A seguir, a sexta parte de uma série de artigos temáticos sobre a diacronia do fascismo no território do Estado grego. O artigo original, intitulado “Falemos sobre o fascismo moderno” e subtitulado “atualizando nossa análise e organizando a guerra contra suas raízes e não apenas contra os fascistas declarados”, foi publicado no site da coletividade anarquista Volos Manifesto. Todas as partes podem ser lidas aqui.

Nacionalismo “patriotismo” esquerdista na época dos memorandos

“Voltemos a 2012, durante a celebração de um evento sobre o “auge do fascismo”, muitos desses que participaram do evento ficaram surpresos com esse fenômeno. Nesse caso, foi comentado, entre outras coisas, que a Esquerda não pode deixar a nação nas mãos dos fascistas e da extrema-direta, e que a nação é outro ponto de luta, no qual os esquerdistas devem intervir e conferir um significado diferente ou popular. O mencionado acima reflete uma concepção política que prevalece em algumas partes da Esquerda, totalmente incorporadas ao Estado de várias maneiras por muitas décadas. É uma concepção patriótica e nacionalista, uma de cujas procedências são as suas conexões históricas com as instituições burguesas. De outra forma a nação poderia ser concebida, se não como algo que deveria ser reivindicado pelos fascistas e pelos extremistas de direita?”.

“Ódio de Classe”, provo.gr9 de fevereiro de 2015, “Patriotismo Esquerdista: Tragédia ou Farsa?” Read the rest of this entry »

Abaixo se pode ler a quinta parte de uma série de artigos temáticos sobre a diacronia do fascismo no território do Estado grego. O artigo original, intitulado “Falemos sobre o fascismo moderno” e subtitulado “atualizando nossa análise e organizando a guerra contra suas raízes e não apenas contra os fascistas declarados”, foi publicado no site da coletividade anarquista de Volos Manifesto. Todas as partes podem ser lidas aqui.

Esquerda e nacionalismo-“patriotismo”: a história se repete como tragédia

“De todos os instrumentos disponíveis para a orquestra fascista, aquele que produz os sons mais atraentes, sem dúvida, é o nacionalismo. E é um daqueles que devem ser menos usado ​​pela esquerda, cuja Internacional expressa em todas as línguas do mundo o ideal da fraternidade mundial. No entanto, a esquerda pensou que, dessa forma, iria reclamar o fascismo dos “patriotas”, e de repente colocou a palavra “nação” em seu vocabulário… Na França vimos várias vezes os neo-socialistas incorporar a “nação” em seu credo, ao mesmo tempo que nossos camaradas comunistas não deixaram de gritar pelo “amor pelo nosso país”. No entanto, a maioria dos “patriotas”, irritados por sua histeria chauvinista, mas sempre desconfiando da Esquerda, consideravam que o fascismo era mais adequado do que ela para encarnar a “ideia nacional”. Muitos deles, sob o comando de Maurras (líder e teórico do hiper-conservadorismo francês e defensor da monarquia), foram finalmente levados aos braços do general (Petén)”.

Daniel Guerín, 1955: “Quando substituímos o fascismo” Read the rest of this entry »

A seguir, comunicado da assembleia do teatro autogestionado Empros sobre o rechaço ao ataque nazi que recebeu durante a celebração da manifestação nacionalista de 4 de fevereiro no centro de Atenas.

Comunicado do teatro Empros sobre o ataque recebido pelos nazis no domingo 4 de fevereiro de 2018

Durante a manifestação nacionalista de 4 de fevereiro de 2018 em Atenas, por volta das 17h00 uns companheiros que estavam no centro nos informaram de que um grupo numeroso de nazis (mais de oitenta pessoas) havia se formado no centro de Atenas e marchou de maneira organizada e sem ser impedido até Monastiraki. Uns minutos mais tarde este grupo se dirigiu e atacou o teatro auto-organizado livre Empros.

Aquele dia o teatro Empros, tendo completado a exposição de fotos e de pintura “Utopia” com a participação de oitenta artistas e da “Oficina de Expressão Livre”, permaneceu todo o dia aberto às muitas pessoas que o visitaram, brindando por sua vez, com a ajuda do serviço de comida “Outro homem”, comida a muitas pessoas do bairro. Desta maneira demos nossa resposta ao turbilhão de fascistização destes dias. Devemos defender com todas as nossas forças os lugares sociais nos quais cabem todos os mundos. Devemos lutar por um mundo no qual não tenha lugar a letargia massiva, o racismo e a atrocidade fascista. Read the rest of this entry »

Texto da okupa Terra Incognita, publicado em sua página web. Na faixa da foto, estendida no edifício da okupa, diz “Solidariedade com a okupa Termita. Tudo continua”.

