No dia 16 de agosto a Polícia grega desalojou o Centro Social No Border, instalado na praia de Kalamari, próximo a Mitilene, capital da ilha de Lesbos, que nasceu com o objetivo de oferecer ajuda aos imigrantes e refugiados necessitados mediante uma estrutura de auto-organização. O Centro Social No Border se instalou na praia após o recente desalojo do edifício em que estava instalado, situado ao lado da praia de Kalamari . Durante o desalojo não se realizaram detenções.

O edifício ocupado pelo Centro Social No Border e desalojado pela Polícia em 25 de julho, pertence juridicamente ao banco Alpha. No dia seguinte do primeiro desalojo aconteceu um protesto do lado de fora da agência deste banco em Mitilene.

As ameaças de desalojar o Centro Social pela segunda vez haviam começado no dia 4 de agosto, quando os policiais avisaram aos imigrantes e aos solidários que se encontravam na praia (depois do primeiro desalojo do edifício do Centro Social No Border) que tinham que se retirar e que lhes dariam um prazo de poucos dias para fazê-lo. As palavras que os pretorianos do Regime empregaram foram as seguintes: “Não precisamos da ajuda de vocês”… Read the rest of this entry »

Publicamos aqui a chamada para um Encontro Autônomo de Luta no rio Aqueloo, de 10 a 15 de agosto de 2016.

Contra o desenvolvimento “verde”, as represas e o desvio, o rio Aqueloo sairá vencedor.

Encontro Autônomo de Luta no rio Aqueloo, Mesojora de Trikala, de 10 a 15 de agosto de 2016.

Contra os planos do Estado e do Capital de centralizar e mercantilizar os recursos hídricos e naturais em geral, contra o controle e a manipulação das sociedades e das suas necessidades.

Contra o saque da natureza, luta pela terra e liberdade.

Acampada ao longo das margens do rio, intervenções, assembleias abertas, projeções de vídeos e exposições de materiais das lutas pelo meio ambiente, passeios pelo rio e caminhadas nas montanhas de Pindos.

Quinta-feira, 11 agosto, às 21h: Exibição do filme de animação para jovens e adultos: “Asterix e o Domínio dos Deuses”.

Sexta-feira, 12 agosto, às 21h: Exibição do documentário “Os agricultores de Laxa” (60 minutos), que aborda a luta vitoriosa dos habitantes das margens do Lago Mývatn na Islândia contra a construção de uma represa no rio Laxa.

Sábado, 13 de agosto, às 18h: peça de teatro para crianças, inspirada em contos indígenas sobre a natureza. Read the rest of this entry »

Texto publicado no site www.attack.org.gr.

Teleperformance é uma multinacional francesa, gigante no setor de atenção ao cliente em todo o mundo. A empresa tem uma filial na Grécia, que recruta trabalhadores francófonos do Magreb, que trabalham em condições extremamente precárias: falsas promessas de contratos longos, salários baixos e a não concessão de vistos. Um trabalhador da Teleperfomance Hellas que foi da Tunísia para a Grécia para trabalhar nessa empresa, descreve sua experiência.

Trabalho há 10 meses na Teleperformance Hellas. Aqui trabalham 300 argelinos, marroquinos e tunisianos. Chegamos à Grécia com visto de entrada de tipo “d”, de três meses de duração. Antes de chegar na Grécia, na fase das entrevistas, nos enviaram contratos de pelo menos um ano de duração, e nos entregariam uma “etiqueta” (visto de dois anos de duração no espaço Schengen) antes do vencimento do visto de entrada.

No entanto, ao chegar nos obrigaram a alterar a duração do contrato, de um ano para três meses. Alguns, que vieram com um contrato de um ano, foram deportados uma vez concluído o prazo de três meses. A outros lhes foram renovados os contratos a cada três meses. Eu mesmo tenho todas as cópias desses contratos (de um ano e três meses) que comprovam isso. Também ninguém tem ainda a etiqueta de autorização de residência. Não temos direito de viajar e voltar ao nosso país nas férias. Somos obrigados a passar pela Turquia, onde o visto de entrada é muito caro e, ao regressar, se não temos um visto válido, temos problemas com a Polícia de Imigração e Fronteiras. Read the rest of this entry »

Nesta quarta-feira, 3 de agosto, foi realizada no centro de Atenas uma marcha em solidariedade com as três okupas desalojadas em Tessalônica em 27 de julho. Depois de um concentração realizada no Propileos da antiga Universidade de Atenas, começou uma marcha que percorreu uma boa parte do centro de Atenas. A marcha terminou nos escritórios do Syriza, o maior partido da coalizão governista.

Recordamos que em 27 de julho a Polícia de Tessalônica realizou uma operação de desalojo de três okupas para imigrantes e refugiados. As três foram desalojadas e uma delas foi demolida logo após a sua expulsão.

