Cartaz e comunicado do coletivo anarquista de Tessalônica “Negro e Vermelho”, publicados em sua página web.

O texto do cartaz:

“A humanidade deixou-se bastante tempo, muito tempo, governar e que a fonte dessas infelicidades não reside em tal ou qual forma de governo, mas no princípio e no próprio fato, qualquer que seja, do governo”.

Mikail Bakunin

Nenhum governo quer ou pode defender os interesses dos plebeus. Lutas sociais combativas, sem líderes, contra as planificações do Estado e do Capital.

Marcha de solidariedade e apoio à luta dos trabalhadores de Viomijanikí Metaleftikí, quinta-feira 11 de maio de 2017, às 18h, em Kamara.

Greve contra a votação do quarto memorando, o dia da greve geral, quarta-feira 17 de maio de2017, às 10h, em Kamara.

Coletividade pelo anarquismo social “Negro e Vermelho”, membro da Organização Política Anarquista/Federação de Coletividades

O texto do comunicado:

A votação que aprovou o quarto memorando intensifica a barbárie estatal e capitalista que os oprimidos estão sofrendo. A partir desta acepção notamos que a coalizão governamental, estando em plena concordância com sua trajetória e não surpreendendo a ninguém, reforça o aprofundamento da crise, cujas consequências afetam uma vez mais as classes sociais mais baixas, tornando insuportável seu cotidiano. Claro, esta ofensiva tem tantas interpretações e facetas como as pretensões dos soberanos. Read the rest of this entry »

A seguir, a programação da 4ª Feira do Livro Anarquista de Patras, como foi publicada no site da Feira.

Quinta-feira, 25 de maio

18h: Apresentação do livro “O mito bolchevique”, de Alexandre Berkman, edições Panoptikon.

20h: Evento-debate realizado por ocasião da publicação do livro “Anarquistas israelenses. A mobilização no confronto entre palestinos e israelenses”, edições Opportuna, com a presença do autor do livro e membro do grupo “Anarquistas Contra o Muro”, Uri Gordon.

22h: Noite de música, bar de apoio financeiro da Feira com canções de luta.

Sexta-feira, 26 de maio

18h: Apresentação do livro “Uma proposta libertária. História, evolução e prática”, por edições Stasei Ekpiptontes.

20h: Apresentação do livro “Antologia da revolução espanhola. Espanha vermelha e negra”, por edições Kaina Daimonia.

22h: Noite de música com canções rebetika, para o apoio financeiro da Feira. Read the rest of this entry »

A seguir, o texto do cartaz publicado no site do grupo anarquista de Patras Dissinios Ippos, chamando para uma concentração e marcha nesta cidade em 17 de maio, por ocasião da convocatória de um dia de greve geral pelos sindicatos amarelos.

Contra a barbárie estatal e capitalista

A ofensiva em todas as frentes iniciada pelo Estado e a patronal, bem como a constante imposição de novas condições penosas de exploração e opressão, refletem o processo de reestruturação violento do modo de organização da sociedade estatal e capitalista. A gestão política atual, estando em pleno acordo com as reivindicações do Capital local e internacional, com a política da União Europeia e dos governos anteriores, está implementando uma nova rodada de saques da sociedade, com condições ainda mais duras e penosas do que as últimas, uma vez que as medidas acordadas com o “fechamento de avaliação” são medidas de um novo memorando que vêm para destruir os escombros deixados pelos três memorandos anteriores.

Organização e luta pela revolução social, a anarquia e o comunismo libertário

Do nosso lado, o lado dos desempregados, dos trabalhadores, dos pobres, dos plebeus, queremos dizer que a história das lutas sociais e de classe nos mostra que os proletários não podem esperar nada das instituições, dos parlamentos, das eleições, dos líderes sindicais burocratas, dos comerciantes de esperanças e dos mediadores das lutas de classe. Qualquer vitória conquistada por eles será o resultado de suas lutas radicais e combativas, organizadas na base da sociedade. Read the rest of this entry »

O cartaz da União Sindical Libertária, que reproduzimos aqui foi publicado por causa da convocatória de uma greve de um dia pelos sindicatos amarelos, na quarta-feira 17 de maio de 2017.

Reduções das pensões, redução do mínimo isento de impostos, redução do subsídio por desemprego, trinta domingos laborais por ano, “liberalização” das demissões, falta de convênios coletivos:

Quando ouvimos falar de governos “lutando” contra os maus, de chefes sindicais “interessados” em nós, de partidos tratando de “salvar-nos” das novas medidas contra os trabalhadores, e quando vemos os patrões sorridentes…

Sabemos que chegou o tempo de organizar-nos, de lutar contra as medidas, de lutar por mais conquistas trabalhistas, de convocar greves, de sair às ruas como classe obreira e de enfrentarmos nossos opressores.

