Segue o texto de um grupo de pessoas da província de Eubea que se opõe à destruição do pantanal de Kolovrejtis (Eubea) em solidariedade com a luta contra o desvio do rio Aqueloo. Deixando de lado o uso da palavra “cidadãos” no título do grupo e no texto, as inexatidões sobre a participação dos habitantes de Mesojora e os povos vizinhos na luta combativa e desde baixo contra o desvio do rio, os lemas altissonantes e genéricos ao final do texto, assim como a falta de qualquer referência (não só neste texto, senão também em textos de várias iniciativas e coletividades políticas e ecológicas) a atitude da maior parte destes habitantes a favor do marco constitucional da legalidade e a mediação, o texto constitui uma das pouquíssimas vozes de solidariedade, ainda que seja teórica, com a luta contra a destruição do meio ambiente da serra de Pindos.

O grupo de cidadãos do pantanal de Kolovrejtis expressa sua solidariedade com a luta que se está dando durante muitos anos contra o desvio do rio Aqueloo. Durante os últimos trinta anos os habitantes de Mesojora, Tríkala, e cidadãos solidários do resto da Grécia estão lutando com fervor contra o desvio do rio, planificado pelos lobbies das empresas construtoras e da agricultura intensiva. Estão lutando contra o funcionamento da central hidroelétrica faraônica que foi construída no alto fluxo do rio, no coração da serra de Pindos.

O potencial funcionamento deste monstro de cimento de 150 metros, promovido durante o último tempo pelo ministério do Meio Ambiente, lhe dará o golpe de graça ao rio Aqueloo, no curso do qual já estão em funcionamento três represas. Como assinala a Rede “Mesojora-Aqueloo SOS” “o Estado e a Companhia de Eletricidade percebem o rio, as águas e em geral os recursos naturais, como algo que tem que ser explorado, como um meio que pode ser usado para explorar os recursos naturais. Estão aplainando o caminho à privatização das águas e da energia. Não lhes importa que seu novo plano continue tendo enormes consequências ambientais e que conduza à desaparição de Mesojora”.

A luta contra o desvio do rio Aqueloo é uma luta símbolo do movimento ecológico no país, é uma luta pela defesa do meio ambiente e dos bens comuns do saque do “desenvolvimento”, qualquer que seja a cara que esteja usando, é um luta para que a água siga sendo um bem natural de acesso livre, é uma luta pela vida, a terra e a liberdade.

Neste marco, informamos a nossos concidadãos que este agosto também em Mesojora se organizarão debates e eventos culturais pelo movimento, assim como um acampamento livre às margens do Aqueloo, uma assembleia de solidários e habitantes no sábado 12 de agosto, e uma marcha à represa no domingo 13 de agosto.

Que se anule o desvio de Aqueloo. Que não funcione a represa de Mesojora.

Grupo de cidadãos pela salvação do pantanal de Kolovrejtis

O texto em grego, castelhano.

Leave a Reply

*

Arquivo