Posts Tagged ‘bilhete eletrônico’

Na sexta-feira, 26 de maio de 2017, aconteceu uma ação contra as novas medidas nos meios de transporte massivos. A ação foi realizada em uma estação de metrô de Atenas por estudantes de três faculdades da Universidade de Atenas. Recordamos que as novas medidas preveem várias formas de controle e de vigilância estritas, a colocação de barras nos ônibus e no metrô, a instalação de câmeras de vigilância no interior dos vagões, a contratação de um corpo espacial de vigilantes para os meios de transporte massivos, que terão colaboração com a Polícia, assim como a aplicação da medida do bilhete eletrônico (registrando os dados pessoais do passageiro e excluindo a pessoas do uso dos meios de transporte massivos).

A Polícia e os encarregados da empresa privada que tem a seu cargo a exploração do metrô trataram de proibir a concentração dentro da estação. Os manifestantes fizeram caso omisso das ameaças e procederam à realização da ação. Foram espalhados muitos volantes e distribuídos 1.500 folhetos sobre o bilhete eletrônico, e se inutilizaram temporariamente todas as máquinas de validação de bilhetes.

As reações das pessoas foram várias, algumas positivas, outras negativas, enquanto que houve muitas pessoas que não mostraram o mínimo interesse pelo tema. Além das repercussões econômicas das novas medidas, na ação se pôs em relevo seu caráter social. É duvidoso que a maioria das pessoas que participaram em breves diálogos com os manifestantes entenderam o que significam as novas medidas. É ainda mais duvidosa a vontade (dos que reagiram positivamente) de lutar pela anulação das medidas. Read the rest of this entry »

A seguir, texto da “Coordenação de comunidades de luta anarquista e antiautoritária auto-organizadas pela sabotagem aos sistemas de controle social e de vigilância” sobre a destruição massiva de máquinas validadoras de bilhetes em Àtica (província de Antenas).

As novas “reformas” de funcionamento e uso dos meios de transporte massivos constituem a continuação da aplicação por parte do Estado e do Capital de medidas penosas que supostamente contribuem para a recuperação econômica, mas na realidade conduzem para o empobrecimento. Preços de bilhetes mais caros, barras de controle (desde o início de 2016), bilhete eletrônico, câmeras de vigilância, um novo grupo de policiais-revisores em todos os veículos e nas estações dos meios de transporte massivos: Tudo isto é apenas uma pequena amostra das intenções do Estado de impor o controle absoluto do nosso cotidiano, e do isolamento social e de classe dos débeis, dos de baixo e dos que não queremos pagar o bilhete ou não temos dinheiro para o pagar.

Além das nossas necessidades pessoais, para nós, os obreiros, os estudantes e os desempregados, a circulação nos meios de transporte massivos desde os locais de trabalho, educação, consumo e diversão constituem uma necessidade imprescindível, pois são grandes as distâncias nas cidades. As novas proibições nos meios de transporte massivos constituem uma guerra diária contra a solidariedade que está emergindo entre os passageiros, intercambiando bilhetes. Ao mesmo tempo perpetuam o peso e o medo através de revisores, de multas e de seus valentões. Os novos “olhos que não dormem” das câmeras de vigilância que estão sendo instaladas até dentro dos vagões do metrô e dentro dos ônibus, e os policiais que os vigiam, têm como objeti vo a criação de zonas de controle total. Read the rest of this entry »

Texto da coletividade do bairro de Atenas Nikea “Bloqueio ao Poder”, publicado em sua página web.

O plano de estruturação da Companhia de Ônibus Urbanos inclui muitíssimas disposições (medidas) e “novas ideias” sobre a repressão dos “passageiros sem bilhete” e o controle de todos os passageiros: Barras giratórias, entrada só pela porta dianteira dos ônibus, pontos de controle nas entradas e saídas das estações de metrô, corpo de revisores com a participação da Polícia, assim como câmeras de vigilância dentro e fora dos vagões do metrô e dos ônibus.

Desta maneira se vai formando um ambiente de controle intensivo e de registro de nossa cotidianidade. Nossos translados constituem uma mercadoria e uns dados que poderão ser processados no futuro.