A marcha foi combativa. Os 300 manifestantes gritaram palavras de ordem contra a repressão, em solidariedade com as okupas reprimidas e os imigrantes, contra a Igreja, as autoridades municipais e o Estado grego. Durante todo o percurso do protesto foram distribuídos e espalhados folhetos. A presença da Polícia foi forte. Vários esquadrões de policiais acompanharam os manifestantes desde o início até o final da marcha. Pouco antes do final da marcha, os manifestantes perceberam que em um carro que seguia o ato se encontrava um policial à paisana. Ele foi perseguido juntamente com um policial uniformizado. Ambos os policiais foram forçados a fugir.

Read the rest of this entry »

Na madrugada do dia 27 de julho, fortes forças policiais realizaram uma repressão coordenada de desalojamento de três edifícios ocupados em Tessalônica: A ocupação “Orfanotrofío”, a ocupação Hurriya e a ocupação “Mandalideio”. As forças repressivas prenderam preventivamente 83 pessoas: ocupantes, solidários, refugiados e imigrantes que residiam nas okupas, e em seguida as prenderam, acusando-as de “pertubação” da paz pública. Uma das detidas é uma companheira nossa, membro da coletividade pelo anarquismo social “Negro e Vermelho”. A operação repressiva seguiu com a demolição do edifício da okupa Orfanotrofío.

Trata-se de uma ampla operação repressiva, cujos objetivos políticos são dois. Por um lado, (a operação) está integrada na planificação de pôr aos refugiados e imigrantes como alvos, de seu isolamento social e de sua reclusão em centros de reclusão-campos de concentração. Por outro lado, serve às pretensões repressivas do Estado, contra os focos de resistência social e de classe, contra o mundo da luta. O segundo objetivo é a manipulação, por todos os meios, das condições de indigência e submissão. Os lugares nos quais se desenvolvem os conteúdos políticos da auto-organização e a solidariedade com os refugiados, e a prova na prática que a auto-organização social e de classe é capaz de oferecer espaço e ajuda aos perseguidos, rompendo na prática seu isolamento, constituem um perigo constante para os gestores da barbárie estatal e capitalista.

A operação repressiva do dia 27 de julho é a continuação de uma grande série de outras operações semelhantes contra os solidários “não aprovados”, contra os que lutam para derrocar as condições que conduzem à indigência e a morte, não fazendo parte dos que tentam embelezar a imagem do Regime. Também, é a continuação de dezenas de operações repressivas contra espaços e estruturas do movimento anarquista e antiautoritário, através das quais se pretende eliminar a luta social de classes, e ter como alvo e limitar o movimento anarquista-antiautoritário. Os ataques das denominadas forças antidistúrbios levam anos alternando com os dos neonazis, já que o Regime soltou seus lacaios, sendo consciente do perigo que constituem para ele os movimentos de resistência coletivos, a organização da vida social sem a intervenção do Estado e a socialização das propostas anarquistas-antiautoritárias. Read the rest of this entry »

Cartaz-chamada para uma marcha em solidariedade com as três okupas reprimidas (três desalojadas, uma demolida) em 27 de julho em Tessalônica.

Atenas, Propileos da antiga Universidade, 3 de julho de 2016, às 19h: Marcha em solidariedade com as okupas, pelo motivo dos desalojos das três okupas em Tessalônica.

Em 27 de julho o Estado, em colaboração harmoniosa com as autoridades religiosas, municipais e universitárias, atacou e desalojou três okupas de solidários e imigrantes em Tessalônica. As respostas dos solidários foram diretas e agressivas, tanto na cidade onde se encontravam as okupas, como em outras cidades. Simultaneamente, em Atenas, o prefeito [George] Kaminis ameaça abertamente realizar novos desalojos.

As okupas são o desafio na prática da propriedade e do individualismo. São espaços onde as lutas coletivas se transformam em prática, e por esta razão estão na mira da repressão.

Nenhuma perseguição aos detidos dos desalojos e das ações de solidariedade.

Solidariedade na prática com as okupas.

Ocupação das propriedades (pertencentes) do Estado, do Capital e da Igreja.

Assembleia de mobilização extraordinária contra a repressão das okupas em Tessalônica

O texto em castelhano.

Às 4 horas da madrugada do dia 31 de julho de 2016, ocorreu um ataque incendiário aos escritórios da empresa encarregada pela demolição do edifício da okupa Orfanotrofío em Tessalônica. Os escritórios, estabelecidos no piso térreo de um edifício localizado em um subúrbio da cidade, foram completamente consumidos pelas chamas. O primeiro andar é habitado, mas, no momento do ataque, as pessoas que residem nos apartamentos estavam fora de Tessalônica. O fogo que queimou os escritórios não atingiu o primeiro andar do edifício.

Recordamos que em 27 de julho de 2016 as forças repressivas realizaram os desalojos de três okupas em Tessalônica. Uma delas, a de Orfanotrofío (Orfanato, nome usado pelo edifício da okupa antes de ser abandonada e ocupada), foi demolida logo após o seu desalojo. Sob os escombros do edifício demolido foram enterrados toneladas de medicamentos, alimentos, roupas e artigos de primeira necessidade, destinados para as famílias dos refugiados que se hospedavam na okupa e para os necessitados em geral. Read the rest of this entry »

Nos dias 28 e 29 de julho aconteceram, em várias cidades do território do Estado grego, mobilizações e ações contra os desalojamentos das três casas okupadas em Tessalônica em 27 de julho. Segue um breve informe sobre as mais importantes delas.

