Texto da União Sindical Libertária de Ioannina, publicado na sua página web.

No dia 24 de outubro realizou-se na cidade de Ioannina uma manifestação contra a presença do primeiro-ministro [Aléxis] Tsipras e de vários ministros, com o motivo da celebração do 5º Congresso Para o Desenvolvimento. A presença dos policiais dos serviços secretos na cidade foi intensa durante todo o dia. Grupos de policiais secretos moveram-se constantemente pelos bairros onde estão os centros sociais auto-organizados. Em concreto, numa ruela estavam instalados desde o meio-dia cinco policiais, de vez em quando eram visitados por policiais motorizados e outros vestidos à paisana.

A manifestação começou às 18h30 na Casa do Obreiro. Depois de uma hora de conversas, as pessoas saíram em marcha até o Hotel Du Lac, onde acontecia o Congresso. À exceção do Pame (braço sindical do Partido “Comunista”), que fez tudo o que era possível para mostrar que o seu bloco era massivo (ou simplesmente combativo), trazendo manifestantes em ônibus desde as cidades de Preveza, Arta, Corfu, Igumenitsa e Lefkada, a marcha não foiPatras: Mobilizações anarquistas contra a instalação de armas nucleares na base aérea de Araxos massiva e nem combativa.

Na manifestação participaram com blocos próprios a Associação de Estudantes da Faculdade de Medicina, o Sindicato dos Obreiros do Metal, os partidos esquerdistas extraparlamentares Antarsya, Lae, KKE marxista-leninista (com seus braços estudantis e obreiros) e a União Sindical Libertária. Junto com o bloco do Pame, os participantes na manifestação eram uns 350.

Quando a cabeça da marcha estava próxima dos furgões das denominadas forças antidistúrbios, alinhadas fora da entrada do hotel, o KKE marxista-leninista retirou-se, e o Sindicato dos Obreiros do Metal começou a “negociar” com os membros do Pame que tinham formado um cordão à frente dos policiais, tentando convencê-los para que os deixassem passar. Quarenta minutos depois, os manifestantes do Pame foram embora e os restantes ainda continuaram durante um tempo gritando lemas antes de se retirarem. Num momento crucial, com a presença de muitos policiais, quando os blocos dos manifestantes estavam quase entrando novamente na cidade (sua entrada na cidade e a continuação da marcha teria algum sentido), de repente as faixas foram recolhidas, e assim o único bloco que continuou a marcha até ao centro da cidade foi o da União Sindical Libertária. Em geral, prevaleceu a falta de comunicação e organização.

União Sindical Libertária de Ioannina

Tradução: Agência de Notícias Anarquistas.

O texto em grego, castelhano.

Leave a Reply

*

Arquivo