Posts Tagged ‘corinto’

Dez presas no centro de detenção de Eliniko, em Atenas, estão em greve de fome desde 13 de abril. A greve de fome foi iniciada por 47 mulheres imigrantes. Desde o início da greve de fome, guardas prisionais, obviamente, cumprindo as ordens de seus superiores, proibiram que as mesmas saíssem ao pátio do centro de detenção.

No texto que tornou público o início da greve de fome elas disseram: “Somos as mulheres do centro de detenção de Eliniko. Escrevemos isso para vocês para que saibam como estamos cansadas e tristes. Somos 47 mulheres que começamos a greve de fome e não queremos comer, porque não sabemos o que pode nos acontecer. Algumas de nós estão aqui há um ano, outras onze meses, outras sete, seis, cinco, quatro, etc. A maioria de nós já passou muitos anos vivendo aqui, no país, e lá fora estão nos esperando os nossos empregos, nossos maridos e filhos. Portanto, rogamos por nossa liberdade. Se houver qualquer coisa que você, humano, possa fazer para nos ajudar a libertar-nos, seremos muito felizes. Obrigado”.

No sábado, 16 de abril, aconteceu uma marcha ao centro de detenção de Eliniko, em solidariedade com as prisioneiras (fotos). Na marcha participaram cerca de 300 pessoas, membros de várias coletividades e pessoas solidárias que não pertencem a nenhuma coletividade. Os manifestantes gritaram palavras de ordem, distribuíram e jogaram panfletos nas ruas dos bairros ao sul de Atenas, por onde passou a marcha. Quando a marcha chegou no lado de fora do centro de detenção, as vozes dos manifestantes se juntaram com as das prisioneiras que estavam gritando slogans por sua liberdade. Quatro das manifestantes entraram no centro de detenção e falaram com as presas lutadoras. Read the rest of this entry »

Atenas, 16 de abril de 2016: Marcha ao centro de detenção de imigrantes de ElinikoNeste post publicamos o texto (sem as palavras de ordem no final do texto) da chamada para uma marcha ao centro de detenção de imigrantes de Eliniko (bairro de Atenas).

Em meados de março de 2016, no centro de detenção Eliniko, Atenas, R. D., uma imigrante do Irã, estava sangrando. Ela procurou ajuda médica com os guardas, deixando que soubessem da sua situação, mas eles duvidaram tanto da sua gravidez como do estado grave de hemorragia. Quando, finalmente, ela foi levada ao hospital, o médico que a assistiu percebeu que havia perdido a criança e que deveria ter sido transferida antes ao hospital. Além de sua liberdade, com uma decisão tomada pela polícia, R. D. foi privada do direito de estar grávida, do direito a autogestão do seu corpo.

O buraco negro dos centros de detenção de Eliniko tem uma longa história de incidentes semelhantes. Em julho de 2011 nestes centros de detenção morreu “em circunstâncias indeterminadas” Jan Baber, com 27 anos, embora se soubesse que ele estava doente e precisava de cuidados médicos. Incidentes semelhantes ocorreram e continuam a ocorrer em todos os centros de detenção. Tudo isso é a culminação da vida insuportável dos e das imigrantes nos centros de detenção, sendo forçados a viver em celas imundas, a comer uma refeição horrorosa, sem aquecimento e água quente, sem contato com o mundo exterior e apoio psicológico. Read the rest of this entry »

Corinto, 7 de março: Concentração contra os centros de reclusão para imigrantes  Cartaz dos Anarquistas/antiautoritários de Peloponeso, chamando para uma concentração contra os centros de reclusão para imigrantes neste sábado, 7 de março de 2015, em Corinto.

Concentração diante do centro de reclusão para imigrantes de Corinto, e marcha.

Sábado, 7 de março, em frente do Teatro Municipal de Corinto.

Os centros de reclusão (campos de concentração) não se embelezam com promessas, se destroem com revoltas. Liberdade aos imigrantes, já.

Nem centros de reclusão, nem centros de “hospitalidade”, estamos do lado dos invisíveis desta sociedade.

Anarquistas/antiautoritários de Peloponeso

Email: pelop [at] espiv.net

O texto em castelhano.

Enquanto em Corinto uns professores de uma escola secundarista optaram por encarregar-se com a repressão das mobilizações estudantis, em várias outras cidades foram realizadas massivas manifestações de estudantes secundaristas.

Em Corinto, uma pequena cidade perto de Atenas, o diretor e alguns professores de uma escola secundarista trancaram dentro dela seus alunos, para impedir a participação deles na manifestação que aconteceria hoje (13 de novembro de 2014) no centro da cidade. Contudo, os estudantes desta escola avisaram os colegas de outras escolas da cidade, que chegaram em massa fora da escola isolada, gritando lemas de solidariedade e exigindo o fim do cativeiro de seus companheiros.

O diretor da escola chamou a Polícia, e prontamente a escola foi cercada por um bom número de policiais. No entanto, os jovens que estavam dentro e fora da escola não se curvaram ante as ameaças e o terrorismo dos professores e dos policiais. E continuaram se manifestando, e logo os alunos que estavam trancados conseguiram abrir as portas da escola, sair dela e participar na manifestação, juntamente com os jovens de outras escolas da cidade. Read the rest of this entry »

immigrant-victim-mohamed-zamatAtaques nazistas contra imigrantes são fenômenos corriqueiros nos bairros de Atenas; Práticas policiais, dentro e fora dos centros de detenção e campos de concentração, encorajam nazistas que frequentemente não hesitam em matar suas vítimas.