Em Tessalônica, no dia 28 de julho, umas 500 pessoas realizaram uma manifestação e marcha pelas ruas da cidade. A marcha começou no centro da cidade e se dirigiu aos bairros ocidentais, onde se cruzou com vários imigrantes de um centro de reclusão. Os manifestantes então marcharam ao centro da cidade, passando pela prefeitura (o prefeito de Tessalônica ameaçou reprimir todas as okupações) e terminando na Escola de Teatro da Faculdade de Belas Artes, cujo edifício foi okupado umas horas antes com o fim de converter-se em um centro de luta.

Em Atenas, no dia 28 de julho, foi promovida uma marcha pelo centro da cidade com a participação de uns 700 solidários com as okupações desalojadas em Tessalônica. Alguns dos manifestantes eram refugiados e imigrantes sem-teto auto-organizados de Atenas. Nesta marcha a okupa de sem-tetos do hotel City Plaza, realizada por esquerdistas, tratou de manipular a manifestação. Na realidade, apesar desta okupa não ter sido chamada à marcha, seus membros se puseram à sua frente. Os membros da okupa da Rua Tsamadú (no bairro de Exarchia), em sua grande maioria anarquistas, reagiram a esta arbitrariedade, uma vez que havia sido ela que havia chamado à manifestação. Read the rest of this entry »

Texto da coletividade anarquista de Corfu Cumunlonimbus, sobre a exploração comercial do ilhote de Vido, por ocasião de um festival organizado por uma organização não governamental, e patrocinado por várias empresas privadas.

“Vido é uma pequena ilha de 57 hectares de superfície, situada frente ao bairro histórico da cidade de Corfu. Tem mantido inalterável sua beleza natural, sem intervenções humanas, já que está desabitado e em seu terreno não circulam veículos. É um pequeno paraíso natural, com uma rica flora e fauna, com vegetação verde típica das ilhas do mar Jônico, com caminhos e praias de cor azul-verde, e com lugares para acampar. Nessa pequena ilha verde celebramos a festa das artes e do verão em um festival de três dias (1-3 de julho)”.

De fato, a descrição do festival por seus mesmos organizadores é muito precisa e atrativa. “Vida Lasca” é um festival de três dias de acampamento, organizado pela primeira vez na ilha de Vido de 1 a 3 de julho de 2016, com concertos, exposições, oficinas e eventos artísticos, enquanto que segundo seus organizadores o objetivo do festival é “a coexistência das artes sendo suas bases a conscientização ecológica, motivado por questões sociais”. Lançando uma mirada mais detalhada ao tema, entretanto, surgem algumas interrogações acerca dos meios e dos objetivos de dita festividade, os quais são apresentados claramente embelecidos, com o fim de consolidar-se como tais na consciência social, ou são totalmente refutados pela lógica e por suas próprias contradições. Há algumas facetas de “Vida Lasca” que não apenas nos permitem pôr em dúvida as intenções de seus organizadores, senão que convertem este festival em algo totalmente problemático: tanto o conjunto como cada uma de suas facetas. Mas ponhamos as coisas em ordem: Read the rest of this entry »

Como dissemos na convocatória política como Organização Política Anarquista: “No âmbito desse nosso direcionamento, nos dias de realização do No Border Camp em Tessalônica (15-24 de julho de 2016), convocamos a mobilizações e teremos a responsabilidade política pelo funcionamento de um espaço na faculdade da APT, um espaço de fermentações, discussões e manifestações, de participação e criação de ações”.

Hoje 24 de julho fechou o ciclo de discussões, manifestações e mobilizações que convocamos no âmbito do Encontro Luta Anarquista. No prédio ocupado da faculdade de Filosofia nos encontramos com companheiros da Grécia e da Europa, criou-se um encontro Balcânico (com participação de companheiros e companheiras da Romênia, Hungria, Croácia, Eslovênia, Bulgária, Grécia) no âmbito da qual foram trocadas experiências e identificados pontos comuns em nossas lutas contra o regime de exploração e submissão, contra o fascismo e o racismo.

No âmbito do ASA [encontro luta anarquista] acompanhamos com grande interesse a manifestação-apresentação da Federação Anarquista da Eslovênia (FAO), organizamos evento-discussão com o tema “O mundo do Estado e dos patrões em total falência. A luta contra a Europa-Fortaleza, a guerra e o totalitarismo contemporâneo”, participamos nas mobilizações nos campos de concentração ao redor de Tessalônica, nas intervenções nos campos de concentração em Paranesti, Drama e em Xanti, na manifestação massiva de Tessalônica e na manifestação contra o Muro no rio Evros. Read the rest of this entry »

Arquivo