Posts Tagged ‘condições de detenção especiais’

Atenas, 7 de julho: Manifestação contra a criação do Guantánamo gregoSabotagem das prisões de segurança máxima

Destruir a instituição de reclusão

Luta polimorfa até a destruição de todas as prisões

Solidariedade com a luta dos prisioneiros

Manifestação-intervenção contra a votação do projeto de lei sobre as prisões de segurança máxima

Segunda-feira, 7 de julho, em Atenas, Praça de Syntagma, às 18h.

“A solidariedade na prática derruba os muros de isolamento, impede a ofensiva do totalitarismo moderno. E nesta luta vamos estar lá. Com manifestações, passeatas, panfletos, cartazes, e com tudo o que escolhermos. As lutas deles são nossas lutas também, e as respostas para os dilemas claros de nossos tempos devem ser igualmente claros.”

Fragmento da proposta (contribuição) da Assembleia de Volos Contra as Prisões de Máxima Segurança

Anarquistas Read the rest of this entry »

Mais de 4.500 presos – que estavam até ontem, 1º de julho, em greve de fome há nove dias, em quase todas as prisões do território do Estado grego contra a criação de “prisões de segurança máxima” – suspenderam a sua greve. O comunicado que emitiram (ver abaixo) por um lado faz referência à propostas para melhorar o projeto de lei do Ministério da “Justiça” e da suspensão da greve de fome e, por outro lado, alertam que não colocam fim à suas mobilizações.

As alterações introduzidas pelo Ministério são:

– Os presos nessas prisões serão aqueles que foram condenados a mais de 12 anos de prisão. Este limite no projeto de lei era de 10 anos. Nesta categoria estão incluídos todos os prisioneiros condenados por envolvimento em grupos de luta armada, ou seja, esta modificação não os afeta, porque suas penas são muito maiores.

– A duração da sua detenção inicial nestas prisões é reduzida (de quatro) em três anos. No entanto, nestes três anos podem ser dadas várias prorrogações de dois anos cada uma. Read the rest of this entry »

Tessalônica, 1 de julho de 2014: Manifestação contra as "prisões de segurança máxima"Cartaz-chamada para uma manifestação contra a criação de “prisões de segurança máxima” em Tessalônica, nesta terça-feira, 1 de julho, 2014.

Greve de fome massiva desde 23 de junho em todos os calabouços do país

Contra as novas condições de detenções especiais

Contra os Guantánamos locais

Luta comum dentro e fora das prisões até sua destruição desde o concreto

Manifestação-marcha, terça-feira, 1 de julho de 2014

Tessalônica, Kamara, às 17h. Read the rest of this entry »

Informações sobre a manifestação de 28 de junho em Atenas contra as "prisões de segurança máxima"Informações sobre a manifestação de 28 de junho em Atenas contra as "prisões de segurança máxima"Informações sobre a manifestação de 28 de junho em Atenas contra as "prisões de segurança máxima"Informações sobre a manifestação de 28 de junho em Atenas contra as "prisões de segurança máxima"
Neste sábado, 28 de junho, mais de 3.000 pessoas se manifestaram nas ruas de Atenas contra as prisões-calabouços “de segurança máxima”, e em solidariedade com a greve de fome que começaram há seis dias mais de 4.000 prisioneiros em quase todas as prisões do território do Estado grego. Já são mais de 4.400 presos que estão em greve de fome.

A manifestação foi convocada pela Assembleia Aberta de Anarquistas e Antiautoritários Contra as Condições Especiais de Detenção, e por vários coletivos anarquistas. O protesto começou com uma concentração por volta do meio-dia, no bairro de Monastiraki, e continuou com uma marcha pelas ruas do centro da cidade, que durou pouco mais de uma hora. Durante a marcha os manifestantes não deixaram de gritar palavras de ordem como “Todos os princípios desta sociedade são as prisões de segurança máxima”, “A solidariedade é a arma do povo, guerra contra a guerra dos patrões”, “Eles desde os calabouços e nós desde a rua: juntos vamos abolir o Estado e as leis”, “A paixão pela liberdade é mais forte do que todas as cadeias”, “Liberdade para todos os prisioneiros”. Read the rest of this entry »

Na Grécia a pena de morte se chama prisões de segurança máximaCartaz-chamada da Assembleia Aberta de Anarquistas e Antiautoritários Contra as Condições Especiais de Detenção, para a manifestação de sábado, 28 de junho, contra os presídios de segurança máxima.

