Posts Tagged ‘calcidica’

Hoje, 9 de novembro de 2017, são julgadas em Tessalônica 21 pessoas, acusadas do ataque incendiário ao recinto das minas de ouro em Calcídica. A seguir, o texto relativo da Assembleia aberta de solidariedade com os lutadores processados pela luta contra a extração de ouro.

A materialização da obra da instalação das minas de ouro em Skuriés começa com a invasão violenta da empresa mineradora na montanha e com a demolição do posto de guarda de resistência, construído pelos moradores. Tudo isso não foi feito pela polícia ou por uma agência de aluguel de valentões, mas pelos mesmos (futuros) mineiros. Desde então muitas coisas ocorreram. Se completaram a derrubada de muitos hectares de um antigo bosque, a transformação desta superfície em uma paisagem desértica e a instalação da maquinaria da empresa mineradora, e a construção de umas estradas asfaltadas enormes na montanha para a passagem de veículos e maquinaria da empresa. A perfuração da montanha para a criação de galerias, assim como da rede de comunicação entre as minas subterrâneas, já alteraram a composição da água: Se detectou alto nível de arsênico no povoado de Neojori. Isto teve como consequência a proibição de seu uso até para lavar-se, enquanto que as águas no arroio de Karatzá, situadas na montanha, em um lugar no qual iria construir-se uma das duas balsas de resíduos da extração, já estão tingidas de vermelho.

Ao mesmo tempo, as perfurações de muita profundidade feitas pela empresa mineradora já começaram a “drenar” a montanha. E tudo isto está acontecendo antes do começo da extração. De todas as formas, a obra está em curso, e os vários joguinhos entre o Estado e a empresa tem como único objetivo fazer ruído comunicativo. Em nenhum caso vão deter (anular) a continuação da obra. Na realidade são uns jogos de pressão e negociação das condições sob as quais se vai fazer a extração. Read the rest of this entry »

Texto publicado na página web do Observatório de Atividades Mineiras. O título do texto se refere ao novo disparate da empresa mineradora o Eldorado Gold, reproduzido por seus lacaios e porta-vozes: A fusão rápida (flash melting). A empresa sustenta que este método pode ser usado para o processamento do ouro de Calcídica. Com certeza para a empresa não importa nem um pouco que este método não tenha sido usado em nenhum outro lugar no mundo, e que se o conteúdo do arsênico usado supera o 0,5% (no caso de Calcídica será de 8%), o método resulta sumamente perigoso para a vida humana e o meio ambiente.

Faz dez dias, em uma postagem de um amigo no Facebook, comecei uma conversa com um empregado da empresa Elinikós Jrisós (Ouro Grego), que, usando um apelido, chamou seu interlocutor de estúpido e contava todas as fábulas bem conhecidas de sua empresa sobre a fusão rápida (flash melting): Que este método pode funcionar independentemente da quantidade de arsênico que tenha ou condensado, que o confirma o diretor finlandês de Outtec, que há uma fábrica semelhante no centro de Hamburgo, etc.

Respondi usando as cifras dos estudos da empresa, lhe dei links de artigos publicados em páginas web estrangeiras que demonstram que o que diz que vai fazer a empresa aqui não existe em nenhum lugar no mundo, assinalando que ele é o primeiro que vai respirar o arsênico emitido pela fábrica, e que teria que ser o primeiro a se preocupar. Claro, tudo isto foi em vão. O homem estava totalmente enrolado. Uma vez coloquei em dúvida que a porcentagem do arsênico no concentrado das fábricas de Skuriés e de Olimpiada é de 8%. Lhe disse: “Queres que seja 6%? Acaso 5%? Quanto queres que seja?” Não muda nada, porque se o arsênico é mais de 0,5%, o método é perigoso. Em outra ocasião aceitou que a porcentagem do arsênico é alta, mas “o método funciona”. Não sabia dizer-me onde trabalhava. Desde já, de sua perplexidade ele não tem a culpa, senão a boa patronal da empresa que não diz cada vez a mesma mentira… Read the rest of this entry »

Texto do Movimento Antiautoritário do Pireu (Ex Portu). O título do post é nosso.