Aos que lhes ocorram não pagar o preço do translado (que irá aumentando segundo o itinerário) os espera um corpo de guardas (uniformizados ou não), vigilantes na Terra do santo processo de picar o bilhete. Estes estarão prontos para perseguir e castigar os que cometam o pecado mortal de não pagar o bilhete (a memória do assassinado Thanasis Kanautis em Peristeri, por não ter bilhete, está sempre viva). Também, os espera o acessório indispensável de todo Poder que tem respeito a si mesmo: Câmeras de vigilância. Read the rest of this entry »

Informação sobre a manifestação de 1º de abril contra as novas medidas nos transportes massivosInformação sobre a manifestação de 1º de abril contra as novas medidas nos transportes massivosInformação sobre a manifestação de 1º de abril contra as novas medidas nos transportes massivos
No sábado 1º de abril realizou-se no centro de Atenas uma manifestação contra as novas medidas nos meios de transporte massivos (formas de controle e de vigilância muito estritas, barras nos ônibus e no metrô, câmeras de vigilância no interior dos vagões, vigilantes especiais para os meios de transportes de massas, em colaboração com a Polícia, e sobretudo a medida do bilhete eletrônico, registrando os dados pessoais do passageiro e excluindo pessoas do uso dos meios de transportes de massas). Esta mobilização vem somar-se a uma série de manifestações, ações e sabotagens, em resposta à aprovação das medidas anteriormente citadas.

Na manifestação participaram umas 500 pessoas, numa cidade de 4,5 milhões de habitantes, cuja maioria usa diariamente ou várias vezes por semana os meios de transporte. Reparamos que os manifestantes encontraram-se com uns quantos consumistas lobotomizados, que defenderam a mercantilização dos bens sociais e o seu “direito democrático de pagar para usar os meios de transporte massivos”… A maioria dos participantes na manifestação eram anarquistas, antiautoritários, libertários e pessoas que pertencem a organizações e iniciativas contra o bilhete eletrônico e defendem o uso gratuito dos meios de transporte massivos. Notamos também que nenhum partido (parlamentário ou extra-parlamentário) convocou qualquer tipo de manifestação contra a mercantilizãoo dos meios de transporte e as (novas) formas de controle e vigilância.

A concentração realizou-se na praça de Monastiraki e foi sucedida por uma marcha à praça Maior (Sintagma) ao longo da rua de pedestre Ermú, a mais comercial de Antenas. Alguns dos lemas gritados foram os seguintes: “Nem barras de controle, nem revisores: Negamos pagar pelas nossas necessidades básicas”, “Para o transporte a solução é fácil: Uso gratuito dos meios de transporte massivos, e chute nos revisores” e ” Nem barras nem máquinas de validação, a crise tem que ser paga pelos patrões” (vídeo). Uma vez terminada a marcha, quebraram-se várias das novas máquinas de validação dos bilhetes, instaladas na estação de metrô de Omonia (vídeo). Read the rest of this entry »

Continua a luta contra as novas medidas nos meios de transportes de massas (formas de controle e de vigilância muito estritas, barras nos ônibus e no metrô, câmeras de vigilância no interior dos vagões, vigilantes especiais para os meios de transportes de massas, em colaboração com a Polícia, e sobretudo a medida do bilhete eletrônico (registrando os dados pessoais do passageiro e excluindo pessoas do uso dos meios de transportes de massas).

A Coordenadora de coletivos do centro de Atenas pelo uso gratuito dos meios de transportes de massas realizou duas ações antes da manifestação de sábado, 11 de março. Na quarta-feira, 1º de março, houve uma “intervenção” nos ônibus urbanos no centro de Atenas. Faixas foram penduradas e slogans pichados na parte externa dos ônibus. Na sequência, folhetos foram distribuídos em pontos de ônibus e trólebus, bem como dentro deles. Na quinta-feira, 2 de março, uma ação foi realizada na estação de metrô Vitória. Panfletos informativos sobre as novas medidas foram distribuídos no interior da estação e áreas circunvizinhas. Essas ações são uma continuação da manifes tação de 18 de fevereiro e das ações que a precederam.

