Questões teóricas

Texto publicado na página web http://vforvolos.espivblogs.net.

Páscoa se chama o período na primavera em que as escolas e as universidades estão fechadas. A semana santa é a semana na qual o mercado e as pessoas estão se preparando para o domingo. Como dizem, é o domingo de ressurreição. A semana seguinte é um curto período de digestão.

Para mim, no entanto, a Páscoa é alguma coisa muito concreta que na época da lavagem cerebral não podia determinar.

1. A propaganda pascoal começa no outono nas escolas primárias e nas creches. Cada dois por três a vida do pequeno Cristo vem esmagar a percepção e imaginação infantis sobre o mundo. O pequeno Cristo é o bom e os judeus são os maus. Desta maneira o antissemitismo se mete nas cabeças das crianças de quatro ou cinco anos. Isto, sem dúvida, depende do docente. No entanto, eu pertenço à categoria das crianças as quais se ensinou o antissemitismo. Como menina me desgostava a discriminação entre os cânticos: O cântico de Lázaro é cantado só pelas meninas e o “Hoje o céu está escuro” só pelos meninos. Por isso, nossa professora nos ensinou a todos os alunos os estribilhos de ambos hits pascoais. Já não fazia falta algo mais: O antissemitismo estava consolidado em nossos cérebros infantis antes de que nos inteirássemos disso. Read the rest of this entry »

Na “quarta-feira santa”, 12 de abril de 2017, o coletivo político de Ioánnina Sempreviva, espalhou pelas ruas da cidade um cartaz, cujo o conteúdo reproduzimos neste post.

A máfia eclesiástica (religiosa) sagrada da Grécia

Queridas irmãs submetidas a Cristo:

A diocese de Ioánnina lhes agradece de coração por levar 2.000 anos enchendo os cofres da Igreja S.A., deixando as suas doações ao comprar pedacinhos de chinelos de santos, reservas inesgotáveis de madeira da cruz da crucificação de Cristo, rosários, terços e água benta da torneira.

O vosso dinheiro e as vossas jóias serão investidos de uma maneira correta: Carros de luxo, iates, helicópteros, lagos (por exemplo, Bistónide), campos de golf (por exemplo, mosteiro de Toplé), parcelas, lotes de terra de cultivo, apartamentos, ações de bancos e empresas offshore (em paraísos fiscais), etc.

O nosso marketing completa-se com ações de promoção bem pensadas (por exemplo, comida, obras de caridade, jantares de gala), usando para estes fins tão só uma pequena parte do lucro sagrado.

Sabemos muito bem que tens medo da morte. Tirando partido deste medo continuaremos celebrando cerimônias de bendição de todo o tipo, assim como confissões, naturalmente a qualquer preço. Read the rest of this entry »

A seguir, texto da “Coordenação de comunidades de luta anarquista e antiautoritária auto-organizadas pela sabotagem aos sistemas de controle social e de vigilância” sobre a destruição massiva de máquinas validadoras de bilhetes em Àtica (província de Antenas).

As novas “reformas” de funcionamento e uso dos meios de transporte massivos constituem a continuação da aplicação por parte do Estado e do Capital de medidas penosas que supostamente contribuem para a recuperação econômica, mas na realidade conduzem para o empobrecimento. Preços de bilhetes mais caros, barras de controle (desde o início de 2016), bilhete eletrônico, câmeras de vigilância, um novo grupo de policiais-revisores em todos os veículos e nas estações dos meios de transporte massivos: Tudo isto é apenas uma pequena amostra das intenções do Estado de impor o controle absoluto do nosso cotidiano, e do isolamento social e de classe dos débeis, dos de baixo e dos que não queremos pagar o bilhete ou não temos dinheiro para o pagar.