No domingo, 10 de setembro de 2017, o petroleiro Agia Zoni II, cujo proprietário é Thodoris Kunturis, naufragou no Golfo Sarônico, com uma carga de 2.200 toneladas de fuelóleo e de 370 toneladas de combustíveis marinhos. A quantidade de petróleo derramado foi pouca (135 toneladas). O naufrágio aconteceu perto do Ministério dos Assuntos Marítimos, e as condições climáticas (após o derrame) eram ótimas para realizar as operações para limitar a contaminação. No entanto, quando o ministro dos assuntos marítimos, Kurumplís, garantia que 95% do petróleo estava controlado, as zonas costeiras da ilha de Salamina já estavam negras e o fuelóleo tinha chegado até Glyfada (bairro costeiro de Atenas). A demora do Ministério e da autoridade portuária foi criminoso, dado que o petróleo tende a absorver a água, formando emulsões. Deste modo, o seu volume aumentou para três a quatro vezes mais, e com ajuda do vento a contaminação estendeu-se por quase todo o Golfo Sarônico.

Desta forma, o Ministério dos Assuntos Marítimos e os armadores conseguiram destruir as costas do Golfo Sarônico (que sempre foram um refúgio para a população que fugia ao concreto da zona urbana de Atenas), assim como o meio ambiente marítimo, pois o petróleo é tóxico para a maior parte dos organismos e aves marinhas. O petroleiro Agia Zoni II tem um fundo único. Foi construído em 1972 e tinha licença para navegar devido às relações duradouras entre os armadores e os governos gregos. Devido a isso, os armadores permitem-se violar toda a legislação europeia e internacional com o fim de lucrar cada vez mais. Hoje em dia, o Capital marítimo é um parasita, prejudicando a sociedade grega, usufruindo de isenções incríveis, com conexões com o grupo neonazi Aurora Dourada (em 2013 foi descoberta uma grande quantidade de armas e símbolos nazis na casa do armador Anastaios Pallis, no bairro de Vula; o deputado neonazi Kúzilos está envolvido no caso do navio Noor 1), e estende constantemente o seu campo de influência, controlando municípios e equipes de futebol, e criando exércitos privados de “valentões”. Read the rest of this entry »

Nos próximos dois meses se realizarão ao menos sete julgamentos de dezenas de lutadores contra as minas de ouro em Calcídica. A seguir, uma breve informação sobre estes julgamentos, pedindo a difusão da notícia.

Em 12 de outubro de 2017 na cidade de Políguiros (Calcídica) se realizou o julgamento dos 23 detidos pelas forças repressivas durante a invasão das denominadas forças antidistúrbios dos povoados de Calcídica, em 7 de março de 2013. Aquele dia no povoado de Ierissós três mil pessoas estiveram lutando com grande valor e insistência contra as forças pretorianas do Regime. A fumaça dos muitíssimos gases lacrimogêneos disparados por elas cobriu durante várias horas o céu por cima dos povoados. Os policiais não duvidaram em disparar gases lacrimogêneos nos pátios das casas do povoado, até no interior do edifício da escola primária local.

Em 16 de outubro de 2017 na mesma cidade se realiza o julgamento de alguns dos mineiros valentões da empresa mineradora Elinikós Jrisós (Ouro Grego), marionete na Grécia da multinacional Eldorado Gold. Em 15 de março de 2013 uns trinta títeres da empresa irromperam no povoado Megali Panaguiá e se puseram a insultar e agredir os habitantes do povoado que se opõe à destruição do meio ambiente de sua província. Alguns deles não duvidaram em entrar em casas, pegar e maltratar as pessoas, e destruir seus pertences. Entre as pessoas agredidas estava um obreiro florestal. Notamos que os meios de desinformação burgueses que elogiam a propriedade privada, silenciaram totalmente estas agressões. Read the rest of this entry »

O seguinte texto foi publicado faz uns dias no Atenas Indymedia, por causa da chegada dos esbirros da empresa mineradora Eldorado Gold a Atenas com a finalidade de “protestar” pelo atraso nas obras de extração de ouro no noroeste de Calcídica. Não é a primeira vez que a empresa usa estes “mineiros” como trabalhadores desesperados em suas negociações com o governo. Além das questões abordadas no texto, para nós surgem outros dois temas: A falta (esta vez) de uma resposta adequada aos lacaios do Capital, a nível teórico e sobretudo na rua, e o estudo do fenômeno dos antropoides lobotomizados, dispostos a serem manipulados pelo Capital, e a destruir totalmente o meio ambiente em que vivem pelo lucro de seus amos e pelas migalhas que estes lhes vão jogar.

