Posts Tagged ‘anarquistas’

YouTube Preview Image

 

Há poucos dias o coletivo anarquista dos bairros atenienses Kalithea e Mosjato, e vários anarquistas fizeram em comum uma ação no edifício onde estão localizados os escritórios da multinacional Icap, no bairro de Kalithea. Icap é uma das várias empresas corretoras de dívidas (de recuperação), encarregada de acossar diariamente centenas de milhares de pessoas. No vídeo é possível ver uma parte da ação.

O texto em castelhano.

Segue o texto da chamada do grupo anarquista de Patras “Disinios Ippos” (Cavalo Selvagem) para cancelar os leilões de casas hipotecadas pelos bancos, a cada semana nos tribunais da cidade.

O teto é um bem social

A intensificação da ofensiva do Estado e da patronal contra a maior parte da sociedade continua através da pilhagem da riqueza social. O cerco sufocante montado em torno de nós contribui para a formação de umas condições ainda mais favoráveis para o desmantelamento cada vez maior dos ganhos sociais das últimas décadas.

Já foram colocados na ponta de mira uns bens sociais básicos, como a água, a energia, a alimentação, a saúde e o teto. Especificamente, quanto à primeira residência de uma pessoa, há algum tempo foi posto em marcha o seu saque pelo Estado e os bancos. Em várias ocasiões, o desenvolvimento de um movimento combativo contra os leilões conseguiu bloquear, na prática, a realização dos leilões dentro ou fora das salas de audiência. Read the rest of this entry »

Registramos que o julgamento dos antifascistas detidos depois da ação fora das oficinas centrais do Aurora Dourada, em 7 de janeiro de 2015, começa na quarta-feira, dia 23 de fevereiro de 2017.

Historicamente a guerra contra o fascismo nunca acabou, já que constitui a reserva e a vanguarda do Estado e do Capital. O objetivo dos aparatos estatais e dos agentes econômicos sempre foi o esmagamento das resistências sociais, deixando espaço para o desenvolvimento do nacionalismo como escudo de proteção. Durante a transição e sobretudo na última década, no território do Estado grego, os fascistas (qualquer que tenha sido seu partido político) tem sido o obstáculo mais conservador e reacionário contra a perspectiva revolucionária (liberação social) do corpo social. Os votantes do Aurora Dourada e seus partidários fiéis pertencem a classe alta, ao estrato social da pequena burguesia em sua faceta mais extrema, e à margem social reacionária. Os fascistas s& atilde;o os valentões dos patrões, pequenos ou grandes, os canibais fura-greves, os assassinos de lutadores, os violadores dos que não se incorporam à cultura da Soberania e às normas predominantes.

Depois do assassinato de [Alexis] Grigoropoulos (2008), com o estouro das forças do movimento derrocador, a ação dos fascistas continuou sendo cada vez mais combativa e intensa. A ameaça de uma mudança social fora das alternativas capitalistas e a repressão estatal deram um golpe ao Sistema e o obrigaram a fortalecer-se. Desde 2009 as forças repressivas e as formações fascistas participam em comum na tarefa repressiva do movimento antifascista e social. A recém-fundada equipe motorizada da Polícia (Delta) e os fascistas iniciaram uma série de ataques, sobretudo contra o segmento mais combativo do movimento derrocador nesta época, ou seja, o âmbito anarquista antiautoritário. Os ataques a locais anarquistas e a okupas, os assassinatos do antifascista Fyssas e do obreiro Lukmán c onstituem dois pontos sumamente importantes da agenda nacionalista, a qual busca a legalização do terrorismo estatal e econômico. O Estado grego excarcerou a Rupakiás, assassino de Fyssas. Está demostrado que uma boa parte das forças repressivas (a chamada tropa antidistúrbios, a equipe motorizada Delta) declarou em público que seus membros são partidários, votantes e incluso membros do Aurora Dourada. Read the rest of this entry »

Segue o comunicado do grupo anarquista que há alguns dias realizou um eficaz ataque ao local “secreto” do grupo fascista Propatria.

Muitos anos atrás os lemas antifascistas diziam: “o fascismo histórico morreu, mas o cotidiano vive”. Era uma constatação concreta para a época e também uma estratégia contra a fascistização social. As sociedades europeias iam se convertendo em “paraísos capitalistas” e os países que recebiam imigrantes da Europa oriental derrotada, apareciam os primeiros sintomas generalizados de racismo social, juntamente com o racismo estatal-institucional e a retórica dos meios desinformativos de massa.

