Posts Tagged ‘abolição do domingo como dia festivo’

Informações sobre as manifestações de 6 de novembro contra a abolição do domingo como dia festivoInformações sobre as manifestações de 6 de novembro contra a abolição do domingo como dia festivoInformações sobre as manifestações de 6 de novembro contra a abolição do domingo como dia festivoInformações sobre as manifestações de 6 de novembro contra a abolição do domingo como dia festivoInformações sobre as manifestações de 6 de novembro contra a abolição do domingo como dia festivo
No domingo, 6 de novembro de 2016, vários sindicatos de base convocaram uma greve no setor do comércio, contra a política do governo (bem como dos governos anteriores) e de seus mestres econômicos para abolir o domingo como dia festivo, legislando a abertura das lojas alguns domingos por ano, a fim de generalizá-la durante todo o ano. A seguir, informações das manifestações realizadas em várias cidades contra a abolição do domingo como dia festivo.

Atenas

A Coordenação de ação contra a abolição do domingo como dia festivo e contra os horários comerciais “liberalizados”, realizou bloqueios em quinze estabelecimentos da rua de pedestres mais comercial do centro de Atenas (Ermú). Dois deles (Plaisio e Wind) permaneceram fechados durante todo o dia e outros foram bloqueados até às 13h. Durante a semana anterior à mobilização, foram distribuídos panfletos e colados cartazes na mesma rua comercial.

No dia 5 de novembro, no bairro de Ilion (fora de Atenas), aconteceu uma ação contra a abolição do domingo como dia festivo, a “liberalização dos horários comerciais”, as chamadas “noites brancas” e tudo o que conduz à submissão e ao totalitarismo. Read the rest of this entry »

Informação sobre as manifestações no domingo 17 de julho contra a abolição do domingo como dia festivoInformação sobre as manifestações no domingo 17 de julho contra a abolição do domingo como dia festivoInformação sobre as manifestações no domingo 17 de julho contra a abolição do domingo como dia festivoInformação sobre as manifestações no domingo 17 de julho contra a abolição do domingo como dia festivo
De acordo com a mais recente lei anti-trabalhista no domingo 17 de julho de 2016 os proprietários das lojas no centro de Atenas e em outras cidades poderiam abrir seus negócios. Ao mesmo tempo, nesse domingo mais uma greve foi chamada no setor de comércio. No centro de Atenas a Coordenação de ação contra a abolição do domingo como dia festivo e contra os horários comerciais “liberalizados” realizou mais uma ação no âmbito da greve.

No sábado, 16 de julho, cartazes foram colocados no centro de Atenas, panfletos distribuídos para os transeuntes e conversas estabelecidas com os trabalhadores nas lojas do centro. No domingo, 17 de julho, às 9h30, começaram os piquetes e os bloqueios em várias lojas, grandes e pequenas, localizadas na maior rua peatonal de Atenas (Ermú) e na praça principal da cidade (Syntagma). Às 10h30, na rua peatonal de Ermú, começou a manifestação convocada pela Coordenação. Às 13h30 começou a marcha por toda a zona peatonal, culminando na praça do bairro turístico de Monastiraki.

Durante a mobilização milhares de folhetos em grego e inglês foram distribuídos, e vários slogans gritados. Também, aconteceram conversas e discussões com os trabalhadores nas lojas. A atitude de muitos deles foi positiva, e alguns apoiaram a mobilização. Algumas das pessoas que tinham ido ao centro de Atenas para comprar algo ou pelo menos para ver as vitrines (dado que a sua situação econômica é muito ruim) tiveram uma atitude positiva com a mobilização, enquanto que outras se voltaram agressivas com os manifestantes. Read the rest of this entry »

Atenas, 23 de março: Concentração em solidariedade com os três acusados ​​de participar na concentração obreiraEm 28 de dezembro de 2014, dia de greve no setor do livro, a Polícia reprimiu uma concentração de grevistas e solidários, reunidos em frente à livraria Ianos, no centro de Atenas, retendo preventivamente quatro pessoas. Os manifestantes estavam protestando contra a abolição do domingo como dia festivo, e especificamente contra a celebração de um evento dentro desta livraria. O evento foi organizado pela livraria em conjunto com a estação de rádio “105,5 fm”, ligada ao partido esquerdista Syriza, cujos encarregados sabiam muito bem que a patronal desta livraria havia violado repetidamente os direitos laborais dos trabalhadores.

