Escravidão assalariada

Texto publicado na página web classwardogz.files.wordpress.com.

Marina não quer trabalhar nos domingos. Prefere descansar (o que possa) ou dar algum passeio com o pequeno. De qualquer forma, é impossível trabalhar sete dias na semana. Tampouco o patrão de Marina quer “trabalhar” (no domingo). Ou antes, não quer abrir seu negócio no domingo. Não quer que nenhum negócio abra no domingo. É que sabe que sairá perdendo, se competir com as lojas de departamentos.

Durante as últimas semanas Marina está farta de ouvir que “todos juntos temos que lutar contra os grandes negócios e contra o governo que os apoia”. E que em última instância todos temos o mesmo objetivo e os mesmos interesses. E depois das palavras doces, vem a ameaça: “Se não abro o negócio nos domingos, vou perder dinheiro e me verei forçado a cortar os salários”.

Um dia Marina não se pode conter mais: “Trabalho de dez a doze horas diárias e me pagas por seis. Me deves os salários dos três últimos meses e me pagas quando te dá vontade, como se o salário fosse uma gorjeta. Não me pagas as horas extras, me obrigas a trabalhar quando tenho dia livre, não pagas minha seguridade social. De que interesses comuns me estás falando?” Read the rest of this entry »

Na quarta-feira 31 de maio de 2017 a Assembleia de Trabalhadores, Desempregados e Estudantes nos Mass Media (meios de comunicação de massa) realizou uma concentração do lado de fora do edifício do grupo midiático Real Group. Os trabalhadores no grupo midiático Real Group estão protestando pelos cortes salariais impostos pela patronal do grupo, pelas condições de trabalho exaustivas, assim como por levar meses sem receber seu salário, ao mesmo tempo que a patronal do grupo lançou ao mercado um novo periódico.

Durante a concentração umas dezenas de manifestantes distribuíram centenas de folhetos, gritaram lemas e espalharam volantes em todo o bairro. O dono do grupo saiu do edifício com muita pressa, antes de acabar seu programa de desinformação burguesa e lavagem cerebral. A Polícia proibiu aos manifestantes a entrada no edifício para distribuir folhetos aos trabalhadores no grupo midiático. No entanto, eles conseguiram colocar-se em contato com muitos dos trabalhadores.

No texto informativo da Assembleia lemos umas horas antes da concentração que o dono do grupo pagou a alguns trabalhadores uma pequena parte do dinheiro que lhes deve. Em seu programa de rádio quando um ouvinte lhe fez uma pergunta sobre o tema, ficou muito irritado e se viu forçado a aceitar que em suas empresas há trabalhadores que estão a meses sem receber seu salário. Read the rest of this entry »

Na quarta-feira, 31 de maio de 2017 os trabalhadores no grupo midiático Real Group realizaram uma concentração fora dos escritórios do grupo. Este grupo midiático tem várias mídias desinformativas como periódicos, revistas e emissoras de rádio. O dono do grupo é Nikos Jatzinikolau, jornalista e presidente da Associação de Proprietários de Jornais de Atenas. Dito sujeito é sócio de Andreas Kurís, dono de canais televisivos, páginas web, emissoras de rádio, jornais e revistas. Este último é bem conhecido por ficar anos sem pagar os trabalhadores em suas empresas.

Os trabalhadores no grupo midiático Real Group estão protestando pelos cortes salariais impostos pela patronal do grupo, pelas condições de trabalho exaustivas, assim como por não pagar seu salário, ao mesmo tempo que a patronal do grupo lançou no mercado um novo jornal. Ante a ameaça de uma greve, a patronal do Real Group se valeu de uma chusma de jornalistas-esbirros, membros do sindicato amarelo dos jornalistas, que cobram uns salários bastante gordos por seus serviços, e durante as últimas semanas estão tratando de convencer os escravos assalariados de que tenham paciência e não reajam. Ao mesmo tempo, a patronal do grupo recorreu à bem conhecida tática de prometer a chegada de um messias investidor, que supostamente comprará o grupo inteiro ou em parte e resolverá todos os problemas dos trabalhadores…

O dono deste grupo midiático é por sua vez apresentador do tele diário do canal televisivo Ant1 (pertencente a outro grupo, no entanto, é bem conhecida a inter-relação entre os patrões). “Repreende” os outros “patrões maus” por serem inadimplentes, mas não diz nem uma só palavra sobre a situação em seu grupo. Quando os ouvintes de sua emissora de rádio fazem perguntas sobre este tema, responde de maneira genérica, falando de “tentativas de difamação” por parte de seus competidores… Na Internet simplesmente bloqueia os que o perguntam sobre este tema. Read the rest of this entry »

Informação sobre a greve dos entregadoresInformação sobre a greve dos entregadoresInformação sobre a greve dos entregadores
O 25 de maio foi um dia de greve no setor dos entregadores. A greve veio depois de uma série de acidentes (alguns deles mortais) que sofreram vários entregadores em Atenas. As demandas dos entregadores em greve são as seguintes: A moto usada tem que ser da empresa que contrata o trabalhador, a empresa tem de fornecer meios de segurança, o trabalho dos entregadores deve ser incluído nos serviços insalubres e perigosos, e o setor dos entregadores de todos os tipos deve ser considerado unitário.

