Questões teóricas

Este comunicado da Organização Política Anarquista, em solidariedade com a okupa Mundo Nuevo, foi publicado em sua página web em sequência a uma publicação em um meio de desinformação digital, através da qual os aparatos repressivos do Estado puseram a okupa no ponto de mira. Esperamos poder difundir logo mais notícias sobre este caso.

Solidariedade com a okupa Mundo Nuevo. Tirem as mãos das okupas

Continuam os ataques a okupas políticas e a lugares ocupados para oferecer alojamento a refugiados e imigrantes, através de contínuas publicações na imprensa. A mais recente delas foi um artigo contra a okupa Nuevo Mundo, escrito obviamente pela Polícia Secreta, e publicado em uma página web de Tessalônica. Recentemente o Centro Social Ocupado Sxoleio (Escola) recebeu ameaças por parte da prefeitura de Tessalônica. Ao mesmo tempo a okupa Rosa Nera em Chania está ameaçada com desalojo, devido aos acordos de caráter lucrativo entre a Escola Politécnica de Creta e empresários da indústria turística. O reitor da Universidade, jogando o papel de homem de negócios, declarou descaradamente que a repressão iminente será “para o bem da sociedade”. Durante o último tempo foi se intensificando a propaganda repressiva contra as okupas.

As referências (em vários artigos publicados) a ordens fiscais de desalojo das okupas de Papoutsadiko, do hotel City Plaza e da okupa de teto para imigrantes na rua Zoodoxou Pigis, 119, em Atenas, assim como a pressão exercida nos casos nos quais os donos dos edifícios das okupas são universidades, como os casos das okupas Lelas Karagianni 37 e Vankouver, em Atenas, e Evangelismos, em Heraclión, são feitas para penalizar o caráter anarquista e antiautoritário destes projetos, assim como a solidariedade na prática com os refugiados e os imigrantes. Read the rest of this entry »

Segue o comunicado da coletividade anarquista “Ciclo do Fogo” sobre as mobilizações contra a cúpula do G20 em Hamburgo.

A cúpula do G20 na cidade alemã de Hamburgo se converteu em um evento mundial para as resistências dos de baixo, graças à presença combativa de milhares de manifestantes nas ruas da cidade. A seleção de uma cidade grande da Alemanha para esta cúpula constituiu desde o princípio uma tentativa dos soberanos de ostentar seu Poder. Segundo a chanceler da Alemanha: “Não podemos dizer que haja lugares nos quais não se possa celebrar este evento”. Os responsáveis da indigência e da opressão de milhões de pessoas se reuniram próximo de um bairro de simbolismos históricos de luta, e muito próximo da okupa Rote Flora, por um lado para ratificar sua ofensiva e elaborar planos para continuá-la, e por outro lado para declarar que ganharam a guerra contra os plebeus. Escolhendo este lugar para sua reunião e expressando sua vontade de celebrá-la sem estorvos, dentro do possível, pretenderam apresentar a resistência como um assunto marginal e sem nenhuma importância política.

Foram desmentidos da pior maneira, já que o fato político mais importante (central) dos últimos dias não foram as reuniões e os banquetes luxuosos da elite política mundial, celebrados sob a custódia de um exército repressivo de 20.000 policiais. (O fato político mais importante) foram os enfrentamentos, as barricadas e as manifestações, demostrando que a ditadura estatal e capitalista reina, não governa, e que a vontade dos soberanos do mundo se impõe por poderem exercer a violência com seus exércitos. Os disparos ao ar, os ataques selvagens contra os manifestantes que resistem, as detenções e os manifestantes lesionados, nos exasperam e por sua vez constituem uma derrota política grande para os soberanos do mundo, já que estropiaram a falsa imagem do consentimento a sua vontade, e ridiculizaram sua cara democrática. Read the rest of this entry »

Texto de várias frações estudantis sobre uma agressão realizada por um grupo de pessoas no dia das eleições estudantis em duas faculdades da Universidade de Atenas, onde queimaram as urnas e agrediram várias pessoas. O texto foi publicado no site da Fração Libertária de Estudantes da Faculdade de Informática “ClassRom”.