União Sindical Libertária de Atenas, Emacia, Tessalônica, Ioánnina, Réthimno

O texto em grego, castelhano.

O texto abaixo pertence à “Iniciativa da classe de trabalhadores do setor do comércio” de Tessalônica, é um apelo à criação de uma assembleia de base entre os trabalhadores deste setor na cidade.

Que tem em comum um figura que vende flores, de um figura que vende equipamento eletrônico, de uma figura que vende sapatos, de um figura que está numa caixa numa loja e uma figura que trabalha num supermercado recolhendo os produtos vendidos? Empacotam, voltam a empacotar, recolhem, limpam e vendem produtos, muitos dos quais são inúteis. E são obreiros no setor do comércio. São figuras como estas, que partilham este folheto.

Notamos algo simples: Ou falamos de nós mesmos, dos nossos problemas e das nossas necessidades, ou se entregamos às mãos dos patrões e chefes sindicais, que há muito tempo venderam os interesses obreiros. Encontramo-nos, falamos e percebemos de que como trabalhadores e trabalhadoras partilhamos muitas coisas e muitas outras que nos separam dos nossos patrões, e também sabemos que partilhamos muitas coisas contigo que estás lendo este texto. O nosso propósito é que mais trabalhadores do setor do comércio em Tessalônica se ponham em contato para falarmos dos nossos problemas. Organizarmo-nos sobre a base da nossa posição de classe e através de processos de base, sem “especialistas” e “líderes”, para defender a nossa causa contra à dos patrões: Explorando-nos c ada vez mais, cada vez mais barato. Isto não vai desaparecer somente reclamando, mas sim lutando e apoiando-nos mutuamente. Read the rest of this entry »

A seguir, texto informativo do grupo anarquista Dissinios Ippos (Cavalo Indomável), publicado na sua página web.

Na sexta 28 e sábado 29 de abril de 2017 realizaram-se em Patras os eventos de dois dias pela anarquia e o comunismo libertário.

O nosso propósito é criar com a organização destes eventos mais um terreno para pôr em destaque a riqueza das ideias e práticas anarquistas, assim como as propostas, as posições e as lutas dos anarquistas por uma série de questões que regem a realidade política e social da nossa época.

Ao mesmo tempo, criamos por dois dias um ponto de referência fixo para a realização de uma intervenção anarquista no centro da cidade. Optamos por proporcionar a nossa cultura, a cultura libertária, contra a da Soberania. É uma cultura que se opõe a todas as lógicas autoritárias. A cultura libertária significa solidariedade, companheirismo, falta de especialistas, coletivização e auto-organização da expressão.

No primeiro dia realizou-se um evento-debate intitulado: “A destruição e o saque da natureza e da sociedade pelo Estado e o Capital. A concentração e mercantilização dos recursos aquáticos”. Foi um evento sobre a destruição e a pilhagem da natureza e da sociedade por parte do Estado e do Capital, e da tentativa de controlar a água, como elemento indispensável para a evolução da vida e consequentemente das sociedades humanas. Realizaram-se introduções pelo grupo anarquista de Corfú Cumulonimbus, sobre a intenção de privatizar indiretamente a água na cidade (de Corfú) e sobre o valor da água como um bem social em geral, pelo grupo anarquista Dissinios Ippos sobre a barragem Peiros-Parapeiros, e sobre as consequências que terá a sua construção para os ecossistemas fluviais e para as sociedades locais, assim como as obras de construção e os métodos utilizados pela empresa gestora (da barragem). Por último, companheiros de Atenas da Iniciativa da luta pela terra e a liberdade falaram sobre o caso das barragens e dos desvio do rio Aqueloo. A luta pela defesa do rio e das sociedades locais encontra-se num ponto crucial após as últimas declarações (do governo) e das pressões para que dê início o funcionamento da barragem hidroelétrica de Mesojora. Por isto, realizou-se um informe sobre a mobilização que se realizará na barragem, em Mesojora de Tríkala, em 4 de junho de 2017. Read the rest of this entry »

Cartaz publicado no site do coletivo anarquista Vogliamo tutto e per tutti.

Depois de mais uma “negociação difícil” entre o Estado grego e os credores, nós somos os únicos que devemos procurar medidas adequadas…

Reduções nas pensões e nos salários: Reivindicação, resistência, solidariedade de classe.

Bilhete eletrônico, confiscos, despejos: Nenhuma casa nas mãos do Estado e do Capital, ocupação de casas vazias, auto-organização social.

Aumentos de preços, contas e impostos: Recusa a pagar, expropriações, gestão coletiva da vida cotidiana.