Ataques racistas contra imigrantes insuspeitos por nazistas estão se tornando um fenômeno cotidiano na Grécia, especialmente nos bairros de Atenas. Domingo [1 de setembro] passado Mohamed Zamat, imigrante do Paquistão, tornou-se vítima de um ataque racista, conduzido por mais ou menos dez gregos nacionalistas excessivamente masculinos, enquanto estava no seu caminho para o trabalho.

Como o KEERFA (Movimento Contra a Ameaça Racista e Fascista) e a Comunidade Paquistanesa relatam, os perpetradores o agrediram com socos e chutes repetidamente e desapareceram quando a polícia chegou. Mohamed foi levado ao hospital “Pammakaristos”, com ferimentos e o nariz quebrado. Como sempre, a polícia realizou uma operação em larga escala a procura dos agressores, enquanto não perseguem imigrantes para “Xenios Zeus” (megaoperação truculenta que visa a busca e apreensão de imigrantes ilegais). Read the rest of this entry »

Pronunciamento da Comunidade Libertária Erea de Corinto sobre o ataque assassino racista contra imigrantes há alguns dias na cidade.

No sábado, 18 de fevereiro, imigrantes que encontraram abrigo nos vagões da antiga estação ferroviária de Corinto receberam um ataque cruel por grupos fascistas da região. Este ataque feriu quatro imigrantes, um dos quais permanece internado com ferimentos graves no hospital de Corinto, depois de um duplo golpe de um fascista com seu carro.

O fato de que quatro dias depois do ataque racista/fascista os criminosos tenham escapado tranqüilos (sendo conhecidas suas informações pessoais e o número do carro) indica o encobrimento total do ataque por parte das autoridades.

De qualquer forma a osmose entre os fascistas e o Poder é diacrônica e está intimamente ligada, por isso a raiva social é disseminada entre os vulneráveis e os pobres, para aqueles na parte inferior da hierarquia. Hoje, no meio da mais profunda crise sistêmica que jamais tenha afetado o capitalismo, em que a incerteza da sociedade sobre o futuro está crescendo, a propaganda do neofascismo encontra terreno fértil através de atitudes fascistas que se manifestam sempre contra os elos mais fracos da sociedade. Read the rest of this entry »

YouTube Preview Image

Na segunda-feira, 20 de fevereiro, o líder do bando direitista do bairro de Egaleo, Atenas, organizou no Centro Cultural do bairro a festa anual da rosca do Ano Novo, convidando três membros do partido direitista Nova Democracia. Um deles foi há poucos dias deputado do partido nacionalista ultradireitista Laos, e outro da tendência neoliberal deste partido. Read the rest of this entry »

onoff_pea_2012_02_attackagainstmigrant_d_0011onoff_pea_2012_02_attackagainstmigrant_d_0021onoff_pea_2012_02_attackagainstmigrant_d_0031onoff_pea_2012_02_attackagainstmigrant_d_0041onoff_pea_2012_02_attackagainstmigrant_d_0051onoff_pea_2012_02_attackagainstmigrant_d_0071onoff_pea_2012_02_attackagainstmigrant_d_0101onoff_pea_2012_02_attackagainstmigrant_d_0111
Nabi, um marroquino de uns 20 anos, está deitado no chão. Ele parece morto.

Vinte minutos antes, estávamos juntos, sentados em cadeiras e móveis recuperados do lixo que estão decorando um vagão da antiga estação de trem de Corinto, onde reside Nabi juntamente com 50 outros imigrantes do Afeganistão, Iraque, Argélia, Tunísia, Marrocos, Iêmen… Nasir, o afegão poliglota e amante da arte que nos faz de intérprete, pede a Nabi, também um grande amante da arte, que desenhe algo e o jovem marroquino esboça o navio da Hellenic Seaways, ancorado na baía, a cerca de 500 metros da estação. Todos os imigrantes esperam o feliz dia em que conseguirão embarcar no ferry boat; escalando com ajuda de cordas ou escondidos em caminhões de carga que o barco transporta para a Itália. E lá… mais ao norte, em busca de um emprego, um futuro, uma vida segura e normal. Grécia, atingida pela crise, tornou-se um pesadelo para eles. Eles não têm a mais remota chance de conseguir um emprego em um país onde as taxas de desemprego estão fora de controle. Os gregos não os querem, e eles tampouco querem ficar na Grécia, mas estão presos aqui porque os acordos da União Europeia permitem que terceiros países os devolvam para o lugar pelo qual entraram na UE. E, nos últimos anos, a Grécia tem sido a porta de entrada da Europa para 90% dos imigrantes.

Agora, Nabi está deitado no chão. Read the rest of this entry »

A seguir texto da Iniciativa Antiautoritária de Corinto sobre a “revolta da Escola Politécnica” contra a ditadura militar, em 17 de novembro de 1973, a situação sócio-política atual e o papel do movimento anarquista.

Hoje, o aniversário (da rebelião do povo na Escola Politécnica contra a ditadura em 1973) é dotado de significado de uma forma particular, em uma situação política, cuja leitura não exige uma especial perspicácia política, mas uma profunda consciência política e social. A ditadura representativa dos partidos dominantes da transição dá lugar ao modelo neototalitário da Dominação, de forma definitiva e irreversível. Este modelo compõe coalizões de forças políticas de Poder e consiste na transformação do Parlamento em um teatro de fantoches, em que mesmo aqueles que não estão diretamente envolvidos na festa de distribuição de papéis, têm sido responsáveis por resgatar o sistema desde “o outro lado”. Read the rest of this entry »

Arquivo