalidade democrática” e a consolidação da teoria dos dois extremos. Ao mesmo tempo, está sendo preparado o reaparecimento dos batalhões de assalto paraestatais, o assassino Rupakiás saiu da prisão, e se pretende ilegalizar e reprimir a luta social e antifascista nas ruas, com os ataques e acusações contra várias mobilizações antifascistas e com constantes perseguições de ativistas anarquistas e antifascistas. Read the rest of this entry »

Na quarta-feira, 23 de agosto de 2017, uns deputados do partido neonazi Aurora Dourada chegaram à ilha de Creta para celebrar um evento em Heraklion, capital da ilha. Como sucedeu no passado em casos semelhantes, a data e a hora da celebração do evento foram divulgadas dois dias antes, pensando que desta maneira se evitaria a realização de uma manifestação antifascista.

No entanto, apenas os antifascistas da ilha se inteiraram da chegada dos deputados neonazis, uns 130 deles realizaram uma concentração no bairro de Alicarnaso, onde se celebraria o evento fascista. A concentração durou umas três horas. Segundo o comunicado que emitiram os antifascistas de Heraklion, as pessoas deste bairro reagiram de maneira positiva ao verem os antifascistas manifestando-se contra a presença dos nazis na cidade, em uma ilha que sofreu muitíssimo durante sua ocupação pelas tropas alemãs na segunda guerra mundial.

Quatro esquadrões das chamadas forças antidistúrbios, uns vinte policiais motorizados e mais alguns vestidos à paisana, se alinharam em torno ao local em que estavam reunidos os fascistas. Apesar de que não foi possível que os antifascistas se aproximassem deste lugar, sua presença na praça do bairro desalentou a participação de muitos neonazis no evento organizado por seu bando criminoso. Uma vez mais os deputados neonazis (que viajaram desde Atenas só para assistir a este evento) se viram forçados a celebrar um evento sem gente, na presença apenas de um punhado de lacaios, esbirros seus e outras escórias e mercenários. Read the rest of this entry »

Segue o breve comunicado emitido por um grupo de anarquistas depois do incêndio da moto de um nazi que havia participado em várias concentrações do Aurora Dourada nos tribunais de Atenas durante o julgamento deste grupo neonazi. Segundo os autores do ataque, em uma destas concentrações o facha não duvidou em insultar a mãe de Pavlos Fyssas, antifascista assassinado faz quatro anos por um batalhão de assalto neonazi, perguntando-lhe onde estava seu filho.

Elias Stathópulos, membro dos ultras do Olympiakos e residente do bairro ateniense de Ano Petralona, rua Dryopon, 37, considerou que é bom participar nas concentrações do Aurora Dourada no tribunal de Atenas. Acreditou que era bom, provavelmente por ganhar algo por insultar a antifascistas e a ofender a mãe de Pavlos Fyssas junto com as demais escórias da organização nazi. Considerou que é bom passar-se por valentão, ocultando-se atrás dos esquadrões dos policiais que protegem e respaldam os fascistas.

No entanto, se equivocou. As relações com os nazis do Aurora Dourada não são algo rentável, nem é algo bom. E demonstramos isso no sábado 30 de julho de madrugada, incendiando sua moto (número de matrícula OMZ 674), a qual estava estacionada fora de sua casa. Lhe enviamos a mensagem que a próxima vez que participe em algum evento organizado pelos fascistas, a meta será sua casa. Read the rest of this entry »

Ilion, Atenas, 21 de maio de 2017: Manifestação contra os fascistas e os seus amiguitos policiaisIlion, Atenas, 21 de maio de 2017: Manifestação contra os fascistas e os seus amiguitos policiaisIlion, Atenas, 21 de maio de 2017: Manifestação contra os fascistas e os seus amiguitos policiaisIlion, Atenas, 21 de maio de 2017: Manifestação contra os fascistas e os seus amiguitos policiais
No domingo 21 de maio de 2017 realizou-se uma manifestação antifascista no bairro de Ilion, na periferia de Atenas. Participaram na manifestação cerca de 100 pessoas, nativos e imigrantes. Esta, realizou-se em solidariedade com o imigrante que uns dias antes, em 22 de abril, sofreu um ataque por parte de um grupo antifascista, mas também contra os fascistas e os seus colaboradores policiais.

Durante a manifestação ouviram-se gritos e picharam-se frases contra os fascistas e os seus amiguitos policiais. Também, foi distribuído um texto sobre o ataque contra o imigrante, o qual foi silenciado tanto pelos policiais como pelos meios de desinformação. Apesar de a polícia estar informada sobre a presença de um grupo antifascista no bairro, não fez absolutamente nada, nem antes e nem depois do ataque ao imigrante. Os policiais nem apareceram no local, nem mesmo quando um dos amigos do imigrante, após ter sido agredido se ter deslocado à delegacia e, relatado que o seu amigo estava gravemente ferido.

