Posts Tagged ‘anarquistas’

A seguir, publicamos o cartaz-chamado do Coletivo de anarquistas dos bairros orientais, de Tessalônica, para duas concentrações do lado de fora dos tribunais de Tessalônica, em solidariedade com aqueles acusados pela luta anti-mineração em Calcídica, cujos julgamentos ocorrerão em 21 de setembro de 2017.

Defendemos a natureza do saque do Capital

A luta contra a extração de ouro é um exemplo em que se vê claramente que as leis podem ser modificadas para servir os interesses do Capital. Isso é feito, por um lado, buscando formas de legalizar a empresa de mineração e, por outro lado, reprimindo uma das lutas mais combativas e multifacetadas dos últimos anos. Além da sua forma direta, presença da chamada polícia antidistúrbios em todos os lugares, disparo de gás lacrimogêneo dentro das escolas, incursões em casas, tiro de balas de borracha e substâncias químicas, a repressão se estruturou a nível jurídico.

No caso de Skuriés, luta anti-mineração em Calcídica, são mais de 450 ativistas acusados, muitas das acusações basearam-se na obtenção de material genético sem o consentimento dos acusados, em chamadas telefônicas interceptadas e no uso da lei 187 sobre organizações criminosas. Read the rest of this entry »

Contra o saque da natureza e da sociedade pelo Estado e o Capital

Depois da aprovação da lei sobre as condições meio ambientais (que regem o desvio do Aqueloo) em 2 de agosto de 2017, o funcionamento iminente da represa de Mesojora comprova o fato de que o desvio do rio Aqueloo constitui um tema político principal para os soberanos. Está integrado em um plano mais amplo de saque e venda da riqueza pública, e por sua vez tem sido o maior desejo do Sistema diacronicamente.

A destruição de Mesojora, assim como o saque e o controle da riqueza natural, avançarão sem nenhum consenso social, assim como os memorandos e a dominação do Capital em seus vários protetorados, como o Estado grego. Da mesma maneira está a represa em pé fazem quarenta anos: Com a repressão por parte do Estado. É uma repressão dirigida a qualquer pessoa lutadora. Por outro lado, (esta repressão) trata de silenciar, distorcer e tirar o significado das propostas coletivas que promovem a nível social a solidariedade e a resistência.

Qualquer que seja a conclusão das obras criminosas realizadas no alto fluxo do Aqueloo, a luta pela liberação social e as pessoas que se oporão a qualquer tentativa de funcionamento da represa (central hidrelétrica) sairão vencedores. A luta pela defesa da natureza e da sociedade continuará montando barricadas contra o desenvolvimento capitalista, em qualquer lugar que se manifeste a barbárie capitalista, até a derrocada total do Estado e do Capital. Read the rest of this entry »

Este comunicado da Organização Política Anarquista, em solidariedade com a okupa Mundo Nuevo, foi publicado em sua página web em sequência a uma publicação em um meio de desinformação digital, através da qual os aparatos repressivos do Estado puseram a okupa no ponto de mira. Esperamos poder difundir logo mais notícias sobre este caso.

Solidariedade com a okupa Mundo Nuevo. Tirem as mãos das okupas

Continuam os ataques a okupas políticas e a lugares ocupados para oferecer alojamento a refugiados e imigrantes, através de contínuas publicações na imprensa. A mais recente delas foi um artigo contra a okupa Nuevo Mundo, escrito obviamente pela Polícia Secreta, e publicado em uma página web de Tessalônica. Recentemente o Centro Social Ocupado Sxoleio (Escola) recebeu ameaças por parte da prefeitura de Tessalônica. Ao mesmo tempo a okupa Rosa Nera em Chania está ameaçada com desalojo, devido aos acordos de caráter lucrativo entre a Escola Politécnica de Creta e empresários da indústria turística. O reitor da Universidade, jogando o papel de homem de negócios, declarou descaradamente que a repressão iminente será “para o bem da sociedade”. Durante o último tempo foi se intensificando a propaganda repressiva contra as okupas.

