Saúde

Coordenação de coletividades contra a barbárie psiquiátrica: "A Psiquiatria dominante assassina"Há poucos dias, a “Coordenação de coletividades contra a barbárie psiquiátrica” realizou uma ação (intervenção) nos dois hospitais psiquiátricos de Atenas, após as mortes-assassinatos de três pacientes nesses hospitais. A seguir, publicamos o texto informativo sobre a ação, e o texto distribuído durante a mesma. Ambos foram elaborados pela Coordenação.

O texto informativo sobre a ação:

Na sexta-feira 18 de dezembro de 2015 vários coletivos lutadores que não querem e não podem esquecer a barbárie que prevalece em hospitais psiquiátricos e que levou à morte de pelo menos três pessoas, realizamos uma intervenção nos dois hospitais psiquiátricos de Atenas, Dafni e Dromokaitio. Visitamos as alas dos hospitais, distribuímos textos e conversamos com os pacientes, funcionários, familiares de pacientes e visitantes, fomos para os escritórios da Associação dos Trabalhadores em Dafni e, claro, os escritórios da Administração, onde em ambos os hospitais não estavam nem os diretores nem os vice-diretores. Também pichamos slogans no exterior do edifício em que haviam sido assassinados três pacientes, bem como o prédio da Administração. Finalmente, do lado de fora dos hospitais abrimos faixas contra a barbárie psiquiátrica.

Nesta nossa intervenção encontramos várias reações que refletem diferentes lógicas. Houve gente que nos ouviu com atenção, gente que queria expressar suas angústias, mas também lógicas em que as contenções dos pacientes são o único caminho, e que não são capazes de imaginar uma lógica terapêutica diferente. Read the rest of this entry »

Texto da Assembleia de Anarquistas e Antiautoritários das Faculdades Médicas, distribuído recentemente por causa da participação dos neonazis nas eleições da Associação de Médicos.

Por causa da presença de neonazis na Associação Médica, ocorre uma boa oportunidade para que o conjunto dos grupos políticos articule um discurso antifascista inofensivo, no qual apresentará a identidade médica como algo puro, concebendo o fascismo como algo que vem de longe e sempre desde o ponto de vista corporativo, alheio (longe de) à “cotidianidade médica”. Como uma coletividade que quer criar uma ruptura com o estado de saúde de que goza a Faculdade (de Medicina), selecionamos alguns pontos que manifestam o fascismo cotidiano e molecular que ela reproduz.

De qualquer forma, como antifascistas com memória, não nos esquecemos de que a profissão que deu mais membros organizados ao NSDAP, o partido nacional socialista alemão, foi a dos médicos, os quais, como uma vanguarda científica e técnica dotaram a eugenia nazi com as ferramentas da eutanásia das pessoas com deficiência mental; das esterilizações obrigatórias e o interesse pela higiene racial. Auschwitz, como culminação da purificação do povo alemão em relação aos outros povos “infecciosos” e “não normais”, não poderia deixar de converter-se em uma realidade palpável sem a contribuição de múltiplas facetas dos conhecimentos médicos. Read the rest of this entry »

Antes das eleições do último 6 de maio, Loverdos – Ministro da Saúde – anunciou que os imigrantes indocumentados (ilegais) passariam a não receber tratamento médico em hospitais públicos na Grécia. Em resposta, os médicos dos hospitais emitiram, através de seu sindicato, a seguinte declaração.

Médicos:Nós trataremos os imigrantes indocumentados. Não às concessões de Loverdos aos nazistas do partido Jrisí Avgi (Amanhecer Dourado)“.

A decisão do agora Ministro da Saúde, Andreas Loverdos, de proibir o atendimento daqueles que estão ilegalmente no país, com exceção dos casos de emergências, causou uma grande comoção na comunidade médica.

Os médicos hospitalares decidiram ignorar a ordem de Loverdos, acusando-o de tentar ganhar o apoio dos neonazistas do Amanhecer Dourada com essas medidas. Read the rest of this entry »

Arquivo