Nas primeiras horas da madrugada da quinta-feira, 4 de janeiro de 2018, fortes forças policiais irrompem no recinto da okupa Termita em Volos e a desalojam, procedendo a quatro detenções. Justo depois do desalojo, os policiais, mediante uma empresa construtora, iniciam a demolição dos edifícios ocupados. Os okupas detidos foram deixados em liberdade. Seu julgamento será realizado em 11 de maio de 2018

A dar vida às casas vazias até dar alento a nossas vidas vazias. 

As okupas não são paredes mortas. São lutas viventes. São relações de vida e solidariedade. São nossos momentos de resistência em um entorno de canibalismo intensificado. São os gritos de liberdade dentro do silêncio da reclusão social. São o passado, o presente e o futuro da luta pela liberação social. Por isso, sempre foram os primeiros lugares a receber a repressão, independentemente de quem tenha o Poder.

Nenhuma ação repressiva contra as okupas será deixada sem resposta. Nenhum companheiro e nenhuma companheira estarão sós nas mãos da repressão.

Tradução: Agência de Notícias Anarquistas.

O texto em grego, castelhano.

A seguir, texto dos organizadores da manifestação contra as narcomáfias.

No bairro de Exarchia, as narcomáfias, com o apoio da Polícia, estão tentando transformar esta área em um lugar de compra e venda de drogas, e de impor no bairro e nas ruas a “lei dos poderosos” e do medo .

Durante os últimos anos, e enquanto existe uma luta para arruinar essas máfias, eles passaram a cometer muitas agressões, nas quais várias pessoas foram espancadas e feridas, bem como pessoas comuns receberam ameaças com armas, moradores e lutadores, nas ruas em torno do local de venda de drogas que montaram nas ruas Messologgiou e Manis, a poucos metros do local onde foi morto por policiais Alexandros Grigoropoulos, colocando em ponto de mira os anarquistas, os okupas e em geral os lutadores, a fim de consolidar sua dominação no bairro.

Contra as máfias das drogas, a repressão estatal e o canibalismo social, a população da luta deve defender o bairro de Exarchia da resistência, da solidariedade e da liberdade, e sair vitoriosa.

Concentração e marcha, sábado 10 de fevereiro de 2018, às 18 horas, bairro de Exarchia, esquina das ruas Messologgiou e Manis.

Coletivos anarquistas, companheiros e companheiras, lutadores de projetos sociais e de classe

Tradução: Agência de Notícias Anarquistas.

O texto em grego, castelhano.

Segue a quarta parte de uma série de artigos temáticos sobre a diacronia do fascismo no território do Estado grego. O artigo original, intitulado “Falemos sobre o fascismo moderno” e subtitulado “atualizando nossa análise e organizando a guerra contra suas raízes e não apenas contra os fascistas declarados”, foi publicado no site da coletividade anarquista de Volos Manifesto. Todas as partes podem ser lidas aqui.

O bloco do capitalismo estatal se dissolve, o nacionalismo no território do Estado grego está ressurgindo

“Na verdade, a presunção, a arrogância e o egoísmo são a essência do patriotismo. Deixe-me provar isso. O patriotismo pressupõe que nosso globo é dividido em pequenas parcelas, cada uma cercada por uma cerca de ferro. Aqueles que tiveram a sorte de nascer em um lado particular, consideram-se melhores, mais nobres, maiores, mais inteligentes que os seres que habitam qualquer outro lado. Portanto, é dever de cada um dos que vivem nesta trama lutar, matar e morrer na tentativa de impor sua superioridade diante dos outros. Os habitantes dos outros lados pensam da mesma maneira, obviamente, com o resultado de que, desde a primeira infância, as mentes das crianças são envenenadas com histórias assustadoras sobre os alemães, os franceses, os italianos, os russos, etc. Quando a criança atingiu a puberdade, ela está completamente saturada pela crença de que foi escolhida pelo Senhor para defender seu país contra o ataque ou a invasão de qualquer estrangeiro. Por esta razão, clamam pelo maior exército e armada, mais navios de guerra e munições “.

Emma Goldman, 1911: “Patriotismo: uma ameaça à liberdade” Read the rest of this entry »

A seguir, comunicado emitido pelo grupo de anarquistas que realizou faz uns dias um ataque aos escritórios de uma tabeliã que realizava leilões imobiliários extrajudiciais.