Na Grécia a pena de morte se chama prisões de segurança máxima

Isolamento dos presos lutadores e rebeldes. Endurecimento das penas, abolição das licenças para deixar a prisão, restrição do direito à comunicação, endurecimento das normas prisionais, recompensa e promoção de bajuladores.

Com as condições especiais de detenção para os que estão intramuros, e condições especiais de sobrevivência para os que estão extramuros, as lutas dentro e fora dos presídios estão intimamente ligadas. Nossa solidariedade com as lutas dos presos constitui um momento da luta social e de classes por uma sociedade livre sem classes.

Solidariedade com os presos que estão lutando

Manifestação, sábado, 28 de junho de 2014, Monastiraki (Atenas), às 12h.

Assembleia Aberta de Anarquistas e Antiautoritários Contra as Condições Especiais de Detenção

O texto em castelhano.

Em 23 de junho de 2014, mais de 4.000 presos em quase todas as prisões do território do Estado grego iniciaram uma greve de fome contra a criação de “prisões de segurança máxima”. Os presos exigem que a retirada do projeto de lei sobre as “prisões de segurança máxima” e as “condições de detenção especial”, as quais, segundo eles equivalem à pena de morte. O número dos presos em greve de fome aumenta diariamente.

Segundo o previsto por este projeto de lei, os presos serão classificados em três categorias (A, B e C). À categoria C pertencerão todos os presos acusados de roubo ou extorsão sendo membros de uma organização criminosa, os que tenham sido condenados com a chamada lei antiterrorista, os presos políticos, os qualificados pelo Regime como perigosos, os que tenham sido condenados a mais de dez anos de prisão (até a prisão perpétua) e os que tenham participado em motins dentro das prisões.

Os presos nestes cárceres-calabouços (categoria C) não terão direitos a solicitar permissão de saída do cárcere, nem a pedir a suspensão de sua sentença. Estarão encerrados em suas celas 23 horas por dia, sem ter nenhum contato com nenhum outro encarcerado ou outra pessoa, e sem ter direito nenhum a nenhuma atividade pessoal ou coletiva. Suas celas estarão situadas em uma seção especial da prisão, estando totalmente isoladas umas das outras. Se limitarão notavelmente as visitas que poderão receber os presos nestes cárceres e o tempo de sua duração, assim como a correspondência e as chamadas telefônicas que eles poderão fazer. Read the rest of this entry »

Atenas, 27 de abril de 2014: Manifestação contra as "condições de detenção especiais"

 

Concentração-intervenção contra as “condições de detenção especiais”  

Domingo, 27 de abril, Thissio, Atenas, às 13 horas

Solidariedade na prática com os presos que confrontam o totalitarismo moderno intramuros

A luta continua até a destruição de todas as prisões, até a revolução social

Assembleia aberta de anarquistas e antiautoritários contra as condições de detenção especiais

O texto em espanhol.

6 de abril de 2014: Manifestações fora das prisões, contra a nova lei penitenciária e as “condições de detenção especiais”6 de abril de 2014: Manifestações fora das prisões, contra a nova lei penitenciária e as “condições de detenção especiais”6 de abril de 2014: Manifestações fora das prisões, contra a nova lei penitenciária e as “condições de detenção especiais”6 de abril de 2014: Manifestações fora das prisões, contra a nova lei penitenciária e as “condições de detenção especiais”
Umas 700 pessoas se manifestaram no domingo, 6 de abril, do lado de fora da prisão de Domokós contra a criação de “prisões de segurança máxima” dentro das já existentes. Os manifestantes, em sua maioria anarquistas e antiautoritários, chegaram a Domokós em ônibus, vindos de Atenas, Tessalônica, Patras, Lárisa, Volos, Tríkala e Karditsa.