Após estes incidentes os manifestantes marcharam para a delegacia da Acrópole, onde os detidos tinham sido conduzidos. Na concentração realizada em frente à delegacia a Polícia reprimiu os manifestantes, realizando mais detenções. No total, três pessoas foram detidas. Poucos dias depois, mais manifestações foram realizadas em solidariedade com os acusados, e contra a repressão e a criminalização das lutas dos trabalhadores e da ação sindical.

Segue o cartaz da Coordenação de ação contra a abolição do domingo como dia festivo e contra os horários “flexibilizados”, chamando para uma concentração do lado de fora dos tribunais de Atenas, em 23 de março de 2016, dia do julgamento dos acusados.

Contra a repressão, a criminalização das lutas dos trabalhadores, a arbitrariedade da patronal e o terrorismo de Estado, contestamos continuando lutando e defendendo o domingo como dia festivo, os interesses e as conquistas dos trabalhadores. Read the rest of this entry »

Informações sobre as manifestações na greve no setor de comércio, no domingo 5 de abril  Informações sobre as manifestações na greve no setor de comércio, no domingo 5 de abril  Informações sobre as manifestações na greve no setor de comércio, no domingo 5 de abril  Informações sobre as manifestações na greve no setor de comércio, no domingo 5 de abril  Informações sobre as manifestações na greve no setor de comércio, no domingo 5 de abril  Informações sobre as manifestações na greve no setor de comércio, no domingo 5 de abril
No domingo, 5 de abril, dia da greve no setor do comércio, a Coordenadora de ação contra a abolição do domingo como dia festivo empreendeu uma série de manifestações. Além disso, este seria o primeiro domingo que entraria em vigor a lei sobre a abertura das lojas aos domingos. Por conseguinte, as duas manifestações realizadas tiveram dois aspectos.

Em Atenas, desde as 9 horas, foram realizados bloqueios em mais de 40 lojas na rua mais comercial da cidade. A partir das 10h30 aconteceu uma concentração que tinha sido convocada pela Coordenadora. A Associação Sindical dos Trabalhadores em Livrarias, Papelarias e Publicações da província de Ática realizou um bloqueio da loja de eletrônicos Public, onde há uma livraria. O sindicato dos trabalhadores da Vodafone realizou um bloqueio na loja da Vodafone, nas imediações da praça central de Atenas.

Ao mesmo tempo, a coletividade “Trabalhadores e trabalhadoras no setor de comércio”, a Assembleia de Solidariedade com a funcionária que foi demitida pelos proprietários da cadeia de supermercados AB Vasilopoulos, e a Coordenadora de Ação realizaram um bloqueio de seis horas do supermercado AB no bairro de Jolargós, onde trabalhava a funcionária despedida. Read the rest of this entry »

Faz uns dias a Associação Sindical de Trabalhadores em Livrarias, Papelarias e Editoras da província de Ática havia convocado uma greve de 24 horas para o domingo 5 de abril. Este é o primeiro domingo em que entrará em vigor a lei sobre a abertura das lojas no domingo. A Associação e outros sindicatos de base haviam denunciado que a Federação de Trabalhadores no Setor Privado não havia feito o mesmo, apesar do caráter crítico da situação neste setor.

Hoje a Federação se viu forçada a convocar uma greve para o domingo 5 de abril. No comunicado relativo que foi emitido, se faz um chamamento a todos os trabalhadores a participar massivamente na greve, e a todas as associações no setor do comércio a fechar as lojas. Ao mesmo tempo a Federação pede ao governo que cumpra com suas promessas eleitorais e elimine a lei que prevê o funcionamento das lojas em vários domingos ao ano.