Quando os manifestantes passaram nas proximidades da delegacia local gritaram e picharam frases sobre o papel que exerce a polícia e a interligação que existe entre os agentes e os bandos fascistas. Alguns dos lemas e frases: “Os bairros são zonas de resistência e solidariedade. Combatendo o Estado, os patrões e os fascistas”, “Agentes e fascistas: O mesmo negócio”, “Agentes, televisão, neonazis: Todos os patifes trabalham juntos”. Read the rest of this entry »

A seguir, texto informativo da Organização de Antifascismo Combativo sobre a manifestação antifascista de 26 de abril no centro de Pireu, em razão da qual foi dissolvida uma concentração neonazi.

Na quarta-feira 26 de abril de 2017 a organização criminosa Aurora Dourada realizou mais uma tentativa lamentável de reaparecer nos bairros de Pireu. A concentração bateu o recorde da participação, com treze pessoas. A concentração fascista começaria às 15h30 (o chamado foi publicado 24 horas antes da concentração). Os fascistas apareceram na praça Koraí e permaneceram alguns minutos e fugiram às 13h quando chegaram os manifestantes antifascistas.

Uma vez mais o movimento antifascista mostrou reflexos incríveis, anulando uma tentativa mais de concentração pública dos neonazis. Ao mesmo tempo, no entanto, se revelou a total incapacidade organizativa da cúpula do Aurora Dorada, já que o “bastião” do Pireu conseguiu reunir uma dezena de imbecilizados.

Vale a pena assinalar que a concentração do Aurora Dorada havia sido convocada com o pretexto da participação do município de Pireu no projeto europeu “CITIGE: CITIzen and refuGEes”. Claro, o município participará neste projeto, no entanto, Aurora Dorada teve que inventar uma desculpa sobre um centro de internamento inexistente para desaparecer o quanto antes do centro de Pireu. Read the rest of this entry »

Atenas, 8 de abril de 2017: Manifestação antifascista em resposta à agressão neonazi contra estudanteAtenas, 8 de abril de 2017: Manifestação antifascista em resposta à agressão neonazi contra estudanteAtenas, 8 de abril de 2017: Manifestação antifascista em resposta à agressão neonazi contra estudante
Segue o texto da Organização de Antifascismo Combativo sobre a manifestação antifascista realizada no sábado 8 de abril no bairro de Ampelokipi, próximo do centro de Atenas, por causa da agressão que havia realizado uns dias antes um batalhão de assalto neonazi contra um estudante universitário.

Em 8 de abril de 2017, pela manhã, milhares de lutadores se manifestaram no bairro de Ampelokipi contra a organização criminosa Aurora Dourada. Expressaram sua indignação pela surra dada por um batalhão de assalto fascista a um estudante, em 31 de março, e pela tentativa dos fascistas de semear o terrorismo no bairro.

Uma vez mais vimos a cara dura do fascismo. Enquanto estão desaparecidos durante os últimos tempos, tendo recebido uma série de golpes por parte dos antifascistas, não duvidaram em pôr no ponto de mira a um cidadão inocente, tratando de jogar o papel dos combativos, tanto como resposta às queixas que há em seu interior, como para mostrar seus “dentes” a nosso grupo político. Fracassaram uma vez mais, e se afundaram em sua inexistência.

Estão tratando de tirar partido do ambiente internacional que promove a extrema-Direita como uma alternativa à crise política e econômica a nível mundial. No entanto, na realidade política grega as coisas são diferentes. O movimento antifascista de classe não só não foi esmagado, senão que está reivindicando e está marcando vitórias. Anulou todas as tentativas do Aurora Dourada de aparecer na rua, e constantemente surgem oportunidades de seguir fazendo-o. Read the rest of this entry »

YouTube Preview Image

 

Nesta sexta-feira, 31 de março de 2017, um grupo de mais de vinte pessoas realizou um ataque a uma das duas sedes centrais do partido neonazista Aurora Dourada, localizada perto do centro de Atenas. O ataque foi levada a cabo às 9h30 e durou alguns minutos. As pessoas que tomaram parte no ataque estilhaçaram as vitrines da livraria de publicações fascistas da gangue criminal que se encontra no piso térreo do edifício onde fica os escritórios do Aurora Dourada. Na sequência, eles jogaram tinta e danificaram o exterior e interior do piso térreo (fotos). No vídeo é possível ver um momento do ataque.

O texto em castelhano.

Segue um texto compartilhado na marcha antifascista realizada em 3 de março de 2017 pelos bairros da capital de Creta, Heraclión.