Além das nossas necessidades pessoais, para nós, os obreiros, os estudantes e os desempregados, a circulação nos meios de transporte massivos desde os locais de trabalho, educação, consumo e diversão constituem uma necessidade imprescindível, pois são grandes as distâncias nas cidades. As novas proibições nos meios de transporte massivos constituem uma guerra diária contra a solidariedade que está emergindo entre os passageiros, intercambiando bilhetes. Ao mesmo tempo perpetuam o peso e o medo através de revisores, de multas e de seus valentões. Os novos “olhos que não dormem” das câmeras de vigilância que estão sendo instaladas até dentro dos vagões do metrô e dentro dos ônibus, e os policiais que os vigiam, têm como objeti vo a criação de zonas de controle total. Read the rest of this entry »

Texto da coletividade do bairro de Atenas Nikea “Bloqueio ao Poder”, publicado em sua página web.

O plano de estruturação da Companhia de Ônibus Urbanos inclui muitíssimas disposições (medidas) e “novas ideias” sobre a repressão dos “passageiros sem bilhete” e o controle de todos os passageiros: Barras giratórias, entrada só pela porta dianteira dos ônibus, pontos de controle nas entradas e saídas das estações de metrô, corpo de revisores com a participação da Polícia, assim como câmeras de vigilância dentro e fora dos vagões do metrô e dos ônibus.

Desta maneira se vai formando um ambiente de controle intensivo e de registro de nossa cotidianidade. Nossos translados constituem uma mercadoria e uns dados que poderão ser processados no futuro.

Aos que lhes ocorram não pagar o preço do translado (que irá aumentando segundo o itinerário) os espera um corpo de guardas (uniformizados ou não), vigilantes na Terra do santo processo de picar o bilhete. Estes estarão prontos para perseguir e castigar os que cometam o pecado mortal de não pagar o bilhete (a memória do assassinado Thanasis Kanautis em Peristeri, por não ter bilhete, está sempre viva). Também, os espera o acessório indispensável de todo Poder que tem respeito a si mesmo: Câmeras de vigilância. Read the rest of this entry »

O título do texto original em grego é “Não a inversão desastrosa dentro de nosso parque nacional”.

Vieram sem ser convidados, entraram pela porta de trás, durante três anos fizeram todo o possível para silenciar totalmente qualquer voz a nível local que falasse sobre a inversão (desgraçadamente para nós têm colaboradores dentro da sociedade local), e para instalar uma planta de combustão de óleos vegetais importados dentro do parque nacional protegido de nossos pântanos, ao lado de nossas casas, ao lado de nossos cultivos, ao lado dos estábulos de nossos animais.

Escolheram esse lugar com apenas um critério: O lucro de seus acionistas, sem se importar nem um pouco das consequências desastrosas (que terá o funcionamento desta fábrica). E quando foram pegos (desgraçadamente com muito atraso), quando se soube o que era que queriam construir, se puseram a desinformar e a fazer promessas. Porque a estas alturas (quando os pegaram) tiveram que silenciar as vozes de resistência dos habitantes.

Estão nos desinformando, sustentando que sua fábrica não contamina (só cheirará a fragrância), que é totalmente compatível com o meio ambiente sensível de nosso parque nacional. Mentem! A verdade é a seguinte, e temos todas as provas para argumentar sobre ela. Read the rest of this entry »

Com o pretexto da (e como consequência de) chamada crise, o Capital transnacional pretende meter a mão em todos os recursos naturais do território do Estado grego. Em várias ilhas, assim como na península, está ocorrendo uma série de privatizações: Praias, bosques, parques naturais e imobiliários, foram e serão concedidos aos depredadores estrangeiros e locais. Centenas de milhares de terra serão cimentadas graças ao desenvolvimento, para que os de cima possam ter hotéis de luxo e praias, ou áreas privadas para passar suas férias ou sua vida nestes guetos de luxo. Quando tiver terminado este processo desastroso, a imagem do país será totalmente diferente da atual. O meio ambiente estará totalmente destruído e seus habitantes terão emigrado, estarão p assando fome ou serão os serventes destes “turistas” e dos patrões locais, recebendo o suficiente para poder sobreviver e servir a seus amos. A situação sombria, atual e futura, dos de baixo pouco preocupa aos de cima. Não obstante, parece, tampouco preocupa à maioria dos de baixo, que pensam que os recursos naturais são inesgotáveis e o desenvolvimento capitalista (ou socialista, dá no mesmo) é algo positivo, por antonomásia ou por lhes permitir (de momento) comer as migalhas que sobram das comilanças dos de cima. Isto é suficiente para muita gente que não tem expectativas nem sonha, ou luta por algo diferente do que conhece.

