Repressão

Rosa Nera é uma okupa que está funcionando há 13 anos em Chania, na ilha de Creta. Estamos há 13 anos enfrentando o modelo de cidade baseado no mercantilismo e na gentrificação. A partir de 2004, foi ocupado por um grupo de estudantes, anarquistas, habitantes de Chania, e convertemos este edifício abandonado, propriedade da Universidade de Creta, num espaço para a auto-organização popular, e ainda possibilitando alojamento para 15 pessoas.

Este espaço político que tem um pequeno teatro, uma sala de conferências, bar, creche, biblioteca, oficinas e vista para lindos entardeceres no mar, desenvolveu campanhas contra a OTAN e os exércitos, difundindo o antifascismo, na defesa das terras dos agricultores contra os parques eólicos, contra a gentrificação, praticamos a solidariedade com as pessoas migrantes e sempre nos vinculamos a outras okupas e lutas.

Hoje, em contrapartida, Vasilis Digalakis, reitor da Universidade e pessoa próxima ao partido Nova Democracia, querendo impulsionar a sua carreira política nos próximos meses, decidiu oferecer várias propriedades da Universidade a barões do turismo. E justamente o edifício que okupa Rosa Nera. O objetivo, dizem, é transformá-lo num complexo hoteleiro de luxo, numa cidade já saturada de hotéis. Onde centenas de pessoas de Chania põem as suas casas em airbnb, tornando-se mais complicado ainda para os trabalhadores viverem no lugar. A mesma história de sempre, solucionar a precariedade capitalista com mais precariedade. Mesmo assim, os habitantes de Chania sabem que o verdadeiro sentido desta operação são os ingressos políticos na bolsa de votos direitista, que consequentemente implica desalojar os anarquistas. Read the rest of this entry »

Chania, Creta: Informação sobre a manifestação em solidariedade com a okupa Rosa NeraChania, Creta: Informação sobre a manifestação em solidariedade com a okupa Rosa NeraChania, Creta: Informação sobre a manifestação em solidariedade com a okupa Rosa NeraChania, Creta: Informação sobre a manifestação em solidariedade com a okupa Rosa Nera
Μas 600-700 pessoas participaram na manifestação realizada em 13 de junho de 2017 na cidade de Chania, em solidariedade com a okupa Rosa Nera. A manifestação aconteceu contra os planos do reitor da Universidade de Creta de vender ao Capital privado o edifício da okupa, assim como o edifício da reitoria, com o fim de que se convertam em hotéis, cuja exploração será pelas mãos de uma empresa hoteleira.

A concentração foi realizada às 18h na praça do mercado de Chania, e contou com a participação de gente da cidade e de Réthimno. A marcha começou uma hora mais tarde. Passou pelo centro da cidade, parou em frente da Prefeitura, onde se pintaram lemas, e continuou até o velho porto veneziano, plenamente turístico, onde se gritaram lemas associados com as condições laborais dos trabalhadores no setor do turismo.

Ao passar a marcha pelo hotel Ambassador, os manifestantes procederam a um bloqueio simbólico do hotel, já que há indícios de que seu dono é o que se esconde atrás de uma empresa chipriota (off shore), à qual se concederá pelos próximos 25 anos a exploração comercial dos edifícios da okupa e da reitoria da Universidade. Hora e meia depois de seu começo, a marcha terminou na okupa, onde se organizaram um café e uma ceia auto-organizados.

Durante a concentração e a marcha se distribuiu um texto, que esperamos poder traduzir nos próximos dias.

Na faixa que se vê nas fotos, o lema é: “As okupas são barricadas contra a investida da barbárie”.

Tradução: Agência de Notícias Anarquistas.

O texto em castelhano.

Foi realizada na terça-feira, 13 de junho, em Chania, Creta, uma manifestação em solidariedade com a okupa Rosa Nera, posta no ponto de mira das autoridades universitárias da cidade e do Capital local. O texto que publicamos a seguir foi escrito por duas coletividades de Creta, que participam nas mobilizações em defesa da okupa, em Chania e em outras cidades de Creta.

Em um período no qual a economia promissora (capitalismo) anda muito mal, quem paga o preço, como sempre, são os estratos inferiores e lutadores da sociedade. Neste período tão agitado, os soberanos inventam vários truques para conseguir mais recursos. Neste marco a Universidade de Creta pensou matar dois pássaros com um tiro, pondo no ponto de mira a okupa Rosa Nera no casco velho da cidade de Chania.

O primeiro pássaro é tirar de cima do status quo local um lugar de luta social. O segundo é conseguir dinheiro, o qual se demostrará que é pouco, desinteressando-se da longa história do edifício, e claro das ações políticas e culturais realizadas no espaço aberto da okupa. Read the rest of this entry »

Texto da União Sindical Libertária de Réthimno, publicado em sua página web por causa da ofensiva desatada recentemente pela Universidade de Creta contra a okupa Rosa Nera.