Na quinta-feira 18 de janeiro de 2018 atacamos os escritórios da tabeliã Barbara Sgura, na rua Kapodistriou, 18, no bairro de Exarchia, quebrando a porta e destruindo o equipamento material-técnico (computadores, impressoras, etc.) encontrado no interior dos escritórios. Dita tabeliã colabora com um banco e participa em leilões imobiliários eletrônicos.

Optamos por colocar no ponto de mira os tabeliões que colaboram com os bancos ou com o Estado, os quais por sua vez entraram no “campo” dos leilões imobiliários, já que na realidade é um dos órgãos executivos que contribui para a aplicação de uma das medidas mais duras.

Nos opomos aos leilões imobiliários, verificando a extensão que possa ter dita medida, afetando a nossa necessidade de ter uma moradia. Estamos convencidos de que esta medida concerne principalmente a nós, já que, apesar que se realizaram, impedido ou se trataram de realizar poucos leilões imobiliários, quando o Estado e os bancos “tenham acabado” com os “devedores acomodados”, se terá aplainado o caminho para a ofensiva contra nós. Ao mesmo tempo, o governo joga seu jogo comunicativo, sustentando que só leiloam imóveis de “grandes devedores”. Read the rest of this entry »

Cartaz da okupa Yfanet, chamando para um concerto solidário com as okupas em Tessalônica. O concerto será realizado nesta okupa na sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018, alguns dias após o incêndio criminoso que deixou destruído o prédio da okupa Libertatia, no centro da mesma cidade.

As okupas somos nós e enquanto existirmos, elas também existirão

Nós, que buscamos o movimento coletivo dentro de um mundo de rotas individuais

Nós, que queremos destruir as discriminações e construir relações em que as coisas são compartilhadas, e comunidades de luta

Nós, que respiramos os momentos em que não estamos sozinhos

Nós, que não cabemos em feriados nacionais

Nós, que sentimos que só na rua podemos romper com o medo

Nós, que nas okupas vemos um mundo que não se conforma com o presente

Okupa Yfanet, esquina das ruas Omirou e Perdika, bairro de Kato Toumpa, Tessalônica

O texto em grego, castelhano.

A seguir, comunicado do grupo anarquista que realizou três ataques a supermercados da cadeia Market In em Atenas, em solidariedade com os trabalhadores deste grupo de empresas em Ioánnina, que estão há muitos meses sem receber o dinheiro de seus salários.

Como todos sabemos, durante os últimos tempos em Ioánnina há um clima de terrorismo. Nos referimos, claro, aos fatos associados com a cadeia de supermercados Market In, a qual comprou alguns dos supermercados da cadeia Karypidis (ex Arvanitidis).

Os trabalhadores em ditas lojas estão há mais de 25 meses sem receber e estão em estado de cativeiro, pois não estão certos de que vão manter seus postos de trabalho, nem de que vão receber seus salários. Um exemplo ilustrativo da situação em que estão os trabalhadores é o suicídio de uma trabalhadora de 42 anos em um supermercado desta cadeia na cidade de Giannitsá em 11 de julho de 2017. A trabalhadora estava há 15 meses sem receber e deu fim a sua vida, não aguentando mais esta situação. Read the rest of this entry »

Os seus planos realizaram-se. Agora resta cumprir com as nossas promessas…

Ninguém de nós foi apanhado desprevenido na quinta-feira (04/01/2018) pela manhã. As figuras repressivas que cercaram a nossa casa, vestidas com seus uniformes, cumprindo o seu dever na madrugada da mísera festa de Natal, não nos surpreendeu. A metodização do despejo da okupa Termita é uma história que não é nova e nos deu espaço para agudizar as nossas resistências e desejos.

Já falamos sobre o lobo disfarçado de ovelha há muito tempo. Com certeza que o processo que a Universidade de Tessália S.A pôs contra nós, sendo o seu executor as forças policiais de Tessália, e a operação de despejo-demolição dos edifícios da okupa, são uma prova mais da nossa opinião sobre a Universidade. O processo e a demolição dos edifícios, na nossa presença e na presença de outras pessoas solidárias que se encontravam próximas dos edifícios, esclareceram o papel que joga cada um. Com os policiais armados até os dentes e segurando as suas armas, na quinta-feira às 7h04 o despejo foi realizado como um “processo tranquilo” (com gruas, furgões, jornalistas e um helicóptero) que confirmou o papel da Polícia grega, da imprensa local, dos servos de todo o tipo, dos patrões e dos “superiores” deste mundo. Não sentindo remorsos pelas suas ações, procederam à demolição direta dos edifícios, oferecendo imagens de destruição a seus olhares de macho, agressivos, esfomeados de lucro. Read the rest of this entry »

Arquivo