Texto da Iniciativa Anarcossindicalista Rocinante, publicado em sua página web por causa do suicídio recente de um imigrante no centro de reclusão para imigrantes de Amygdaleza.

A inspiração nazi dos campos de concentração (reclusão) não poderia produzir nada mais do que o que resultado de sua natureza e razão de sua existência: assassinatos de refugiados e de imigrantes. Na sexta-feira à tarde, um imigrante do Paquistão, Nadím, suicidou-se em sua cela. A morte de Nadím chegou uns dias depois da morte de um refugiado afegão, de tuberculose, e foi a quarta perda de uma vida humana no inferno de Amygdaleza. O suicídio de Nadím chegou após o anúncio da prorrogação de sua detenção em Amygdaleza por outros 24 meses.

A morte de Nadím é um assassinato. É um dos assassinatos cometidos por um sistema que gera a injustiça, a exploração e a opressão, assim como o corpo humano produz suor. É um sistema que utiliza as pessoas como máquinas de produção, e que trata aos “excedentes” do processo de produção como objetos. Ao lado de Manolada e os calabouços cheios de trabalhadores “invisíveis”, se encontra o centro de reclusão de Amygdaleza e a Direção Geral de Imigração, e todas as demais prisões, cujas celas se congestionam os refugiados e os imigrantes que não servem aos patrões.

Milhares de pessoas que fugiram de seus países em busca de uma vida melhor acabam no inferno dos campos de concentração (reclusão) sem haver cometido nenhum delito, são retidos ilegalmente durante meses ou inclusive anos, e quando sua dignidade humana os conduzem à revolta, enfrentam as forças da repressão estatal. Constantemente está se desenvolvendo um estado de exclusão, como parte de um mundo que tira vidas humanas, dia após dia. De um mundo que não se pode mudar, só se pode derrubar.

É algo que já foi dito milhares de vezes, mas a própria realidade exige sua repetição: os refugiados e os imigrantes devem ser parte orgânica do movimento dos trabalhadores e da solidariedade de classe, deve derrotar a brutalidade desenvolvida contra eles. A própria existência dos campos de concentração (reclusão) para imigrantes é uma vergonha e uma derrota coletiva para a classe trabalhadora. O movimento dos trabalhadores deve abordar o tema muito combativamente, e mantê-lo aberto até que se feche o último campo de concentração (reclusão).

Que fechem já todos os centros de reclusão. Libertação imediata de todos os reclusos. Plenos direitos para todos os refugiados e imigrantes.

O texto em grego, castelhano.

Leave a Reply

*

Arquivo