Mobilizações

Informação sobre as mobilizações recentes em Tessalônica contra a abertura dos comércios em domingos e dias festivosInformação sobre as mobilizações recentes em Tessalônica contra a abertura dos comércios em domingos e dias festivosInformação sobre as mobilizações recentes em Tessalônica contra a abertura dos comércios em domingos e dias festivos
Há quatro anos que o Capital está tratando de eliminar os horários de trabalho e o domingo como dia festivo. Seu fim é fazer-nos trabalhar como escravos 365 dias ao ano. Em 2013 foi aprovada uma lei que permitia o funcionamento das lojas sete domingos ao ano. Dos sete domingos ao ano, no verão de 2014 passamos à aplicação temporal da medida dos 52 domingos ao ano, e a finais de 2014 aos oito domingos ao ano. Em 2015 a lei anti-obreira se incluiu no terceiro referendo, deixando aberto o tema do funcionamento das lojas “mais domingos ao ano”. Em 2016 passamos aos dois domingos mais (além dos oito ao ano que previa a lei de 2014). Em 2017 chegamos aos 32 domingos ao ano.

Durante os últimos quatro anos há gente que luta com insistência contra esta ofensiva do Capital, de maneira auto-organizada, longe de partidos e de todo tipo de hierarquias e delegações. Apesar das sucessivas mobilizações realizadas durante estes anos por iniciativas e coletivos auto-organizados, a maioria dos trabalhadores no setor do comércio não está sindicalizada ou simplesmente alguns dos escravos assalariados são membros de algum sindicato vertical, havendo delegado a luta por seus direitos laborais a estes sindicatos vendidos à patronal, que não faz falta dizer que não fazem absolutamente nada para defender os direitos laborais de seu rebanho.

A insistência do Estado e do Capital de impor a abertura dos comércios aos domingos não tem fins comerciais. As vendas das lojas que permaneceram abertas aos domingo durante os últimos anos não aumentaram nada. Esta insistência tem motivos sociais e políticos. Os de cima querem vencer todas as resistências a seus planos de transformar a sociedade em uma massa de indivíduos dóceis e obedientes. Querem impor a escravidão e o totalitarismo. Seu fim é fazer-nos trabalhar todo o dia, dedicando nosso escasso tempo “livre” ao descanso para poder aguentar a intensificação do trabalho, ao consumo e em geral a todo tipo de atividade mercantilizada e controlada por eles. Read the rest of this entry »

Faz uns dias os membros da okupa Terra Incognita realizaram uma série de intervenções em Tessalônica, em solidariedade com os processados da luta antimineração em Calcídica, e em geral com os lutadores contra as extrações e o chamado desenvolvimento verde. Em vários locais do centro da cidade se colaram cartazes, se distribuíram volantes e folhetos, cujo texto publicamos nesta postagem.

À destruição do meio ambiente contestamos de maneira coletiva e agressiva, contra o Estado e o Capital

Durante os últimos anos a zona de Skuriés (noroeste de Calcídica) constitui o campo da confrontação política e do enfrentamento entre dois mundos: o mundo do Estado e do Capital, da barbárie capitalista e da reestruturação social e de classe violenta, e o mundo da sociedade local e dos movimentos solidários que lutam contra as extrações.

A criação de umas minas de ouro em Calcídica (e em todas partes) é uma obra que antes sequer de começar a funcionar deixou detrás dela terra queimada. As obras feitas pela maquinaria da empresa, assim como todas as instalações necessárias para o início das extrações, já destruíram o meio ambiente e aniquilaram a vida selvagem. A destruição será maior quando começarem as extrações, cujos resultados desastrosos serão visíveis desde territórios que estão fora de Calcídica. Read the rest of this entry »

Nuriye Gülmen e Semih Özakça estão em greve de fome há 214 dias no território do Estado turco, contra o estado de emergência imposto na Turquia no ano passado e, em geral, contra o regime militar e fascista deste país. Após quase quatro meses de prisão e sete meses em greve de fome, eles foram conduzidos para um hospital. Em 25 de setembro de 2017, às 3h da madrugada, as forças repressivas do regime turco transferiram Nuriye Gülmen para outro hospital, onde foi internada na Unidade de Terapia Intensiva. A transferência foi realizada de forma violenta, sem o consentimento de Nuriye.