Hoje a empresa fecha sua fábrica em Skuriés. O exército da empresa desce a Atenas. Pedem que lhes concedam de imediato uma licença pela quarta vez. A discrepância principal entre os dois partidos e Eldorado Gold é a concessão ou não de uma licença de funcionamento de uma fábrica à empresa mineradora.

Mas recorremos à lógica. Imagino que (o canal televisivo) Sky não mostra as árvores cortadas. Em vez disso mostra imagens de seu arquivo de um ou dois anos. Um exemplo é esta turbina vermelha da fossa de resíduos que nos mostram até hoje em todas as fotos. Faz tempo que as fossas são duas. Também, ninguém diz que durante todo o verão a empresa esteve fazendo perfurações em Tsikara e em outros lugares. Temporariamente estas obras foram impedidas pelos poucos que seguem lutando até hoje, seja com concentrações de protesto nos locais em que se realizam estas perfurações, ou com a celebração durante dez dias de eventos antimineração na montanha, durante os quais algumas obras se suspenderam só por celebrar-se perto delas estes eventos. Read the rest of this entry »

Tessalônica: Intervenção do Movimento Antiautoritário do lado de fora do Consulado do Canadá contra Eldorado Gold e a extração de ouro em CalcídicaTessalônica: Intervenção do Movimento Antiautoritário do lado de fora do Consulado do Canadá contra Eldorado Gold e a extração de ouro em CalcídicaTessalônica: Intervenção do Movimento Antiautoritário do lado de fora do Consulado do Canadá contra Eldorado Gold e a extração de ouro em Calcídica
Na quinta-feira, 21 de setembro de 2017, o Movimento Antiautoritário de Tessalônica procedeu a uma intervenção do lado de fora do Consulado do Canadá em Tessalônica (aparentemente a empresa de mineração Eldorado Gold é canadense) contra Eldorado Gold e a extração de ouro em Calcídica. A intervenção foi realizada antes da realização, do lado de fora dos tribunais da cidade, de uma concentração em solidariedade com os processados pela luta antimineração em Calcídica. Queremos informar que nesse primeiro julgamento dos ativistas antimineração, todos os acusados foram absolvidos. A seguir, o comunicado do Movimento Antiautoritário.

É a terceira vez que Eldorado Gold suspende as obras (de extração de ouro) e joga o papel da tática, a fim de se converter no soberano absoluto das extrações desde Calcídica até Trácia. Com o pretexto da arbitragem (inventado pelo governo para dourar a pilula e tratar de convencer de que não tem nenhuma responsabilidade, dado que este governo não apenas concedeu várias licenças à empresa, senão que também durante seu mandato se iniciaram as perfurações e o bombeamento das águas residuais), Eldorado Gold parece que não está disposta a aceitar nenhuma regra que não seja a sua.

Vamos falar claro: Eldorado Gold é a nova Camorra do desenvolvimento e das intervenções. Desde que pisou seus pés em Calcídica, se interessou em fazer alianças mais rápido que destruir o meio ambiente. Não teve dificuldades em encontrar porta-vozes e lacaios, não apenas na sociedade local mas também nos centros do Poder. Esta frente midiática, empresarial, política e social dos “dispostos” saiu de novo à superfície para pôr em marcha a série dos favores mútuos e das chantagens: Alafuzos, Bóbolos, Mitsotakis, os sindicatos mineiros vendidos à patronal, e todas as fundações bem conhecidas e as pessoas favorecidas política e economicamente pela máfia do ouro já tomaram assento na orquestra da Eldorado Gold. Read the rest of this entry »

A seguir, publicamos o cartaz-chamado da “Assembleia aberta de solidariedade com os ativistas processados pela luta contra a extração de ouro” para duas concentrações do lado de fora dos tribunais de Tessalônica, em solidariedade com as centenas de ativistas processados pela luta anti-mineração em Calcídica, em 20 e 21 de setembro de 2017, ao começar os julgamentos dos processados.