As referências (em vários artigos publicados) a ordens fiscais de desalojo das okupas de Papoutsadiko, do hotel City Plaza e da okupa de teto para imigrantes na rua Zoodoxou Pigis, 119, em Atenas, assim como a pressão exercida nos casos nos quais os donos dos edifícios das okupas são universidades, como os casos das okupas Lelas Karagianni 37 e Vankouver, em Atenas, e Evangelismos, em Heraclión, são feitas para penalizar o caráter anarquista e antiautoritário destes projetos, assim como a solidariedade na prática com os refugiados e os imigrantes. Read the rest of this entry »

Segue o comunicado da coletividade anarquista “Ciclo do Fogo” sobre as mobilizações contra a cúpula do G20 em Hamburgo.

A cúpula do G20 na cidade alemã de Hamburgo se converteu em um evento mundial para as resistências dos de baixo, graças à presença combativa de milhares de manifestantes nas ruas da cidade. A seleção de uma cidade grande da Alemanha para esta cúpula constituiu desde o princípio uma tentativa dos soberanos de ostentar seu Poder. Segundo a chanceler da Alemanha: “Não podemos dizer que haja lugares nos quais não se possa celebrar este evento”. Os responsáveis da indigência e da opressão de milhões de pessoas se reuniram próximo de um bairro de simbolismos históricos de luta, e muito próximo da okupa Rote Flora, por um lado para ratificar sua ofensiva e elaborar planos para continuá-la, e por outro lado para declarar que ganharam a guerra contra os plebeus. Escolhendo este lugar para sua reunião e expressando sua vontade de celebrá-la sem estorvos, dentro do possível, pretenderam apresentar a resistência como um assunto marginal e sem nenhuma importância política.

Foram desmentidos da pior maneira, já que o fato político mais importante (central) dos últimos dias não foram as reuniões e os banquetes luxuosos da elite política mundial, celebrados sob a custódia de um exército repressivo de 20.000 policiais. (O fato político mais importante) foram os enfrentamentos, as barricadas e as manifestações, demostrando que a ditadura estatal e capitalista reina, não governa, e que a vontade dos soberanos do mundo se impõe por poderem exercer a violência com seus exércitos. Os disparos ao ar, os ataques selvagens contra os manifestantes que resistem, as detenções e os manifestantes lesionados, nos exasperam e por sua vez constituem uma derrota política grande para os soberanos do mundo, já que estropiaram a falsa imagem do consentimento a sua vontade, e ridiculizaram sua cara democrática. Read the rest of this entry »

Neste post publicamos um texto da Assembleia de anarquistas pela emancipação social e de classe sobre as contínuas tentativas das elites econômicas e sociais de eliminar o caráter festivo do domingo.

Nenhum domingo com lojas abertas. Contra-ataque social e de classe contra o Estado e o Capital

No marco da reestruturação capitalista a ofensiva do Estado e do Capital está se intensificando. Os gestores políticos continuam a ofensiva contra a sociedade sem parar, demonstrando a continuidade do Estado, não apenas apoiando e materializando as medidas no marco dos memorandos impostos por seus predecessores, mas impondo um quarto memorando e intensificando a indigência e o empobrecimento dos explorados e dos oprimidos, rebaixando constantemente os salários e as pensões, impondo a precariedade, o desemprego e a privatização da riqueza pública e dos recursos naturais.