Em 13 de setembro de 2017, um dia antes do julgamento, o Regime deteve todos os advogados dos dois ativistas. O julgamento foi adiado para 28 de setembro. Dois dias antes do adiamento do julgamento, Nuriye foi transferida para outro hospital, onde foi submetida a alimentação forçada. Como menciona o Comitê de Solidariedade com Prisioneiros Políticos na Turquia e no Curdistão, essa mudança radical a levará à morte ou deficiência. O Comitê advertiu que a culpa por qualquer dano causado à saúde de Nuriye caberá ao governo e aos médicos que executam docilmente suas ordens.

O Comitê convocou uma concentração do lado de fora da embaixada da Turquia em Atenas, na quinta-feira, 28 de setembro de 2017, das 10h30 até às 12h30. Neste dia e neste horário será realizado na Turquia o julgamento dos grevistas de fome Nuriye Gülmen e Semih Özakça. Read the rest of this entry »

Tessalônica: Intervenção do Movimento Antiautoritário do lado de fora do Consulado do Canadá contra Eldorado Gold e a extração de ouro em CalcídicaTessalônica: Intervenção do Movimento Antiautoritário do lado de fora do Consulado do Canadá contra Eldorado Gold e a extração de ouro em CalcídicaTessalônica: Intervenção do Movimento Antiautoritário do lado de fora do Consulado do Canadá contra Eldorado Gold e a extração de ouro em Calcídica
Na quinta-feira, 21 de setembro de 2017, o Movimento Antiautoritário de Tessalônica procedeu a uma intervenção do lado de fora do Consulado do Canadá em Tessalônica (aparentemente a empresa de mineração Eldorado Gold é canadense) contra Eldorado Gold e a extração de ouro em Calcídica. A intervenção foi realizada antes da realização, do lado de fora dos tribunais da cidade, de uma concentração em solidariedade com os processados pela luta antimineração em Calcídica. Queremos informar que nesse primeiro julgamento dos ativistas antimineração, todos os acusados foram absolvidos. A seguir, o comunicado do Movimento Antiautoritário.

É a terceira vez que Eldorado Gold suspende as obras (de extração de ouro) e joga o papel da tática, a fim de se converter no soberano absoluto das extrações desde Calcídica até Trácia. Com o pretexto da arbitragem (inventado pelo governo para dourar a pilula e tratar de convencer de que não tem nenhuma responsabilidade, dado que este governo não apenas concedeu várias licenças à empresa, senão que também durante seu mandato se iniciaram as perfurações e o bombeamento das águas residuais), Eldorado Gold parece que não está disposta a aceitar nenhuma regra que não seja a sua.

Vamos falar claro: Eldorado Gold é a nova Camorra do desenvolvimento e das intervenções. Desde que pisou seus pés em Calcídica, se interessou em fazer alianças mais rápido que destruir o meio ambiente. Não teve dificuldades em encontrar porta-vozes e lacaios, não apenas na sociedade local mas também nos centros do Poder. Esta frente midiática, empresarial, política e social dos “dispostos” saiu de novo à superfície para pôr em marcha a série dos favores mútuos e das chantagens: Alafuzos, Bóbolos, Mitsotakis, os sindicatos mineiros vendidos à patronal, e todas as fundações bem conhecidas e as pessoas favorecidas política e economicamente pela máfia do ouro já tomaram assento na orquestra da Eldorado Gold. Read the rest of this entry »

Informação sobre a manifestação antifascista de 18 de setembro em PatrasInformação sobre a manifestação antifascista de 18 de setembro em PatrasInformação sobre a manifestação antifascista de 18 de setembro em Patras
Nos dias 16 e 18 de setembro, quatro anos depois do assassinato do músico antifascista Pavlos Fyssas por neonazistas, manifestações antifascistas ocorreram em várias cidades do território do Estado grego. A seguir, o boletim informativo do grupo anarquista de Patras Dissinios Ippos (Cavalo Indomável) sobre a manifestação realizada nesta cidade.