Na quarta-feira, 24 de maio de 2017, durante as eleições estudantis, um grupo de poucas pessoas realizou uma agressão na Escola Pedagógica e contra uma das faculdades da Escola Politécnica Superior, com a finalidade de queimar urnas e parar o processo eleitoral. Durante essa agressão (os agressores) não duvidaram em usar machados e proferir uma gama de ameaças sexistas e disparates, enquanto exercia a violência física, cujo ápice foi um golpe recebido por um funcionário da Universidade de Atenas e também vários estudantes. A agressão foi terminada com um ataque a okupa do centro mecanizado, assim como a destruição e roubo de objetos pessoais de várias pessoas.

Essas práticas são regidas pelo fetichismo da violência, já que algumas pessoas que não participam na vida e nas intervenções organizadas nas universidades, concebem a violência como o único recurso (meio) para a resolução de questões políticas como a delegação e a representação. Essa agressão alavanca a cultura do totalitarismo e a cultura machista, e não tem nenhuma relação com as práticas usadas por um movimento libertador contra as violências do Estado e do Capital. As ações isoladas, realizadas nos termos do espetáculo, não contribuem para a mudança das consciências na direção horizontal e da luta, mas reforçam ao Estado e seus aparatos, assim reproduzindo a retórica da “violência e ilegalidade” dentro das universidades. Read the rest of this entry »

O texto a seguir pertence à Iniciativa Anarcossindicalista Rocinante e foi publicado na sua página web, sobre o motivo de uma alegada agressão por parte de um grupo no dia das eleições estudantis na Universidade de Atenas.

Na quarta-feira, 24 de maio de 2017, desde a manhã até o fim da tarde, realizaram-se as eleições estudantis na maior parte das universidades do país. Nos dias anteriores realizaram-se intervenções e mobilizações, e repartiu-se material contra as eleições, no âmbito de uma campanha anti-eleitoral realizada por grupos e coletivos libertários.

Num evidente contraste com esta posição política, na quarta-feira 24 de maio realizaram-se ataques em várias universidades. Foi, particularmente, chamativa a brutalidade de um grupo de pessoas que tratou de se aproximar à Faculdade de Química durante o processo eleitoral. Com latas de fumaça, paus e, até com um machado! Os membros das associações estudantis, responsáveis da proteção das eleições, foram os que no começo repeliram os agressores e depois mais tarde a Polícia, usando gás lacrimogêneo e bloqueando a Faculdade durante muito tempo. Read the rest of this entry »

Cartaz e comunicado do coletivo anarquista de Tessalônica “Negro e Vermelho”, publicados em sua página web.

O texto do cartaz:

“A humanidade deixou-se bastante tempo, muito tempo, governar e que a fonte dessas infelicidades não reside em tal ou qual forma de governo, mas no princípio e no próprio fato, qualquer que seja, do governo”.

Mikail Bakunin

Nenhum governo quer ou pode defender os interesses dos plebeus. Lutas sociais combativas, sem líderes, contra as planificações do Estado e do Capital.

Marcha de solidariedade e apoio à luta dos trabalhadores de Viomijanikí Metaleftikí, quinta-feira 11 de maio de 2017, às 18h, em Kamara.

Greve contra a votação do quarto memorando, o dia da greve geral, quarta-feira 17 de maio de2017, às 10h, em Kamara.