No sábado, 11 de março, está marcada uma marcha pelo centro de Atenas contra as novas medidas e em favor da utilização gratuita dos meios de transportes de massas por todos e todas. A concentração será na praça Monastiraki, às 12h. Read the rest of this entry »

IMG_20170218_131354IMG_20170218_131500IMG_20170218_131503IMG_20170218_131503
No sábado 18 de fevereiro de 2017 se realizou na estação de metrô Attikí, próxima do centro de Atenas, uma manifestação contra as novas medidas nos meios de transportes de massas (formas de controle e de vigilância muito estritas, barras nos ônibus e no metrô, câmeras de vigilância no interior dos vagões, vigilantes especiais para os meios de transporte coletivo, em colaboração com a Polícia, e sobretudo a medida do bilhete eletrônico (registrando os dados pessoais do passageiro e excluindo pessoas do uso dos meios de transporte coletivo).

Na manifestação participaram umas 150 pessoas. Os manifestantes bloquearam os mostradores de bilhetes e as máquinas validadoras de bilhetes durante umas duas horas. Durante a manifestação a estação de metrô permaneceu fechada, com fortes forças policiais presentes dentro e fora dela. Os manifestantes leram por megafone textos contra as novas medidas, colaram adesivos nas máquinas validadoras de bilhetes, e abriram faixas. Em seguida, a manifestação se transladou à estação de metrô Omonoia, uma das duas mais centrais de Atenas.

Os lemas de duas das faixas abertas (fotos): “Barras, bilhete eletrônico, câmeras de vigilância e revisores converteram nossas cidades em cárceres modernos” e “Não picamos bilhetes, eliminamos aos revisores” (jogo de palavras com o verbo anular, que em grego se usa em vez dos verbos picar e eliminar nesta frase).

Tradução: Agência de Notícias Anarquistas.

O texto em castelhano.

Atenas, Monastiraki: Concentração de assembleias de bairros contra as novas formas de controle e vigilância nos transportes de massasAtenas, Monastiraki: Concentração de assembleias de bairros contra as novas formas de controle e vigilância nos transportes de massasAtenas, Monastiraki: Concentração de assembleias de bairros contra as novas formas de controle e vigilância nos transportes de massasAtenas, Monastiraki: Concentração de assembleias de bairros contra as novas formas de controle e vigilância nos transportes de massasAtenas, Monastiraki: Concentração de assembleias de bairros contra as novas formas de controle e vigilância nos transportes de massas
Em 10 de dezembro de 2016 na estação de metrô de Monastiraki, uma das mais centrais e turísticas de Atenas, foi realizada uma concentração contra as novas formas de controle e vigilância que o Regime deseja aplicar no transporte de massas a partir de janeiro de 2017: Barras de entrada nos ônibus e metrôs, câmeras de vigilância no interior dos vagões de metrô, um corpo de guardas especiais para os meios de transporte, no qual estará colaborando com a Polícia, aplicação do bilhete (ou crédito) eletrônico (registrando dados pessoais e provavelmente privando as pessoas do uso do transporte de massas).

A concentração tinha sido chamada por várias assembleias de bairros e coletivos. Os participantes na concentração chegaram a estação por volta das 12h00 e permaneceram por lá até aproximadamente 14h00. Durante a concentração cada assembleia e coletivo distribuiu o texto que foi escrito para este protesto. Além disso, eles também espalharam panfletos, picharam slogans e bloquearam as máquinas de picar bilhetes da estação. Após a concentração, as pessoas que dela participaram, se retiraram tomando o metrô, mas sem picar o bilhete.

As palavras de ordem de algumas das faixas desfraldadas que são vistas nas fotos: “Acesso gratuito ao transporte de massas. Nem barras, nem revisores, nem bilhete eletrônico”, “Nem barras, nem revisores. Contra o bilhete eletrônico resistência e luta em todos os bairros”, ” Acesso livre ao transporte de massas. A defender as necessidades básicas”. Read the rest of this entry »

Arquivo