Na Grécia os neonazistas eram um punhado de empregados dos aparatos repressivos (geralmente todos eram parentes dos guardas civis, colaboradores dos nazis na segunda guerra mundial e na guerra civil e que tiveram um papel importante no pós-guerra), sem perspectivas organizativas ou políticas e sem nenhuma base social, exceto pela extrema direita, a qual, na época, estava bastante limitada. Read the rest of this entry »

Informação sobre as concentrações em solidariedade com os presos políticos na TurquiaInformação sobre as concentrações em solidariedade com os presos políticos na TurquiaInformação sobre as concentrações em solidariedade com os presos políticos na Turquia
Em 2 de fevereiro de 2017 foram realizadas nas três maiores cidades do território do Estado grego (Atenas, Tessalônica e Patras) concentrações em solidariedade com os presos políticos anarquistas na Turquia e, em geral com aqueles que lutam contra o regime cruel neste país .

Especificamente, Hüseyin Civan, editor do jornal anarquista Meydan, foi condenado recentemente a um ano e três meses de prisão por suas atividades políticas. O preso anarquista e editor do jornal Meydan, Umut Firat, está encarcerado há 23 anos nas prisões turcas e em greve de fome denunciando o regime de emergência declarado pelo Estado turco, e as condições de detenção desumanas impostas por este Estado aos presos políticos.

As concentrações nas cidades gregas foram chamadas pela Organização Política Anarquista. Nas faixas que se veem nas fotos, diz: “Solidariedade com os anarquistas da DAF (Ação Revolucionária Anarquista) e com todos aqueles que lutam contra o estado de emergência na Turquia”, “O Estado totalitário da Turquia assassina e encarcera. Solidariedade com os companheiros da DAF”. Read the rest of this entry »

O lutador anarquista e preso político Umut Firat Suvariogullari continua a greve de fome que começou no início de dezembro 2016 na prisão de tipo T, em Yenisakran Izmir, Turquia, denunciando o estado de emergência declarado pelo Estado turco e as condições de detenção desumanas dos presos políticos nos calabouços infernais da Turquia.

A última informação sobre sua saúde nos chegou em 2 de fevereiro de 2017, 52 dias após o início da greve de fome. De acordo com esta informação, a sua saúde deteriorou-se acentuadamente. No entanto, a Direção da prisão onde ele está encarcerado não reconhece sua luta como greve de fome e não permite que ele seja visto por um médico. Este é um pretexto absurdo dos patrões políticos da Direção da prisão.

Os companheiros de Umut da DAF (Ação Revolucionária Anarquista) entraram com um pedido legal para obter informações sobre seu estado de saúde. Ressaltamos que é proibido entrar em contato com Umut Firat. Os companheiros da DAF esperam obter contato com ele, ainda que indiretamente, em 7 de fevereiro, através dos advogados que tem programada uma visita ao preso político anarquista. Read the rest of this entry »

O preso anarquista e editor do jornal Meydan, Umut Firat Suvariogullari, está encarcerado há 23 anos nas prisões turcas e em greve de fome na prisão de tipo T em Yenisakran Izmir desde 13 de dezembro de 2016, denunciando o regime de emergência declarado pelo Estado turco, e as condições de detenção desumanas impostas por este Estado aos presos políticos. É um cárcere dentro do cárcere, no qual as visitas estão proibidas, os presos não tem nenhum direito e se submetem a constantes torturas.

Em 23 de dezembro de 2016 o tribunal de Constantinopla condenou Hüseyin Civan, editor do jornal anarquista Meydan, a um ano e três meses de cárcere por ter feito “propaganda a favor do terrorismo”. O chefe dos fiscais havia ordenado uma investigação contra o jornal em dezembro de 2015, com o pretexto de uns artigos que haviam sido publicados no volume 30, cuja temática era “Proibindo tudo”.

A prisão de Hüseyin Civan e a imposição de umas condições de detenção desumanas aos presos, estão integradas na campanha repressiva do Estado turco, que nos últimos anos se manifesta por meio de operações militares (de guerra) nos territórios kurdos, com perseguições massivas e ataques contra os movimentos de resistência e organizações revolucionárias. Na atualidade esta campanha foi intensificada, sobretudo depois do golpe de estado frustrado de julho de 2016 e a extensão (generalização) do estado de emergência. Read the rest of this entry »

Texto da Organização Política Anarquista sobre as concentrações que se realizarão em três cidades do território do Estado grego em solidariedade com os lutadores anarquistas da DAF (Ação Revolucionária Anarquista) na Turquia, reprimidos pelo Regime fascista turco.