Coletividade pelo anarquismo social “Negro e Vermelho”, membro da Organização Política Anarquista/Federação de Coletividades

O texto do comunicado:

A votação que aprovou o quarto memorando intensifica a barbárie estatal e capitalista que os oprimidos estão sofrendo. A partir desta acepção notamos que a coalizão governamental, estando em plena concordância com sua trajetória e não surpreendendo a ninguém, reforça o aprofundamento da crise, cujas consequências afetam uma vez mais as classes sociais mais baixas, tornando insuportável seu cotidiano. Claro, esta ofensiva tem tantas interpretações e facetas como as pretensões dos soberanos. Read the rest of this entry »

A seguir, o texto do cartaz publicado no site do grupo anarquista de Patras Dissinios Ippos, chamando para uma concentração e marcha nesta cidade em 17 de maio, por ocasião da convocatória de um dia de greve geral pelos sindicatos amarelos.

Contra a barbárie estatal e capitalista

A ofensiva em todas as frentes iniciada pelo Estado e a patronal, bem como a constante imposição de novas condições penosas de exploração e opressão, refletem o processo de reestruturação violento do modo de organização da sociedade estatal e capitalista. A gestão política atual, estando em pleno acordo com as reivindicações do Capital local e internacional, com a política da União Europeia e dos governos anteriores, está implementando uma nova rodada de saques da sociedade, com condições ainda mais duras e penosas do que as últimas, uma vez que as medidas acordadas com o “fechamento de avaliação” são medidas de um novo memorando que vêm para destruir os escombros deixados pelos três memorandos anteriores.

Organização e luta pela revolução social, a anarquia e o comunismo libertário

Do nosso lado, o lado dos desempregados, dos trabalhadores, dos pobres, dos plebeus, queremos dizer que a história das lutas sociais e de classe nos mostra que os proletários não podem esperar nada das instituições, dos parlamentos, das eleições, dos líderes sindicais burocratas, dos comerciantes de esperanças e dos mediadores das lutas de classe. Qualquer vitória conquistada por eles será o resultado de suas lutas radicais e combativas, organizadas na base da sociedade. Read the rest of this entry »

O texto abaixo pertence à “Iniciativa da classe de trabalhadores do setor do comércio” de Tessalônica, é um apelo à criação de uma assembleia de base entre os trabalhadores deste setor na cidade.

Que tem em comum um figura que vende flores, de um figura que vende equipamento eletrônico, de uma figura que vende sapatos, de um figura que está numa caixa numa loja e uma figura que trabalha num supermercado recolhendo os produtos vendidos? Empacotam, voltam a empacotar, recolhem, limpam e vendem produtos, muitos dos quais são inúteis. E são obreiros no setor do comércio. São figuras como estas, que partilham este folheto.

Notamos algo simples: Ou falamos de nós mesmos, dos nossos problemas e das nossas necessidades, ou se entregamos às mãos dos patrões e chefes sindicais, que há muito tempo venderam os interesses obreiros. Encontramo-nos, falamos e percebemos de que como trabalhadores e trabalhadoras partilhamos muitas coisas e muitas outras que nos separam dos nossos patrões, e também sabemos que partilhamos muitas coisas contigo que estás lendo este texto. O nosso propósito é que mais trabalhadores do setor do comércio em Tessalônica se ponham em contato para falarmos dos nossos problemas. Organizarmo-nos sobre a base da nossa posição de classe e através de processos de base, sem “especialistas” e “líderes”, para defender a nossa causa contra à dos patrões: Explorando-nos c ada vez mais, cada vez mais barato. Isto não vai desaparecer somente reclamando, mas sim lutando e apoiando-nos mutuamente. Read the rest of this entry »

O texto a seguir é o editorial do Atenas Indymedia, publicado nesta página web por causa do aniversário da greve e revolta do 1º de Maio de 1886 em Chicago. Ainda que possam surgir dúvidas sobre a possibilidade (probabilidade) de realização da proposta do título, o publicamos por ser seus aspectos e resultados, e por sua linguagem, em certo grau diferente dos lemas que se escutam ou se leem nas vésperas de mobilizações como a do 1º de Maio.