Em Oreókastro se montam “comitês de vizinhos” contra o ingresso de filhos de imigrantes nas escolas gregas. Em recente julgamento do Aurora Dourada apareceram impenitentes e restou claro que os policiais estavam ao seu lado. O mesmo ocorreu faz alguns dias em Ioannina: os policiais atuaram uma vez mais como protetores dos fascistas. Alguém pode se perguntar se o Aurora Dourada e a Polícia possuem interesses em comum. E logicamente não são somente os membros do Aurora Dourada. Os membros leais (chegaram a prestar juramento) do partido de Sorras começam pouco a pouco a ser cada vez mais numerosos. Há poucos dias decidiram difundir seu discurso racista nas ruas de Heraclión, em Creta, e então decidimos dar a resposta adequada.

Porque insistimos em responder de maneira violenta? Para muitos basta violar a chamada “liberdade de expressão” para chamar alguém de fascista. Porém para nós o fascismo é algo diferente, algo muito mais perigoso.

Já não podemos mais nos surpreender com incidentes como os já citados em resumo. E o mais importante: já não podemos considerar o fascismo como o mero resultado da “maldade e ódio que tem escondidos no mundo interior do ser humano”, ou da “estupidez que alguns tem na cabeça”, ou até a “falta de educação” (são várias as narrativas ingênuas). Para nós, o objetivo do fascismo é desorientar os explorados, fazer com que deixem de ver seus interesses de classe que tem em comum. É uma arma na mão do Estado e dos patrões que se volta contra a classe trabalhadora e se constitui parte de uma estratégia estatal em tempos agitados. Poderíamos dizer que o fascismo nada mais é do que um dos instrumentos usados pelo capitalismo para sair de potenciais crises, ou seja, para jogá-la em nossas costas, e para gestionar as reações. Read the rest of this entry »

Registramos que o julgamento dos antifascistas detidos depois da ação fora das oficinas centrais do Aurora Dourada, em 7 de janeiro de 2015, começa na quarta-feira, dia 23 de fevereiro de 2017.

Historicamente a guerra contra o fascismo nunca acabou, já que constitui a reserva e a vanguarda do Estado e do Capital. O objetivo dos aparatos estatais e dos agentes econômicos sempre foi o esmagamento das resistências sociais, deixando espaço para o desenvolvimento do nacionalismo como escudo de proteção. Durante a transição e sobretudo na última década, no território do Estado grego, os fascistas (qualquer que tenha sido seu partido político) tem sido o obstáculo mais conservador e reacionário contra a perspectiva revolucionária (liberação social) do corpo social. Os votantes do Aurora Dourada e seus partidários fiéis pertencem a classe alta, ao estrato social da pequena burguesia em sua faceta mais extrema, e à margem social reacionária. Os fascistas s& atilde;o os valentões dos patrões, pequenos ou grandes, os canibais fura-greves, os assassinos de lutadores, os violadores dos que não se incorporam à cultura da Soberania e às normas predominantes.

Depois do assassinato de [Alexis] Grigoropoulos (2008), com o estouro das forças do movimento derrocador, a ação dos fascistas continuou sendo cada vez mais combativa e intensa. A ameaça de uma mudança social fora das alternativas capitalistas e a repressão estatal deram um golpe ao Sistema e o obrigaram a fortalecer-se. Desde 2009 as forças repressivas e as formações fascistas participam em comum na tarefa repressiva do movimento antifascista e social. A recém-fundada equipe motorizada da Polícia (Delta) e os fascistas iniciaram uma série de ataques, sobretudo contra o segmento mais combativo do movimento derrocador nesta época, ou seja, o âmbito anarquista antiautoritário. Os ataques a locais anarquistas e a okupas, os assassinatos do antifascista Fyssas e do obreiro Lukmán c onstituem dois pontos sumamente importantes da agenda nacionalista, a qual busca a legalização do terrorismo estatal e econômico. O Estado grego excarcerou a Rupakiás, assassino de Fyssas. Está demostrado que uma boa parte das forças repressivas (a chamada tropa antidistúrbios, a equipe motorizada Delta) declarou em público que seus membros são partidários, votantes e incluso membros do Aurora Dourada. Read the rest of this entry »

Segue o comunicado do grupo anarquista que há alguns dias realizou um eficaz ataque ao local “secreto” do grupo fascista Propatria.

Muitos anos atrás os lemas antifascistas diziam: “o fascismo histórico morreu, mas o cotidiano vive”. Era uma constatação concreta para a época e também uma estratégia contra a fascistização social. As sociedades europeias iam se convertendo em “paraísos capitalistas” e os países que recebiam imigrantes da Europa oriental derrotada, apareciam os primeiros sintomas generalizados de racismo social, juntamente com o racismo estatal-institucional e a retórica dos meios desinformativos de massa.

Na Grécia os neonazistas eram um punhado de empregados dos aparatos repressivos (geralmente todos eram parentes dos guardas civis, colaboradores dos nazis na segunda guerra mundial e na guerra civil e que tiveram um papel importante no pós-guerra), sem perspectivas organizativas ou políticas e sem nenhuma base social, exceto pela extrema direita, a qual, na época, estava bastante limitada. Read the rest of this entry »

Arquivo