Mobilizações

Chania, Creta: Informação sobre a manifestação em solidariedade com a okupa Rosa NeraChania, Creta: Informação sobre a manifestação em solidariedade com a okupa Rosa NeraChania, Creta: Informação sobre a manifestação em solidariedade com a okupa Rosa NeraChania, Creta: Informação sobre a manifestação em solidariedade com a okupa Rosa Nera
Μas 600-700 pessoas participaram na manifestação realizada em 13 de junho de 2017 na cidade de Chania, em solidariedade com a okupa Rosa Nera. A manifestação aconteceu contra os planos do reitor da Universidade de Creta de vender ao Capital privado o edifício da okupa, assim como o edifício da reitoria, com o fim de que se convertam em hotéis, cuja exploração será pelas mãos de uma empresa hoteleira.

A concentração foi realizada às 18h na praça do mercado de Chania, e contou com a participação de gente da cidade e de Réthimno. A marcha começou uma hora mais tarde. Passou pelo centro da cidade, parou em frente da Prefeitura, onde se pintaram lemas, e continuou até o velho porto veneziano, plenamente turístico, onde se gritaram lemas associados com as condições laborais dos trabalhadores no setor do turismo.

Ao passar a marcha pelo hotel Ambassador, os manifestantes procederam a um bloqueio simbólico do hotel, já que há indícios de que seu dono é o que se esconde atrás de uma empresa chipriota (off shore), à qual se concederá pelos próximos 25 anos a exploração comercial dos edifícios da okupa e da reitoria da Universidade. Hora e meia depois de seu começo, a marcha terminou na okupa, onde se organizaram um café e uma ceia auto-organizados.

Durante a concentração e a marcha se distribuiu um texto, que esperamos poder traduzir nos próximos dias.

Na faixa que se vê nas fotos, o lema é: “As okupas são barricadas contra a investida da barbárie”.

Tradução: Agência de Notícias Anarquistas.

O texto em castelhano.

Foi realizada na terça-feira, 13 de junho, em Chania, Creta, uma manifestação em solidariedade com a okupa Rosa Nera, posta no ponto de mira das autoridades universitárias da cidade e do Capital local. O texto que publicamos a seguir foi escrito por duas coletividades de Creta, que participam nas mobilizações em defesa da okupa, em Chania e em outras cidades de Creta.

Em um período no qual a economia promissora (capitalismo) anda muito mal, quem paga o preço, como sempre, são os estratos inferiores e lutadores da sociedade. Neste período tão agitado, os soberanos inventam vários truques para conseguir mais recursos. Neste marco a Universidade de Creta pensou matar dois pássaros com um tiro, pondo no ponto de mira a okupa Rosa Nera no casco velho da cidade de Chania.

O primeiro pássaro é tirar de cima do status quo local um lugar de luta social. O segundo é conseguir dinheiro, o qual se demostrará que é pouco, desinteressando-se da longa história do edifício, e claro das ações políticas e culturais realizadas no espaço aberto da okupa. Read the rest of this entry »

Informação sobre a mobilização do 4 de junho contra o desvio do rio AquelooInformação sobre a mobilização do 4 de junho contra o desvio do rio AquelooInformação sobre a mobilização do 4 de junho contra o desvio do rio AquelooInformação sobre a mobilização do 4 de junho contra o desvio do rio Aqueloo
Segue o texto informativo do Encontro Autônomo de Luta sobre a mobilização do 4 de junho em Mesojora (província de Tríkala) contra o desvio do rio Aqueloo. Mais fotos da mobilização, aqui.

A destruição iminente do rio Aqueloo, com o funcionamento de uma central hidroelétrica e uma represa em Mesojora, terá umas consequências desastrosas tanto para os planaltos da província, como para seus ecossistemas naturais, para a área vulnerável do delta do rio no mar Jônico, e para as populações humanas (entre estas últimas, a principal é a expropriação forçada das casas de Mesojora, a evacuação do povoado e sua inundação), as quais se afundarão no barro.