131 anos depois das reivindicações obreiras em Chicago e o assassinato de oito lutadores anarquistas, desgraçadamente ainda estamos obrigados a lutar pelo óbvio: Pela liberdade, a igualdade, a dignidade e a prosperidade de todos. Ainda somos obrigados a lutar contra a injustiça, contra a exploração do homem pelo homem, contra nossa marginalização, contra nossa transformação em seres dóceis, inseguros e recicláveis, que não tem direito de falar e de decidir sobre seu presente e seu futuro.

Como se não houvesse passado um minuto desde aquela época. Como se a ciência não tivesse conseguido aliviar – se não eliminar – a dor humana. Como se os valores do velho mundo (que foram sobrepostos pelo lucro a todo custo) não se tenham desvanecido, sendo incapazes de ir ao encontro das necessidades dos humanos de todo o mundo de ter umas condições de vida decentes, e a possibilidade de poder expressar-se de uma maneira criativa, garantindo que o fruto do esforço pessoal e coletivo será devolvido e disponibilizado a toda a sociedade, sem discriminações falsas, sem exclusões violentas ou encobertas. Read the rest of this entry »

Texto publicado na página web http://vforvolos.espivblogs.net.

Páscoa se chama o período na primavera em que as escolas e as universidades estão fechadas. A semana santa é a semana na qual o mercado e as pessoas estão se preparando para o domingo. Como dizem, é o domingo de ressurreição. A semana seguinte é um curto período de digestão.

Para mim, no entanto, a Páscoa é alguma coisa muito concreta que na época da lavagem cerebral não podia determinar.

1. A propaganda pascoal começa no outono nas escolas primárias e nas creches. Cada dois por três a vida do pequeno Cristo vem esmagar a percepção e imaginação infantis sobre o mundo. O pequeno Cristo é o bom e os judeus são os maus. Desta maneira o antissemitismo se mete nas cabeças das crianças de quatro ou cinco anos. Isto, sem dúvida, depende do docente. No entanto, eu pertenço à categoria das crianças as quais se ensinou o antissemitismo. Como menina me desgostava a discriminação entre os cânticos: O cântico de Lázaro é cantado só pelas meninas e o “Hoje o céu está escuro” só pelos meninos. Por isso, nossa professora nos ensinou a todos os alunos os estribilhos de ambos hits pascoais. Já não fazia falta algo mais: O antissemitismo estava consolidado em nossos cérebros infantis antes de que nos inteirássemos disso. Read the rest of this entry »

Na “quarta-feira santa”, 12 de abril de 2017, o coletivo político de Ioánnina Sempreviva, espalhou pelas ruas da cidade um cartaz, cujo o conteúdo reproduzimos neste post.

A máfia eclesiástica (religiosa) sagrada da Grécia

Queridas irmãs submetidas a Cristo:

A diocese de Ioánnina lhes agradece de coração por levar 2.000 anos enchendo os cofres da Igreja S.A., deixando as suas doações ao comprar pedacinhos de chinelos de santos, reservas inesgotáveis de madeira da cruz da crucificação de Cristo, rosários, terços e água benta da torneira.

O vosso dinheiro e as vossas jóias serão investidos de uma maneira correta: Carros de luxo, iates, helicópteros, lagos (por exemplo, Bistónide), campos de golf (por exemplo, mosteiro de Toplé), parcelas, lotes de terra de cultivo, apartamentos, ações de bancos e empresas offshore (em paraísos fiscais), etc.

O nosso marketing completa-se com ações de promoção bem pensadas (por exemplo, comida, obras de caridade, jantares de gala), usando para estes fins tão só uma pequena parte do lucro sagrado.

Sabemos muito bem que tens medo da morte. Tirando partido deste medo continuaremos celebrando cerimônias de bendição de todo o tipo, assim como confissões, naturalmente a qualquer preço. Read the rest of this entry »

Arquivo