Não temos falsas ilusões sobre o papel dos sindicatos amarelos e oficialistas. Ante as denúncias feitas por vários sindicatos de base e coletivos políticos horizontais, a Federação de Trabalhadores no Setor Privado se viu forçada a emitir este comunicado para mostrar que não está ausente nas lutas obreiras. Não obstante, não cabe a menor dúvida de que se limitará a esse comunicado. Não chamou nenhuma mobilização, nenhuma concentração, nenhum bloqueio de lojas de departamentos ou grandes armazéns. Nunca o fizeram, tampouco o farão neste caso. Read the rest of this entry »

Informações sobre a manifestação de 19 de março contra a abolição do domingo como dia festivoInformações sobre a manifestação de 19 de março contra a abolição do domingo como dia festivoInformações sobre a manifestação de 19 de março contra a abolição do domingo como dia festivo
Em 19 de março de 2015, a “Coordenadora de ação contra a abolição do domingo como dia festivo e os horários flexíveis” realizou uma manifestação e marcha pelas ruas do centro de Atenas, com a participação de aproximadamente 300 pessoas. Os participantes da manifestação eram trabalhadores no setor de comércio, membros de sindicatos de base, grupos políticos, assembleias de bairro e de vários solidários com esta luta.

As ações começaram com uma concentração em uma praça do centro de Atenas, onde faixas foram desfraldadas e durante quase uma hora estiveram sendo distribuídos folhetos. Na sequência aconteceu uma marcha pelo centro da cidade. A marcha passou pelo Ministério do Emprego, pela livraria Ianós, pelo Ministério das Finanças, pela Câmara de Comércio e pelas sedes de várias associações de empregadores [patrões] do setor de comércio. Em todos estes lugares foram pichados lemas contra a abolição do domingo como dia festivo, e contra os horários comerciais flexíveis.

Em seguida, a marcha chegou à praça principal de Atenas e atravessou a rua pedonal mais comercial do centro da cidade. Depois da marcha os manifestantes se dispersaram, chamando para uma manifestação combativa no domingo 5 de abril, quando, segundo a lei atual, poderão ser abertos os negócios no centro de Atenas e em várias cidades do território do Estado grego. Read the rest of this entry »

Esse post é baseado em um comunicado da Associação Sindical dos Trabalhadores em Livrarias, Papelarias e Editoras da província de Ática (Atenas) sobre os cancelamentos sucessivos da reunião dos seus membros com dois ministros do governo, e sobre a greve que ainda não tem sido convocada pela Federação dos Trabalhadores no Setor Privado para o domingo 5 de abril, data em que, nos termos da legislação em vigor é o primeiro domingo em que poderão abrir as lojas novamente.

A Associação denúncia que na segunda-feira, 16 de março de 2015,foi anulada a reunião que aconteceria no dia seguinte, 17 de março, entre seus representantes e o ministro da Economia, Infra-estruturas, Navegação e Turismo. Este foi o segundo cancelamento da mesma reunião, após o cancelamento da reunião de 13 de março.

A Associação cita que os seus membros tinham repetidamente solicitado uma reunião com o ministro um mês antes destes cancelamentos. Eles também solicitaram uma reunião com o ministro do Emprego, sem ter ainda recebido uma resposta do Ministério. E claro, o ministro do Emprego se reuniu com os representantes de uma das associações de empregadores [patrões] no setor de varejo, que protagonizou a ofensiva do Capital contra a classe trabalhadora e especificamente contra o domingo como dia festivo. Read the rest of this entry »

Peristeri, Atenas: Mobilização contra os horários comerciais estendidosNo sábado, 13 de dezembro de 2014, a Assembleia Aberta Popular de Peristeri (subúrbio de Atenas) realizou uma ação contra a extensão dos horários comerciais. Poucos dias antes, a Associação de Comerciantes do bairro havia declarado a celebração da “Noite Branca”, ou seja, que aquele sábado as lojas permaneceriam abertas até meia-noite.

No entanto, na sexta-feira, 12 de dezembro, um dia antes da celebração da “Noite Branca”, a mesma associação declarou o cancelamento deste evento consumista. A Assembleia Aberta considerou que este cancelamento era fictício, que tinha sido declarado apenas para que aqueles que se opõem à imposição de horas de negociação estendidos cancelassem suas manifestações. No site da Assembleia diz que os membros da mesma tinham certeza de que alguns empregadores optariam por abrir seus negócios, chantageando os trabalhadores, forçando-os a trabalhar, enquanto houvesse consumidores.