Contra a distopia do desenvolvimento capitalista e do superavit de 3,5%, contra a desilusão, a passividade, a opressão e a miséria: Organização e luta contra o Estado e o Capital, pela emancipação social e de classe, por um mundo de igualdade, justiça e liberdade. Se não lutarmos hoje pelo impossível, amanhã…

Coletivo anarquista Vogliamo tutto e per tutti

Tradução: Agência de Notícias Anarquistas.

O texto em grego, castelhano.

O texto a seguir é uma denúncia feita por uma iniciativa de trabalhadores na exposição de arte contemporânea Documenta 14. Ele foi publicado há poucos dias na página web attack.org.gr com uma nota de petição dos trabalhadores para divulgar o texto mais amplamente possível.

A exposição Documenta celebra-se a cada 5 anos desde 1955 em Kassel, Alemanha, e é um marco na história da arte contemporânea. Este ano Adam Szymczyk, diretor artístico da exposição, tomou a decisão de transferir a exposição por três meses de Kassel a Atenas, talvez para que a exposição aprenda algo da situação econômica e social da Grécia. Segundo parece, não fez falta muito tempo para aprender, e também para imitar totalmente os piores patrões locais.

Documenta alega que a decisão de transferir-se a Atenas deve-se, entre outros motivos, com o fato de estar interessada em aprender com a situação do nosso país e dos resultados das políticas neoliberais impostas à Grécia pela Europa. Neste contexto, anda dizendo que reconhece que os trabalhadores gregos vivem em condições de indigência, e que se solidariza com o povo grego. Mas isto é certo?

A exposição abriu as portas ao público no dia 8 de abril de 2017 e já muitos meios de desinformação e artistas estão dizendo que é o evento artístico mais importante na Europa, e falam do significado do que está acontecendo em Atenas. Read the rest of this entry »

A seguir, texto informativo da Organização de Antifascismo Combativo sobre a manifestação antifascista de 26 de abril no centro de Pireu, em razão da qual foi dissolvida uma concentração neonazi.

Na quarta-feira 26 de abril de 2017 a organização criminosa Aurora Dourada realizou mais uma tentativa lamentável de reaparecer nos bairros de Pireu. A concentração bateu o recorde da participação, com treze pessoas. A concentração fascista começaria às 15h30 (o chamado foi publicado 24 horas antes da concentração). Os fascistas apareceram na praça Koraí e permaneceram alguns minutos e fugiram às 13h quando chegaram os manifestantes antifascistas.

Uma vez mais o movimento antifascista mostrou reflexos incríveis, anulando uma tentativa mais de concentração pública dos neonazis. Ao mesmo tempo, no entanto, se revelou a total incapacidade organizativa da cúpula do Aurora Dorada, já que o “bastião” do Pireu conseguiu reunir uma dezena de imbecilizados.

Vale a pena assinalar que a concentração do Aurora Dorada havia sido convocada com o pretexto da participação do município de Pireu no projeto europeu “CITIGE: CITIzen and refuGEes”. Claro, o município participará neste projeto, no entanto, Aurora Dorada teve que inventar uma desculpa sobre um centro de internamento inexistente para desaparecer o quanto antes do centro de Pireu. Read the rest of this entry »

O texto a seguir é o editorial do Atenas Indymedia, publicado nesta página web por causa do aniversário da greve e revolta do 1º de Maio de 1886 em Chicago. Ainda que possam surgir dúvidas sobre a possibilidade (probabilidade) de realização da proposta do título, o publicamos por ser seus aspectos e resultados, e por sua linguagem, em certo grau diferente dos lemas que se escutam ou se leem nas vésperas de mobilizações como a do 1º de Maio.

131 anos depois das reivindicações obreiras em Chicago e o assassinato de oito lutadores anarquistas, desgraçadamente ainda estamos obrigados a lutar pelo óbvio: Pela liberdade, a igualdade, a dignidade e a prosperidade de todos. Ainda somos obrigados a lutar contra a injustiça, contra a exploração do homem pelo homem, contra nossa marginalização, contra nossa transformação em seres dóceis, inseguros e recicláveis, que não tem direito de falar e de decidir sobre seu presente e seu futuro.

Como se não houvesse passado um minuto desde aquela época. Como se a ciência não tivesse conseguido aliviar – se não eliminar – a dor humana. Como se os valores do velho mundo (que foram sobrepostos pelo lucro a todo custo) não se tenham desvanecido, sendo incapazes de ir ao encontro das necessidades dos humanos de todo o mundo de ter umas condições de vida decentes, e a possibilidade de poder expressar-se de uma maneira criativa, garantindo que o fruto do esforço pessoal e coletivo será devolvido e disponibilizado a toda a sociedade, sem discriminações falsas, sem exclusões violentas ou encobertas. Read the rest of this entry »

Arquivo