Para nós não há nenhum dilema entre vender caro e malversar os ecossistemas de qualquer rincão do planeta. Este é o dilema que tem os pequenos burgueses lobotomizados que interiorizaram a propaganda do capitalismo. Nós não acreditamos no lucro e no antagonismo. Acreditamos em uma sociedade cujo funcionamento será regido pelos valores da igualdade, da solidariedade e pelo ideal coletivo. Read the rest of this entry »

Segue um texto compartilhado na marcha antifascista realizada em 3 de março de 2017 pelos bairros da capital de Creta, Heraclión.

Em Oreókastro se montam “comitês de vizinhos” contra o ingresso de filhos de imigrantes nas escolas gregas. Em recente julgamento do Aurora Dourada apareceram impenitentes e restou claro que os policiais estavam ao seu lado. O mesmo ocorreu faz alguns dias em Ioannina: os policiais atuaram uma vez mais como protetores dos fascistas. Alguém pode se perguntar se o Aurora Dourada e a Polícia possuem interesses em comum. E logicamente não são somente os membros do Aurora Dourada. Os membros leais (chegaram a prestar juramento) do partido de Sorras começam pouco a pouco a ser cada vez mais numerosos. Há poucos dias decidiram difundir seu discurso racista nas ruas de Heraclión, em Creta, e então decidimos dar a resposta adequada.

Porque insistimos em responder de maneira violenta? Para muitos basta violar a chamada “liberdade de expressão” para chamar alguém de fascista. Porém para nós o fascismo é algo diferente, algo muito mais perigoso.

Já não podemos mais nos surpreender com incidentes como os já citados em resumo. E o mais importante: já não podemos considerar o fascismo como o mero resultado da “maldade e ódio que tem escondidos no mundo interior do ser humano”, ou da “estupidez que alguns tem na cabeça”, ou até a “falta de educação” (são várias as narrativas ingênuas). Para nós, o objetivo do fascismo é desorientar os explorados, fazer com que deixem de ver seus interesses de classe que tem em comum. É uma arma na mão do Estado e dos patrões que se volta contra a classe trabalhadora e se constitui parte de uma estratégia estatal em tempos agitados. Poderíamos dizer que o fascismo nada mais é do que um dos instrumentos usados pelo capitalismo para sair de potenciais crises, ou seja, para jogá-la em nossas costas, e para gestionar as reações. Read the rest of this entry »

Registramos que o julgamento dos antifascistas detidos depois da ação fora das oficinas centrais do Aurora Dourada, em 7 de janeiro de 2015, começa na quarta-feira, dia 23 de fevereiro de 2017.

Historicamente a guerra contra o fascismo nunca acabou, já que constitui a reserva e a vanguarda do Estado e do Capital. O objetivo dos aparatos estatais e dos agentes econômicos sempre foi o esmagamento das resistências sociais, deixando espaço para o desenvolvimento do nacionalismo como escudo de proteção. Durante a transição e sobretudo na última década, no território do Estado grego, os fascistas (qualquer que tenha sido seu partido político) tem sido o obstáculo mais conservador e reacionário contra a perspectiva revolucionária (liberação social) do corpo social. Os votantes do Aurora Dourada e seus partidários fiéis pertencem a classe alta, ao estrato social da pequena burguesia em sua faceta mais extrema, e à margem social reacionária. Os fascistas s& atilde;o os valentões dos patrões, pequenos ou grandes, os canibais fura-greves, os assassinos de lutadores, os violadores dos que não se incorporam à cultura da Soberania e às normas predominantes.