Desde às 7h30 começaram as concentrações do lado de fora dos escritórios de seis empresas de correio e transporte expresso. O proprietário uma delas (ACS Courier) é o presidente da Associação de Empresários da Grécia. Durante a concentração realizada do lado de fora de uma loja desta empresa, um dos esbirros do proprietário insultou e ameaçou os grevistas, que permaneceram calmos.

Depois de concluídas as concentrações matinais, os manifestantes grevistas se dirigiram para o Campo de Marte, no centro de Atenas, onde aconteceu uma manifestação combativa, com a participação de centenas de grevistas e solidários com sua luta. A manifestação foi sucedida por uma marcha motorizada pelo centro de Atenas (vídeo). Na tarde do mesmo dia aconteceram mais concentrações-piquetes em frente dos escritórios de mais empresas do setor de entregadores. Read the rest of this entry »

Texto publicado no site toperiodiko.gr.

A Fiscalização do Trabalhou realizou 103 inspeções em várias lojas da rede de cafeterias Mikel em todo o país e detectou 53 infrações laborais (três relacionadas a trabalho clandestino, 35 nas quais os postos de trabalho não correspondiam a segurança social do trabalhador, e outras 15 sobre várias cláusulas da legislação laboral), impondo as relativas sanções.

Os casos de arbitrariedade pela patronal são numerosos e escondidos muito frequentemente. As multas e reclamos contra esta rede (que já perdura alguns tantos dias) não desanimou em nada os proprietários da empresa, a qual, obviamente, não lhe importa o custo das multas, dado que seus benefícios as superam. Parece que nenhum consumidor dessa rede está interessado em seu passado obscuro, seja por não conhecer a situação (quase nunca saiu nos grandes canais de TV alguma reportagem sobre o tema, e acreditamos que esse feito não é fortuito), ou optam por fazer vista grossa, supondo que isso não lhes diz respeito diretamente.

Todavia, deveria lhe interessar essa questão, pois poderia ser um amigo, filho ou irmão seu o trabalhador de 22 anos que faleceu em 9 de março de 2017 depois de sofrer um acidente e estar hospitalizado por sete dias. Segundo os sindicatos, o acidente foi devido a intensificação excessiva do trabalho e a insuportável pressão que recebem os trabalhadores na referida rede. Read the rest of this entry »

Mobilizações em protesto contra os "acidentes de trabalho" mortais de entregadoresMobilizações em protesto contra os "acidentes de trabalho" mortais de entregadoresMobilizações em protesto contra os "acidentes de trabalho" mortais de entregadores
Durante os últimos tempos os entregadores de Atenas e de vários coletivos auto-organizados estão realizando mobilizações por causa das mortes-assassinatos de vários trabalhadores neste setor durante o seu trabalho. Notamos que os sindicatos amarelos e os partidos não convocaram qualquer mobilização visibilizando este problema, e os meios de desinformação e lavagem cerebral silenciaram completamente as mortes e mobilizações.

Na quinta-feira, 18 de maio de 2017, foi realizada uma marcha motorizada pelas ruas de vários bairros de Piraeus, em protesto contra os chamados “acidentes de trabalho”, especificamente pelos acidentes-assassinatos de entregadores (fotos). A marcha foi chamada por vários coletivos anarquistas, antiautoritários e trabalhadores destes bairros e por uma Assembleia de bairro. Na marcha participaram também membros da Assembleia de Base de Trabalhadores Motorizados. Foram desfraldadas faixas, feitas pichações e gritadas palavras de ordem, espalhados e distribuídos folhetos em pontos de ônibus e praças onde os manifestantes pararam para informar as pessoas. Também foram distribuídos folhetos aos entregadores que naquele momento estavam trabalhando.

Em 25 de maio a Assembleia de Base de Trabalhadores Motorizados convocou uma greve de trabalhadores neste setor. No cartaz da Assembleia se pode ler algumas das demandas da Assembleia: A moto usada tem que ser da empresa que contrata o trabalhador, a empresa tem de fornecer meios de segurança, o trabalho dos entregadores deve ser incluído nos serviços insalubres e perigosos, e o setor dos entregadores de todos os tipos deve ser considerado unitário. A concentração será às 10h, no Campo de Marte, Atenas. Read the rest of this entry »

O texto abaixo pertence à “Iniciativa da classe de trabalhadores do setor do comércio” de Tessalônica, é um apelo à criação de uma assembleia de base entre os trabalhadores deste setor na cidade.

Que tem em comum um figura que vende flores, de um figura que vende equipamento eletrônico, de uma figura que vende sapatos, de um figura que está numa caixa numa loja e uma figura que trabalha num supermercado recolhendo os produtos vendidos? Empacotam, voltam a empacotar, recolhem, limpam e vendem produtos, muitos dos quais são inúteis. E são obreiros no setor do comércio. São figuras como estas, que partilham este folheto.