Hoje em dia esta perspectiva desastrosa para a província é mais visível que quando começaram a construir as represas gigantescas até finais da década de 80. O governo atual, estando em plena concordância com as políticas neoliberais de saque do meio ambiente e das pessoas trabalhadoras, impostas pelos governos anteriores, a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional (nas quais estão incluídos a complementação das obras da construção da represa e sua privatização), completou os processos da separação da represa de Mesojora das obras do desvio, bloqueadas temporariamente pelo Conselho de Estado, com o fim de que se ponha em marcha o funcionamento da represa, tal como declararam desde outubro de 2015 o chefe dos prefeitos da região de Tesalia K. Agorastós e o vice-presidente da Companhia de Eletricidade G. Andriotis. Read the rest of this entry »

Na sexta-feira, 26 de maio de 2017, aconteceu uma ação contra as novas medidas nos meios de transporte massivos. A ação foi realizada em uma estação de metrô de Atenas por estudantes de três faculdades da Universidade de Atenas. Recordamos que as novas medidas preveem várias formas de controle e de vigilância estritas, a colocação de barras nos ônibus e no metrô, a instalação de câmeras de vigilância no interior dos vagões, a contratação de um corpo espacial de vigilantes para os meios de transporte massivos, que terão colaboração com a Polícia, assim como a aplicação da medida do bilhete eletrônico (registrando os dados pessoais do passageiro e excluindo a pessoas do uso dos meios de transporte massivos).

A Polícia e os encarregados da empresa privada que tem a seu cargo a exploração do metrô trataram de proibir a concentração dentro da estação. Os manifestantes fizeram caso omisso das ameaças e procederam à realização da ação. Foram espalhados muitos volantes e distribuídos 1.500 folhetos sobre o bilhete eletrônico, e se inutilizaram temporariamente todas as máquinas de validação de bilhetes.

As reações das pessoas foram várias, algumas positivas, outras negativas, enquanto que houve muitas pessoas que não mostraram o mínimo interesse pelo tema. Além das repercussões econômicas das novas medidas, na ação se pôs em relevo seu caráter social. É duvidoso que a maioria das pessoas que participaram em breves diálogos com os manifestantes entenderam o que significam as novas medidas. É ainda mais duvidosa a vontade (dos que reagiram positivamente) de lutar pela anulação das medidas. Read the rest of this entry »

Segue o cartaz-chamado do Encontro Autônomo de Luta à uma serie de eventos contra o desvio do rio Aqueloo, começando por uma manifestação em 4 de junho de 2017.

Contra o saque da natureza, luta por terra e liberdade

Contra as políticas antissociais de saque do meio ambiente, nas quais está incluído o término e funcionamento de centrais hidrelétricas, sua privatização e a aniquilação do povoado de Mesojora e do fluxo do alto Aqueloo

Contra os planos do Estado e do Capital de concentrar e mercantilizar os recursos aquáticos e naturais em geral, de controlar e de manipular às sociedades e suas necessidades

Contra as represas e o desvio (do rio Aqueloo). Vitória para o rio Aqueloo! Que viva Mesojora! Que se desmonte a represa!

Domingo 4 de junho de 2017: Concentração e marcha à represa de Mesojora: Mesojora, província de Tríkala.

9-14 de agosto de 2017: Encontro Autônomo de Luta em Aqueloo: Acampamento nas margens do rio Aqueloo, Mesojora, província de Tríkala.

13 de agosto de 2017: Marcha à represa de Mesojora.

11-12 de agosto de 2017: Atividades na praça do povoado. Read the rest of this entry »

Segue o boletim informativo da coletividade pelo anarquismo social “Νegro e Vermelho” sobre uma concentração realizada do lado de fora do consulado da Turquia em Tessalônica, em solidariedade com os lutadores no território do Estado turco.

