Durante a última semana na Grécia, temos experimentado uma nova onda repressiva desencadeada sob o pretexto de perseguição, por parte da chamada “Unidade Anti Terrorista” da Polícia grega, de um fugitivo da prisão de Koridalos, Atenas. Trata-se de Christodoulos Xiros, um militante marxista de mais de 50 anos de idade, membro do grupo de luta armada “17 de novembro”, desarticulado pela Polícia em 2002.

Especificamente, a “Unidade Anti Terrorista” da Polícia tem suscitado uma série de batidas em casas de anarquistas ou de familiares, nas cidades de Atenas e Tessalônica. A seguir publicamos um relatório cumulativo de casos notificados apenas no Indymedia Atenas, enquanto existem mais casos de batidas policiais ainda não denunciados e publicados neste site contrainformativo.

Em alguns casos, qualquer item encontrado no interior dessas casas durante as batidas (e os registros) foi usado pela Polícia para acusar, deter ou processar aos anarquistas proprietários ou inquilinos – isso sem a fundamentação do porque foram selecionados estes anarquistas como suspeitos de oferecerem hospitalidade a um fugitivo, além do fato de que a Polícia os têm fichados como anarquistas, ou seja, por sua ideologia. Os meios de desinformação em massa fizeram breves menções desta repressão realizada pela “Unidade Anti Terrorista”, sem fazer a miníma menção aos porquês dessas incursões nas casas e quais foram os critérios de seleção dos que foram colocados na mira das forças repressivas.

Segue uma breve crônica das batidas e registros realizados em várias casas ao longo dos últimos sete dias, das perseguições judiciais e dos anarquistas processados ou condenados.

21 de janeiro de 2014: Batida policial na casa de G.K. em Atenas. Prisão e julgamento desta pessoa por posse de uma arma e falso testemunho (ele se recusou a fornecer as impressões digitais e ser fotografado). Sentença de 16 meses de prisão com suspensão e aplicação de uma multa de 600 euros.

21 de janeiro de 2014: Batida policial da casa de L.G. em Atenas. Prisão e julgamento desta pessoa por posse de armas e falso testemunho. Sentença de 9 meses de prisão com suspensão e aplicação de uma multa de 600 euros.

22 de janeiro de 2014: Batida na casa de L.P. em Atenas.

24 de janeiro de 2014: Batida policial na casa de F. no bairro de Metaxurgío, no centro de Atenas.

21-24 de janeiro de 2014: Foi relatado dezenas de incursões e registros policiais em casas na cidade de Tessalônica.

25 de janeiro de 2014: Batida policial na casa de G.M., em Tessalônica. Além disso, invadiram a casa de uma pessoa no bairro de Galatsi, Atenas, que foi acusada pela Polícia e processada na segunda-feira, 27 de janeiro.

28 de janeiro de 2014: Batidas nas casas de dois anarquistas, nos bairros de Kipseli e Exarchia, no centro de Atenas. De acordo com a mídia, a Polícia realizou várias incursões e registros de casas no centro e na periferia de Atenas.

Como mencionado anteriormente, estes casos vêm só de publicações em Indymedia Atenas, enquanto os meios de comunicação falam de novas batidas policiais. Um relatório mais completo e detalhado será publicado nesta ou em outra entrada, conforme compilamos mais informações sobre este tema. Resumindo, estamos vivendo uma extensa operação contra o movimento anarquista em Atenas e Tessalônica. Em 28 de janeiro de 2014 aconteceu a primeira assembleias aberta em Atenas, convocada por uma iniciativa de anarquistas. Também, em Heraklion, Creta, tem sido chamada uma assembleia, apesar de que nesta ilha ainda não foi publicado casos de batidas policiais.

Tradução: Agência de Notícias Anarquistas.

O texto em espanhol.

Informações em inglês aqui.

Leave a Reply

*

Arquivo