Notamos algo simples: Ou falamos de nós mesmos, dos nossos problemas e das nossas necessidades, ou se entregamos às mãos dos patrões e chefes sindicais, que há muito tempo venderam os interesses obreiros. Encontramo-nos, falamos e percebemos de que como trabalhadores e trabalhadoras partilhamos muitas coisas e muitas outras que nos separam dos nossos patrões, e também sabemos que partilhamos muitas coisas contigo que estás lendo este texto. O nosso propósito é que mais trabalhadores do setor do comércio em Tessalônica se ponham em contato para falarmos dos nossos problemas. Organizarmo-nos sobre a base da nossa posição de classe e através de processos de base, sem “especialistas” e “líderes”, para defender a nossa causa contra à dos patrões: Explorando-nos c ada vez mais, cada vez mais barato. Isto não vai desaparecer somente reclamando, mas sim lutando e apoiando-nos mutuamente. Read the rest of this entry »

O texto a seguir é uma denúncia feita por uma iniciativa de trabalhadores na exposição de arte contemporânea Documenta 14. Ele foi publicado há poucos dias na página web attack.org.gr com uma nota de petição dos trabalhadores para divulgar o texto mais amplamente possível.

A exposição Documenta celebra-se a cada 5 anos desde 1955 em Kassel, Alemanha, e é um marco na história da arte contemporânea. Este ano Adam Szymczyk, diretor artístico da exposição, tomou a decisão de transferir a exposição por três meses de Kassel a Atenas, talvez para que a exposição aprenda algo da situação econômica e social da Grécia. Segundo parece, não fez falta muito tempo para aprender, e também para imitar totalmente os piores patrões locais.

Documenta alega que a decisão de transferir-se a Atenas deve-se, entre outros motivos, com o fato de estar interessada em aprender com a situação do nosso país e dos resultados das políticas neoliberais impostas à Grécia pela Europa. Neste contexto, anda dizendo que reconhece que os trabalhadores gregos vivem em condições de indigência, e que se solidariza com o povo grego. Mas isto é certo?

A exposição abriu as portas ao público no dia 8 de abril de 2017 e já muitos meios de desinformação e artistas estão dizendo que é o evento artístico mais importante na Europa, e falam do significado do que está acontecendo em Atenas. Read the rest of this entry »

Re-editamos o comunicado da União Sindical Libertária de Atenas sobre a luta dos trabalhadores do jornal AGR-Clarín (Argentina).

A União Sindical Libertária de Atenas saúda a luta dos trabalhadores da gráfica do jornal AGR-Clarín da Argentina, que está há muito tempo lutando (com ocupação de seu local de trabalho), pedindo a revogação das despedidas ocorridas.

Denunciamos a estratégia reacionária da patronal que imprime a revista dominical no Chile para esmagar a luta obreira. A comissão interna dos trabalhadores da AGR-Clarín enviou uma carta para as centrais sindicais do Chile e aos sindicatos dos gráficos e caminhoneiros deste país pedindo solidariedade e que não imprimam ou transportem nada para este jornal.

A luta dos trabalhadores gráficos do Clarín é parte da luta geral de todo o movimento trabalhador argentino contra as medida de ajuste econômico do governo Macri e dos ataques do empresariado argentino aos direitos dos trabalhadores. O próprio governo Macri ataca as conquistas obreiras e pretende retirar direitos e liberdades conquistadas com lutas. Uma amostra a mais da agressividade do governo está na intenção de oprimir e dissolver o hotel autogerido Bauen, de Buenos Aires. Read the rest of this entry »

Segue um breve texto informativo da União Sindical Libertária de Emacia (norte da Grécia) sobre uma concentração realizada faz uns dias do lado de fora da cafeteria Mikel em Berea, assim como o texto do folheto que se distribuiu durante a concentração.

Na quinta-feira 23 de março de 2017 realizamos uma intervenção do lado de fora da cafeteria Mikel no centro de Berea, por causa da morte do jovem de 22 anos que trabalhava nesta empresa. A morte aconteceu faz umas duas semanas enquanto o trabalhador estava trabalhando. Foram jogados folhetos, e distribuíram centenas de folhetos a clientes e transeuntes, e claro aos trabalhadores e as trabalhadoras que naquele momento se encontravam na cafeteria.

Segue o texto que se distribuiu:

Contra o terrorismo dos patrões. A fazer de novo o sindicalismo perigoso para os patrões

Uma vez mais as condições laborais miseráveis que prevalecem em todos os lugares de trabalho, e concretamente no setor dos entregadores, conduziram à morte do entregador de 22 anos que trabalhava na loja da cadeia de cafeterias Mikel, localizada no bairro de Colono, Atenas. O entregador foi lesionado gravemente enquanto estava trabalhando na quinta-feira 2 de março, e depois de estar muitos dias hospitalizado faleceu em 10 de março. Read the rest of this entry »

Arquivo