Não faltam os hotéis de Creta. Faltam os espaços livres.

Durante os últimos anos todos os governos realizaram várias campanhas de eliminação dos espaços autogestionados e livres. O que querem conseguir é que nos encontremos só em nossas casas, nas cafeterias, nos bares e nos centros comerciais. Quer dizer, que querem que sejamos só consumidores e clientes. Por conseguinte, a ofensiva que está recebendo a okupa Rosa Nera em Chania não é fortuita.

O edifício da okupa pertence à Escola Politécnica de Chania, e faz treze anos constitui um lugar de luta e cultura emblemático, cobrindo também necessidades de teto. Em suas instalações as pessoas incansáveis que se esforçaram por dar vida ao edifício criaram um teatro, uma biblioteca e sala de leitura, um espaço de apresentações (de criações artísticas), um parque de crianças, uma oficina de construções, um espaço em que se celebra um bazar de artigos doados, um forno de produção de pão artesanal, e um café. Read the rest of this entry »

Texto da Assembleia aberta em solidariedade com os acusados por defenderem o caráter público da água e sobre o julgamento de um dos lutadores contra a privatização das águas do monte Pelión e da província de Magnesia. O título do texto em grego é “A água não é futebol, jogo de azar e lucro”.

A ofensiva que as populações locais estão recebendo por parte da autoridade municipal, cujo fim é a repressão e o silenciamento do movimento de defesa da água pública, culmina-se com o julgamento do agricultor lutador, membro do movimento pelas águas de Volos e do Monte Pelión. No dia 13 de março de 2015 centenas de moradores de Pelión e da cidade de Volos reuniram-se na frente do edifício da Empresa Municipal de Águas da cidade de Volos, com o fim de assistir ao debate da direção da empresa sobre o regulamento do uso e da distribuição da água de irrigação. O debate dirigia-se aos agricultores, que se veem forçados a abandonar os seus povos e terras, devido aos preços exorbitantes da água de irrigação, a deterioração da qualidade da água potável devido à cloração e a tentativa de privatizar a água de irrigação.

Beos, prefeito de Volos naquela altura, bloqueou a entrada do edifício com um cordão policial. Os policiais estavam plenamente equipados, e ao seu lado estavam alinhados os guardas de segurança e os “valentões”. Beos demonstrou que a sua intenção era aplicar de maneira fascista as decisões que se concluíssem no debate. Os manifestantes ao tentarem romper o cordão policial, puseram a sua integridade física em perigo e, alguns até se lesionaram. Um dos manifestantes quebrou uma costela ao receber um ataque coordenado e foi levado ao hospital. O lugar da concentração parecia um campo de batalha. Read the rest of this entry »

Tessalônica, 4 de abril de 2017: Manifestação em defesa das okupasTessalônica, 4 de abril de 2017: Manifestação em defesa das okupasTessalônica, 4 de abril de 2017: Manifestação em defesa das okupas
O seguinte texto da coletividade anarquista de Tessalônica “Negro e Vermelho”, é uma breve informação sobre a manifestação realizada na cidade em defesa das okupas.

Ontem (4 de abril) foi realizada a manifestação em defesa das okupas, da memória de classe e do antifascismo combativo, com a participação de uns 300 companheiros.

A concentração aconteceu às 18 horas em Kamara, onde se montou um sistema de megafone e foram lidos textos contra os ataques do Estado às okupas e a favor dos refugiados e dos imigrantes. Também, foi lido um comunicado sobre o caso de Mohamed A., cuja solicitação de asilo passará de novo à fase da resolução estes dias, assim como um comunicado sobre os assassinatos de trabalhadores na rede de cafés Mikel, nas obras do metrô de Tessalônica e na Speedex.

A manifestação estava auto-salvaguardada. Percorreu todo o centro da cidade. Durante a marcha vários lemas foram pichados e se repartiu material político anarquista. Antes da manifestação foram colados cartazes no centro da cidade, estudantes do secundário haviam pichado lemas em suas escolas, uma intervenção no concerto dos eventos antifascistas celebrados durante dois dias na velha Escola Politécnica, foi feito propaganda dela por megafone no evento em solidariedade com Mohamed A., enquanto que companheiros e companheiras haviam participado em uma intervenção (ação) na Universidade durante um evento contra as políticas antimigratórias. Read the rest of this entry »

Em 5 de abril de 2017, as forças repressivas da Polícia realizaram uma operação para desalojar a ocupação de teto Albatroz na Cidade Alta de Tessalônica. A operação policial ocorreu na madrugada da última quarta-feira, como é usual em tais operações. O desalojo foi antecedido por uma demanda do proprietário do edifício da okupa e uma ordem judicial emitida no dia anterior. Registramos que no dia anterior tinha sido feita uma marcha em defesa das okupas.