Na segunda-feira, 18 de setembro de 2017, uma manifestação antifascista ocorreu em Patras quatro anos depois do assassinato de Pavlos Fyssas pelos batalhões de assalto do Aurora Dourada. Durante a manifestação realizada na praça principal da cidade, no teatro municipal Apollo foi desfraldada uma faixa que dizia: “Pavlos está vivo. Esmague os nazis. Capital e Estado engendram o fascismo”.

A manifestação foi sucedida por uma marcha pelas ruas do centro da cidade de Patras, na qual muitas pessoas participaram. No bloco anarquista, formado pelo grupo anarquista Dissinios Ippos (Cavalo Indomável) após várias convocatórias (chamados) da Organização Política Anarquista, participaram aproximadamente 80 pessoas. A faixa principal dizia: “Da Europa à América… esmagar o Estado, o Capital e os fascistas”. No geral, a manifestação foi combativa, especialmente quando a marcha passou muito perto dos escritórios do Aurora Dourada, que estavam protegidos por numerosas forças policiais. Read the rest of this entry »

A seguir, publicamos o cartaz-chamado do Coletivo de anarquistas dos bairros orientais, de Tessalônica, para duas concentrações do lado de fora dos tribunais de Tessalônica, em solidariedade com aqueles acusados pela luta anti-mineração em Calcídica, cujos julgamentos ocorrerão em 21 de setembro de 2017.

Defendemos a natureza do saque do Capital

A luta contra a extração de ouro é um exemplo em que se vê claramente que as leis podem ser modificadas para servir os interesses do Capital. Isso é feito, por um lado, buscando formas de legalizar a empresa de mineração e, por outro lado, reprimindo uma das lutas mais combativas e multifacetadas dos últimos anos. Além da sua forma direta, presença da chamada polícia antidistúrbios em todos os lugares, disparo de gás lacrimogêneo dentro das escolas, incursões em casas, tiro de balas de borracha e substâncias químicas, a repressão se estruturou a nível jurídico.

No caso de Skuriés, luta anti-mineração em Calcídica, são mais de 450 ativistas acusados, muitas das acusações basearam-se na obtenção de material genético sem o consentimento dos acusados, em chamadas telefônicas interceptadas e no uso da lei 187 sobre organizações criminosas. Read the rest of this entry »

Texto e cartaz do Comitê de luta de Tessalônica contra a extração de ouro, publicado em sua página web por causa da realização de duas manifestações em Ierissós (Calcídica) e em Tessalônica, contra a extração de ouro em Calcídica.

Desde o momento em que Eldorado Gold ameaçou terminar seu “investimento” e sair da Grécia, o partido da oposição Nova Democracia e os meios de desinformação de massa iniciaram uma campanha de mentiras. Os jornalistas porta vozes da empresa mineradora reproduzem diariamente vários disparates, e dia após dia andam dizendo que vão aumentar os postos de trabalho e o dinheiro que se supõe que contribuirá a empresa para a economia.