Depois do assassinato de [Alexis] Grigoropoulos (2008), com o estouro das forças do movimento derrocador, a ação dos fascistas continuou sendo cada vez mais combativa e intensa. A ameaça de uma mudança social fora das alternativas capitalistas e a repressão estatal deram um golpe ao Sistema e o obrigaram a fortalecer-se. Desde 2009 as forças repressivas e as formações fascistas participam em comum na tarefa repressiva do movimento antifascista e social. A recém-fundada equipe motorizada da Polícia (Delta) e os fascistas iniciaram uma série de ataques, sobretudo contra o segmento mais combativo do movimento derrocador nesta época, ou seja, o âmbito anarquista antiautoritário. Os ataques a locais anarquistas e a okupas, os assassinatos do antifascista Fyssas e do obreiro Lukmán c onstituem dois pontos sumamente importantes da agenda nacionalista, a qual busca a legalização do terrorismo estatal e econômico. O Estado grego excarcerou a Rupakiás, assassino de Fyssas. Está demostrado que uma boa parte das forças repressivas (a chamada tropa antidistúrbios, a equipe motorizada Delta) declarou em público que seus membros são partidários, votantes e incluso membros do Aurora Dourada. Read the rest of this entry »

Álimos, Atenas: Manifestação contra a Organização Internacional para as MigraçõesÁlimos, Atenas: Manifestação contra a Organização Internacional para as MigraçõesÁlimos, Atenas: Manifestação contra a Organização Internacional para as Migrações
Em 17 de dezembro de 2016 umas 150 pessoas fizeram parte de uma manifestação contra o papel da Organização Internacional para as Migrações, no bairro ateniense de Álimos. Durante a manifestação foram pintados lemas na parte exterior de dois edifícios da Organização e em vários de seus veículos. Também, se atirou pintura na fachada do edifício central da Organização. O texto que segue é o que se distribuiu durante a manifestação.

Organização Internacional para as Migrações significa repressão, deportação e racismo institucional

1. A Organização Internacional para as Migrações (OIM) foi fundada em 1951, e se autodenomina a melhor organização no setor das migrações. Tem uma íntima colaboração com organizações (inter)governamentais e “não governamentais”. Foi constituída (fundada) como um comitê intergovernamental para as migrações na Europa, no entanto, desde 1989 é chamada Organização Internacional para as Migrações, sob a égide da ONU. Nela participam 155 países, entre eles Grécia. Recentemente o papel da OIM mudou de nível, ao integrar-se oficialmente na ONU. Já tem mais jurisdições no setor da materialização das políticas anti-migratórias. A OIM é a organização que, junto com outros “expertos” na Europa-fortaleza e na “segurança a nível mundial” (EUROPOL, FRONTEX, Polícia de Fronteira e Costeira Europeia, Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, o Escritório Europeu de Apoio ao Asilo) levam a cabo a política das fronteiras fechadas ou muito bem controladas, das deportações e da reclusão em centros de internamento. Read the rest of this entry »

Texto da okupa Dugrú (Lárissa), publicado em sua página web. O texto foi distribuído em 12 de dezembro no bairro de um piso que foi incendiado em 23 de novembro por uma vela, causando graves feridas a um menino. A família monoparental que vivia no piso se arrumava para sobreviver sem eletricidade já que haviam cortado a luz fazia nove meses por não pagamento. Também, foi distribuído em uma ação realizada em 14 de dezembro pela okupa nos escritórios da Companhia de Eletricidade en Lárissa.

Em 23 de novembro de 2016 um piso no centro de Lárissa se incendiou por causa de uma vela acesa. O piso estava habitado por uma família monoparental, uma mãe e três crianças, e não tinha abastecimento elétrico desde fevereiro de 2016.

Como consequência do incêndio uma das três crianças, de 4 anos de idade, neste momento está hospitalizada na Unidade de Cuidados Intensivos de um hospital de Atenas com graves problemas respiratórios. Ademais, aquele mesmo dia a mãe das três crianças foi detida acusada de haver provocado o incêndio por negligência, e esteve dois dias detida antes de ser julgada por flagrante, ao mesmo tempo que seu filho se encontrava em estado crítico com sua respiração assistida na Unidade de Cuidados Intensivos. Read the rest of this entry »

Arquivo