Durante os últimos anos a campanha repressiva do Estado turco se manifesta com operações militares nas regiões curdas, com perseguições massivas e com ataques assassinos contra movimentos de resistência e organizações revolucionárias. Ultimamente esta campanha está se agudizando, sobretudo depois do golpe de Estado frustrado de julho passado e a extensão do estado de emergência. Nos solidarizamos com todos os que estão lutando na Turquia contra o totalitarismo estatal, mantendo vivo o sonho por um mundo de igualdade, solidariedade e liberdade.

Em 11 de março dois docentes começaram uma greve de fome em Ankara, pedindo sua recontratação e o fim do estado de emergência. Ambos já estão no cárcere. Desde 23 de fevereiro um pai de 70 anos, cujos filhos foram assassinados pelo Regime, começa uma greve de fome, pedindo ao Estado turco que lhe entreguem os cadáveres de seus filhos mortos lutadores. Em 24 de maio, três meses depois do início da greve de fome, com sua luta conseguiu o que estava demandando. Read the rest of this entry »

Informação sobre a greve dos entregadoresInformação sobre a greve dos entregadoresInformação sobre a greve dos entregadores
O 25 de maio foi um dia de greve no setor dos entregadores. A greve veio depois de uma série de acidentes (alguns deles mortais) que sofreram vários entregadores em Atenas. As demandas dos entregadores em greve são as seguintes: A moto usada tem que ser da empresa que contrata o trabalhador, a empresa tem de fornecer meios de segurança, o trabalho dos entregadores deve ser incluído nos serviços insalubres e perigosos, e o setor dos entregadores de todos os tipos deve ser considerado unitário.

Desde às 7h30 começaram as concentrações do lado de fora dos escritórios de seis empresas de correio e transporte expresso. O proprietário uma delas (ACS Courier) é o presidente da Associação de Empresários da Grécia. Durante a concentração realizada do lado de fora de uma loja desta empresa, um dos esbirros do proprietário insultou e ameaçou os grevistas, que permaneceram calmos.

Depois de concluídas as concentrações matinais, os manifestantes grevistas se dirigiram para o Campo de Marte, no centro de Atenas, onde aconteceu uma manifestação combativa, com a participação de centenas de grevistas e solidários com sua luta. A manifestação foi sucedida por uma marcha motorizada pelo centro de Atenas (vídeo). Na tarde do mesmo dia aconteceram mais concentrações-piquetes em frente dos escritórios de mais empresas do setor de entregadores. Read the rest of this entry »

Ilion, Atenas, 21 de maio de 2017: Manifestação contra os fascistas e os seus amiguitos policiaisIlion, Atenas, 21 de maio de 2017: Manifestação contra os fascistas e os seus amiguitos policiaisIlion, Atenas, 21 de maio de 2017: Manifestação contra os fascistas e os seus amiguitos policiaisIlion, Atenas, 21 de maio de 2017: Manifestação contra os fascistas e os seus amiguitos policiais
No domingo 21 de maio de 2017 realizou-se uma manifestação antifascista no bairro de Ilion, na periferia de Atenas. Participaram na manifestação cerca de 100 pessoas, nativos e imigrantes. Esta, realizou-se em solidariedade com o imigrante que uns dias antes, em 22 de abril, sofreu um ataque por parte de um grupo antifascista, mas também contra os fascistas e os seus colaboradores policiais.

Durante a manifestação ouviram-se gritos e picharam-se frases contra os fascistas e os seus amiguitos policiais. Também, foi distribuído um texto sobre o ataque contra o imigrante, o qual foi silenciado tanto pelos policiais como pelos meios de desinformação. Apesar de a polícia estar informada sobre a presença de um grupo antifascista no bairro, não fez absolutamente nada, nem antes e nem depois do ataque ao imigrante. Os policiais nem apareceram no local, nem mesmo quando um dos amigos do imigrante, após ter sido agredido se ter deslocado à delegacia e, relatado que o seu amigo estava gravemente ferido.