Nós sabemos que após a palavra mágica “investimento” empregada como uma panaceia, se esconde um saque: Uma empresa que comprou os terrenos em Calcídica nos quais se pretende fazer a extração de ouro por umas migalhas, que está lucrando sem pagar impostos, que está destruindo o meio ambiente e os recursos naturais da região, que ameaça com conduzir ao desemprego a dezenas de milhares de trabalhadores nos setores da agricultura, da apicultura, da pesca, do turismo, da pecuária e em todos os trabalhos associados com estes setores, em Calcídica e em Tessalônica. Read the rest of this entry »

A seguir, publicamos o chamado do grupo anarquista de Patras Dissinios Ippos (Cavalo Indomável) e da Organização Política Anarquista a uma concentração e marcha nesta cidade, em 18 de setembro, quatro anos depois do assassinato do músico antifascista Pavlos Fyssas por um batalhão de assalto neonazista em um bairro de Pireus. Várias manifestações antifascistas serão realizadas entre os dias 16 e 18 de setembro em Atenas e em várias cidades do território do Estado grego.

Quatro anos depois do assassinato de Pavlos Fyssas pelos batalhões de assalto do Aurora Dourada…

O julgamento do Aurora Dourada ainda está em andamento, sendo seu principal objetivo a imposição da “normalidade democrática” e a consolidação da teoria dos dois extremos. Ao mesmo tempo, está sendo preparado o reaparecimento dos batalhões de assalto paraestatais, o assassino Rupakiás saiu da prisão, e se pretende ilegalizar e reprimir a luta social e antifascista nas ruas, com os ataques e acusações contra várias mobilizações antifascistas e com constantes perseguições de ativistas anarquistas e antifascistas. Read the rest of this entry »

YouTube Preview Image

 

Em 13 de setembro de 2017, uma ação em solidariedade com os professores Nuriye Gülmen e Semih Özakça foi realizada na cidade de Tessalônica. Eles estão na prisão há 115 dias e 191 dias em greve de fome contra o regime fascista turco. A ação foi realizada no pavilhão da Câmara de Comércio greco-turca, na Feira Internacional de Tessalônica. Read the rest of this entry »

Atenas, 13 de setembro de 2017: Marcha em solidariedade com os ativistas em greve de fome contra o regime fascista na TurquiaAtenas, 13 de setembro de 2017: Marcha em solidariedade com os ativistas em greve de fome contra o regime fascista na TurquiaAtenas, 13 de setembro de 2017: Marcha em solidariedade com os ativistas em greve de fome contra o regime fascista na Turquia
Em 13 de setembro de 2017, foi realizada uma marcha à embaixada da Turquia (fotos) no centro de Atenas, em solidariedade com Nuriye Gülmen e Semih Özakça, que estão presos há 114 dias e 190 dias em greve de fome contra o estado de emergência imposto na Turquia no ano passado e, em geral, contra o regime militar e fascista do governo de Erdogan. Os dois ativistas serão julgados hoje, 14 de setembro de 2017. A seguir, publicamos um dos chamados à marcha, assinado por vários grupos.

Após a tentativa de golpe de Estado de 15 de julho de 2016, o Poder, através do partido AKP, declarou o estado de emergência em todo o país e guerra ao povo. Com vários decretos demitiu e continua demitindo milhares de trabalhadores que estão contra Erdogan. O objetivo do AKP é aproveitar esta situação para lançar todo aparelho repressor do Estado contra todos os que se opõem ao seu regime, e intimidar ao povo com pressões e chantagens. Milhares de esquerdistas, democratas e funcionários foram demitidos sem que ninguém explique o porquê.

Os professores Nuriye Gülmen e Semih Özakça iniciaram uma greve de fome em 9 de março de 2017 contra as ações arbitrárias e ilegais de Erdogan e de seu partido. Eles foram detidos no 76º dia de sua greve de fome, quando o estado de saúde de ambos se deteriorou e a notícia da greve de fome estava se espalhando por toda a Turquia. Em 14 de setembro de 2017, 190º dia da greve de fome, serão realizados seus julgamentos em Ankara. Eles continuarão lutando até recuperar seus empregos e seus direitos, mesmo que a saúde esteja piorando. Read the rest of this entry »

Arquivo