Solidariedade com os lutadores anarquistas da DAF ns Turquia. Solidariedade com o preso Hüseyin Civan, redator do periódico anarquista Meydan

Em 23 de dezembro de 2016 o tribunal de Constantinopla condenou Hüseyin Civan, redator do periódico anarquista Meydan, a um ano e três meses de cárcere por ter feito “propaganda a favor do terrorismo”. O chefe dos fiscais havia ordenado uma investigação contra o periódico em dezembro de 2015, com o pretexto de uns artigos que haviam sido publicados no volume 30, cuja temática era “Proibindo tudo”.

Solidariedade com o preso Umut Firat, editor (redator) do Meydan, que está em greve de fome desde 13 de dezembro de 2016

Umut Firat Suvariogullari está em greve de fome desde 13 de dezembro de 2016 no cárcere de tipo T, em Yenisakran de Esmirna, denunciando o regime de emergência declarado pelo Estado turco, e as condições de detenção desumanas impostas por este Estado aos presos políticos. É um cárcere dentro do cárcere, no qual as visitas estão proibidas, os presos não tem nenhum direito e se submetem a constantes torturas. Read the rest of this entry »

Texto da Assembleia de anarquistas e antiautoritários/as de Lâmia sobre as denominadas “Noites Brancas”. O texto foi distribuído em uma ação realizada faz uns dias no centro da cidade.

Que vão os ministros, os prefeitos e todos os patrões a trabalhar no domingo e pelas noites.

Em 13 de outubro de 2016, após uma convocatória da junta diretora da Associação de Comerciantes de Lâmia, se realizou um conselho, no qual um dos temas principais debatidos foi a organização de uma “Noite Branca” na cidade. No conselho anteriormente mencionado muitos donos de lojas exigiram de maneira insistente “que se celebra-se por fim em Lâmia” uma “Noite Branca”, onde a junta diretora tomou a relativa decisão, sendo seu argumento principal a “melhora e a tonificação da psicologia dos consumidores”. Claro, não nos surpreendeu que não lhes interessasse o mínimo os empregados das lojas, os quais vão dar uma surra por causa da festa. Assim, pois, ao mesmo tempo que os donos dos grandes negócios comerciais montam festinhas para “tonificar” a economia e o mercado local destroçados, seus empregados, assim como todos os que estão trabalhando nesta época, sentem em seu corpo a violação constante de seus direitos e de sua dignidade. Os salários de fome, o trabalho não remunerado durante muitos meses, os horários comerciais flexíveis, os convênios individuais, as horas extras não pagas, e já o trabalho no domingo, não são nada mais que o terrorismo patronal moderno. É um terrorismo, o qual já considera normal obrigar diretamente aos trabalhadores a trabalhar até a meia-noite, até às 12 da noite! De fato, é esta condição miserável para os trabalhadores a campanha de publicidade, com o fim de chamar o “público consumidor” a participar neste evento e a aumentar os lucros dos comerciantes locais. Read the rest of this entry »

Reproduzimos o texto da Assembleia de anarquistas e antiautoritários/as de Lâmia sobre uma ação realizada em 2 de dezembro de 2016 na cidade contra as chamadas “Noites Brancas”.

Na sexta-feira 2 de dezembro de 2016 se realizou pela primeira vez em Lâmia uma “Noite Branca”, após uma decisão tomada pela Associação de Comerciantes da cidade. O evento foi apoiado pela prefeitura de Lâmia. Como assembleia cremos que as “Noites Brancas” não são nada mais que mais um golpe da patronal ao mundo do trabalho, o qual, de todas as formas, está indigente. Por muito que alguns tratem de ocultar sua motivação real com respeito aos objetivos de dita festa celebrada na cidade, falando por exemplo de reforço da economia local destroçada, nós insistiremos e seguiremos recordando que os trabalhadores, as trabalhadoras e seus direitos laborais estão sempre no ponto de mira de tais medidas.

Assim que uns membros da assembleia nos concentramos por volta das 20h30 na praça principal da cidade, onde no início abrimos algumas faixas, e durante as próximas duas horas se distribuíram textos da assembleia e volantes por todo o centro da cidade. Durante a ação (intervenção) o centro estava cheio de gente, se celebrava um concerto organizado pela prefeitura, e os donos das lojas haviam montado alto falantes tocando música em dezenas de lugares. Apesar da grande afluência de gente ao centro durante a “Noite Branca”, temos a sensação de que poucos foram os que chegaram a comprar nas lojas. Conscientemente fomos a única exceção dentro de uma festa consumista, e nossas impressões são algo mais que positivas, posto que em muitas ocasiões houve muita gente que estava de acordo com nosso discurso político. Read the rest of this entry »

Arquivo