Hoje, 14 de fevereiro de 2017, começou em um tribunal de Atenas o julgamento do partido neonazista Aurora Dourada. O julgamento tem que ver com vários casos associados com agressões de batalhões de assalto desta gangue. O início do julgamento foi marcado com uma carga policial contra os antifascistas que se encontravam dentro da sala do tribunal.

Na verdade, a primeira testemunha que foi chamada a testemunhar declarou que não ia fazê-lo se não assistissem ao julgamento os antifascistas, que a Polícia havia proibido ilegalmente a entrada na sala do tribunal. Em contrapartida, a Polícia permitiu a entrada de todos os fascistas membros do Aurora Dourada que a haviam solicitado. Entre eles havia várias escórias acusadas de ter participado em agressões realizadas pelos batalhões de assalto neonazistas da cidade de Pireo.

O depoimento da primeira testemunha foi sucedido por um intercâmbio de lemas entre os neonazis e os antifascistas que conseguiram entrar na sala dos julgamentos na qual se realizava o juízo. Naquele momento os dois grupos estavam separados por policiais das chamadas forças antidistúrbios. Ao mesmo tempo, outro esquadrão da mesma equipe de policiais entrou na sala pela porta mais próxima aos antifascistas, os rodeou e se pôs a golpeá-los com raiva. A carga policial foi recebida com aplausos e consignas pelos neonazistas, que, não obstante, se viram forçados mais tarde a sair da sala, quando ela foi evacuada.

Os policiais não se limitaram à repressão direta e violenta dos antifascistas. Alguns deles os gravaram durante toda sua estância na sala. As escórias antropoides do Aurora Dourada não se limitaram a gritar lemas e a aplaudir a seus amigos e colaboradores durante a carga contra os fascistas. Alguns deles se dirigiram à mãe de Pavlos Fyssas, músico antifascista assassinado há quatro anos por um batalhão de assalto neonazista, perguntando-lhe “onde está teu filho?”

Tradução: Agência de Notícias Anarquistas.

El texto em castelhano.

Leave a Reply

*

Arquivo