Depois de várias tentativas de legislar a abolição do domingo como dia festivo, ou seja abolindo um direito trabalhista conquistado com duras lutas, recentemente foi votada a lei que prevê a abertura das lojas todos os domingos desde maio até outubro, ou seja 32 domingos ao ano. A abertura das lojas aos domingos vem a legalizar-se em nome do cobiçado desenvolvimento, do aquecimento da economia nacional e da criação de novos postos de trabalho, no entanto, não é nada mais que a continuação do agravamento das condições de exploração. Vem se somar à mudança violenta das condições de trabalho nas quais se inclui o trabalho remunerado, os horários de trabalho flexíveis, os contratos de trabalho individuais, a reciclagem dos desempregados através dos denominados programas de trabalho de interesse social, o trabalho sem seguro social, etc. Esta mudança conduz à continuação da desvalorização da força laboral, sempre beneficiando o Capital. Está integrada na tentativa de impor (consolidar) um modelo laboral mais flexível, no qual os trabalhadores terão que estar constantemente dispostos, segundo as necessidades dos patrões. No mesmo marco estão integradas as chamadas “Noites Brancas”, com os dependentes sendo obrigados a trabalhar até uma ou duas da madrugada. Read the rest of this entry »

“Qualquer ousado intento de provocar uma grande mudança nas condições existentes, qualquer nobre visão de novas possibilidades para a raça humana, foram etiquetados como utópicos”.

Como anarquistas, cujo fim é a criação de uma sociedade diferente, agregamos uma arma nova em nosso arsenal: o discurso teatral. Concretamente, para nós o teatro constitui um meio de despertar consciências e de mantê-las despertas, tendo como objetivo a edificação de uma sociedade anti-hierárquica cujas leis sejam iguais para todos e na quais todos terão o mesmo valor. Em nossos dias, a arte em geral, e o teatro em específico, são produtos da exploração cada vez mais dura, da mercantilização e dos meios de manipulação. Os partidários de um teatro semelhante que semeia o racismo, o nacionalismo, o ódio, a homofobia e o patriarcado, enquanto que não deixam de elogiar o atual estado social e político da voracidade neoliberal como única alternativa existente. De tal maneira, como o pretexto da sátira, promovem a culpabilização do trabalhador de baixo nível econômico.

A coletividade teatral anarquista Hybris propõe a resistência e a luta contra a alienação e a decadência. Lutamos e criamos focos de ação e solidariedade. Opomos-nos a qualquer tipo de discriminação baseada na nacionalidade, religião, raça e sexo. Somos relutantes a qualquer relação de exploração, autoritária ou outra, procedente, reproduzida ou imposta e perpetuada pelos vários mecanismos de repressão estatal, direta ou indiretamente, e pelos que a exercem. Apoiamos todas as estruturas, okupas e coletividades que funcionem de uma maneira horizontal, anti-hierárquica, tendo em conta os princípios da solidariedade e da autogestão, contra os patrocinadores, as subvenções estatais e a União Europeia, bem como contra os interesses econômicos cujo fim é o lucro. O objetivo da coletividade teatral anarquista Hybris é ser parte integrante do movimento revolucionário, social e de classe. Read the rest of this entry »

A seguir, a programação da 4ª Feira do Livro Anarquista de Patras, como foi publicada no site da Feira.

Quinta-feira, 25 de maio

18h: Apresentação do livro “O mito bolchevique”, de Alexandre Berkman, edições Panoptikon.

20h: Evento-debate realizado por ocasião da publicação do livro “Anarquistas israelenses. A mobilização no confronto entre palestinos e israelenses”, edições Opportuna, com a presença do autor do livro e membro do grupo “Anarquistas Contra o Muro”, Uri Gordon.

22h: Noite de música, bar de apoio financeiro da Feira com canções de luta.

Sexta-feira, 26 de maio

18h: Apresentação do livro “Uma proposta libertária. História, evolução e prática”, por edições Stasei Ekpiptontes.

20h: Apresentação do livro “Antologia da revolução espanhola. Espanha vermelha e negra”, por edições Kaina Daimonia.

22h: Noite de música com canções rebetika, para o apoio financeiro da Feira. Read the rest of this entry »

A seguir, o texto do cartaz publicado no site do grupo anarquista de Patras Dissinios Ippos, chamando para uma concentração e marcha nesta cidade em 17 de maio, por ocasião da convocatória de um dia de greve geral pelos sindicatos amarelos.

