Reclusão

Nuriye Gülmen e Semih Özakça estão em greve de fome há 214 dias no território do Estado turco, contra o estado de emergência imposto na Turquia no ano passado e, em geral, contra o regime militar e fascista deste país. Após quase quatro meses de prisão e sete meses em greve de fome, eles foram conduzidos para um hospital. Em 25 de setembro de 2017, às 3h da madrugada, as forças repressivas do regime turco transferiram Nuriye Gülmen para outro hospital, onde foi internada na Unidade de Terapia Intensiva. A transferência foi realizada de forma violenta, sem o consentimento de Nuriye.

Em 13 de setembro de 2017, um dia antes do julgamento, o Regime deteve todos os advogados dos dois ativistas. O julgamento foi adiado para 28 de setembro. Dois dias antes do adiamento do julgamento, Nuriye foi transferida para outro hospital, onde foi submetida a alimentação forçada. Como menciona o Comitê de Solidariedade com Prisioneiros Políticos na Turquia e no Curdistão, essa mudança radical a levará à morte ou deficiência. O Comitê advertiu que a culpa por qualquer dano causado à saúde de Nuriye caberá ao governo e aos médicos que executam docilmente suas ordens.

O Comitê convocou uma concentração do lado de fora da embaixada da Turquia em Atenas, na quinta-feira, 28 de setembro de 2017, das 10h30 até às 12h30. Neste dia e neste horário será realizado na Turquia o julgamento dos grevistas de fome Nuriye Gülmen e Semih Özakça. Read the rest of this entry »

Desde 12 de abril de 2017 está em andamento na praça principal de Atenas (Syntagma) a greve de fome de curdos que vivem em Atenas, em solidariedade com os 13 presos políticos curdos que estão em greve de fome desde 15 de fevereiro. Além disso, outros 174 presos políticos nas prisões da Turquia estão em greve de fome em solidariedade com a luta deles. Neste sábado, 15 de abril, vai acontecer em Atenas uma marcha à embaixada turca. Publicamos esta notícia como mínima mostra de solidariedade com a luta dessas pessoas tão sofridas. A seguir, o breve comunicado do Centro Cultural do Curdistão (em Atenas).

Como vocês sabem, neste momento estão sendo realizadas greves de fome em muitas prisões turcas pelos direitos dos presos e os direitos humanos dos povos da Turquia e do Curdistão, assim como para conseguir o fim do isolamento ilegal que foi imposto ao líder do povo curdo Abdullah Öcalan.

Nós, em solidariedade e protesto contra o governo fascista de Erdogan realizaremos uma greve de fome e uma manifestação na praça Syntagma (praça principal de Atenas). De quarta-feira, 12 de abril, das 10h às 21h, e cada dia (até sábado, 15 de abril) os participantes da greve de fome, assim como os curdos e os democratas que vivem em Atenas, estarão na praça Syntagma. Read the rest of this entry »

Informação sobre as concentrações em solidariedade com os presos políticos na TurquiaInformação sobre as concentrações em solidariedade com os presos políticos na TurquiaInformação sobre as concentrações em solidariedade com os presos políticos na Turquia
Em 2 de fevereiro de 2017 foram realizadas nas três maiores cidades do território do Estado grego (Atenas, Tessalônica e Patras) concentrações em solidariedade com os presos políticos anarquistas na Turquia e, em geral com aqueles que lutam contra o regime cruel neste país .

Especificamente, Hüseyin Civan, editor do jornal anarquista Meydan, foi condenado recentemente a um ano e três meses de prisão por suas atividades políticas. O preso anarquista e editor do jornal Meydan, Umut Firat, está encarcerado há 23 anos nas prisões turcas e em greve de fome denunciando o regime de emergência declarado pelo Estado turco, e as condições de detenção desumanas impostas por este Estado aos presos políticos.

As concentrações nas cidades gregas foram chamadas pela Organização Política Anarquista. Nas faixas que se veem nas fotos, diz: “Solidariedade com os anarquistas da DAF (Ação Revolucionária Anarquista) e com todos aqueles que lutam contra o estado de emergência na Turquia”, “O Estado totalitário da Turquia assassina e encarcera. Solidariedade com os companheiros da DAF”. Read the rest of this entry »

O lutador anarquista e preso político Umut Firat Suvariogullari continua a greve de fome que começou no início de dezembro 2016 na prisão de tipo T, em Yenisakran Izmir, Turquia, denunciando o estado de emergência declarado pelo Estado turco e as condições de detenção desumanas dos presos políticos nos calabouços infernais da Turquia.