Os jogos comunicativos do Estado e da empresa mineradora são uns jogos de pressão e de negociação das condições sob as quais avançarão as obras de extração de ouro. Nós não substituímos a luta pela delegação, não temos expectativas institucionais, não ficamos de braços cruzados ante a fragmentação de nossas comunidades.

Não à extração de ouro. A solidariedade é nossa arma.

Pela autonomia e a dignidade das lutas, concentrações do lado de fora dos tribunais de Tessalônica em 20 e 21 de setembro de 2017, às 9 horas. Depois da concentração de 21 de setembro se realizará uma marcha.

Assembleia aberta de solidariedade com os ativistas processados pela luta contra a extração de ouro

O texto em castelhano.

A seguir, publicamos o cartaz-chamado do Coletivo de anarquistas dos bairros orientais, de Tessalônica, para duas concentrações do lado de fora dos tribunais de Tessalônica, em solidariedade com aqueles acusados pela luta anti-mineração em Calcídica, cujos julgamentos ocorrerão em 21 de setembro de 2017.

Defendemos a natureza do saque do Capital

A luta contra a extração de ouro é um exemplo em que se vê claramente que as leis podem ser modificadas para servir os interesses do Capital. Isso é feito, por um lado, buscando formas de legalizar a empresa de mineração e, por outro lado, reprimindo uma das lutas mais combativas e multifacetadas dos últimos anos. Além da sua forma direta, presença da chamada polícia antidistúrbios em todos os lugares, disparo de gás lacrimogêneo dentro das escolas, incursões em casas, tiro de balas de borracha e substâncias químicas, a repressão se estruturou a nível jurídico.

No caso de Skuriés, luta anti-mineração em Calcídica, são mais de 450 ativistas acusados, muitas das acusações basearam-se na obtenção de material genético sem o consentimento dos acusados, em chamadas telefônicas interceptadas e no uso da lei 187 sobre organizações criminosas. Read the rest of this entry »

Texto e cartaz do Comitê de luta de Tessalônica contra a extração de ouro, publicado em sua página web por causa da realização de duas manifestações em Ierissós (Calcídica) e em Tessalônica, contra a extração de ouro em Calcídica.

Desde o momento em que Eldorado Gold ameaçou terminar seu “investimento” e sair da Grécia, o partido da oposição Nova Democracia e os meios de desinformação de massa iniciaram uma campanha de mentiras. Os jornalistas porta vozes da empresa mineradora reproduzem diariamente vários disparates, e dia após dia andam dizendo que vão aumentar os postos de trabalho e o dinheiro que se supõe que contribuirá a empresa para a economia.

Nós sabemos que após a palavra mágica “investimento” empregada como uma panaceia, se esconde um saque: Uma empresa que comprou os terrenos em Calcídica nos quais se pretende fazer a extração de ouro por umas migalhas, que está lucrando sem pagar impostos, que está destruindo o meio ambiente e os recursos naturais da região, que ameaça com conduzir ao desemprego a dezenas de milhares de trabalhadores nos setores da agricultura, da apicultura, da pesca, do turismo, da pecuária e em todos os trabalhos associados com estes setores, em Calcídica e em Tessalônica. Read the rest of this entry »

Este ano, no sábado 9 de setembro de 2017, acontecerá uma manifestação-marcha em Tessalônica, no marco da celebração anual por parte dos soberanos da Feira Internacional de Tessalônica. Neste post publicamos o cartaz-chamado dos Comitês de luta de Tessalônica e Calcídica contra a extração de ouro (em Calcídica) à manifestação.

Manifestação na Feira Internacional de Tessalônica, sábado 9 de setembro, às 18h. Ponto de concentração: Kamares.

Não a extração de ouro. Solidariedade com os ativistas (da luta anti-mineração) criminalizados.

Comitês de luta de Tessalônica e Calcídica contra a extração de ouro

Na faixa da foto se lê: Primeiro te ignoram, depois te enganam, em seguida fazem a guerra, após te derrotam. SOS Calcídica, Juventude contra a extração de ouro. Read the rest of this entry »

Arquivo