Contra a barbárie estatal e capitalista

A ofensiva em todas as frentes iniciada pelo Estado e a patronal, bem como a constante imposição de novas condições penosas de exploração e opressão, refletem o processo de reestruturação violento do modo de organização da sociedade estatal e capitalista. A gestão política atual, estando em pleno acordo com as reivindicações do Capital local e internacional, com a política da União Europeia e dos governos anteriores, está implementando uma nova rodada de saques da sociedade, com condições ainda mais duras e penosas do que as últimas, uma vez que as medidas acordadas com o “fechamento de avaliação” são medidas de um novo memorando que vêm para destruir os escombros deixados pelos três memorandos anteriores.

Organização e luta pela revolução social, a anarquia e o comunismo libertário

Do nosso lado, o lado dos desempregados, dos trabalhadores, dos pobres, dos plebeus, queremos dizer que a história das lutas sociais e de classe nos mostra que os proletários não podem esperar nada das instituições, dos parlamentos, das eleições, dos líderes sindicais burocratas, dos comerciantes de esperanças e dos mediadores das lutas de classe. Qualquer vitória conquistada por eles será o resultado de suas lutas radicais e combativas, organizadas na base da sociedade. Read the rest of this entry »

Cartaz publicado no site do coletivo anarquista Vogliamo tutto e per tutti.

Depois de mais uma “negociação difícil” entre o Estado grego e os credores, nós somos os únicos que devemos procurar medidas adequadas…

Reduções nas pensões e nos salários: Reivindicação, resistência, solidariedade de classe.

Bilhete eletrônico, confiscos, despejos: Nenhuma casa nas mãos do Estado e do Capital, ocupação de casas vazias, auto-organização social.

Aumentos de preços, contas e impostos: Recusa a pagar, expropriações, gestão coletiva da vida cotidiana.

Contra a distopia do desenvolvimento capitalista e do superavit de 3,5%, contra a desilusão, a passividade, a opressão e a miséria: Organização e luta contra o Estado e o Capital, pela emancipação social e de classe, por um mundo de igualdade, justiça e liberdade. Se não lutarmos hoje pelo impossível, amanhã…

Coletivo anarquista Vogliamo tutto e per tutti

Tradução: Agência de Notícias Anarquistas.

O texto em grego, castelhano.

A seguir, texto da “Coordenação de comunidades de luta anarquista e antiautoritária auto-organizadas pela sabotagem aos sistemas de controle social e de vigilância” sobre a destruição massiva de máquinas validadoras de bilhetes em Àtica (província de Antenas).

As novas “reformas” de funcionamento e uso dos meios de transporte massivos constituem a continuação da aplicação por parte do Estado e do Capital de medidas penosas que supostamente contribuem para a recuperação econômica, mas na realidade conduzem para o empobrecimento. Preços de bilhetes mais caros, barras de controle (desde o início de 2016), bilhete eletrônico, câmeras de vigilância, um novo grupo de policiais-revisores em todos os veículos e nas estações dos meios de transporte massivos: Tudo isto é apenas uma pequena amostra das intenções do Estado de impor o controle absoluto do nosso cotidiano, e do isolamento social e de classe dos débeis, dos de baixo e dos que não queremos pagar o bilhete ou não temos dinheiro para o pagar.

Além das nossas necessidades pessoais, para nós, os obreiros, os estudantes e os desempregados, a circulação nos meios de transporte massivos desde os locais de trabalho, educação, consumo e diversão constituem uma necessidade imprescindível, pois são grandes as distâncias nas cidades. As novas proibições nos meios de transporte massivos constituem uma guerra diária contra a solidariedade que está emergindo entre os passageiros, intercambiando bilhetes. Ao mesmo tempo perpetuam o peso e o medo através de revisores, de multas e de seus valentões. Os novos “olhos que não dormem” das câmeras de vigilância que estão sendo instaladas até dentro dos vagões do metrô e dentro dos ônibus, e os policiais que os vigiam, têm como objeti vo a criação de zonas de controle total. Read the rest of this entry »

Arquivo