A última informação sobre sua saúde nos chegou em 2 de fevereiro de 2017, 52 dias após o início da greve de fome. De acordo com esta informação, a sua saúde deteriorou-se acentuadamente. No entanto, a Direção da prisão onde ele está encarcerado não reconhece sua luta como greve de fome e não permite que ele seja visto por um médico. Este é um pretexto absurdo dos patrões políticos da Direção da prisão.

Os companheiros de Umut da DAF (Ação Revolucionária Anarquista) entraram com um pedido legal para obter informações sobre seu estado de saúde. Ressaltamos que é proibido entrar em contato com Umut Firat. Os companheiros da DAF esperam obter contato com ele, ainda que indiretamente, em 7 de fevereiro, através dos advogados que tem programada uma visita ao preso político anarquista. Read the rest of this entry »

O preso anarquista e editor do jornal Meydan, Umut Firat Suvariogullari, está encarcerado há 23 anos nas prisões turcas e em greve de fome na prisão de tipo T em Yenisakran Izmir desde 13 de dezembro de 2016, denunciando o regime de emergência declarado pelo Estado turco, e as condições de detenção desumanas impostas por este Estado aos presos políticos. É um cárcere dentro do cárcere, no qual as visitas estão proibidas, os presos não tem nenhum direito e se submetem a constantes torturas.

Em 23 de dezembro de 2016 o tribunal de Constantinopla condenou Hüseyin Civan, editor do jornal anarquista Meydan, a um ano e três meses de cárcere por ter feito “propaganda a favor do terrorismo”. O chefe dos fiscais havia ordenado uma investigação contra o jornal em dezembro de 2015, com o pretexto de uns artigos que haviam sido publicados no volume 30, cuja temática era “Proibindo tudo”.

A prisão de Hüseyin Civan e a imposição de umas condições de detenção desumanas aos presos, estão integradas na campanha repressiva do Estado turco, que nos últimos anos se manifesta por meio de operações militares (de guerra) nos territórios kurdos, com perseguições massivas e ataques contra os movimentos de resistência e organizações revolucionárias. Na atualidade esta campanha foi intensificada, sobretudo depois do golpe de estado frustrado de julho de 2016 e a extensão (generalização) do estado de emergência. Read the rest of this entry »

Texto da Organização Política Anarquista sobre as concentrações que se realizarão em três cidades do território do Estado grego em solidariedade com os lutadores anarquistas da DAF (Ação Revolucionária Anarquista) na Turquia, reprimidos pelo Regime fascista turco.

Solidariedade com os lutadores anarquistas da DAF ns Turquia. Solidariedade com o preso Hüseyin Civan, redator do periódico anarquista Meydan

Em 23 de dezembro de 2016 o tribunal de Constantinopla condenou Hüseyin Civan, redator do periódico anarquista Meydan, a um ano e três meses de cárcere por ter feito “propaganda a favor do terrorismo”. O chefe dos fiscais havia ordenado uma investigação contra o periódico em dezembro de 2015, com o pretexto de uns artigos que haviam sido publicados no volume 30, cuja temática era “Proibindo tudo”.

Solidariedade com o preso Umut Firat, editor (redator) do Meydan, que está em greve de fome desde 13 de dezembro de 2016

Umut Firat Suvariogullari está em greve de fome desde 13 de dezembro de 2016 no cárcere de tipo T, em Yenisakran de Esmirna, denunciando o regime de emergência declarado pelo Estado turco, e as condições de detenção desumanas impostas por este Estado aos presos políticos. É um cárcere dentro do cárcere, no qual as visitas estão proibidas, os presos não tem nenhum direito e se submetem a constantes torturas. Read the rest of this entry »

Texto da Iniciativa Anarcossindicalista Rocinante, publicado em sua página web por causa do suicídio recente de um imigrante no centro de reclusão para imigrantes de Amygdaleza.

A inspiração nazi dos campos de concentração (reclusão) não poderia produzir nada mais do que o que resultado de sua natureza e razão de sua existência: assassinatos de refugiados e de imigrantes. Na sexta-feira à tarde, um imigrante do Paquistão, Nadím, suicidou-se em sua cela. A morte de Nadím chegou uns dias depois da morte de um refugiado afegão, de tuberculose, e foi a quarta perda de uma vida humana no inferno de Amygdaleza. O suicídio de Nadím chegou após o anúncio da prorrogação de sua detenção em Amygdaleza por outros 24 meses.