Quando os manifestantes passaram nas proximidades da delegacia local gritaram e picharam frases sobre o papel que exerce a polícia e a interligação que existe entre os agentes e os bandos fascistas. Alguns dos lemas e frases: “Os bairros são zonas de resistência e solidariedade. Combatendo o Estado, os patrões e os fascistas”, “Agentes e fascistas: O mesmo negócio”, “Agentes, televisão, neonazis: Todos os patifes trabalham juntos”. Read the rest of this entry »

Mobilizações em protesto contra os "acidentes de trabalho" mortais de entregadoresMobilizações em protesto contra os "acidentes de trabalho" mortais de entregadoresMobilizações em protesto contra os "acidentes de trabalho" mortais de entregadores
Durante os últimos tempos os entregadores de Atenas e de vários coletivos auto-organizados estão realizando mobilizações por causa das mortes-assassinatos de vários trabalhadores neste setor durante o seu trabalho. Notamos que os sindicatos amarelos e os partidos não convocaram qualquer mobilização visibilizando este problema, e os meios de desinformação e lavagem cerebral silenciaram completamente as mortes e mobilizações.

Na quinta-feira, 18 de maio de 2017, foi realizada uma marcha motorizada pelas ruas de vários bairros de Piraeus, em protesto contra os chamados “acidentes de trabalho”, especificamente pelos acidentes-assassinatos de entregadores (fotos). A marcha foi chamada por vários coletivos anarquistas, antiautoritários e trabalhadores destes bairros e por uma Assembleia de bairro. Na marcha participaram também membros da Assembleia de Base de Trabalhadores Motorizados. Foram desfraldadas faixas, feitas pichações e gritadas palavras de ordem, espalhados e distribuídos folhetos em pontos de ônibus e praças onde os manifestantes pararam para informar as pessoas. Também foram distribuídos folhetos aos entregadores que naquele momento estavam trabalhando.

Em 25 de maio a Assembleia de Base de Trabalhadores Motorizados convocou uma greve de trabalhadores neste setor. No cartaz da Assembleia se pode ler algumas das demandas da Assembleia: A moto usada tem que ser da empresa que contrata o trabalhador, a empresa tem de fornecer meios de segurança, o trabalho dos entregadores deve ser incluído nos serviços insalubres e perigosos, e o setor dos entregadores de todos os tipos deve ser considerado unitário. A concentração será às 10h, no Campo de Marte, Atenas. Read the rest of this entry »

Texto da Assembleia aberta em solidariedade com os acusados por defenderem o caráter público da água e sobre o julgamento de um dos lutadores contra a privatização das águas do monte Pelión e da província de Magnesia. O título do texto em grego é “A água não é futebol, jogo de azar e lucro”.

A ofensiva que as populações locais estão recebendo por parte da autoridade municipal, cujo fim é a repressão e o silenciamento do movimento de defesa da água pública, culmina-se com o julgamento do agricultor lutador, membro do movimento pelas águas de Volos e do Monte Pelión. No dia 13 de março de 2015 centenas de moradores de Pelión e da cidade de Volos reuniram-se na frente do edifício da Empresa Municipal de Águas da cidade de Volos, com o fim de assistir ao debate da direção da empresa sobre o regulamento do uso e da distribuição da água de irrigação. O debate dirigia-se aos agricultores, que se veem forçados a abandonar os seus povos e terras, devido aos preços exorbitantes da água de irrigação, a deterioração da qualidade da água potável devido à cloração e a tentativa de privatizar a água de irrigação.

Beos, prefeito de Volos naquela altura, bloqueou a entrada do edifício com um cordão policial. Os policiais estavam plenamente equipados, e ao seu lado estavam alinhados os guardas de segurança e os “valentões”. Beos demonstrou que a sua intenção era aplicar de maneira fascista as decisões que se concluíssem no debate. Os manifestantes ao tentarem romper o cordão policial, puseram a sua integridade física em perigo e, alguns até se lesionaram. Um dos manifestantes quebrou uma costela ao receber um ataque coordenado e foi levado ao hospital. O lugar da concentração parecia um campo de batalha. Read the rest of this entry »

Arquivo