A Polícia procedeu a treze detenções de pessoas de vários países, a maioria europeus e africanos. De acordo com informações publicadas em sites de contrainformação solidários com a okupa, ontem, quinta-feira, 6 de abril, os detidos compareceram diante de um promotor. Os detidos são acusados ​​de “perturbar a paz pública” e “danos materiais em propriedade alheia”. Um deles, além desses encargos, foi acusado de resistência, e outro de ter contribuído para tentativa de fuga.

Após o desalojo, do lado de fora do edifício da okupa, foi realizado um protesto. A Polícia não deixou de fazer retenções preventivas. No entanto, algumas horas depois todos os detidos foram liberados. Read the rest of this entry »

Na segunda-feira, 13 de março de 2017, vários policiais acompanhados por um promotor e vários lacaios irromperam na okupa “Local Autogestionado de Agrinio”. A ocupação do edifício em que está instalado o Local aconteceu em dezembro de 2015. A invasão e o desalojo desta okupa foram realizadas simultaneamente com invasões em duas outras okupas em Atenas (uma delas para abrigo de imigrantes).

De acordo com informações publicadas no site da okupa de Agrinio, os policiais averiguaram minuciosamente o interior do edifício, abrindo armários e gavetas, quebrando várias portas, tentaram provocar um curto-circuito para inutilizar vários aparelhos elétricos, destruíram vários móveis, levaram três bandeiras, provocando danos ​​a vários dispositivos de gravação e reprodução de imagens e de som, soltaram os dois cães que viviam no interior do edifício da okupa, e ainda levaram 600 euros (não chegaram ao lugar onde estavam escondidos mais 45 euros).

Os membros da okupa e vários solidários entraram nela depois que as forças repressivas se retiraram. Na tarde do mesmo dia foi realizada uma concentração em frente ao edifício do local autogestionado. Read the rest of this entry »

Hoje, 14 de fevereiro de 2017, começou em um tribunal de Atenas o julgamento do partido neonazista Aurora Dourada. O julgamento tem que ver com vários casos associados com agressões de batalhões de assalto desta gangue. O início do julgamento foi marcado com uma carga policial contra os antifascistas que se encontravam dentro da sala do tribunal.

Na verdade, a primeira testemunha que foi chamada a testemunhar declarou que não ia fazê-lo se não assistissem ao julgamento os antifascistas, que a Polícia havia proibido ilegalmente a entrada na sala do tribunal. Em contrapartida, a Polícia permitiu a entrada de todos os fascistas membros do Aurora Dourada que a haviam solicitado. Entre eles havia várias escórias acusadas de ter participado em agressões realizadas pelos batalhões de assalto neonazistas da cidade de Pireo.

O depoimento da primeira testemunha foi sucedido por um intercâmbio de lemas entre os neonazis e os antifascistas que conseguiram entrar na sala dos julgamentos na qual se realizava o juízo. Naquele momento os dois grupos estavam separados por policiais das chamadas forças antidistúrbios. Ao mesmo tempo, outro esquadrão da mesma equipe de policiais entrou na sala pela porta mais próxima aos antifascistas, os rodeou e se pôs a golpeá-los com raiva. A carga policial foi recebida com aplausos e consignas pelos neonazistas, que, não obstante, se viram forçados mais tarde a sair da sala, quando ela foi evacuada. Read the rest of this entry »

Informação sobre as concentrações em solidariedade com os presos políticos na TurquiaInformação sobre as concentrações em solidariedade com os presos políticos na TurquiaInformação sobre as concentrações em solidariedade com os presos políticos na Turquia
Em 2 de fevereiro de 2017 foram realizadas nas três maiores cidades do território do Estado grego (Atenas, Tessalônica e Patras) concentrações em solidariedade com os presos políticos anarquistas na Turquia e, em geral com aqueles que lutam contra o regime cruel neste país .

Especificamente, Hüseyin Civan, editor do jornal anarquista Meydan, foi condenado recentemente a um ano e três meses de prisão por suas atividades políticas. O preso anarquista e editor do jornal Meydan, Umut Firat, está encarcerado há 23 anos nas prisões turcas e em greve de fome denunciando o regime de emergência declarado pelo Estado turco, e as condições de detenção desumanas impostas por este Estado aos presos políticos.

As concentrações nas cidades gregas foram chamadas pela Organização Política Anarquista. Nas faixas que se veem nas fotos, diz: “Solidariedade com os anarquistas da DAF (Ação Revolucionária Anarquista) e com todos aqueles que lutam contra o estado de emergência na Turquia”, “O Estado totalitário da Turquia assassina e encarcera. Solidariedade com os companheiros da DAF”. Read the rest of this entry »

Arquivo