A morte de Nadím é um assassinato. É um dos assassinatos cometidos por um sistema que gera a injustiça, a exploração e a opressão, assim como o corpo humano produz suor. É um sistema que utiliza as pessoas como máquinas de produção, e que trata aos “excedentes” do processo de produção como objetos. Ao lado de Manolada e os calabouços cheios de trabalhadores “invisíveis”, se encontra o centro de reclusão de Amygdaleza e a Direção Geral de Imigração, e todas as demais prisões, cujas celas se congestionam os refugiados e os imigrantes que não servem aos patrões. Read the rest of this entry »

Na sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015, às 20h, um imigrante paquistanês suicidou-se no centro de reclusão para imigrantes de Amygdaleza. Com 28 anos Mohamed Nadím estava a mais de um ano e meio preso quando se informou de que sua reclusão foi prolongada por outros seis meses (chegaria aos vinte e quatro meses no total), apesar de que a lei proíbe a reclusão dos imigrantes por mais de dezoito meses em qualquer centro de reclusão.

Esta é a terceira morte de um imigrante preso durante os últimos dias. Há poucos dias outro imigrante havia falecido em outro centro de reclusão sob circunstâncias pouco claras, enquanto que a semana passada um imigrante afegão havia morrido de tuberculose dentro do mesmo centro de reclusão. Nestes modernos campos de concentração milhares de imigrantes estão congestionados dentro de contêineres, as condições de higiene são péssimas e a atenção médica é inexistente.

Pouco mais de uma hora após o assassinato de Mohamed Nadím centenas de imigrantes foram à sua cela, violando as regras penitenciárias que proíbem o deslocamento dos reclusos de seu setor durante quase todo o dia. Os imigrantes permaneceram muitas horas na cela de Nadím, negando-se a entregar seu cadáver à Polícia, e exigindo o fechamento do centro de reclusão. Read the rest of this entry »

Após 31 dias de luta dura e tenaz eu abandono a greve de fome, tendo alcançado uma vitória significativa. A emenda aprovada pelo Parlamento, cujo único destinatário sou eu, teve diferenças significativas em comparação com as declarações iniciais do Ministro da Justiça, aceitando finalmente a minha exigência (pedido), inclusive se isso signifique que eu use uma “pulseira” eletrônica.

A única coisa que é certa é que esta vitória foi o resultado da pressão política exercida por nós, por isso o mundo da luta e a anarquia combativa são, sem dúvida, ética, política e praticamente, os grandes vencedores. Esta luta revolucionária polimórfica, e nós, como presos políticos, estamos saindo mais fortes desta batalha.

Levanto meu punho enviando minhas mais calorosas saudações e meu amor incondicional a todos aqueles companheiros que estiveram ao meu lado por todos os meios!

Solidariedade com os presos políticos. Viva a anarquia. Read the rest of this entry »

O preso anarquista Nikos Romanós terminou hoje (10) a greve de fome que havia iniciado em 10 de novembro, reivindicando o seu direito de sair da prisão durante o dia para frequentar um curso universitário. Romanós terminou a greve depois que o Parlamento votou uma emenda que permite aos detidos seguirem seus estudos fora da prisão munidos de uma pulseira eletrônica, mas com a condição de terem cumprido um semestre de estudos por correspondência.

Em um comunicado divulgado nesta tarde, Romanós conta que esta é uma grande vitória, e que a emenda aprovada tem diferenças significativas em relação à proposta inicial, sugerida pelo ministro da “Justiça”. Segundo Romanós, esta vitória foi fruto da forte pressão exercida, e aqueles que saíram vitoriosos são o mundo da luta e a anarquia combativa. No mesmo comunicado ele agradece aos médicos que o atenderam, que não sucumbiram às pressões do Ministério Público e que não praticaram a alimentação forçada.

Esta emenda, aprovada nesta tarde pelos deputados de todos os partidos menos o partido neonazista Aurora Dourada, será válida tanto para Romanós como para todos os presos que entraram nas Escolas Técnicas Superiores e Universidades. Romanós havia declarado antes da votação que aceitaria a condição da pulseira de monitoramento eletrônico. Como mencionamos acima, a única exigência da lei é que o preso para ter acesso a essas permissões tenha obrigatoriamente cumprido um semestre de estudos por correspondência. Durante essas saídas da prisão por razões educativas, os presos terão que usar uma pulseira eletrônica como um sistema de vigilância.

O texto em castelhano.

Arquivo