A ação começou quando as lojas fechariam suas portas na área de pedestre mais comercial do bairro e ruas circundantes. Treze lojas que estavam abertas foram bloqueadas, faixas foram abertas, panfletos distribuídos, e palavras de ordem gritadas contra os horários comerciais estendidos. Ao mesmo tempo, os manifestantes chamavam para as manifestações do dia seguinte, domingo, 14 de dezembro, contra a abolição do domingo como dia festivo. “Pense como trabalhadores não como trabalhadores” estavam dizendo os manifestantes aos transeuntes. Read the rest of this entry »

Domingo, 14 de dezembro de 2014: Manifestações contra a abolição do domingo como dia festivoDomingo, 14 de dezembro de 2014: Manifestações contra a abolição do domingo como dia festivoDomingo, 14 de dezembro de 2014: Manifestações contra a abolição do domingo como dia festivoDomingo, 14 de dezembro de 2014: Manifestações contra a abolição do domingo como dia festivoDomingo, 14 de dezembro de 2014: Manifestações contra a abolição do domingo como dia festivo
No domingo, 14 de dezembro de 2014, a “Coordenação de ação contra a abolição do domingo como dia festivo e os horários flexíveis” realizou uma série de protestos no centro de Atenas, assim como em outros bairros da capital e de outras cidades, contra a tentativa do governo neoliberal de abolir o domingo como dia festivo e de impor os chamados “horários comerciais liberalizados” no setor do comércio.

As ações começaram às 9 horas na área de pedestres mais comercial do centro de Atenas, em várias empresas, entre elas da loja Nike, Migato, Zara e Public. Na esquina da área de pedestres com a praça principal de Atenas foi aberta uma faixa que dizia: “Para que tenhamos todos boas festas, patrões consumidores tirem suas mãos dos domingos”. Durante a ação as entradas das lojas foram bloqueadas, panfletos distribuídos, ecoados gritos, folhetos espalhados, mensagens da Coordenação anunciadas por um megafone contra o medieval trabalho a ser imposto, e travadas conversas com os trabalhadores das lojas desta área comercial.

Fortes forças policiais estiveram vigiando os manifestantes durante as ações que eles realizaram no centro de Atenas durante toda a manhã de domingo passado. No entanto, os policiais não fizeram qualquer ação repressiva contra os manifestantes. Tampouco fizeram quando os manifestantes foram para o topo da praça, onde se encontravam os refugiados sírios que estão há dias protestando no mesmo local, pedindo autorização para irem para outros países da União Europeia. Read the rest of this entry »

Texto do coletivo “Anarquistas e comunistas de Kipseli e Gyzi”.

Ao mesmo tempo que o valor da vida na sociedade grega parece haver chegado a umas poucas centenas, os patrões estão tratando de estabelecer uma novidade: A abertura dos comércios aos domingos. A lei relativa aprovada recentemente prevê seu funcionamento durante sete domingos ao ano, os quais com uma ordem ministerial chegarão a ser 52, no princípio só em algumas províncias (esta ordem ministerial foi congelada temporariamente pelo Conselho de Estado, mas mantendo em vigor a medida sobre os sete domingos ao ano). Desta maneira em um país no qual as pessoas vão perdendo suas casas e se suicidam por causa do empobrecimento violento a que tem sido submetida, damos com o fenômeno inovador de que ao mesmo tempo se dê a esta gente a oportunidade de consumir inclusive aos domingos.

Como se o que nos faltasse, fosse um dia a mais de compras. Esta contradição poderia constituir uma ironia do Regime para com seus súditos, mas não só não é uma piada, senão que, pelo contrário, é um passo decisivo até a venda total de nossa vida, pelo bem dos mercados, a competição, e em última instância do Capital em geral.

Quem se beneficia?

Por consequência, a abertura de lojas aos domingos pode encher os bolsos dos grandes empresários, no entanto, não vai melhorar nossa vida. Para a maioria das pessoas, o futuro está pintado com as cores mais sombrias, as da pobreza, das expropriações, dos suicídios. Hoje em dia só os ricos se tornam mais ricos. De concreto, só os muito ricos. Os que saem beneficiados são os grandes centros comerciais e os grandes empresários. De todas as formas, estes são os que estão a anos pressionando para que se imponham uns horários comerciais cada vez mais flexíveis, umas relações trabalhistas cada vez mais precárias, ou seja a escravidão assalariada moderna. Esta noção é concordante com os princípios principais da lógica capitalista, quer dizer, com a acumulação do Capital, a intensificação do trabalho, o submetimento da totalidade de nossa vida aos ritmos e as leis do mercado. Read the rest of this entry »

Arquivo