Nem todos chegaram ao mesmo tempo em Domokós. Os que chegaram antes do meio-dia distribuíram panfletos e abriram uma faixa na praça maior do povoado. Um pouco depois do meio-dia, começaram uma marcha ao cárcere. Ao mesmo tempo se aproximaram alguns dos ônibus que haviam saído de Atenas e Tessalônica. A polícia havia bloqueado o acesso à prisão com furgões e policiais alinhados a uns 200 metros do recinto.

Por causa do alto muro da prisão e da distância dos manifestantes dela, não houve contato visual direto entre os presos e os manifestantes durante a manifestação. Entretanto, dentro da prisão se escutava claramente os lemas gritados pelos manifestantes. Até a retirada da manifestação até o povoado, umas duas horas depois de sua chegada às proximidades da prisão, os enfrentamentos com as forças repressivas foram limitados. Eclodiram quando umas pessoas romperam o cordão policial e se aproximaram da prisão. Read the rest of this entry »

Texto escrito por presos mobilizados em várias prisões do território do Estado grego contra as “Prisões de Segurança Máxima” e em geral contra o novo projeto de lei penitenciária que prevê: a criação de prisões-infernos dentro das existentes; a classificação dos presos em categorias; a criação de celas sem janelas para o encarceramento de certas categorias de presos; a eliminação das permissões para sair da prisão por uns dias, aos mesmos presos; a instituição do isolamento e extermínio deles, assim como a introdução da polícia em todas as prisões.

Faz uns dias que foi iniciada uma consulta pública sobre o projeto de lei do Ministério da Justiça sobre as “Prisões de Segurança Máxima” e a eliminação das permissões. Já deram publicidade às primeiras medidas deste projeto de lei.

1- Classificação dos presos em 3 categorias (A, B e C). À categoria especial C, pertencerão todos os presos acusados de roubo ou extorsão, se forem membros de uma organização criminosa; os presos políticos; os qualificados como perigosos e que tenham sido condenados a mais de dez anos de prisão (até a prisão perpétua) e os que participam em motins dentro das prisões.

2- Aos presos da categoria C, é negado o direito de pedir permissão para sair da prisão e são limitadas as visitas que poderão receber, assim como as chamadas telefônicas para seus familiares. Read the rest of this entry »

Nos últimos meses estamos passando por uma nova ofensiva totalitária, por parte do Estado e de seus aparatos repressivos. O Regime vai aprovar a criação das chamadas prisões de “condições de detenção especiais” nos próximos dias: trata-se de um verdadeiro inferno, uma prisão dentro da prisão já existente, cujo fim é a mutilação mental e trituração da personalidade dos encarcerados.

Os detentos nestas novas prisões não terão o direito de solicitar a permissão para deixar a prisão nem mesmo por algumas horas, tampouco o direito de solicitar a suspensão da sua sentença. As condições de detenção serão terríveis: os detidos estarão literalmente trancados em sua cela 23 horas por dia, sem ter qualquer contato pessoal ou coletivo. Suas celas estarão localizadas em uma seção especial, totalmente isolada das outras. A comunicação dos detidos com o mundo será escassa ou inexistente, uma vez que as visitas que poderão receber serão significativamente limitadas, seu tempo de duração, bem como as chamadas telefônicas que podem ser feitas.

Haverá o controle absoluto e direto, onde agentes de vários órgãos da Polícia serão instalados nessas prisões e serão eles, e não os funcionários penitenciários, que irão lidar com o monitoramento de presos e de suas celas – com qualquer transferência e em geral com sua vigilância constante 24 horas por dia. Os policiais da denominada Unidade Antiterrorista poderão invadi-las e proceder a verificações, ou seja, insultar, maltratar e até mesmo torturar prisioneiros. Read the rest of this entry »

Arquivo